Matérias | Política


Itajaí

Investigações esclarecem morte de ex-prefeito de BC

Peritos da Comissão da Verdade virão à Santa e Bela pra colher mais informações sobre prisão e morte de opositor do regime militar

Redação DIARINHO [editores@diarinho.com.br]

“A foto mostra uma tentativa muito amadora de forjar um suicídio. Ele era um homem alto e pesado, amarrado com um arame muito fino no pescoço em um frágil cano de chuveiro, sem altura suficiente para uma pessoa se enforcar. Não tem capacidade mecânica para o suicídio”, revela o professor de Direito, Nildo Inácio, que coordena o grupo de estudos da Universidade Regional de Blumenau (Furb) que levanta informações sobre violações de direitos humanos ocorridas durante o regime militar, na região do Vale do Itajaí.

A foto tirada pelos próprios militares [e resgatada na década de 90, na comissão da Anistia criada pelo governo FHC] é apenas um dos vários indícios de que o ex-prefeito de Balneário Camboriú, Higino João Pio, preso pelos militares numa quarta-feira de cinzas, no dia 3 de março de 1969, foi torturado e brutalmente assassinado pelos carrascos da ditadura.

Higino foi levado à escola dos Aprendizes da Marinha, em Florianópolis, onde ficou 11 dias preso até ser morto. O corpo foi encaminhado como se fosse de um indigente para o necrotério da universidade ...

 

Já possui cadastro? Faça seu login aqui.

Quer continuar lendo essa e outras notícias na faixa?
Faça seu cadastro agora mesmo e tenha acesso a
10 notícias gratuitas por mês.

Cadastre-se aqui



Bora ler todas as notícias e ainda compartilhar
as melhores matérias com sua família e amigos?

Assine agora mesmo!


A foto tirada pelos próprios militares [e resgatada na década de 90, na comissão da Anistia criada pelo governo FHC] é apenas um dos vários indícios de que o ex-prefeito de Balneário Camboriú, Higino João Pio, preso pelos militares numa quarta-feira de cinzas, no dia 3 de março de 1969, foi torturado e brutalmente assassinado pelos carrascos da ditadura.

Higino foi levado à escola dos Aprendizes da Marinha, em Florianópolis, onde ficou 11 dias preso até ser morto. O corpo foi encaminhado como se fosse de um indigente para o necrotério da universidade Federal de Santa Catarina, dificultando ainda mais a situação da família.



Segundo os documentos levantados pelo grupo de estudos, que tem autorização legal, publicada em diário oficial, para dar suporte à Comissão da Verdade – criada para elucidar os casos de torturas, mortes e desaparecimentos de pessoas durante os anos de chumbo – o corpo foi entregue à família num caixão lacrado, com policiais acompanhando todo o velório para garantir que ninguém veria as marcas da tortura. O sepultamento ocorreu em Itajaí.

O grupo de estudos recolheu documentos, fotografias e depoimentos de várias testemunhas que refutam a versão de suicídio dos militares. Um dos mais importantes é o de um médico que examinou Higino no hospital da Marinha um dia antes de sua morte, verificando vários sinais de tortura.

O ex-prefeito era amigo íntimo do ex-presidente João Goulart, deposto em 1964 pelos militares, era prefeito em exercício em oposição ao grupo político que mais tarde formaria a Aliança Renovadora Nacional (Arena), base de sustentação do regime militar.


Desde a década de 90 o estado reconheceu que se tratava de um crime cometido pelos militares contra um adversário político, tanto é que a família recebeu uma indenização em dinheiro. Mas na certidão de óbito do vice-prefeito ainda consta que a causa da morte foi suicídio.

A morte de Higino aconteceu seis anos antes do suposto suicídio do jornalista Vladimir Herzog, que também morreu nas mãos dos militares em São Paulo. Segundo os estudos da comissão, o ex-prefeito foi um dos primeiros casos de tortura seguida de morte fora do eixo Rio-São Paulo nos porões da ditadura. “A diferença para o Herzog é que na foto ele está de costas, com a cabeça encostada na parede”, conta Inácio.

Marinha tem dificultado o trabalho

Passados mais de 40 anos da morte de Higino, parece que ainda tem gente querendo esconder alguma coisa. O professor Inácio faz questão de salientar que a Marinha se nega a colaborar com os peritos, pois não entrega os documentos solicitados ou mesmo permite o acesso ao local onde aconteceu o suposto suicídio. “Existe uma lei federal que prevê pena de desobediência para quem se negar a colaborar com a Comissão da Verdade. No entanto, eles não deixam o nosso grupo entrar no local onde ele foi preso e assassinado”, conta o professor Nildo Inácio, que estuda o caso do ex-prefeito há mais de três anos, juntamente com um professor de história e outro de filosofia da Furb.


A situação pode ficar pior durante esta semana, com a chegada de dois peritos da Comissão da Verdade que devem vir de Brasília para Florianópolis, exclusivamente para colher informações sobre o caso. A previsão é que seja concluído o relatório sobre a morte do ex-prefeito Higino até março do ano que vem, quando o prazo para a conclusão das investigações se encerra.

Segundo Inácio, a falta de colaboração da Marinha pode até ser levada para a justiça. “Se for necessário, teremos que pedir a autorização de um juiz pra ter acesso”, completa.

A reportagem tentou ouvir a oficial de Relações Públicas da Escola de Aprendizes Marinheiros de Santa Catarina, em Florianópolis, mas ontem só teve expediente até o meio-dia em função da formatura de uma turma de oficiais.


