Matérias | Especial


BRASIL

Marcha para Jesus se tornou um terreno político em disputa

A Marcha para Jesus se autodenomina como o “maior evento popular cristão do mundo”

Agência Pública [editores@diarinho.com.br]

Marcha pra Jesus deste ano teve 13 mil caravanas de fiéis. (Foto: Tomaz Silva)
Marcha pra Jesus deste ano teve 13 mil caravanas de fiéis. (Foto: Tomaz Silva)


Por Amanda Audi e Danilo Queiroz | Edição: Mariama Correia


Jair Bolsonaro foi o primei­ro presidente do Brasil a participar de uma Mar­cha para Jesus, em 2019. Na ocasião, foi fotografado fazendo gesto de “arminha”, como se estivesse executando alguém que ...

 

Já possui cadastro? Faça seu login aqui.

OU

Quer continuar lendo essa e outras notícias na faixa?
Faça seu cadastro agora mesmo e tenha acesso a
10 notícias gratuitas por mês.

Cadastre-se aqui



Bora ler todas as notícias e ainda compartilhar
as melhores matérias com sua família e amigos?

Assine agora mesmo!


Jair Bolsonaro foi o primei­ro presidente do Brasil a participar de uma Mar­cha para Jesus, em 2019. Na ocasião, foi fotografado fazendo gesto de “arminha”, como se estivesse executando alguém que estava no chão. Em 2022, em busca da reelei­ção (que não veio), ele parti­cipou da marcha em Vitória, no Espírito Santo, ao lado do senador evangélico Magno Malta (PL-ES) e outros candi­datos que iriam concorrer nas eleições daquele ano. Entre a multidão, era possível ver uma arma gigante e um cai­xão com o símbolo do Partido dos Trabalhadores (PT). Fazia poucas semanas que um pe­tista havia sido morto por um bolsonarista após uma discus­são política.



Para pesquisadores que es­tudam o desenvolvimento da Marcha para Jesus no país – que é organizada pela Igreja Renascer em Cristo, do após­tolo Estevam Hernandes e da bispa Sônia, desde 1993, e foi crescendo à medida que a po­pulação se tornou mais evan­gélica –, esses acontecimen­tos são simbólicos de como o evento se consolidou como um palanque político nos úl­timos anos. Com privilégio mais evidente de políticos de direita e extrema direita.

Este ano, a Marcha para Jesus do Rio de Janeiro teve participação de pré-candidato à prefeitura e ataques ao Su­premo Tribunal Federal (STF). No ano passado, a Marcha na capital paulista reuniu aproxi­madamente 3 milhões de pes­soas. O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) não foi à marcha em São Paulo. Ele res­pondeu com uma carta em que agradecia pelo “honroso convite” e enviou como re­presentantes a deputada Be­nedita da Silva (PT) e Jorge Messias, advogado-geral da União, que foi vaiado durante seu discurso. Na edição deste ano, no dia 30 de maio, Mes­sias foi novamente o repre­sentante do presidente.


 

De evento evangelístico a palanque


A Marcha para Jesus se autodenomina como “maior evento popular cristão do mundo”. Ela se afirma como uma clara de­monstração da capacidade de mobilização e da força da população evangélica no país. Este ano, cerca de 13 mil caravanas de fiéis de diferentes denomina­ções evangélicas e estados participaram do evento.

Em suas mais de quatro décadas, a Marcha para Jesus deixou de ser ape­nas um evento de música e oração, como demonstra a ativa participação de po­líticos que figuram no trio principal e nos discursos feitos no palco.

No Brasil, a primeira Marcha para Jesus, rea­lizada em São Paulo em 1993, reuniu 350 mil pes­soas. A pesquisadora Ra­quel Sant’Ana explica que o crescimento do evento coincide com a chamada “explosão gospel” nos anos 1990 e a consolida­ção da Frente Parlamentar Evangélica no legislativo.

“Esses movimentos ofe­receram um repertório co­mum de músicas, progra­mas de televisão e agenda política, que passou a cir­cular além das igrejas es­pecíficas, por um público amplo”, explica.

