Colunas


Ideal Mente

Por Vanessa Tonnet - Vanessatonnet.psi@gmail.com

CRP SC 19625 | Contato: (47) 99190.6989 | Instagram: @vanessatonnet

Luto coletivo: navegando juntos nas ondas da perda




Nos momentos de tragédia compartilhada, somos confrontados com a realidade brutal da perda e do sofrimento humano. A recente tragédia que está ocorrendo no Rio Grande do Sul não apenas abalou uma comunidade inteira, mas também desencadeou um profundo luto coletivo que ecoa além das fronteiras geográficas. A psicologia do luto oferece insights valiosos sobre como lidar com esse período de dor e como a comunidade pode se unir para enfrentar essa jornada difícil.

 

Já possui cadastro? Faça seu login aqui.

OU

Quer continuar lendo essa e outras notícias na faixa?
Faça seu cadastro agora mesmo e tenha acesso a
10 notícias gratuitas por mês.

Cadastre-se aqui



Bora ler todas as notícias e ainda compartilhar
as melhores matérias com sua família e amigos?

Assine agora mesmo!


O luto coletivo, em sua essência, é uma resposta compartilhada à perda que une indivíduos em um estado de dor e tristeza comum. Quando uma tragédia atinge uma comunidade, as ondas de choque emocional reverberam através das relações sociais e deixam uma marca indelével nas vidas daqueles afetados. Sentimentos de desamparo, tristeza profunda e incredulidade são apenas alguns dos muitos desafios emocionais que enfrentamos enquanto navegamos por esse território desconhecido.

Nesse contexto, é fundamental reconhecer a importância da comunicação aberta e do apoio mútuo. À medida que nos reunimos para compartilhar histórias, expressar nossos sentimentos e confortar uns aos outros, fortalecemos os laços da comunidade e encontramos consolo na presença uns dos outros. Esses momentos de conexão humana são essenciais para o processo de elaboração de tais enfrentamentos e permitem que nos sintamos menos isolados em nossa dor compartilhada.

Alguns rituais podem desempenhar um papel significativo no processo de luto coletivo, proporcionando uma estrutura para acolher os que estão passando por diversas perdas, honrar os que perdemos e encontrar conforto na presença uns dos outros. Seja através de vigílias, cerimônias comunitárias ou simplesmente reunindo-se para compartilhar memórias, esses rituais oferecem uma oportunidade para expressar nossa dor coletiva e buscar consolo na presença da comunidade. E isso não é imposto, mas sim quando o outro mostra essa necessidade. Escutar e acolher é primordial.

À medida que seguimos em frente após a tragédia, é importante lembrar que o luto é um processo individual e que cada pessoa enfrentará essa jornada de maneira única. Permitir-se tempo e espaço para processar as emoções, buscar apoio emocional e compartilhar histórias e memórias são passos essenciais no caminho rumo a elaboração da perda e o movimento de toda mudança que vais enfrentando.

Enquanto nos unimos para enfrentar o luto coletivo, que possamos encontrar conforto na força uns dos outros e na esperança de um futuro melhor. Que possamos honrar aqueles que perdemos, lembrando de seus sorrisos, suas histórias e seu impacto duradouro em nossas vidas. E que, juntos, possamos transformar essa dor em uma fonte de união e renovação comunitária.


Comentários:

Deixe um comentário:

Somente usuários cadastrados podem postar comentários.

Para fazer seu cadastro, clique aqui.

Se você já é cadastrado, faça login para comentar.

ENQUETE

Você é a favor do PL que pune mulheres que se submetam a aborto em caso de estupro?

Sim; sou a favor da vida e contra qualquer tipo de aborto

Não. A lei já prevê direito a aborto em caso de estupro, de bebê anencéfalo ou quando há risco a mãe. É o certo.

Não! O aborto é tema de saúde pública e deve ser tratado como qual

Que absurdo! Sem palavras…

Não tenho opinião sobre o assunto…



TV DIARINHO


Um caminhoneiro levou um baita susto e pensou rápido pra evitar um acidente na descida da serra que ...





Especiais

NA ESTRADA

Urupema: destino do papagaio-charão e de milhares de turistas que querem inverno de verdade

BRASIL

Marcha para Jesus se tornou um terreno político em disputa

15 de junho

Confira 10 dicas para curtir Itajaí no feriado

LUXO É VIVER BEM

10 edifícios recomendados como um ótimo investimento

Desde o século 19

Costa itajaiense coleciona casos de naufrágios



Colunistas

Coluna do Ton

Viva a Ana Laura

JotaCê

Insanidade da PL do aborto

Histórias que eu conto

Colégio Catarinense 6

Mundo Corporativo

Quando a busca do sucesso torna-se uma ilusão

Coluna Esplanada

Bicho limpo

Diário do Investidor

Por que este é um bom momento para investir em Fundos Imobiliários?

Ideal Mente

E quem cuida de quem cuida?

Coluna Exitus na Política

O feitiço da educação: a magia de ser (3)

Show de Bola

Gramado do Gigantão

Direito na mão

Como o trabalho rural pode antecipar e aumentar o valor da aposentadoria

Via Streaming

Luta por direitos

Na Rede

Pastores deixam a Bola de Neve e flagra de tarado na praia de Navegantes: se liga no que bombou no DIARINHO

Jackie Rosa

Festerê família Silva e Sodré

Artigos

Nos 164 anos de Itajaí, as pontes são para o futuro

Coluna Fato&Comentário

Itajaí: 164 anos de município, não de fundação




Blogs

Blog do JC

Eleições na Mariscolândia: Júlio Lanches tá na pista

A bordo do esporte

Avelar Sports com estrutura de ponta na Copa do Mundo de XCE

Blog da Jackie

Arraial do Passeio

Blog da Ale Francoise

A pílula da felicidade

Blog do Ton

Amitti Móveis inaugura loja em Balneário Camboriú

Gente & Notícia

Warung reabre famoso pistão, destruído por incêndio, com Vintage Culture em março

Blog Doutor Multas

Como parcelar o IPVA de forma rápida e segura

Blog Clique Diário

Pirâmides Sagradas - Grão Pará SC I

Bastidores

Grupo Risco circula repertório pelo interior do Estado



Hoje nas bancas


Folheie o jornal aqui ❯








MAILING LIST

Cadastre-se aqui para receber notícias do DIARINHO por e-mail

Jornal Diarinho© 2024 - Todos os direitos reservados.
Mantido por Hoje.App Marketing e Inovação