Matérias | Especial


Economia

Investimentos de R$ 1,25 bi para Itajaí entrar na rota dos combustíveis

Terminais têm expectativa de movimentar 3,5 milhões de toneladas por ano

Redação DIARINHO [editores@diarinho.com.br]

(Imagem Ilustrativa)


A construção de três terminais portuários para movimentação de granéis líquidos na margem direita do rio Itajaí-açu deve incluir novamente a região na movimentação de combustíveis por via marítima. 

Os projetos somam mais de R$ 1,25 bilhão em aportes da iniciativa privada. A expectativa é de que o primeiro dos terminais entre em operação até 2026 e os outros dois operem até 2030, com a movimentação de 3,5 milhões de toneladas de combustíveis por ano. Itajaí já teve sua economia alavancada pelas operações com combustíveis na década de 1950 até a primeira metade dos anos de 1990, quando entraram em operação os oleodutos da Petrobras.

O superintendente do Porto de Itajaí, Fábio da Veiga, vê a diversificação para a movimentação de combustíveis como de extrema importância para Itajaí, não apenas pelo potencial gerador de empregos ...

 

Já possui cadastro? Faça seu login aqui.

Quer continuar lendo essa e outras notícias na faixa?
Faça seu cadastro agora mesmo e tenha acesso a
10 notícias gratuitas por mês.

Cadastre-se aqui



Bora ler todas as notícias e ainda compartilhar
as melhores matérias com sua família e amigos?

Assine agora mesmo!


Os projetos somam mais de R$ 1,25 bilhão em aportes da iniciativa privada. A expectativa é de que o primeiro dos terminais entre em operação até 2026 e os outros dois operem até 2030, com a movimentação de 3,5 milhões de toneladas de combustíveis por ano. Itajaí já teve sua economia alavancada pelas operações com combustíveis na década de 1950 até a primeira metade dos anos de 1990, quando entraram em operação os oleodutos da Petrobras.

O superintendente do Porto de Itajaí, Fábio da Veiga, vê a diversificação para a movimentação de combustíveis como de extrema importância para Itajaí, não apenas pelo potencial gerador de empregos e de receita para o município, como pela sobrevivência da atividade portuária. 



Robison Coelho, secretário-adjunto da pasta de Portos, Aeroportos e Ferrovias do estado, diz que Itajaí tem, além do porto público, grande potencial de exploração da atividade portuária até a ponte que liga Itajaí a Navegantes, na BR-101. Nesse contexto entram os terminais de granéis líquidos. “Como Santa Catarina dificilmente terá uma refinaria de petróleo, vai sempre depender do combustível vindo de fora [seja álcool, gasolina ou diesel]. A implementação destes terminais é uma grande alternativa para a garantia da movimentação portuária na cidade”, diz o investidor do Terminal Imaruí, Jonny Kaniak.

Ele acrescenta que a tendência é de que a gasolina, o diesel e o metanol venham do exterior em rotas de longo curso, e o álcool e derivados venham de portos brasileiros, em rotas de cabotagem. Outro ponto elencado por Jonny é que as refinarias de Canoas, no Rio Grande do Sul, e de Araucária, no Paraná, não têm mais como ampliar a produção, o que faz com que os excedentes dos dois estados, que abastecem Santa Catarina, reduzam ano a ano. 

Para o secretário de Desenvolvimento Econômico e Turismo de Itajaí, Thiago Morastoni, não há dúvidas sobre a importância desses terminais. “O combustível é uma carga de alto valor agregado, vai gerar empregos e trazer muita receita”, defende o secretário.


TGLI se instala em área do Estaleiro Itajaí

O projeto em estágio mais avançado é o do Terminal de Granéis Líquidos Itajaí (TGLI), que deve ser instalado na área do antigo Estaleiro Itajaí, no bairro Imaruí. Os investimentos somam mais de R$ 300 milhões pela empresa de navegação espanhola Elcano e o processo de licenciamento ambiental está na fase de análise de Licença Ambiental Prévia (LAP) pelo Instituto do Meio Ambiente (IMA). O Relatório de Impacto Ambiental (RIMA) do empreendimento foi entregue pela empresa em junho deste ano e apresentado para discussão em audiência pública em julho.

Em agosto, o IMA solicitou novas informações técnicas ao empreendedor, por causa da audiência pública, principalmente acerca do estudo de risco sobre armazenamento do combustível e fluxo de caminhões. Os técnicos do órgão aguardam o recebimento das respostas para dar prosseguimento à análise.