Nos anos 2000, a mar­cha já era um megaevento. “A partir de 2013, com o retorno das mobilizações de rua como modelo de ativismo político e a maior organização da chamada nova direita, as atividades de preparação da marcha, com caravanas de bairros e de igrejas, a elaboração de cartazes próprios, ca­misas de movimentos com pautas próprias e outros modos de manifestação do público passaram a ser mais comuns”, diz a pes­quisadora.


Foi durante esse perío­do que a Igreja Renascer tornou-se pouco a pouco um conglomerado de mais de 800 templos, escolas, gravadoras e emissoras de rádio e TV.

Foi durante a reeleição de Lula à presidência, em 2009, que a celebração passou a ser incluída no calendário oficial do país. A lei, sancionada pelo pre­sidente, é de autoria do senador Marcelo Crivella (Republicanos-RJ), que já foi um dos bispos da Igreja Universal, presidida pelo seu tio Edir Macedo.

No ano passado o go­vernador de SP, Tarcísio de Freitas (Republicanos), sancionou uma lei que de­clara o evento como patri­mônio cultural de natureza imaterial do estado.

Este ano, Tarcísio mais uma vez esteve presente no evento, acompanhado do prefeito da cidade, Ri­cardo Nunes (MDB), que acena para o eleitorado evangélico numa tentativa de se reeleger.

As edições dos anos 1990 eram apenas uma aposta, dialogavam com a mobilização nacional ge­rada com o impeachment do presidente Collor, mas ainda eram muito identifi­cadas com a Igreja Renas­cer em Cristo, não havia adesão de um público e um arco de alianças abrangen­te como o de hoje.


A partir de 2013, com o retorno das mobilizações de rua como modelo de ativismo político e a maior organização da chama­da nova direita, as ativi­dades de preparação da marcha com caravanas, a elaboração de cartazes próprios, camisas de mo­vimentos com pautas pró­prias e outros modos de manifestação do público, paralelas à programação do palco, passaram a ser comuns.

A marcha de SP, em es­pecial, que sempre valo­rizou a institucionalidade e a participação de repre­sentantes dos executivos municipal, estadual e na­cional, independentemen­te do seu espectro político, é tratada como uma prova da relevância do evento. A necessidade de respeitar e orar pelas “autoridades” é sempre defendida pelos apresentadores e pela or­ganização. O que não quer dizer que o público não tenha suas próprias ideias e medidas do respeito de­vido (ou não) a esses polí­ticos. Em 2018, por exem­plo, a participação de Jair Bolsonaro, ainda na condi­ção de parlamentar e can­didato, inspirou algumas vaias, junto aos gritos de “mito” e aplausos.

 

Por que isso importa?

Maior evento gospel do país, a Marcha para Jesus cresceu junto com a popula­ção evangélica. A marcha se tornou um terreno de dispu­ta política que tem sido do­minado pelo bolsonarismo e pela extrema direita.

A aprovação do gover­no Lula entre os evangélicos segue baixa. Na opinião de Christina Vital, professora de Sociologia e coordenado­ra do Laboratório de Estudos Sócio-Antropológicos em Po­lítica, Arte e Religião da Uni­versidade Federal Fluminen­se (UFF), a esquerda ainda falha na comunicação com esse público.

“Isso vem favorecendo os políticos e líderes mais à di­reita”, diz a pesquisadora.

Por outro lado, Raquel Sant’Ana, antropóloga e pes­quisadora do Museu Nacio­nal da Universidade Federal do Rio de Janeiro, pontua que a direita investiu “siste­maticamente recursos, qua­dros e elaborou projetos que incluem os evangélicos de um modo que a esquerda não faz”.

Sant’Ana pesquisa mani­festações evangélicas na es­fera pública brasileira. Um dos pontos do seu trabalho é a teologia do domínio, que defende a disputa do poder terreno por aqueles que que­rem implementar o reino de Jesus na Terra – o que valori­zou a atuação de alguns gru­pos evangélicos na política institucional e na mídia.

“Também é importan­te notar que quem teve os melhores recursos para rea­lizar essa disputa foi quem se associou à ditadura. Mui­tas concessões de rádios gos­pel, por exemplo, foram fru­to dessa relação. Por outro lado, a esquerda evangélica, desmobilizada durante o re­gime, priorizou outras fren­tes de organização política e defendeu durante muito tempo que era necessário se­parar religião e política, dei­xando o terreno livre”, con­cluiu.

