Matérias | Polícia


ITAJAÍ

Carro desaparece em loja de revendas do São João

Mesmo com ordem judicial para apreensão do Kwid, a loja se recusa à devolvê-lo

Redação DIARINHO [editores@diarinho.com.br]

Kwid, placa QJR 8215, está com ordem de busca e apreensão (Foto: Ilustrativa)

A justiça está atrás do Renault Kwid, branco, ano 2019, placa QJR 8215 (Itajaí), que foi deixado na revenda de carros Vaapt, no bairro São João, em Itajaí, em 26 de agosto deste ano, no que seria uma negociação de compra e venda que jamais foi concluída ou formalizada. O carro desapareceu, a empresa que vendia o veículo ficou com a dívida com o banco que financiou o carro, e a loja Vaapt se nega a devolver o carro alegando que pretende concluir a negociação.

A história começou quando uma colaboradora da empresa, que é proprietária do veículo, parou na Vaapt que fica na rua Heitor Liberato, no São João, para avaliar o Kwid com a intenção de vendê-lo – o carro pertence à empresa onde presta serviço e seria negociado em breve.

Na ocasião, um sábado, o vendedor se comprometeu em pagar R$ 32 mil à vista pelo carro, quitando o saldo do consórcio com o banco e dando uma volta em dinheiro. Apesar de não possuir procuração da empresa, a funcionária deixou o carro na loja, agindo com boa fé e achando que estava fazendo um excelente negócio que seria concluído na semana seguinte, quando o banco e o cartório estivessem abertos.



Só que a partir daí, a Vaapt passou a ignorar os boletos de quitação do consórcio do carro enviados à empresa, como foi acordado, e passou a adiar o pagamento da venda. Deixou também de comparecer no cartório no horário marcado e, finalmente, informou que só intermediava a venda e não seria ela a concluir o pagamento do carro, mas um terceiro que tinha já comprado o carro.

Achando a história sem nexo, a empresa que tentava vender o carro desistiu da negociação e passou a tentar devolver os R$ 3,2 mil do sinal que a loja depositou na conta da funcionária para reaver o Kwid. Mas a Vaapt insistiu em manter a negociação e disse que tudo seria resolvido quando o carro fosse transferido através de uma procuração pública em cartório que antecederia a quitação da venda.

A empresa não concordou com os novos termos e requereu a devolução do carro imediatamente, o que nunca aconteceu. A empresa entrou na justiça contra a Vaapt, e conseguiu uma liminar judicial. A empresa também devolveu o sinal do negócio, mas nada aconteceu além de perder o carro e ainda ficar com a dívida a ser paga ao Bradesco, mensalmente.


Carro sumiu

  O juiz Ricardo Rafael dos Santos, da 3ª Vara Cível de Itajaí, concedeu a liminar no início de outubro determinando que a empresa devolvesse imediatamente o Kwid para a dona.

No entanto, o carro sumiu e o oficial de justiça não encontra a dona da loja de carros para notificá-la da decisão. Além de determinar a devolução do veículo, o juiz determinou a inserção de restrição de circulação ao Kwid no sistema do Detran, além de expedir o mandado de busca e apreensão do veículo. Se o carro for visto circulando por aí, ele será apreendido pela polícia.

“Sem adentrar no mérito se a desistência do negócio pela parte autora se deu por culpa da parte ré, como alegado por aquela, ou não (até mesmo porque inexistem, até o momento, documentos nos autos que permitam a formação de convicção a respeito do tema), o fato é que tendo desistido da negociação tem a parte autora o direito de reaver seu veículo automotor, não competindo à parte ré direito de retenção do mesmo, pois não assegurado, na hipótese, pela legislação, tampouco por previsão contratual”, decidiu o magistrado.

A justiça ainda determinou que, em cinco dias a após a decisão, a dona do veículo fizesse a restituição de R$ 3.200,00 do sinal pago pela Vaapt.  O valor já foi devolvido, mas até agora nada da empresa WR Cordeoli Ltda, que representa a Vaapt em Itajaí, cumprir a ordem de devolver o carro que continua com financiamento sendo pago pela proprietária do veículo.


A Ciretran de Itajaí  informou que o veículo tem um bloqueio de circulação e pode ser apreendido a qualquer momento. Procurado pelo DIARINHO, o advogado Maicon França, que representa a Vaapt, disse desconhecer o processo judicial. “Desconhecemos qualquer processo ou decisão liminar. Se existir não fomos intimados e por isso não precisamos seguir a mesma”, afirmou à reportagem.

O advogado ainda alega que a empresa é uma franquia que intermedia a venda de veículos e que agiu de boa fé na negociação que não teria sido concluída por culpa da vendedora. “Vamos apresentar a defesa com as provas, contratos, comprovantes de pagamentos e inclusive reaver os valores pagos e gastos com o veículo e se necessário cumprir as determinações judiciais, que até o momento desconhecemos”, disse Maicon, em nota oficial.




Comentários:

Somente usuários cadastrados podem postar comentários.

Para fazer seu cadastro, clique aqui.

Se você já é cadastrado, faça login para comentar.


Envie seu recado

Através deste formuário, você pode entrar em contato com a redação do DIARINHO.

×






3.236.145.153

TV DIARINHO


O crime de injúria racial aconteceu em sessão do filme de Bob Marley no cinema do shopping na noite ...





Especiais

Caso Ilha de Marajó

Vereadora de Navegantes está entre os políticos que impulsionaram fake news sobre exploração sexual infantil

TURISMO

Japaratinga: vale a pena se hospedar no melhor resort do Brasil?

VIAGEM NO TEMPO

Museu do Carro traz nostalgia e diversão sobre o universo automotivo

NOVOS TEMPOS

SC é pioneira na promoção da mobilidade elétrica

PLANEJAMENTO URBANO

Camboriú vai investir mais de R$ 60 milhões em mobilidade



Blogs

A bordo do esporte

Thiago Pereira e Swim Floripa levam Troféu José Finkel para Floripa

Blog da Jackie

Verão, calor, quentura e mormaço

Gente & Notícia

Warung reabre famoso pistão, destruído por incêndio, com Vintage Culture em março

Blog do JC

Mulheres MDBistas

Blog da Ale Francoise

Intestino preso, use todos os dias

Blog do Ton

Medicina Estética

Blog Doutor Multas

Como parcelar o IPVA de forma rápida e segura

Blog Clique Diário

Pirâmides Sagradas - Grão Pará SC I

Bastidores

Grupo Risco circula repertório pelo interior do Estado



Entrevistão

Entrevistão Adão Paulo Ferreira

"Porto sozinho não serve para nada. Ele precisa ter navios, linhas"

Irmã Simone

"Aqui nós atendemos 93% SUS”

Eduardo Rodrigues Lima

"A Marinha já fez 27 mil abordagens a embarcações no Brasil inteiro”

Edison d’Ávila

"O DIARINHO serve como uma chamada à consciência da cidade”



Hoje nas bancas


Folheie o jornal aqui ❯








MAILING LIST

Cadastre-se aqui para receber notícias do DIARINHO por e-mail

Jornal Diarinho© 2024 - Todos os direitos reservados.
Mantido por Hoje.App Marketing e Inovação