Colunas


Coluna Exitus na Política

Por Sérgio Saturnino Januário - pesquisa@exituscp.com.br

O poder sem face


Sir Poolcket juntou o lixo espalhado na calçada em frente à sua casa. Os cachorros fugiram, mas deixaram avisos de comportamento. Estava apreensivo porque fora convidado para uma cerimônia de formalidades à noite e necessitava estar preparado. Nos últimos tempos sempre se envolvia com os outros, ainda que desconhecidos, em ambientes controlados. Aqui e ali, quase todos que ficavam em convívio, mesmo que rápido, eram inclementes adorados.

 

Bora virar assinante para ler essa e todas as notícias do portal DIARINHO? Usuários cadastrados têm direito a 10 notícias grátis.


Esqueci minha senha




Se você ainda não é cadastrado, faça seu cadastro agora!


 







 





O Poder é formado por tramas de um tecido que muda de cor ao passar dos tempos. Embora cada ser humano venha a sair da linha do tempo, ainda que possa estar muito mais vivo em lugares distantes, o Poder é uma rede que não pode pertencer a ninguém. As pessoas nascem e se vão, e o Poder permanece imaculado. Sir Poolcket sentia que algo escorria pelas suas mãos. Sentia esses pensamentos lhe atormentar a vida enquanto recolhia o lixo espalhado. O Poder se evaporava com o tempo que afligia seu futuro.

A manhã se foi, a tarde se apressou, e Sir Poolcket estava ansioso e com incertezas a rondar sua respiração e seus músculos da face. Seria a primeira vez que participaria de uma festa e que ficaria à solta no ar, sem controle sobre as atitudes dos outros convidados, sem bajulação, sem o apoio dos adoradores. Os outros da festa estavam no controle. Seriam “grandes personagens” e ficariam seguros porque estavam em seu próprio território, em sua “casa”, e ali tinham o comando.

Sir Poolcket percebia que os “amigos” que até então estavam ao seu lado adoravam o Poder e, por muitas vezes, o suportavam. Enquanto Sir Poolcket estivesse ali a distribuir benefícios, a definir a viagem do dinheiro e a decidir a junção de pessoas-cargos, haveria servilidade, adulação, sabujo. O Poder é um mundo de torpor e alucinação. Seu usuário volta à realidade do dia e fica “limpo” quando o Poder se vai para outras mãos. Sir Poolcket começava a sentir suas fraquezas.

A festa começou e todos estavam animados, felizes e comemorativos. Sir Poolcket chegou e foi levado ao lugar que lhe estava reservado: ao centro e isolado. Sentia-se como uma vespa no formigueiro: um mundo sem amigos para conversar, para refazer sua autoridade a cada minuto, para perguntar para si e responder aos demais. Os que chegaram para cumprimentá-lo, o fizeram sem entusiasmo.

Os amigos de Sir Poolcket eram parte do entorpecimento do Poder. Ainda não havia, em sua vida, experimentado o fato de que seus “amigos” adoravam mais o poder do que a pessoa que o exercia. A solidão da ausência do poder marcava o destino de Sir Poolcket.

A “festa” começara! Todos sorridentes e a trocar olhares como espiões que estavam prestes a encontrar o momento crucial de uma ação secreta: colar o chiclete mascado num vidro para causar a “explosão”. Sir Poolcket começou a expressar seus desconfortos em caretas, abaixar a cabeça por longos momentos e por agitar as pernas de modo descontrolado. Sir Poolcket começou a sentir raiva, e sua ira lembrava aos seus “opositores” seus próprios medos de infância.

Sir Poolcket conseguiu retornar à sua casa com desolação, sentindo o infortúnio do Poder e de como havia gerado confusões e problemas. Sua revolta e tristeza pessoais eram o retrato em cores de seus erros por ser o mais admirador, adorador, por se sentir o mais forte Adonis [herói grego famoso por sua rara beleza] em relação ao Poder. O Poder desvanecia, e Sir Poolcket ressentia-se que nunca estivera preparado para estar ali. Os amigos começaram a fugir de modo desorganizado.

Sir Poolcket era vítima de si mesmo: de sua arrogância, de seu egoísmo, de sua estupidez, de seus medos de infância. Os “amigos” de outrora, por ora, serão “amigos” de outros, em auroras passadas, adversários. Sir Poolcket voltou a colocar o lixo em frente à sua casa! Reencontrou os cachorros, um preto por completo e outro cinza.


Comentários:

Deixe um comentário:

Somente usuários cadastrados podem postar comentários.

Para fazer seu cadastro, clique aqui.

Se você já é cadastrado, faça login para comentar.

Leia mais

Coluna Exitus na Política

Futebol sem bola e sem goleiro

Coluna Exitus na Política

Lágrimas retidas

Coluna Exitus na Política

O divã para voar

Coluna Exitus na Política

A escravidão do pensamento

Coluna Exitus na Política

Imutável res-sentimento

Coluna Exitus na Política

Heróis, tolos e votos

Coluna Exitus na Política

Chagas do voto

Coluna Exitus na Política

A política de “Ícaro”

Coluna Exitus na Política

A cara no espelho

Coluna Exitus na Política

A órbita eleitoral

Coluna Exitus na Política

O gênero da política

Coluna Exitus na Política

O medo e a vulgaridade

Coluna Exitus na Política

Um lugar desconhecido

Coluna Exitus na Política

Uma torneira na cabeceira da cama

Coluna Exitus na Política

O lixo

Coluna Exitus na Política

Agora, o eleitor

Coluna Exitus na Política

A cenoura que não se come

Coluna Exitus na Política

Feito de ossos

Coluna Exitus na Política

Política e totens

Coluna Exitus na Política

Gestão auditável



Blogs

Blog do JC

Quadrangular 71 anos

A bordo do esporte

Volta ao Mundo Globe40 parte para a Argentina

Blog Doutor Multas

Fumar e dirigir dá multa?

Blog do Ton

Festa The Box comemora 5 anos neste fim de semana em Balneário Camboriú

Blog da Ale Francoise

Os poderes da Spirulina!

Blog da Jackie

Spring Party

Blog Clique Diário

Pirâmides Sagradas - Grão Pará SC I

Bastidores

Grupo Risco circula repertório pelo interior do Estado



Entrevistão

Alvim Sandri

"Levei a vida que a minha mãe ensinou: fé em Deus e andar certo

Marcelo Sodré

"A hora que entrar o contrato de arrendamento essa agonia se dissipa. As empresas vêm pra fazer o porto continuar crescendo”

James Winter

“Só vai haver desemprego e demissão em massa se não tiver carga aqui no Porto de Itajaí”

Décio Lima

"Hoje, de R$ 97 bilhões que são arrecadados pelo governo federal em Santa Catarina, apenas R$ 7 bilhões voltam”

TV DIARINHO

Entrevistão com Alvin Sandri



Podcast

Entrevistão com Alvin Sandri

Publicado 03/12/2022 10:10


Especiais

OLHO NA DOSE

Pesquisa de preço mostra onde bebidas quentes são mais baratas

Na Estrada com o DIARINHO

Maravilhas naturais fazem de Bombinhas o Caribe catarinense

Itajaí

Do imóvel popular ao de altíssimo padrão são as apostas da Lotisa

Alto padrão

Procave agrega valor e exclusividade

Itajaí

Mercado da Brava continua em crescimento



Hoje nas bancas


Folheie o jornal aqui ❯








Jornal Diarinho© 2022 - Todos os direitos reservados.
Mantido por Hoje.App Marketing e Inovação