De acordo com Vital, a as­sociação com a direita se in­tensificou ao longo do tem­po.

“Embora essa associação já fosse verdadeira durante a Constituinte de 1987, vá­rios parlamentares evangéli­cos que compunham a cha­mada ‘bancada evangélica’ votavam em favor de pau­tas sociais ligadas ao comba­te às desigualdades sociais, de acesso à saúde e educa­ção”, diz.




Comentários:

Somente usuários cadastrados podem postar comentários.

Clique aqui para fazer o seu cadastro.

Se você já é cadastrado, faça login para comentar.

Entre em contato com a redação ❯
WhatsAPP DIARINHO

Envie seu recado

Através deste formuário, você pode entrar em contato com a redação do DIARINHO.

×






100.28.0.143

Últimas notícias

Márcio Coelho, ex-Guarani de Palhoça, é o novo técnico do Marcílio Dias

Copa SC

Márcio Coelho, ex-Guarani de Palhoça, é o novo técnico do Marcílio Dias

Governo Federal abre seleção de projetos para catadores de recicláveis

BRASIL

Governo Federal abre seleção de projetos para catadores de recicláveis

Moradores das praias de Estaleiro e Estaleirinho já podem se ligar à rede de esgoto

Balneário Camboriú

Moradores das praias de Estaleiro e Estaleirinho já podem se ligar à rede de esgoto

Mercedes-Benz lança superesportivo híbrido no Brasil

Nave estelar

Mercedes-Benz lança superesportivo híbrido no Brasil

Influenciadora "guru" brasileira Kat Torres é condenada por tráfico de pessoas

Condenação

Influenciadora "guru" brasileira Kat Torres é condenada por tráfico de pessoas

Corpo de jovem que morreu atropelado na Antônio Heil é sepultado

ITAJAÍ

Corpo de jovem que morreu atropelado na Antônio Heil é sepultado

Univali é terceira colocada nos Jogos Universitários Catarinenses

Desporto Universitário

Univali é terceira colocada nos Jogos Universitários Catarinenses

Maiori: Empreendimento certificado destaca segurança e excelência da Amalfi

CONSTRUÇÃO CIVIL

Maiori: Empreendimento certificado destaca segurança e excelência da Amalfi

Balneário Shopping terá segunda edição da Feira de Vinhos SuperKoch

BALNEÁRIO CAMBORIÚ

Balneário Shopping terá segunda edição da Feira de Vinhos SuperKoch

Steven Levitsky: “O atentado contra Trump vai ter menos impacto que a facada em Bolsonaro”

POLÍTICA

Steven Levitsky: “O atentado contra Trump vai ter menos impacto que a facada em Bolsonaro”



Colunistas

Convivendo com a imperfeição

Ideal Mente

Convivendo com a imperfeição

PDT com Juliana

JotaCê

PDT com Juliana

Coluna Esplanada

Cartel do hemo

Expectativa no Gigantão

Show de Bola

Expectativa no Gigantão

Direito na mão

Aposentadoria pelo pedágio de 50% e 100%: como funciona?

Saudades de um dia de sol

Foto do Dia

Saudades de um dia de sol

Coluna Exitus na Política

Um tiro pela culatra

Medalha de Bolsonaro a Milei, repórter hostilizada em evento de BC e mais: confira os destaques do DIARINHO nas redes sociais

Na Rede

Medalha de Bolsonaro a Milei, repórter hostilizada em evento de BC e mais: confira os destaques do DIARINHO nas redes sociais

Trip dos Silva

Jackie Rosa

Trip dos Silva

Tema: pedir aumento de salário, dicas para um assunto delicado

Mundo Corporativo

Tema: pedir aumento de salário, dicas para um assunto delicado

Família Bellini em festa

Gente & Notícia

Família Bellini em festa

Viva a Marina

Coluna do Ton

Viva a Marina

Vento terral ou “rapa-canela”: o frio em Itajaí

Coluna Fato&Comentário

Vento terral ou “rapa-canela”: o frio em Itajaí

Fundos imobiliários: oportunidades em fundos de tijolo e de papel

Diário do Investidor

Fundos imobiliários: oportunidades em fundos de tijolo e de papel

Histórias que eu conto

Colégio Catarinense 7 – final

Luta por direitos

Via Streaming

Luta por direitos

Artigos

Nos 164 anos de Itajaí, as pontes são para o futuro



TV DIARINHO


VANDALISMO E PRECONCEITO | Um homem foi flagrado pichando frases de ódio em muros de casas da praia ...