Família espera uma resposta

Sobrinho de Higino, o deputado estadual Dado Cherem (PSDB) conta que na última quinta-feira a família se reuniu com o grupo de estudos da Furb para repassar documentos e fotografias do acervo de Júlio César Pio, filho mais novo do ex-prefeito. “Essa história tem que ser recontada. Quem observar as fotos que tivemos acesso não tem dúvidas do que de fato aconteceu”, considera o parlamentar.

Dado era pequerrucho quando o tio foi assassinado, pois tinha apenas 11 anos. Mas ele se lembra que houve uma orientação para que ninguém fizesse qualquer tipo de manifestação durante o dia do velório, sob ameaça de que outras pessoas poderiam ser levadas a Florianópolis para serem submetidas à mesma violência.

O deputado não tem conhecimento sobre como tem sido a colaboração da Marinha com relação às investigações, mas acredita que medidas devem ser tomadas para que a história venha à tona o quanto antes, com a possível identificação dos carrascos. “Foi o único catarinense morto em solo catarinense. Isso é muito sério”, conclui.




Comentários:

Somente usuários cadastrados podem postar comentários.

Para fazer seu cadastro, clique aqui.

Se você já é cadastrado, faça login para comentar.


Envie seu recado

Através deste formuário, você pode entrar em contato com a redação do DIARINHO.

×






3.239.91.5

Últimas notícias

Futebol

Palmeiras bate o Vitória em Salvador

Estreia

Corinthians e Atlético-MG ficam no 0 a 0

Futebol

Em jogo de pênaltis polêmicos, Flamengo vence o Atlético-GO

Brasileirão

Vasco estreia com vitória contra o Grêmio

BALNEÁRIO CAMBORIÚ

Bebê é resgatado com queimaduras de incêndio em BC

DESTAQUE 

Catarinense é capa da Vogue Brasil

Luto

Balneário Piçarras perde a ministra da eucaristia Norma Albano

Base forte

Itajaí fica com o bronze na Taça Sul de handebol da categoria cadete

Missão no exterior

Comitiva bolsonarista articula com os EUA punições ao Brasil

Assaltos à mão armada

Bandidos atacam vítimas na saída de supermercados da região



Colunistas

Coluna Esplanada

Insatisfação na Eletrobras

JotaCê

Coronel Pavan tem novo aliado deputado

Na Rede

Agroboy mais gato dos EUA, última casinha de BC e romance no ar: confira os destaques das redes do DIARINHO

Histórias que eu conto

Armação da infância I

Coluna do Ton

Parabéns Ale

Mundo Corporativo

Dicas para líderes desorientados e equipes perdidas

Via Streaming

Um lugar ao sol

Gente & Notícia

Neia capitaneou noite só para elas

Foto do Dia

Pintura ensolarada

Ideal Mente

A importância da comunicação no cuidado

Show de Bola

Final do Catarinense

Direito na mão

Revisão da aposentadoria: oportunidade de aumentar o valor mensal

Coluna Exitus na Política

Janelas fechadas

Jackie Rosa

Simplesmente Gisele

Coluna Fato&Comentário

Coleção bicentenário: a construção da Matriz

Coluna Existir e Resistir

Bloquinho do Sebastião Lucas resgatando e revivendo os saudosos carnavais

Empreender

Balneário Camboriú atrai cada vez mais clientes do eixo sudeste

Artigos

Aniversário da praça dos Correios



TV DIARINHO






Especiais

Missão no exterior

Comitiva bolsonarista articula com os EUA punições ao Brasil

NA ESTRADA COM O DIARINHO

6 lugares imperdíveis para comprinhas, comida boa e diversão em Miami

Elcio Kuhnen

"Camboriú vive uma nova realidade"

140 anos

Cinco curiosidades sobre Camboriú

CAMBORIÚ

R$ 300 milhões vão garantir a criação de sistema de esgoto inédito 



Blogs

Blog da Jackie

Catarinense na capa da Vogue

A bordo do esporte

Fórmula E: Alemão vence na Itália e assume a ponta do Mundial dos Carros Elétricos

Blog do JC

Palavra é tudo!

Blog da Ale Francoise

Lanchinho do bem!

Blog do Ton

Amitti Móveis inaugura loja em Balneário Camboriú

Gente & Notícia

Warung reabre famoso pistão, destruído por incêndio, com Vintage Culture em março

Blog Doutor Multas

Como parcelar o IPVA de forma rápida e segura

Blog Clique Diário

Pirâmides Sagradas - Grão Pará SC I

Bastidores

Grupo Risco circula repertório pelo interior do Estado



Entrevistão

Entrevistão Ana Paula Lima

"O presidente Lula vem quando atracar o primeiro navio no porto”

Carlos Chiodini

"Independentemente de governo, de ideologia política, nós temos que colocar o porto para funcionar”

Osmar Teixeira

"A gestão está paralisada. O cenário de Itajaí é grave. Desde a paralisação do Porto até a folha sulfite que falta na unidade de ensino”

Omar Tomalih

“Balneário Camboriú hoje é o município que está com o maior controle, com o menor número de notificações de casos de dengue”



Hoje nas bancas


Folheie o jornal aqui ❯








MAILING LIST

Cadastre-se aqui para receber notícias do DIARINHO por e-mail

Jornal Diarinho© 2024 - Todos os direitos reservados.
Mantido por Hoje.App Marketing e Inovação