Matérias | Especial


RIO GRANDE DO SUL

São Leopoldo: a cidade gaúcha onde quase todos perderam o lar

Cidade da região metropolitana de Porto Alegre passa pela terceira enchente desde 2023 – esta é de longe a pior delas

Agência Pública [editores@diarinho.com.br]

Por Texto: Pâmella Atkinson | Edição: Bruno Fonseca, José Cícero | Fotógrafo: Thales Renato

Destroços nas ruas, águas em bairros inteiros, lama, resgates, tumultos, medo e insegurança. Este é o cenário nas ruas de São Leopoldo, região metropolitana de Porto Alegre. A cidade se soma aos 431 municípios gaúchos atingidos pelo temporal que assolou o estado. Números que por si sós já são alarmantes, mas a urgência aumenta quando nomes, vozes, rostos e histórias são acrescentadas à maior calamidade do Rio Grande do Sul.



Não é a primeira vez que os moradores de São Leopoldo passam por enchentes. Em junho e novembro de 2023, o comerciante Adenir Ferri, de 49 anos, também teve sua casa atingida. “A água foi mais baixa, foi mais simples. Conseguimos levantar os móveis, depois voltamos para casa, limpamos, tocamos a vida, compramos o que tinha estragado, pintamos a casa… tocamos a vida normal”, relembra. Agora, a situação foi mais grave. A água quase atingiu o teto da casa, a força foi tanta que o impacto dos móveis e objetos levados pela enchente estragou o forro da residência.

Dentro da casa ainda alagada, o comerciante busca o que salvar de seus pertences. Durante a noite ele trabalha em uma pizzaria de São Leopoldo e agora usa os dias para tentar reconstruir a vida que foi levada pela força da água. Uma vida que não será mais a mesma, que agora está marcada pelo medo e insegurança de viver o pesadelo novamente.


Pela terceira vez em 10 meses, Adenir Ferri faz a limpeza da casa atingida pela enchente
Quarto destruído pela enchente
Vista do banheiro de Ademir, onde a água quebrou dois vidros

 

As marcas na parede externa mostram os diferentes estágios da enchente

“Aqui está o meu quarto. Eu vou limpar, vou pintar, vou mobiliar e deitar aqui de novo. Agora eu não vou mais me sentir seguro aqui. Teve água até o teto, eu não vou mais dormir tranquilo aqui. A minha vontade agora é de ir para o lugar mais longe possível de qualquer rio, córrego, valão, longe da água. Foi muito traumatizante, foi muito difícil. A água subiu muito rápido aqui e a gente não conseguiu fazer nada, nada… só conseguiu sair”, conta o morador da Rua Frederico Mayer, bairro Feitoria.


Eram quase 17h do sábado, 4 de maio, quando a enchente começou a invadir a rua Potteinstein. Às 19h, quando a faxineira Eliani Queiroz saiu de casa, a água já estava no pátio. Há quatro dias, a moradora volta para casa todos os dias na tentativa de reconstrução, realizando limpeza e tentando salvar seus pertences. “Da cozinha deu para salvar o fogão, da sala a TV e do quarto o que sobrou foi um cobertor”, conta Eliani. A água atingiu praticamente todo o primeiro andar da casa em que mora há quatro meses, no bairro Feitoria. 

Ao mostrar os estragos deixados pela água, Eliani puxa uma toalha de banho vermelha com uma grande mancha marrom do topo de uma pilha de roupas molhadas e explica: “As roupas todas aqui para lavar, uma mais manchada que a outra. As que estão em cima estão menos sujas”. O caminho pela casa não vem acompanhado de menos estragos, as marcas da água nas paredes ultrapassam 1,5 metro.

Eliani é uma das 395,6 mil vidas gaúchas que precisaram deixar seus lares para fugir das águas da enchente, segundo dados da Defesa Civil.

Uma tragédia que assola também sua família. Seus irmãos, também moradores da região, precisaram sair às pressas. Suas casas foram totalmente tomadas pelo volume da água, que mesmo com a baixa do nível do rio segue dentro das residências de muitos moradores. Foi na sexta-feira, dia 3 de maio, que a água invadiu a casa da irmã, que buscou abrigo com Eliani. No sábado, todos precisaram sair da região e encontraram refúgio na casa de parentes de cidades próximas, Esteio e Sapucaia.


Desde o dia 4 de maio, Eliani Queiroz está fora de casa por conta da enchente que atingiu a sua residência
Ela volta para o local todos os dias para fazer a limpeza e na tentativa de salvar seus pertences

Na casa da faxineira, o momento é de reconstrução. Na terça-feira, 7 de maio, Eliani começou a limpeza de tudo o que sobrou. A principal preocupação no momento é com a contaminação pelo que a água deixou. “Mais é o perigo da água, as doenças, a sujeira que vem junto. Já as coisas materiais, vamos fazendo mutirão, vamos vendo, vamos nos virando para reconquistar. Eu quero mais é saúde pra todo mundo”, fala com esperança a moradora.

Histórias, perdas e danos

As marcas de lama na camiseta e a caneta que usava na faculdade; os cadernos não foram encontrados

Na hora de contabilizar perdas, há aquilo que se pode recuperar e aquilo que não volta mais. Adenir, que é estudante, buscava entre as águas seus materiais de aula, cadernos e anotações. “Eu tô caminhando pra cá e pra lá, já devo ter pisado em cima […] Eu não achei meu caderno, o meu computador molhou, eu não encontro minha CNH, meu RG… coisas antigas da família que eu guardava, nada restou”, suspira. Na rua, Adenir encontra uma caneta esferográfica, que reconhece como sua. Durante a entrevista, ele carrega a caneta no bolso, quase como uma espécie de símbolo, algo para se apegar em meio ao caos. “Minhas plantinhas morreram todas”, avalia com tristeza o comerciante, em meio a estimativa de danos.