Podcast

Mãe abandona crianças sem comida em casa

Mãe abandona crianças sem comida em casa

Publicado 16/07/2024 20:00



Especiais

Steven Levitsky: “O atentado contra Trump vai ter menos impacto que a facada em Bolsonaro”

POLÍTICA

Steven Levitsky: “O atentado contra Trump vai ter menos impacto que a facada em Bolsonaro”

Em busca das peças saqueadas: fósseis extraídos ilegalmente do Ceará voltam ao Brasil

PÚBLICA

Em busca das peças saqueadas: fósseis extraídos ilegalmente do Ceará voltam ao Brasil

Ex-general agiu por ressentimento contra o presidente, diz pesquisadora

Golpe na Bolívia

Ex-general agiu por ressentimento contra o presidente, diz pesquisadora

CPAC põe Brasil no centro da extrema direita internacional, diz cientista política

ENTREVISTA

CPAC põe Brasil no centro da extrema direita internacional, diz cientista política

Seis atrações imperdíveis para curtir em Balneário Camboriú em julho

NA ESTRADA

Seis atrações imperdíveis para curtir em Balneário Camboriú em julho



Blogs

Festival de Vela de Caraguá 2024 confirmado

A bordo do esporte

Festival de Vela de Caraguá 2024 confirmado

Consenso

Blog do JC

Consenso

limpa

Blog da Ale Francoise

limpa

iPhone 16

Blog da Jackie

iPhone 16

Arquiteta Jordana Battisti, de Balneário Camboriú, apresenta o Café Bistrô Chá da Alice na CASACOR/SC - Itapema

Blog do Ton

Arquiteta Jordana Battisti, de Balneário Camboriú, apresenta o Café Bistrô Chá da Alice na CASACOR/SC - Itapema

Warung reabre famoso pistão, destruído por incêndio, com Vintage Culture em março

Gente & Notícia

Warung reabre famoso pistão, destruído por incêndio, com Vintage Culture em março

Como parcelar o IPVA de forma rápida e segura

Blog Doutor Multas

Como parcelar o IPVA de forma rápida e segura

Pirâmides Sagradas - Grão Pará SC I

Blog Clique Diário

Pirâmides Sagradas - Grão Pará SC I

Grupo Risco circula repertório pelo interior do Estado

Bastidores

Grupo Risco circula repertório pelo interior do Estado



Entrevistão

"Hoje nós não temos um litro de esgoto tratado em Navegantes”

Rogério Tomaz Corrêa

"Hoje nós não temos um litro de esgoto tratado em Navegantes”

"Nós já éramos PL antes do Bolsonaro entrar no PL. Nós não somos aproveitadores que entramos agora”

Carlos Humberto

"Nós já éramos PL antes do Bolsonaro entrar no PL. Nós não somos aproveitadores que entramos agora”

"O prefeito foi sete vezes a Dubai, em um ano, mas não se tem notícia de ter se reunido em um bairro de Balneário Camboriú”

Claudir Maciel

"O prefeito foi sete vezes a Dubai, em um ano, mas não se tem notícia de ter se reunido em um bairro de Balneário Camboriú”

"Eu digo que Camboriú não é uma bola para sair chutando. Muito menos cemitério de elefantes"

John Lenon Teodoro

"Eu digo que Camboriú não é uma bola para sair chutando. Muito menos cemitério de elefantes"



Hoje nas bancas

Capa de hoje
Folheie o jornal aqui ❯








Newsletter

Cadastre-se aqui para receber notícias do DIARINHO por e-mail

Jornal Diarinho© 2024 - Todos os direitos reservados.
Mantido por Hoje.App Marketing e Inovação