Colunas


Coluna Exitus na Política

Por Sérgio Saturnino Januário - pesquisa@exituscp.com.br

A escravidão do pensamento


Oleg estava sentado, diante de sua trajetória lembrada por Voane, seu amigo. Oleg era metódico, sistemático, acreditava que para tudo havia uma ordem de existência. Ordem que acontecia longe dos olhos humanos, longe da experiência do tato. Para Oleg o suor era uma experiência suficiente para explicar que o cérebro comanda as pulsações e as seivas sociais do indivíduo. Voane era uma personagem volátil, que se movia se ajustando ao ambiente, corrompendo sua lisura ética, a se vingar daqueles que pudessem ter algum sucesso ou reconhecimento. Voane pulsava o coração com energia de inveja e se alojava ao meio como camaleão repete a cor predominante.

 

Bora virar assinante para ler essa e todas as notícias do portal DIARINHO? Usuários cadastrados têm direito a 10 notícias grátis.


Esqueci minha senha




Se você ainda não é cadastrado, faça seu cadastro agora!


 







 





Oleg iniciou sua repulsa: “Era um tempo que o próprio Tempo não esquece.” Estava lá marcado em pedras e ossos. Tempo ainda capaz de ser retido na memória e na costura mal feita na pele. Havia uma cicatriz abaixo do lábio assumida quando ia ao trabalho e, detido por bloqueio de manifestantes inacessíveis ao argumento institucional e condicionante, registrara o tempo em sua face. Período das mais perversas experiências humanas, quando corpo e cabeça eram separados. Havia “ruptura sensorial”.

As cabeças das pessoas eram raptadas pelos “Condutores” e levadas para “Casas de Pensamentos” tão estranhamente presentes, mas sem endereço fixo. Lá, nas “Casas de Pensamentos”, eram instaladas “Projeções de Realidade”, requeridas para que o cérebro não pudesse mais pensar seus próprios pensamentos. Em poucas horas os incautos vagantes dopados, os “Slavos”, já não conseguiriam realizar operações matemáticas simples, não alcançariam sua condição de autonomia e independência regulada nos genes quando zigoto. Os “Slavos” assumiam como verdade coisas que não existiam ou que tinham a existência alterada para que a conclusão fosse adversa da origem, os “Líquidos News”.

Voane estava atento e apreensivo ao relato. “As cabeças raptadas eram colocadas em plataformas e cilindros que continham os “Líquidos News” em vapor”. Esses “Líquidos News” transitavam pelo ar, chegavam em telas de diversos tamanhos e se alojavam no córtex e no núcleo cerebrais, e se dissolviam como vapor em todos os quatros lobos cerebrais.

Qualquer coisa, ou valor, ou sentimento e ou pensamento e mesmo a retina, em todos os cones e bastonetes, eram afetados pelos “Líquidos News”. Como uma porção de bruxaria, cada cabeça raptada se transformava em um “Slavo”. Cada um deles trazia na nuca as marcas da “ruptura sensorial”. E cada sensor cerebral dos “Slavos” sentia o que os “Condutores” programavam nas “Casas de Pensamentos”. A programação dos “Condutores” poderia vir pelo silêncio contínuo e duradouro ou pela repetição multiplicada de uma mensagem. Mensagens inconclusas e incertas poderiam ser tomadas como água no deserto.

Voane tinha marcas na nuca. Resistia à dor e à queimação. Fora considerado ilegítimo e listado para ter sua reputação queimada em Inquisição Medieval. Os “Slavos” foram programados para resistir ao que os “Condutores” consideravam defasagem e derrota. Embora tudo estivesse em conformidade com as regras do jogo jogado, era necessário causar “resistência” para que, em tempos a vir, os heróis pudessem voltar ao trono.

