Matérias | Especial


Sem apoio federal

Escolas cívico-militares avançam nos estados

São Paulo aprovou lei que implementa modelo. No Paraná, militarização tem apoio do governo local

Redação DIARINHO [editores@diarinho.com.br]

Em dois anos foram criadas 223 escolas cívico-militares
(foto: marcelo camargo/agÊncia brasil)
Em dois anos foram criadas 223 escolas cívico-militares (foto: marcelo camargo/agÊncia brasil)


Danilo Queiroz


Edição: Mariama Correia

 

Já possui cadastro? Faça seu login aqui.

OU

Quer continuar lendo essa e outras notícias na faixa?
Faça seu cadastro agora mesmo e tenha acesso a
10 notícias gratuitas por mês.

Cadastre-se aqui



Bora ler todas as notícias e ainda compartilhar
as melhores matérias com sua família e amigos?

Assine agora mesmo!


Edição: Mariama Correia



Mesmo depois do encerramento do Programa Nacional de Escolas Cívico-Militares (Pecim), criado no governo Bolsonaro pelo Ministério da Educação (MEC), a militarização da educação avança pelo país. O modelo, que foi uma das bandeiras do governo Bolsonaro, encontra apoio em governos locais de aliados do ex-presidente para continuar sua expansão.

No estado de São Paulo, o governador Tarcísio de Freitas (Republicanos) pretende implementar ao menos 100 escolas cívico-militares até 2026. Um projeto de lei que prevê a implementação dessas escolas nas redes estadual e municipal de ensino foi aprovado nesta terça-feira (21), em uma votação marcada por violência policial contra estudantes que se manifestaram contra a proposta.


O texto aprovado se baseia em um anteprojeto do atual secretário da Educação, Renato Feder, que ocupava o mesmo cargo no governo do Paraná quando o governador Ratinho Júnior (PSD) sancionou a lei que instituiu o Programa Colégios Cívico-Militares no estado, em dezembro de 2022.

No Paraná, a expansão do modelo militar de ensino já é uma realidade. O projeto estadual era uma das promessas de campanha da gestão de Ratinho Júnior antes mesmo de ele se eleger governador.


Atualmente, o estado tem 312 escolas cívico-militares, todas ligadas ao programa estadual, segundo a Secretaria de Educação do Paraná. Durante o Pecim, foram criadas 12 escolas do modelo que eram administradas pelo MEC e pelo Ministério da Defesa. Entre 2021 e 2022, ainda durante o funcionamento do programa federal, outras 217 escolas regulares se tornaram cívico-militares, dentro do programa do governo do Paraná. Depois do fim do Pecim, mais 83 escolas do modelo militar foram criadas, também vinculadas à rede estadual.

No Brasil, em dois anos do Pecim foram criadas 223 escolas cívico-militares, de acordo com dados do MEC acessados pela Agência Pública via Lei de Acesso à Informação (LAI).

 

O caso de Londrina

Expansão do modelo militar de ensino já é uma realidade no Paraná (foto:  orlando kissner - alesc/pr)
Expansão do modelo militar de ensino já é uma realidade no Paraná (foto:  orlando kissner - alesc/pr)

 


No Paraná, a maior parte das escolas cívico-militares está na capital, Curitiba (29), e na cidade de Londrina (21), segundo a secretaria de Educação estadual. Londrina foi uma das primeiras cidades no estado a receber uma escola vinculada ao Pecim, o Colégio Estadual Profª Adelia Barbosa que atualmente é administrado pelo governo do estado.

Há consultas públicas para selecionar instituições de ensino que passarão do modelo regular para o cívico-militar. Entre os critérios está a localização em áreas com altos índices de vulnerabilidade social. Em Londrina, as únicas duas escolas que não aderiram ao modelo foram o Colégio Estadual Professora Rina Maria de Jesus Francovige e o Colégio Estadual Profª Lúcia Barros Lisboa.

