Colunas


Coluna Fato&Comentário

Por Edison d'Ávila -

Ariribá, Canhanduba, Itaipava: nomes Tupis em Itajaí


A grande maioria, daqueles que gostam de temas da história do município,  tem grande interesse pela explicação mais acertada do significado do nome Itajaí.  Foram os índios falantes do tupi-guarani que criaram o nome e o deram ao rio Itajaí-açu, donde vem o nome da cidade.

Todavia, esse não é, na geografia do município,  o único nome de origem indígena. Três outros têm a mesma proveniência: Ariribá, Canhanduba e Itaipava. Haverá sempre certa dificuldade em traduzir o significado de tais nomes, porque a língua ágrafa dos tupis-guaranis gerou muitas incorreções na sua transcrição para o português.

Ariribá é uma região do bairro Praia Brava e nome do riacho que faz a divisa entre os municípios de Itajaí e Balneário Camboriú, na parte sul da cidade. Lugar antigo que no século XIX se ligava por velho caminho no vale entre montanhas com a localidade de Canhanduba, na Estrada de Brusque. A origem do nome do lugar certamente esteve ligada à existência da árvore brasileira, nativa da Mata Atlântica,  madeira de grande qualidade, chamada de ariribá ou araribá, cuja casca grossa era usada pelos índios em tinturaria. O seu significado, segundo estudiosos, é árvore da arara, visto que os frutos dessa leguminosa são muito apreciados pelas araras.

Canhanduba, localidade da zona rural a sudoeste do município, para o significado de seu nome teve esta explicação dada pelo médico Norberto Bachmann, estudioso da língua tupi-guarani, em artigo publicado no Jornal do Povo, em fevereiro de 1948: “Entre as localidades Carvalho e Itaipava, na mesma estrada, desmembra-se um caminho vicinal que ladeando o rio Canhanduba ou Conceição, se dirige ao povoado Canhanduba. Este termo se divide em caá, mata, em anha, cortado, mais a partícula duva, derivada de tuba, tiba, significa, portanto, abundância, grande quantidade de mato cortado. Há quem dê a anha a interpretação de anhã, diabo, assim sendo, teríamos, lugar onde há muitos diabos no mato”.

Nos limites entre as áreas urbana e rural, a oeste do município se encontra o bairro de Itaipava. O bairro começou a se desenvolver a partir do surgimento de olarias na região no final do século XIX, aproveitando-se do barro liguento, nome popular da argila plástica, muito existente nas terras baixas ou de várzea da região, material apropriado para o fabrico de tijolos e telhas.

O nome Itaipava, segundo entendidos, compõe-se de ita, pedra, y, água ou rio, e paba, termina. Portanto, pedra que interrompe ou atravessa o rio. De fato, nessa região há uma grande laje de pedra que atravessa toda a largura do rio Itajaí-mirim.

Quem for pela antiga estrada do Tatu, hoje, rua Ari Zermiani, sobre a ponte que atravessa o rio, na baixa-mar ou maré baixa, verá aparecendo à direita a grande pedra a que os índios chamavam de Itaipava e que deu nome à localidade.


Comentários:

Deixe um comentário:

Somente usuários cadastrados podem postar comentários.

Para fazer seu cadastro, clique aqui.

Se você já é cadastrado, faça login para comentar.

Leia mais

Coluna Fato&Comentário

Alvim Sandri: "História de vida", aos 99 anos

Coluna Fato&Comentário

"Burro velho", vacinas e purgativos

Coluna Fato&Comentário

Casa Bauer: um impasse

Coluna Fato&Comentário

Voto secreto e escondido

Coluna Fato&Comentário

Aprender português com quem sabia

Coluna Fato&Comentário

Arnaldo Brandão: centenário do escritor de Itajaí

Coluna Fato&Comentário

1922: 100 anos da Independência em Itajaí

Coluna Fato&Comentário

Dona Elizabeth Malburg e patriotas exaltados

Coluna Fato&Comentário

Antonico Ramos e o sonho do vigia

Coluna Fato&Comentário

“A vaquinha do seu Zena”

Coluna Fato&Comentário

Museu histórico de Itajaí: 40 anos

Coluna Fato&Comentário

Dimas Rosa: artista de Itajai desconhecido aqui

Coluna Fato&Comentário

Penha x Navegantes - quase guerra

Coluna Fato&Comentário

Tradição e inovação: a festa do Divino de Itajaí 

Coluna Fato&Comentário

“Chuta, seu Alberto”: corridas de cavalo no Itajaí antigo

Coluna Fato&Comentário

Festa na Vila: Nossa Sra. da Paz e São José Operário

Coluna Fato&Comentário

Coloninha: bairro popular de Itajaí

Coluna Fato&Comentário

Senhor dos Passos: devoção do povo

Coluna Fato&Comentário

Hugo Calgan: mistério da pintura de Itajaí - 1884

Coluna Fato&Comentário

Sindicato dos Estivadores: 100 anos



Blogs

A bordo do esporte

Araruama (RJ) confirma calendário de regatas de 2023

Blog do JC

Quadrangular 71 anos

Blog Doutor Multas

Fumar e dirigir dá multa?

Blog do Ton

Festa The Box comemora 5 anos neste fim de semana em Balneário Camboriú

Blog da Ale Francoise

Os poderes da Spirulina!

Blog da Jackie

Spring Party

Blog Clique Diário

Pirâmides Sagradas - Grão Pará SC I

Bastidores

Grupo Risco circula repertório pelo interior do Estado



Entrevistão

Alvim Sandri

"Levei a vida que a minha mãe ensinou: fé em Deus e andar certo

Marcelo Sodré

"A hora que entrar o contrato de arrendamento essa agonia se dissipa. As empresas vêm pra fazer o porto continuar crescendo”

James Winter

“Só vai haver desemprego e demissão em massa se não tiver carga aqui no Porto de Itajaí”

Décio Lima

"Hoje, de R$ 97 bilhões que são arrecadados pelo governo federal em Santa Catarina, apenas R$ 7 bilhões voltam”

TV DIARINHO

Entrevistão com Alvin Sandri



Podcast

Entrevistão com Alvin Sandri

Publicado 03/12/2022 10:10


Especiais

Pesquisa de preços

Bora conferir as pechinchas da semana pra garantir o churrasco do jogo do Brasil

OLHO NA DOSE

Pesquisa de preço mostra onde bebidas quentes são mais baratas

Na Estrada com o DIARINHO

Maravilhas naturais fazem de Bombinhas o Caribe catarinense

Itajaí

Do imóvel popular ao de altíssimo padrão são as apostas da Lotisa

Alto padrão

Procave agrega valor e exclusividade



Hoje nas bancas


Folheie o jornal aqui ❯








Jornal Diarinho© 2022 - Todos os direitos reservados.
Mantido por Hoje.App Marketing e Inovação