Colunas


Coluna Fato&Comentário

Por Edison d'Ávila -

Arnaldo Brandão: centenário do escritor de Itajaí


No dia 28 de julho passado, completaram-se 100 anos de nascimento do escritor itajaiense  Arnaldo Silveira Brandão, filho de Alcina Silveira Brandão e João Marques Brandão. Seu pai era conhecido em toda a cidade como Joca Brandão. Arnaldo Brandão, como ficou sendo o nome literário, tinha como irmão o pintor Dide Brandão, José Bonifácio Brandão, e mais dez outros, entre irmãs e irmãos.

 

Bora virar assinante para ler essa e todas as notícias do portal DIARINHO? Usuários cadastrados têm direito a 10 notícias grátis.


Esqueci minha senha




Se você ainda não é cadastrado, faça seu cadastro agora!


 







 





A família Brandão se estabeleceu em Itajaí na última parte do século XIX. O avô Manoel Marques Brandão veio da cidade do Porto, Portugal, e aqui se estabeleceu como comerciante. Ele tinha gosto especial pelo teatro e, como um dos fundadores do “Club Luzo-brasileiro”, em 1880, primeira associação cultural de Itajaí, criou o primeiro grupo teatral da cidade. Quando os filhos cresceram, em 1895 ele montou um “teatrinho” em casa, que foi a base do futuro Corpo Cênico da Sociedade Guarani, fundada em 1897, com o incentivo dele.

A família tinha, portanto, acentuada vivência cultural, morando numa casa em que obras de arte e livros se faziam muito presentes. Joca Brandão, pai de Arnaldo, era ator e diretor de teatro, músico,  jornalista, cultor das tradições religiosas e culturais e, logo que se casara, havia montado numa das salas de sua casa pequeno museu para preservar a memória histórica de Itajaí.

Foi esse ambiente familiar, em que se vivia com intensidade arte, literatura e religião, o formador do futuro poeta, cronista, contista, romancista e teatrólogo Arnaldo Brandão. Seus livros começaram a ser publicados a partir do ano de 1951. O primeiro deles, Bas-fond, poesia existencialista, recebeu Menção Honrosa do Clube Internacional de Escritores e Jornalistas, em Paris. O livro O Vendedor de pinhões, em que registra hábitos e costumes das gentes do Vale do Itajaí e do Planalto, mereceu elogios da também escritora e conterrânea Lausimar Laus. Seu único romance, Bartolomeu, é a história trágica de um amor não correspondido. A lida de cronista e viajante deu causa a Um brasileiro nos caminhos da Europa e a muitas outras crônicas publicadas nos jornais de Itajaí e revistas  catarinenses. São ainda de sua lavra três peças de teatro:  A Taverna do Gato Preto, Cortina Amarela e Luz.  Esta última é uma peça religiosa sobre a vida de Santa Luzia, de 1957, cujo valor das vendas do livro ele destinou às obras de reforma da antiga  Matriz de Itajaí, a Igrejinha da Imaculada.

Ainda na década de 1950, Brandão se aproximou do afamado Grupo Sul, movimento de escritores catarinenses voltado à renovação literária de Santa Catarina, que publicava Sul/Revista do Círculo de Arte Moderna. Nela se estamparam dois artigos seus, em 1956 e 1958. Inclusive,  o romance Bartolomeu haveria de ser publicado pela Edições Sul, do mesmo Grupo. Foi membro da Academia Catarinense de Letras e, mesmo residindo no Rio de Janeiro e a seguir em Brasília, depois de ter sido por três anos piloto da Marinha Mercante, sempre se manteve muito ligado a Itajaí e a Santa Catarina. Arnaldo Brandão faleceu em 5 de fevereiro de 1976, por causa de trágico acidente rodoviário, na BR-101, à altura de Penha, em que também faleceram seus irmãos Dide, Maria Dolores e Joana. Está sepultado em Itajaí, no jazigo da família, no Cemitério da Fazenda. A Escola Básica Municipal do bairro Imaruí leva o nome de Arnaldo Brandão, como homenagem que lhe prestou o município em 1978.   