O Colégio Estadual Cívico-Militar Hugo Simas passou por consulta pública no final do ano passado e, este ano, se militarizou. Quem estuda lá, desde 2018, é o filho de Giovanna*, que tem 17 anos e está no terceiro ano do ensino médio. “Nos avisaram uma semana antes por WhatsApp que a escola poderia passar a ser cívico-militar. O argumento da direção é que ou aceitaríamos essa mudança ou a escola se tornaria integral”.

Ela diz que a direção da escola informou que “com essa mudança a escola aumentaria a nota no Ideb [Índice de Desenvolvimento da Educação Básica]”. “Esse argumento não faz sentido algum, já que o colégio é referência na cidade há um tempo”, diz Giovana. “Pra mim, o único sentido disso é concretizar um laboratório de militarização na educação da cidade, a começar pelas escolas já reconhecidas.”

Quando passam ao modelo militar, as escolas do Paraná seguem um manual do governo sobre normas sociais e outras práticas. Ele inclui instruções sobre fardamento e também corte de cabelo e apresentação individual dos estudantes com orientações para gêneros masculino e feminino. Para o gênero feminino é recomendada, por exemplo, pouca maquiagem. No caso do gênero masculino  não é permitido cabelos raspados, com desenhos, pinturas ou cortes como o de tipo moicano ou desenhos nas sobrancelhas. Também não é permitido o uso de brincos ou piercing. Há revistas mensais dos cortes de cabelo dos estudantes.


No início do ano letivo, André*, de 11 anos, foi informado no Colégio Estadual Barão do Rio Branco que precisaria mudar o visual. Meninos não poderiam mais usar brincos ou cabelos compridos. Laura*, mãe da criança, até pensou em mudar o filho de colégio, mas todas as unidades de ensino próximas à casa dela passaram a ser cívico-militares. “Ninguém merece começar tudo de novo, inclusive uma nova identidade pessoal, só porque o governador resolveu que essa escola vai virar círculo militar”, reclama.

A grade curricular das escolas também mudou. Aulas de civismo e cidadania, que não faziam parte do ensino regular, foram acrescentadas. “Desde que houve essa mudança na escola, meu filho passou a ser mais tímido, com receio de ser punido pelos militares. Ele comentou que os policiais já chegaram a acompanhar o professor numa aula de civismo e cidadania”, comenta Paula*, mãe de um menino matriculado no 6º ano do colégio Barão.

 

Militarização avança no Paraná com apoio do governo local

No Paraná, nos primeiros dois anos do Pecim, durante a gestão de Renato Feder como secretário de Educação, militares atuavam nas escolas como monitores e diretores cívico-militares. Eles exerciam gestão na área de infraestrutura, patrimônio, finanças, segurança, disciplina, além de atividades, como hastear a bandeira do Brasil e cantar o hino nacional diariamente, antes do início das aulas.

Atualmente, as secretarias de Educação e de Segurança Pública do Paraná têm modelo de gestão compartilhada entre civis e militares nas escolas. Enquanto a primeira é responsável por conduzir o processo seletivo dos militares, implementar as escolas cívico-militares nos núcleos regionais de educação e fiscalizar, a segunda realiza o chamamento dos militares da reserva selecionados, que deverão atuar nas escolas cívico-militares, como monitores, por um prazo que não deve ultrapassar dez anos.

Segundo apurou a Pública, atualmente o estado conta com 726 monitores militares dentro das escolas. Eles são originalmente bombeiros ou policiais militares. Desde o início do programa, já foram emitidos 359 editais de chamamento público no Paraná convocando militares da reserva para atuarem nas escolas. Em 2021, eles passaram a receber uma gratificação especial de R$ 5,5 mil pelos serviços prestados, custeados pela secretaria de Educação.

“Esse valor nem nós professores que trabalhamos por 40 horas recebemos”, explica Margleyse Santos, uma das representantes do Sindicato dos Professores e Funcionários das escolas do Paraná (APP Sindicato). Em São Paulo, o valor previsto para os monitores militares é de R$ 3,6 mil.

