Matérias | Especial


INDÚSTRIA

Estaleiro Detroit é uma referência da indústria naval com DNA itajaiense

Estaleiro já entregou 115 embarcações

Redação DIARINHO [editores@diarinho.com.br]

O estaleiro emprega hoje mais de 500 colaboradores (Foto: Divulgação)

 


Com 19 anos de atuação no mercado da construção naval e 115 embarcações entregues [93 rebocadores, 17 embarcações tipo Platform Supply Vessel (PSV) e dois wellboats], o estaleiro Detroit, de Itajaí, está construindo uma série de quatro rebocadores para a Starnav Serviços Marítimos, equipados com propulsores azimutais, mais duas embarcações tipo wellboats para a Detroit S/A, que serão exportadas para o Chile para serem usadas pelo próprio grupo, com tradição no uso de barcos para a criação de salmão em cativeiro. A empresa trabalha, ainda, com serviços de docagem e reparos, sendo que, neste ano, opera com 80% de sua capacidade.

“A construção naval está no DNA de Itajaí, assim como a economia do mar como um todo. Isso por conta da nossa localização à foz do rio Itajaí-Açu, onde estão os principais portos de Santa Catarina, diversas empresas de pescados e as principais referências de construção naval no Brasil”, explica o diretor comercial Marcelo Rampelotti.

A empresa opera com 25% de sua capacidade produtiva [de processamento de 12 mil toneladas de aço por ano] e emprega, hoje, cerca de 550 colaboradores, praticamente, um terço do número de empregados no auge da produção da indústria naval em Itajaí. No entanto, o Detroit jamais parou durante a pandemia. E as perspectivas futuras são animadoras.

“Tendo em vista que os blocos de leilões ao sul da bacia de Santos e ao norte da bacia de Pelotas são localizados, relativamente, próximos à cidade de Itajaí, acreditamos que, sendo arrematados, o município possa se tornar um ponto de apoio às empresas que explorarão estes mesmos blocos”, acrescenta Rampelotti. Isso, segundo o executivo, tende a consolidar ainda mais a região como referência na indústria naval brasileira.

 

Continua depois da publicidade



INC vai triplicar capacidade produtiva

A INC – Indústria Naval Catarinense - anuncia o aumento das contratações e tem boas expectativas para o ano que vem. A empresa mantém sua planta fabril instalada em Navegantes, há cerca de quatro anos, e atende à demanda da Internacional Marítima, empresa maranhense com mais de 30 anos de atuação na prestação de serviços para os setores marítimo e de navegação. A INC tem capacidade de processar 100 toneladas de aço por mês e gera, atualmente, 150 empregos diretos. Número que deve dobrar nos próximos meses com o início da construção de duas embarcações de grande porte.

Continua depois da publicidade



“Estamos bastante otimistas com a construção de um ferry-boat a partir do início do ano que vem, o que vai demandar a geração de, aproximadamente, 200 novos postos de trabalho, além de outros novos contratos”, comemora o diretor Josuan Moraes Júnior. A empresa constrói e repara embarcações de serviços (workboats), lanchas para o transporte de passageiros, rebocadores portuários, navios de apoio à plataforma de petróleo, ferry-boats e barcos de pesca. Nos últimos meses, trabalha, também, com reparos navais, serviço que cresce, significativamente, na região.

“Passamos quase dois anos com pouca demanda em função da pandemia, mas a empresa não parou em momento algum. Nesse período, executamos algumas obras de reparos navais em outros estados [como Minas Gerais, São Paulo e Bahia] e a demanda de concorrências públicas aumentou bastante neste semestre, com perspectivas de melhora para o setor”, acrescenta Moraes.

O otimismo do executivo é justificado pela consolidação da região como um importante polo da construção naval no Brasil, com o maior cluster de fornecedores, empresas terceirizadas e mão de obra especializada do país, aliada às perspectivas de crescimento dos setores de petróleo e gás. “Os estaleiros instalados em Itajaí e Navegantes têm ainda, num raio de 100 quilômetros, a melhor metalmecânica do Brasil, com praticamente tudo que a indústria naval requer”, pontua.

Josuan Moraes acrescenta que a retomada da indústria do petróleo com perspectivas de crescimento, os portos com demandas crescentes e com a volta à normalidade pós-pandemia, há excelentes expectativas de crescimento para o setor a partir de 2022. No entanto, a adoção de políticas governamentais eficientes seria crucial para alavancar ainda mais o setor.

 “A indústria naval depende de encomendas perenes e só se consegue isso com políticas de reserva de mercado. Precisamos de garantias de um percentual para conteúdo nacional, incentivos tributários e linhas de financiamentos adequadas”, afirma. Outro desafio é a formação de mão de obra de qualidade para atender a crescente demanda do setor.

 




Comentários:

Somente usuários cadastrados podem postar comentários.

Para fazer seu cadastro, clique aqui.

Se você já é cadastrado, faça login para comentar.


Envie seu recado

Através deste formuário, você pode entrar em contato com a redação do DIARINHO.

×





3.236.221.156

TV DIARINHO


Confira os destaques desta segunda-feira



Podcast

Minuto DIARINHO 04/07/2022

Publicado 04/07/2022 21:18



Especiais

Cordeiros

Professora Rita de Cássia ensinou matemática a diferentes gerações de itajaienses

SUPERAÇÃO

Deficiência nunca impediu Jailton de fazer o que quis; até elevador em casa ele construiu

Centro de Itajaí

Bravacinas se transforma em referência em vacinação humanizada

Itajaí

Itajaí mantém protagonismo na pesca industrial

A riqueza vem pelo mar

Polo náutico reúne players mundiais do mercado de luxo



Blogs

Blog do Ton

Casa da Barra

A bordo do esporte

Classe HPE e V.elo fazem parceria no segmento de cabos náuticos para regatas

Blog do JC

Cleo

Blog da Ale Francoise

Chá de sabugueiro!

Blog Clique Diário

Pirâmides Sagradas - Grão Pará SC I

Blog Doutor Multas

A Desentupidora mais próxima de você! Desentupidora de emergência 24h SP

Bastidores

Grupo Risco circula repertório pelo interior do Estado

Blog da Jackie

BALNEÁRIO FASHIOW foi SHOW



Entrevistão

Willian Cardoso, o Panda

"Saquarema provavelmente vai ser meu último mundial, aí eu vou estar focado no brasileiro”

Renata Teixeira Pinto Viana

"Não se indica cigarro eletrônico para alguém que queira parar de fumar"

Governador de Santa Catarina

"É importante destacar que as obras só avançam por conta dessa decisão de colocar recursos dos catarinenses nas rodovias federais”

José Evaldo Koch

“O hortifruti é nosso berço”



Hoje nas bancas


Folheie o jornal aqui ❯








Jornal Diarinho© 2022 - Todos os direitos reservados.
Mantido por Hoje.App Marketing e Inovação