Voane fingia resistir, em vão, à tentação de se considerar importante e superior. Lembrava quando, longe dali, fizera juras pela Democracia, enquanto impunha aos outros seus valores pessoais de “Liberdade”. Como lâmina de canivete a brilhar sua ponta no glóbulo ocular de sua vítima. Oleg, com frieza congelante, mãos trêmulas pelo passar dos natais, recorria à autonomia de seu pensamento: “ninguém pode ser livre ao manter escravos”. Ninguém pode declarar a defesa da liberdade interrompendo o fluxo social da vida. Voane chorava, envergonhado, como alguém que, depois de tantos invernos, não poderia se perdoar pela infelicidade causada aos que dizia amar.

A maioria dos “Slavos” ainda caminhava nas ruas sem cabeça, tateavam o ar com mãos cegas, sob comando visceral dos “Condutores”. Voane, querendo voar, se dissolveu na névoa. Oleg se petrificou como gelo para perdurar.


Comentários:

Deixe um comentário:

Somente usuários cadastrados podem postar comentários.

Para fazer seu cadastro, clique aqui.

Se você já é cadastrado, faça login para comentar.

Leia mais

Coluna Exitus na Política

O dono da política

Coluna Exitus na Política

A estupidez e o juiz do mundo

Coluna Exitus na Política

Alucinação política

Coluna Exitus na Política

A política, o pênalti

Coluna Exitus na Política

Legitimidade em transe

Coluna Exitus na Política

A liberdade do tempo

Coluna Exitus na Política

Futebol sem bola e sem goleiro

Coluna Exitus na Política

Lágrimas retidas

Coluna Exitus na Política

O divã para voar

Coluna Exitus na Política

Imutável res-sentimento

Coluna Exitus na Política

Heróis, tolos e votos

Coluna Exitus na Política

Chagas do voto

Coluna Exitus na Política

A política de “Ícaro”

Coluna Exitus na Política

A cara no espelho

Coluna Exitus na Política

A órbita eleitoral

Coluna Exitus na Política

O gênero da política

Coluna Exitus na Política

O medo e a vulgaridade

Coluna Exitus na Política

Um lugar desconhecido

Coluna Exitus na Política

Uma torneira na cabeceira da cama

Coluna Exitus na Política

O poder sem face



Blogs

A bordo do esporte

Recife (PE) pronta para receber a Globe 40

Blog Doutor Multas

Divisão de Registro de Veículos: entenda como funciona

Blog do JC

The Ocean Race

Blog da Ale Francoise

Moringa para imunidade

Blog do Ton

Festa The Box comemora 5 anos neste fim de semana em Balneário Camboriú

Blog da Jackie

Spring Party

Blog Clique Diário

Pirâmides Sagradas - Grão Pará SC I

Bastidores

Grupo Risco circula repertório pelo interior do Estado



Entrevistão

Evandro Neiva

"Vila da Regata de Itajaí vai atrair mais de meio milhão de visitantes

Luíza Moreira

"Meu avô tinha uma marca de ferro na coxa. Hoje em dia eu me revolto ainda por causa da escravidão, porque ainda tem muito preconceito”

Alvim Sandri

"Levei a vida que a minha mãe ensinou: fé em Deus e andar certo

Marcelo Sodré

"A hora que entrar o contrato de arrendamento essa agonia se dissipa. As empresas vêm pra fazer o porto continuar crescendo”

TV DIARINHO

PROIBIDO ESTACIONAR! O principal acesso à praia do Cascalho, em Penha, voltou a ser palco do desrespeito ...




Especiais

Pesquisa de preços 

Sorvetes apresentam diferença de até 50,62% nos principais supermercados

80 ANOS

Sorveteria Seara chega à quarta geração unindo receitas de família e novas tendências

NA ESTRADA COM O DIARINHO

Sete dicas pra curtir Balneário Camboriú num fim de semana 

Dia no mar

O que levar para uma refeição perfeita al mare

Deixa o vento me levar

Veleiros alugados navegam com grupos para alto-mar



Hoje nas bancas


Folheie o jornal aqui ❯








Jornal Diarinho© 2022 - Todos os direitos reservados.
Mantido por Hoje.App Marketing e Inovação