Em Londrina, 16 escolas convocaram monitores militares. Na avaliação da vereadora Lenir de Assis (PT), que é da bancada de oposição ao prefeito Marcelo Belinati (PP), aliado ao governador, não é por acaso que a cidade de Londrina foi escolhida para alavancar a militarização nas escolas. “Nas últimas eleições, 73% dos eleitores do município votaram a favor da reeleição de Bolsonaro. O governo do estado encontrou aqui territórios facilitados sem resistência alguma”.




Comentários:

Luciano Kneip Zucchi

06/06/2024 15:20

Era contra, mas não sou mais, tem espaço para esse modelo também. Não é uma ''ESCOLA MILITAR DE VERDADE'', não tem o investimento da projetada para os filhos de militares, nem de longe, algumas, na verdade muitas, estão apresentando índices piores que as convencionais. Porém se a ''comunidade local quer'', sente que seus filhos tem mais segurança com os militares dentro da escola, que a tenha. Claro a parte administrativa, pedagógica, deve estar a cargo de quem estudou para isso, ''os docentes''. Melhor que ''A PRIVATIZAÇÃO ADMINISTRATIVA NO PR'', ABSURDOOOO!! Prof. Dr. Luciano Zucchi.

Somente usuários cadastrados podem postar comentários.

Clique aqui para fazer o seu cadastro.

Se você já é cadastrado, faça login para comentar.

Entre em contato com a redação ❯
WhatsAPP DIARINHO

Envie seu recado

Através deste formuário, você pode entrar em contato com a redação do DIARINHO.

×






44.192.48.196

Últimas notícias

Praça da Bíblia está em clima junino neste sábado

BALNEÁRIO CAMBORIÚ

Praça da Bíblia está em clima junino neste sábado

Penha inaugura primeira Estação de Tratamento de Esgoto

CONQUISTA

Penha inaugura primeira Estação de Tratamento de Esgoto

Final de semana será de tempo firme na região

Solzão

Final de semana será de tempo firme na região

Aluno cego é esquecido por quatro horas em ônibus na frente da Apae

ITAJAÍ

Aluno cego é esquecido por quatro horas em ônibus na frente da Apae

Morre menino Bernardo, vítima da explosão em oficina de motos

TRISTEZA

Morre menino Bernardo, vítima da explosão em oficina de motos

Moradores bloqueiam rua contra caminhões pesados na Colônia Japonesa

Itajaí

Moradores bloqueiam rua contra caminhões pesados na Colônia Japonesa

Parte alta da Osvaldo Reis abrigará um hotel boutique

ITAJAÍ

Parte alta da Osvaldo Reis abrigará um hotel boutique

Maratona de inovação social movimenta Elume no final de semana

ITAJAÍ

Maratona de inovação social movimenta Elume no final de semana

Barra encara o Avenida em casa pela Série D

Hora de reagir

Barra encara o Avenida em casa pela Série D

Criciúma pega o embalado Bahia no Heriberto Hülse

Futebol

Criciúma pega o embalado Bahia no Heriberto Hülse



Colunistas

Festerê família Silva e Sodré

Jackie Rosa

Festerê família Silva e Sodré

60 anos da Univali

JotaCê

60 anos da Univali

Colégio Catarinense 5

Histórias que eu conto

Colégio Catarinense 5

Artigos

Nos 164 anos de Itajaí, as pontes são para o futuro

Coluna Esplanada

Memória

Coluna Fato&Comentário

Itajaí: 164 anos de município, não de fundação

“Pose”

Via Streaming

“Pose”

O dinheiro te serve ou você serve o dinheiro?

Diário do Investidor

O dinheiro te serve ou você serve o dinheiro?

Ideal Mente

Você tem fome de quê?

