Matérias | Geral


Ações na Justiça

Queda no WhatsApp pode gerar indenizações na justiça

Especialista diz que ressarcimento é possível, mas usuário precisa comprovar prejuízo

Redação DIARINHO [editores@diarinho.com.br]

Interrupção do Face, Whats e Insta foi provocada por alteração em configuração de rede, informou empresa (Foto: Divulgação)

Usuários do WhatsApp, Facebook e Instagram que tiveram prejuízos com a queda das plataformas por quase sete horas na segunda-feira podem requerer indenização. Mas a tarefa não é simples, porque os usuários terão que comprovar que os danos foram devido à interrupção dos serviços. A reparação também vai depender da justificativa para a falha e da análise de cada situação, considerando que o aceite dos termos de uso das plataformas tira a responsabilidade da empresa sobre perdas e danos.

O professor da Univali, Felipe Probst Werner, doutor em direito civil, destaca que a questão é complicada mas informa que Facebook, Instagram e WhatsApp são plataformas de prestação de serviços contra as quais aplica-se o código de Defesa do Consumidor (CDC). “Embora geralmente gratuito para usuários “comuns”, o pagamento pelos usuários é feito com base no “fornecimento de seus dados” à plataforma”, observa.

Felipe avalia que, em regra geral, tirando casos individuais, não caberia dano moral aos usuários comuns. Nos casos de usuários que usam as plataformas pra operações comerciais, a depender no nível da atividade, é possível que o código do consumidor também seja afastado de ser aplicado. Para questão de indenização devido à queda do serviço, o professor aponta que é preciso identificar se houve realmente um dano.



“Se o dano for material para determinada empresa porque deixou de vender, seria necessário precisar sua extensão, ou seja, o quanto esta empresa “deixou de lucrar””, analisa. Felipe destaca que também seria preciso superar as regras dos termos de adesão das plataformas, que impõem uma limitação de responsabilidade da empresa e não garantem que não possam ocorrer interrupções.

Outro ponto levantado pelo professor é a avaliação do motivo da queda das plataformas. A situação de caso fortuito, quando se trata de algo inevitável e que foge à vontade da empresa, poderia ser considerada, quebrando a relação de causalidade entre o serviço e eventual dando sofrido.

A situação também poderia ser interpretada como “fortuito interno”, quando mesmo diante de caso fortuito, é o fornecedor responsável por se tratar de risco inerente à sua atividade.


“Assim, para uma eventual indenização, precisaríamos checar se seria aplicável o CDC, se houve efetivamente dano, qual seria a extensão deste dano, e, por fim, se seria legal ou ilegal esta limitação de responsabilidade que isenta as plataformas de pagamento de eventuais danos por interrupção na prestação dos serviços”, comenta Felipe.

Exceto casos excepcionais, o professor não vê que a interrupção de segunda-feira seja passível de indenização por parte do Facebook. No caso de pessoas que fazem vendas diretas pelo WhatsApp ou Facebook, o usuário poderia alegar que deixou de vender. “Mas será que essas vendas não foram feitas depois, quando a plataforma restabeleceu?”, considera Felipe.

Ele vê uma chance maior de comprovar dano no caso de uma live marcada para o dia da pane e que vinha sendo divulgada há semanas. Em outros casos, ele considera que seria difícil culpar as plataformas porque o usuário poderia tentar a comunicação de outra forma, como telefone ou Telegram, por exemplo. “Haveria meios de mitigar o próprio prejuízo”, avalia.

"Alteração na rede", foi a justificativa

Ainda na noite de segunda-feira, o Facebook, que é dono também do WhatsApp e Instagram, informou que a queda nas plataformas foi resultado de uma alteração de configuração em roteadores que coordenam o tráfego da rede entre as centrais de dados da empresa.


“Essa interrupção no tráfego de rede teve um efeito cascata na maneira como nossos data centers se comunicam, interrompendo nossos serviços”, divulgou. A empresa contestou denúncia de que tivesse sofrido um ataque hacker, apontando que a interrupção foi por um erro próprio.

Pelo Facebook, o dono da empresa, Mark Zuckerberg, fez postagem pedindo desculpas. “Desculpe pela interrupção de hoje – eu sei o quanto você confia em nossos serviços para se manter conectado com as pessoas de quem você gosta”, escreveu.