Comentários:

Deixe um comentário:

Somente usuários cadastrados podem postar comentários.

Para fazer seu cadastro, clique aqui.

Se você já é cadastrado, faça login para comentar.

Leia mais

Coluna Fato&Comentário

1922: 100 anos da Independência em Itajaí

Coluna Fato&Comentário

Dona Elizabeth Malburg e patriotas exaltados

Coluna Fato&Comentário

Antonico Ramos e o sonho do vigia

Coluna Fato&Comentário

“A vaquinha do seu Zena”

Coluna Fato&Comentário

Museu histórico de Itajaí: 40 anos

Coluna Fato&Comentário

Dimas Rosa: artista de Itajai desconhecido aqui

Coluna Fato&Comentário

Penha x Navegantes - quase guerra

Coluna Fato&Comentário

Tradição e inovação: a festa do Divino de Itajaí 

Coluna Fato&Comentário

“Chuta, seu Alberto”: corridas de cavalo no Itajaí antigo

Coluna Fato&Comentário

Festa na Vila: Nossa Sra. da Paz e São José Operário

Coluna Fato&Comentário

Coloninha: bairro popular de Itajaí

Coluna Fato&Comentário

Senhor dos Passos: devoção do povo

Coluna Fato&Comentário

Hugo Calgan: mistério da pintura de Itajaí - 1884

Coluna Fato&Comentário

Sindicato dos Estivadores: 100 anos

Coluna Fato&Comentário

Ariribá, Canhanduba, Itaipava: nomes Tupis em Itajaí

Coluna Fato&Comentário

Brizola e o “grupo de onze”daqui

Coluna Fato&Comentário

Tespis Cia. de Teatro: memória e história

Coluna Fato&Comentário

2022: Comemorações relevantes na cidade

Coluna Fato&Comentário

Hino de Itajaí - cinquentenário

Coluna Fato&Comentário

Casa Burghardt e a casa Bauer: cultura abandonada



Blogs

Blog do JC

Juliana lasca que na câmara de BC, tem representantes da banda podre na política. Credo!

A bordo do esporte

Circuito Paulista de Verão marcado pelo equilíbrio no Speed Park

Blog do Ton

Zezé Di Camargo & Luciano aterrissam em outubro no Expocentro BC

Blog Doutor Multas

5 golpes comuns que você deve ficar atento ao comprar um carro

Blog da Jackie

Spring Party

Blog da Ale Francoise

Tá com tosse aí?

Blog Clique Diário

Pirâmides Sagradas - Grão Pará SC I

Bastidores

Grupo Risco circula repertório pelo interior do Estado



Entrevistão

Esperidião Amin

"Eu não quero colocar o Bolsonaro dentro da minha gaiola - que é o que alguns querem, ser o dono do Bolsonaro. Já foram até repreendidos por isso”

Décio Nery de Lima

"Vou retomar os investimentos que o Bolsonaro negou para Santa Catarina”

Jorginho Mello

"O candidato do presidente Bolsonaro é o Jorginho Mello”

Odair Tramontin

“O Partido Novo defende a privatização de tudo que for possível”

TV DIARINHO

- Avenida Rodesindo Pavan terá desvio no trânsito até sexta-feira - ATAQUES: Professora abre notícia ...



Podcast

Minuto DIARINHO - 29/09/2022

Publicado 29/09/2022 17:12


Especiais

ENTREVISTA

“Já atingimos ponto de não retorno” em algumas regiões da Amazônia, diz pesquisadora

ELEIÇÕES 2022

Partidos em Santa Catarina receberam quase R$ 194 milhões

ELEIÇÕES 2022

Confira quanto cada candidato da região recebeu do fundão eleitoral

Pesquisa DIARINHO

Preço da carne pode variar até 145%

Cidade histórica

São Chico tem o charme de 518 anos



Hoje nas bancas


Folheie o jornal aqui ❯








Jornal Diarinho© 2022 - Todos os direitos reservados.
Mantido por Hoje.App Marketing e Inovação