Como o tempo de trabalho rural pode beneficiar sua aposentadoria

Direito na mão

Como o tempo de trabalho rural pode beneficiar sua aposentadoria

O busão voltou

Show de Bola

O busão voltou

Explosão na oficina de motos, catarinense no leilão do Neymar e mais: o que bombou nas redes do DIARINHO

Na Rede

Explosão na oficina de motos, catarinense no leilão do Neymar e mais: o que bombou nas redes do DIARINHO

Niver da Candice

Coluna do Ton

Niver da Candice

Cansado das mesmas coisas na empresa, é hora de mudar?

Mundo Corporativo

Cansado das mesmas coisas na empresa, é hora de mudar?

Coluna Exitus na Política

O CHARME DA POLÍTICA: IGUALDADE E LIBERDADE [1]

Níver da Margot

Gente & Notícia

Níver da Margot

“O mar, quando quebra na praia”

Foto do Dia

“O mar, quando quebra na praia”

Coluna Existir e Resistir

Designação geral sobre o fim do mundo



TV DIARINHO






Especiais

 Marcha para Jesus se tornou um terreno político em disputa

BRASIL

Marcha para Jesus se tornou um terreno político em disputa

Confira 10 dicas para curtir Itajaí no feriado

15 de junho

Confira 10 dicas para curtir Itajaí no feriado

10 edifícios recomendados como um ótimo investimento

LUXO É VIVER BEM

10 edifícios recomendados como um ótimo investimento

Costa itajaiense coleciona casos de naufrágios

Desde o século 19

Costa itajaiense coleciona casos de naufrágios

Sapataria artesanal é um negócio de família 

Tradição

Sapataria artesanal é um negócio de família 



Blogs

Fábio Negão, joga merda no ventilador

Blog do JC

Fábio Negão, joga merda no ventilador

VelaShow abre quarta edição

A bordo do esporte

VelaShow abre quarta edição

Chinelagem chic

Blog da Jackie

Chinelagem chic

A pílula da felicidade

Blog da Ale Francoise

A pílula da felicidade

Amitti Móveis inaugura loja em Balneário Camboriú

Blog do Ton

Amitti Móveis inaugura loja em Balneário Camboriú

Warung reabre famoso pistão, destruído por incêndio, com Vintage Culture em março

Gente & Notícia

Warung reabre famoso pistão, destruído por incêndio, com Vintage Culture em março

Como parcelar o IPVA de forma rápida e segura

Blog Doutor Multas

Como parcelar o IPVA de forma rápida e segura

Pirâmides Sagradas - Grão Pará SC I

Blog Clique Diário

Pirâmides Sagradas - Grão Pará SC I

Grupo Risco circula repertório pelo interior do Estado

Bastidores

Grupo Risco circula repertório pelo interior do Estado



Entrevistão

"Houve um racha de parte do União Brasil com parte do MDB”

Márcio Dedé

"Houve um racha de parte do União Brasil com parte do MDB”

“Este muro imaginário de [BC] rica e [Camboriú] pobre que tem que acabar”

LEONEL PAVAN

“Este muro imaginário de [BC] rica e [Camboriú] pobre que tem que acabar”

"No momento que eu implanto o pronto-socorro dentro de uma das alas do Ruth, eu resolvo atender o ser humano e não comprovante de residência e título de eleitor”

Edson Piriquito

"No momento que eu implanto o pronto-socorro dentro de uma das alas do Ruth, eu resolvo atender o ser humano e não comprovante de residência e título de eleitor”

"Balneário Camboriú não precisa de capitão, fantoches, seres iluminados, ungidos. Precisa de pessoas comprometidas com a democracia”

Marisa Zanoni Fernandes

"Balneário Camboriú não precisa de capitão, fantoches, seres iluminados, ungidos. Precisa de pessoas comprometidas com a democracia”



Hoje nas bancas

Capa de hoje
Folheie o jornal aqui ❯








MAILING LIST

Cadastre-se aqui para receber notícias do DIARINHO por e-mail

Jornal Diarinho© 2024 - Todos os direitos reservados.
Mantido por Hoje.App Marketing e Inovação