A implantação deve ocorrer em quatro fases e prevê a construção de até 17 tanques para armazenamento de combustíveis, com capacidade para 117.924 metros cúbicos. O projeto contempla um píer pra receber navios com capacidade de transportar de 60 mil a 100 mil metros cúbicos de granéis líquidos, em uma área de aproximadamente 100 mil m².

A estrutura do berço de atracação será construída sobre estacas, sem alterações nas condições atuais do rio e, segundo a empresa, o terminal terá um dos mais modernos e rigorosos sistemas de segurança ambiental em operação portuária e movimentação de combustíveis, atendendo padrões internacionais. Já a liberação da licença pelo órgão ambiental está condicionada ao recebimento das informações solicitadas.


 

Sonho de terminal de combustível é antigo

O projeto do Terminal Imaruí, embora remonte ao ano de 2005, está em fase embrionária. Na época, o empreendedor Jonny Kaniak adquiriu a área de 140 mil m², que abrigava a empresa Ipesca, em fase de falência, e foi aconselhado por técnicos da Agência Nacional dos Transportes Aquaviários (Antaq) a montar um terminal para movimentação de granéis líquidos. Jonny foi um dos sócios do Teconvi – Terminal de Contêineres do Vale do Itajaí - , e adquiriu a área com a venda das ações à APM Terminals.

Na época, o investidor também adquiriu a área de terras que abriga hoje o loteamento São Francisco (ao lado do Santa Regina) para abrigar as 300 famílias que ocupavam a área do futuro terminal e mais 196 famílias que a prefeitura precisasse relocar na época. “Famílias de outros bairros acabaram sendo realocadas nessa área e mais da metade das famílias do Imaruí continuaram lá”, diz Jonny. No entanto, ele acredita que essa questão social seja resolvida com o início das obras do TGLI, que fica ao lado da área do Terminal Imaruí. Jonny já investiu mais de R$ 40 milhões no local e acredita que o investimento total no terminal some R$ 650 milhões. Ele vem prospectando parceiros já há algum tempo.

O terceiro projeto prevê a instalação de um terminal entre o Poly Terminal e o Teporti - Terminal Portuário Itajaí, no bairro Cordeiros. Robison Coelho diz que as negociações estão ocorrendo em sigilo. “A previsão de investimentos é de R$ 350 milhões no primeiro momento e vejo essa possibilidade como mais uma importante alternativa para Itajaí no futuro.”


"Os novos terminais de combustível instalados em todo o mundo têm recebido investimentos em tecnologia que os tornam bastante seguros"

Fábio da Veiga  Superintendente do Porto de Itajaí




Comentários:

Somente usuários cadastrados podem postar comentários.

Para fazer seu cadastro, clique aqui.

Se você já é cadastrado, faça login para comentar.


Envie seu recado

Através deste formuário, você pode entrar em contato com a redação do DIARINHO.

×






34.239.154.201

TV DIARINHO






Especiais

MEIO AMBIENTE

Ibama proíbe pulverização aérea de agrotóxico letal a abelhas, o tiametoxam

Caso Ilha de Marajó

Vereadora de Navegantes está entre os políticos que impulsionaram fake news sobre exploração sexual infantil

TURISMO

Japaratinga: vale a pena se hospedar no melhor resort do Brasil?

VIAGEM NO TEMPO

Museu do Carro traz nostalgia e diversão sobre o universo automotivo

NOVOS TEMPOS

SC é pioneira na promoção da mobilidade elétrica



Blogs

A bordo do esporte

Inaê Sailing Team segue entre os primeiros da Copa Mitsubishi

Blog do JC

Não sabe de nada...

Blog da Jackie

Verão, calor, quentura e mormaço

Gente & Notícia

Warung reabre famoso pistão, destruído por incêndio, com Vintage Culture em março

Blog da Ale Francoise

Intestino preso, use todos os dias

Blog do Ton

Medicina Estética

Blog Doutor Multas

Como parcelar o IPVA de forma rápida e segura

Blog Clique Diário

Pirâmides Sagradas - Grão Pará SC I

Bastidores

Grupo Risco circula repertório pelo interior do Estado



Entrevistão

Entrevistão Adão Paulo Ferreira

"Porto sozinho não serve para nada. Ele precisa ter navios, linhas"

Irmã Simone

"Aqui nós atendemos 93% SUS”

Eduardo Rodrigues Lima

"A Marinha já fez 27 mil abordagens a embarcações no Brasil inteiro”

Edison d’Ávila

"O DIARINHO serve como uma chamada à consciência da cidade”



Hoje nas bancas


Folheie o jornal aqui ❯








MAILING LIST

Cadastre-se aqui para receber notícias do DIARINHO por e-mail

Jornal Diarinho© 2024 - Todos os direitos reservados.
Mantido por Hoje.App Marketing e Inovação