Colunas


Ideal Mente

Por Vanessa Tonnet - Vanessatonnet.psi@gmail.com

CRP SC 19625 | Contato: (47) 99190.6989 | Instagram: @vanessatonnet

A polêmica do Hino Nacional


Na minha infância, fiscalizávamos os jogadores de futebol antes das partidas da Seleção para conferir se eram brasileiros de coração e cantavam o hino com vontade.

Alguns, temendo a represália, faziam mímica e somente abriam a boca.

Devo ser da última geração que incorporou o Hino Nacional. Até porque ele era tocado toda manhã antes do início das aulas. Não tinha como não aprender.

Mas confesso que foram anos de superação de gafes. A letra de Joaquim Osório Duque-Estrada, acrescentada na melodia de 1831, não é das mais digeríveis.

Dependemos de um dicionário ao lado, ou da presença do nosso tataravô. Já bobeei algumas vezes com “se ergues da justiça a clava forte”. Demorei a constatar que “clava” existia, e era uma arma. Não entrava em minha cabeça que “garrida” não representava uma falha indesejada de pronúncia, significava “graciosa”.

“Impávido colosso”, então, mostrava-se com sentido enigmático. Fui aos poucos conhecendo a nossa imensidão destemida.

Como achar que “lábaro” queria dizer “bandeira”? Era um pega-ratão da prova oral. Tampouco compreendia o que fazia um seio perdido ali, um topless em nossa liberdade.

Não há mais como cobrar que se tenha o hino decorado na ponta da língua. Não reproduzi-lo verbalmente não significa ausência de patriotismo, de enraizamento, de cuidado ufanista.

Seria sim bonito que as crianças descobrissem o hino, sem dúvida, mas sua composição é muito adulta e combina mais com a adolescência. Se o hino passasse pelo crivo do programa nacional do Livro Didático, acabaria classificado como adequado ao Ensino Médio.

O que tradicionalmente acontece é cantar sem entender o que está cantando, ou cantar errado por toda a vida, jamais percebendo os enganos, deduzindo as estrofes, trocando termos complexos por palavras mais cotidianas.

A cantora Ludmilla quase foi cancelada porque emudeceu em parte do Hino Nacional antes do Grande Prêmio de São Paulo de Fórmula 1, no domingo passado. Muitos entenderam que ela não dominava a composição.

No vídeo que circulou nas redes sociais, a voz de Ludmilla desaparece logo após o trecho “ouviram do Ipiranga as margens plácidas”. Uma falha técnica gerou um debate interminável. A artista passou a ser acusada de descaso com o país.

A cobrança pelo verde-louro da flâmula foi tão contundente que ela deu o troco e reprisou a apresentação no Prêmio Multishow, na noite de terça-feira (7). Para expor incontestável fluência, cantou à capela, destacando cada verso, dessa vez imune a tropeços aparentes.

Não acho vergonhoso não memorizar o hino de imediato. Qualquer um pode assimilá-lo, como eu, no decorrer da prática. O que poderíamos considerar como antipatriotismo é o ato de furar fila, a malandragem, o descaso com o patrimônio público, a desobediência à lei e à ordem, o pouco apreço pela educação e pelo professor, a truculência no trânsito, a briga das torcidas, a completa indiferença à dor do outro.

Uma nação é civilizada pelo seu silêncio, pela forma como demonstra o respeito sem palavras: pelo caráter.

Na era do “cancelamento”, estamos ficando exaustos com os erros sem sentido. Precisamos nos atentar ao que de fato importa e significa na vida.


Comentários:

Deixe um comentário:

Somente usuários cadastrados podem postar comentários.

Para fazer seu cadastro, clique aqui.

Se você já é cadastrado, faça login para comentar.

Leia mais

Ideal Mente

Uma lição de Drummond sobre a saudade

Ideal Mente

O luto e as festas do final de ano

Ideal Mente

Ciúme sem orgulho

Ideal Mente

Narcisismo: um mal silencioso presente nas relações

Ideal Mente

Precipitação e esgotamento mental

Ideal Mente

Mitos e verdades sobre a saúde mental

Ideal Mente

Como cultivar ambientes familiares mais harmoniosos?

Ideal Mente

De onde vem tanta violência?

Ideal Mente

Outubro Rosa: O papel da psicologia no tratamento do câncer

Ideal Mente

O que fazer por uma pessoa que está com depressão profunda?

Ideal Mente

Para além do Setembro Amarelo

Ideal Mente

Ansiedade e depressão na adolescência: como lidar?

Ideal Mente

Quando a piada machuca

Ideal Mente

Mãe, quero Ritalina!

Ideal Mente

Entre lembranças e adeus: a importância do processo de luto

Ideal Mente

Não é falta de concentração, é excesso de estimulação

Ideal Mente

O valor do apego na era do desapego

Ideal Mente

A falsa segurança da zona de conforto

Ideal Mente

Afinal, o que é dependência emocional?

Ideal Mente

Você se sente uma pessoa insegura?



Blogs

Blog do JC

Molhe caindo?

Blog do Ton

CESCON apresenta o empreendimento Cozumel Palace nesta quarta-feira (6) em Itapema

Blog Doutor Multas

Desentupidora SP

Blog da Jackie

Nôvis por aqui

A bordo do esporte

SSL Gold Cup: Hungria é a campeã

Blog da Ale Francoise

Desparasitação natural

Gente & Notícia

10 anos do Music Park BC: Confira a programação especial da casa para a temporada de verão

Blog Clique Diário

Pirâmides Sagradas - Grão Pará SC I

Bastidores

Grupo Risco circula repertório pelo interior do Estado



Entrevistão

Deivide Tomassi

"O Papa quer que as pessoas estejam mais próximas de Cristo”

Diego Lopes Costa

"Mesmo que existam antecedentes criminais, isso não justifica assassinato, agressão e tortura. Você não vai combater um crime com outro crime”

Emerson Pereira

"A inovação promoverá mudança e aumento no faturamento e na capacidade de geração de riqueza”

Gustavo Conti

“Era de madeira, agora é pré-fabricado. Será um prédio muito mais seguro em todos os aspectos”

TV DIARINHO

Moradores filmaram a lixarada que foi deixada na praia por visitantes e cobram a limpeza constante do ...




Especiais

NA ESTRADA COM O DIARINHO

Fazzenda Park Hotel vai do mergulho na natureza ao luxo e conforto de um resort

NA ESTRADA

Cristofori Piano Bar: música, alta gastronomia e ambiente intimista na Brava

superação

Meninas lutam para superar as marcas da Fundação Casa sem apoio do poder público

MEIO AMBIENTE

Queimadas na Amazônia: por que a floresta está queimando

AGÊNCIA PÚBLICA

Presidente de CPI das ONGs tentou licenciar exploração de ouro na Amazônia



Hoje nas bancas


Folheie o jornal aqui ❯








Jornal Diarinho© 2022 - Todos os direitos reservados.
Mantido por Hoje.App Marketing e Inovação