Colunas


Coluna Fato&Comentário

Por Edison d'Ávila -

Adão e o alfaiate


Uma das profissões necessárias nos tempos antigos era a de alfaiate. Não se vendiam  roupas prontas a vestir ou confecções. Todas deviam ser feitas à mão por alfaiates, roupas masculinas, e costureiras, roupas femininas. Embora existissem costureiras especializadas em roupas masculinas também.

Os alfaiates em Itajaí já existiam, desde quando aqui era apenas uma pequena freguesia habitada por marujos, pescadores e poucos comerciantes. Pois esses homens  já demandavam por serviços de alfaiate. 

Conta Antônio da Costa Flôres, em suas “Reminiscências” que, ao chegar a Itajaí, em torno de 1843, encontrara o alfaiate de nome Francisco Antônio, que aproveitava o tempo livre para ensinar as primeiras letras a meia dúzia de crianças. Fica, portanto, Francisco Antônio sendo o primeiro alfaiate de que se tem registro histórico. Na segunda metade desse século outros chegaram, dentre os quais o suíço Jacob Heusi, como alfaiate e comerciante.

Juventino Linhares, no seu valioso livro “O que a memória guardou”, registra os nomes dos alfaiates da cidade no começo do século XX. Eram eles em número de cinco: Max Schnaider; Alcides Coelho; Manoel Pedro de Alcântara, o Manoel Grande; Júlio Kumm; Manoel Nicolau Werner, o Maneca Werner. Pela alfaiataria de Maneca Werner, passaram, como oficiais ou aprendizes, quase todos aqueles alfaiates da cidade estabelecidos na segunda metade do século passado: Jason Santos, Luiz Gazaniga, Victor Zaguini, João Silva, Bráulio Heusi, Abílio Silva, Cazuca.

Isidório Olinger, Hermenegildo Teixeira, Eugênio Schoenau, Glicério Braz, que vieram de fora para cá, são ainda lembrados por Juventino Linhares.

Outro que se estabeleceu na cidade na segunda metade do século passado foi Alcides Manoel da Silva, o PEQUININHO,  alfaiate que viera de Florianópolis depois de uma estadia em Rio do Sul. Esse apelido ele tinha recebido dos amigos, quando guri, por conta de sua estatura alta. Pequininho chegara casado com dona Nilsa Barreto Silva e filhos, dentre os quais o conhecido advogado Dr. Ronaldo Silva. Ele abriu sua alfaiataria na Praça Vidal Ramos, no atual edifício Olympio. Logo se tornou conhecido na cidade e muito afreguesado em razão da  competência profissional e do caráter expansivo e muito sociável.

Também por essa época difundira-se bastante o marketing de estabelecimentos do comércio em jornais e na rádio. Principalmente a propaganda falada estava muito em voga; vivia-se a era de ouro do rádio. Foi, então, que nosso alfaiate resolveu também fazer propaganda de sua alfaiataria e, para tanto,   criou um slogan comercial que se popularizou na cidade, dado à inusitada e jocosa frase de merchandising que a rádio passou a divulgar:

“ADÃO NÃO SE VESTIA, PORQUE PEQUININHO NÃO EXISTIA”


Comentários:

Deixe um comentário:

Somente usuários cadastrados podem postar comentários.

Para fazer seu cadastro, clique aqui.

Se você já é cadastrado, faça login para comentar.

Leia mais

Coluna Fato&Comentário

Coleção bicentenário: a construção da Matriz

Coluna Fato&Comentário

Jesus dos Passos: 100 anos nas ruas de Itajaí

Coluna Fato&Comentário

Itajaí: 200 anos da cidade e de cristianismo

Coluna Fato&Comentário

O Porto é nosso?

Coluna Fato&Comentário

2024 - Auspicioso ano do Bicentenário

Coluna Fato&Comentário

Abonada e insensível

Coluna Fato&Comentário

Uma santa passou por Itajaí

Coluna Fato&Comentário

O Português de a dama

Coluna Fato&Comentário

Pasquins: livre expressão do povo

Coluna Fato&Comentário

Enchentes: lições da história

Coluna Fato&Comentário

O ambientalista global em Itajaí e o grande susto

Coluna Fato&Comentário

“Montecchios”e “Capuletos” também em Itajaí

Coluna Fato&Comentário

Professor e historiador Moacir Costa

Coluna Fato&Comentário

Carijós, Peabiru e a foz do Itajaí

Coluna Fato&Comentário

Itajaí: berço da indústria náutica

Coluna Fato&Comentário

Nóbrega Fontes, em duas comemorações

Coluna Fato&Comentário

Monsenhor Vendelino em Itajaí e sua época

Coluna Fato&Comentário

Trânsito público na Vila de Itajaí: normas de 1868

Coluna Fato&Comentário

Patrimônios em restauro: casas Bauer, Burghardt, Konder

Coluna Fato&Comentário

“Obras de Santa Engrácia”em Itajaí



Blogs

Blog da Ale Francoise

Lanchinho do bem!

A bordo do esporte

Lola Cars na Fórmula E

Blog do JC

Dois pesos

Blog da Jackie

Os Fort’s e os Koch’s

Blog do Ton

Amitti Móveis inaugura loja em Balneário Camboriú

Gente & Notícia

Warung reabre famoso pistão, destruído por incêndio, com Vintage Culture em março

Blog Doutor Multas

Como parcelar o IPVA de forma rápida e segura

Blog Clique Diário

Pirâmides Sagradas - Grão Pará SC I

Bastidores

Grupo Risco circula repertório pelo interior do Estado



Entrevistão

Carlos Chiodini

"Independentemente de governo, de ideologia política, nós temos que colocar o porto para funcionar”

Osmar Teixeira

"A gestão está paralisada. O cenário de Itajaí é grave. Desde a paralisação do Porto até a folha sulfite que falta na unidade de ensino”

Omar Tomalih

“Balneário Camboriú hoje é o município que está com o maior controle, com o menor número de notificações de casos de dengue”

Robison Coelho

"Nós não estaremos com o MDB aqui em Itajaí”

TV DIARINHO




Especiais

NA ESTRADA COM O DIARINHO

6 lugares imperdíveis para comprinhas, comida boa e diversão em Miami

Elcio Kuhnen

"Camboriú vive uma nova realidade"

140 anos

Cinco curiosidades sobre Camboriú

CAMBORIÚ

R$ 300 milhões vão garantir a criação de sistema de esgoto inédito 

Legado de amor

Dona Maricotinha, aos 95 anos, tem a vida pautada pela família, religião e dedicação ao próximo



Hoje nas bancas


Folheie o jornal aqui ❯








MAILING LIST

Cadastre-se aqui para receber notícias do DIARINHO por e-mail

Jornal Diarinho© 2024 - Todos os direitos reservados.
Mantido por Hoje.App Marketing e Inovação