A queda dos serviços do Facebook fez Zuckerberg perder quase 7 bilhões de dólares pela desvalorização das ações da empresa no mercado, que caíram 4,89% na segunda-feira. Com o prejuízo, o fundador da rede social chegou a ser ultrapassado por Bill Gates na lista de bilionários da Bloomberg, mas recuperou depois a quarta posição.




Comentários:

Somente usuários cadastrados podem postar comentários.

Para fazer seu cadastro, clique aqui.

Se você já é cadastrado, faça login para comentar.


Envie seu recado

Através deste formuário, você pode entrar em contato com a redação do DIARINHO.

×






3.236.146.28

Últimas notícias

Bora lá

Doe um quilo de alimento ou um produto de limpeza e ganhe uma muda de árvore nativa

Fim de semana de trabalho

Brusque continua força tarefa para recuperação da cidade após chuva

Santa Catarina

Santo Amaro da Imperatriz tem acessos liberados depois de interdição de cinco horas

SUSTO

Pilota de parapente cai em árvore na orla de Cabeçudas

Cultura

Festival de Teatro Primo Atto faz apresentações neste sábado em BC

Previsão do tempo

Sábado vai ser de calor, mas podem rolar chuva, vento e até granizo

Olho nas estradas

Trecho da BR-282 em Santo Amaro e Rancho Queimado continuam bloqueados

NAVEGANTES

Buscas por bombeiro desaparecido continuam

FIM DE UMA ERA

Loja Pavan deixa Itajaí após meio século de história 

Amfri

Justiça federal marca audiência sobre "estrangulamento” da BR 101



Colunistas

JotaCê

Reitor não quer ser prefeito

Na Rede

Confira o que bombou nas redes sociais do DIARINHO

Via Streaming

“Rainha de Katwe”

Foto do Dia

Entrada da Barra

Jackie Rosa

Mulherada reunida

Canal 1

Aceita que dói menos: mulheres ocupam merecido lugar no esporte

Coluna Esplanada

Tereza e Marinho

Clique diário

O colorido fim de tarde em Itajaí

Vinicius Lummertz

SC do futuro: nas BRs, 2023 pode ser pior do que 2022

Gente & Notícia

Família Koch na Copa

Direito na mão

O que acontece se a empresa não pagou o INSS do funcionário? Como fica a aposentadoria?

Coluna do Janio

Marinheiro no mercado

Coluna Exitus na Política

Futebol sem bola e sem goleiro

Coluna do Ton

Mãe & Filha

Coluna Fato&Comentário

Alvim Sandri: "História de vida", aos 99 anos

Artigos

Não queremos viver numa pátria dominada pela bandidagem



TV DIARINHO


Entrevistão com Alvin Sandri



Podcast

Entrevistão com Alvin Sandri

Publicado 03/12/2022 10:10



Especiais

OLHO NA DOSE

Pesquisa de preço mostra onde bebidas quentes são mais baratas

Na Estrada com o DIARINHO

Maravilhas naturais fazem de Bombinhas o Caribe catarinense

Itajaí

Do imóvel popular ao de altíssimo padrão são as apostas da Lotisa

Alto padrão

Procave agrega valor e exclusividade

Itajaí

Mercado da Brava continua em crescimento



Blogs

Blog do JC

Quadrangular 71 anos

A bordo do esporte

Volta ao Mundo Globe40 parte para a Argentina

Blog Doutor Multas

Fumar e dirigir dá multa?

Blog do Ton

Festa The Box comemora 5 anos neste fim de semana em Balneário Camboriú

Blog da Ale Francoise

Os poderes da Spirulina!

Blog da Jackie

Spring Party

Blog Clique Diário

Pirâmides Sagradas - Grão Pará SC I

Bastidores

Grupo Risco circula repertório pelo interior do Estado



Entrevistão

Alvim Sandri

"Levei a vida que a minha mãe ensinou: fé em Deus e andar certo

Marcelo Sodré

"A hora que entrar o contrato de arrendamento essa agonia se dissipa. As empresas vêm pra fazer o porto continuar crescendo”

James Winter

“Só vai haver desemprego e demissão em massa se não tiver carga aqui no Porto de Itajaí”

Décio Lima

"Hoje, de R$ 97 bilhões que são arrecadados pelo governo federal em Santa Catarina, apenas R$ 7 bilhões voltam”



Hoje nas bancas


Folheie o jornal aqui ❯








Jornal Diarinho© 2022 - Todos os direitos reservados.
Mantido por Hoje.App Marketing e Inovação