Entre aqueles que perderam tudo, a dor se mostra maior sobre aquilo que não se pode recuperar. Márcia Adriana Matteus, 54 anos, lamenta entre lágrimas a perda de registros importantes da sua vida e da sua família. “O pior não é os bens materiais, eu estou há três dias entrando aqui, meus diplomas estão todos ali, todos molhados. Minhas fotos de infância, minha vida, meu passado, toda a minha história. Estava tudo aqui dentro, fotos dos meus filhos quando eram pequenos, fotos da minha mãe, que já faleceu, fotos de quando eu era criança. Eu não consegui recuperar nada, está tudo molhado… É a história da gente que não tem como recuperar, móveis a gente recupera, a gente trabalha de novo e consegue.”

Márcia também perdeu tudo, a água subiu até mais ou menos 1 metro do segundo andar da casa onde vive sozinha na rua Celso Thomaz Cunha Justo, na Feitoria. Dois de seus três filhos, que vivem na região, também perderam tudo. O mais novo, de 23 anos, estava construindo a vida, havia mobiliado a casa há dois meses. “A gente pensa, como é que vai pagar agora? Ele trabalha de motoboy, perdeu tudo. Ficou só com a geladeira”, relata a mãe.


Márcia Adriana perdeu tudo, a água subiu até mais ou menos um metro do segundo andar da casa onde vive sozinha
Márcia Adriana perdeu tudo, a água subiu até mais ou menos um metro do segundo andar da casa onde vive sozinha
Márcia Adriana perdeu tudo, a água subiu até mais ou menos um metro do segundo andar da casa onde vive sozinha
Márcia Adriana perdeu tudo, a água subiu até mais ou menos um metro do segundo andar da casa onde vive sozinha

 

A força da enchente tornou o cenário irreconhecível. “Não sobrou nada, quebrou tudo. Está horrível, parece que entrou um monstro dentro de casa”, conta Márcia, que saiu de casa ainda na quinta-feira, 2 de maio. 

São Leopoldo teve 180 mil atingidos 

Barcos se cruzam no bairro Vicentina, completamente embaixo d’água

No sábado em que a água invadiu a Feitoria, a prefeitura municipal decretou situação de calamidade pública na cidade. Na madrugada, o rio dos Sinos, que corta e abastece o município, atingiu a marca de 8,2 metros, um recorde histórico.  

Aproximadamente 180 mil habitantes da cidade foram afetados direta ou indiretamente pelas cheias. Destes, cerca de 12 mil encontram-se alojados em abrigos do município, e estima-se que mais de 100 mil pessoas estejam desalojadas. Os outros 88 mil cidadãos que tiveram que deixar seus lares buscaram abrigo em parentes e amigos que moram nas regiões não afetadas ou nas cidades próximas. Os dados são da prefeitura, que conta com 88 abrigos catalogados até o momento, que acolhem também 2.800 animais resgatados.

Espaço onde os desabrigados dormem no Centro de Eventos
Hospital veterinário de campanha também recebe atingidos
Cerca de 12 mil encontram-se alojados em abrigos do município

Um estudo do ClimaMeter, coletivo internacional de cientistas que analisa extremos meteorológicos logo após sua passagem, revela que a crescente nos estragos não é à toa. As mudanças climáticas causaram um aumento em 15% nas fortes chuvas que assolaram o estado do Rio Grande do Sul. Isso ajuda a explicar a catástrofe histórica que o estado enfrenta, um fenômeno sem precedentes. A pesquisa utiliza dados demográficos de padrões climáticos do final do século XX (1979 a 2001), comparando-os com as primeiras décadas do século XXI (2002 a 2023).

Imagens do impacto das enchentes na cidade de São Leopoldo, região metropolitana de Porto Alegre
Imagens do impacto das enchentes na cidade de São Leopoldo, região metropolitana de Porto Alegre

 

Imagens do impacto das enchentes na cidade de São Leopoldo, região metropolitana de Porto Alegre
Imagens do impacto das enchentes na cidade de São Leopoldo, região metropolitana de Porto Alegre

 

Imagens do impacto das enchentes na cidade de São Leopoldo, região metropolitana de Porto Alegre
Imagens do impacto das enchentes na cidade de São Leopoldo, região metropolitana de Porto Alegre

Previsão do tempo é alerta para a população

Apesar de as águas do rio dos Sinos continuarem baixando, a previsão é de mais chuva até domingo, 12 de maio. O alerta é para que as pessoas em regiões atingidas fiquem atentas ao nível da água, que pode voltar a subir. Até o fechamento desta reportagem, a medição do rio dos Sinos em São Leopoldo era de 5,73 metros às 12h do sábado, baixando 1 centímetro por hora. 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 




Comentários:

Somente usuários cadastrados podem postar comentários.

Para fazer seu cadastro, clique aqui.

Se você já é cadastrado, faça login para comentar.


Envie seu recado

Através deste formuário, você pode entrar em contato com a redação do DIARINHO.

×






44.222.104.206

Últimas notícias

Futebol

Com virada no fim, Avaí bate o Sport e entra no G4

Categorias de base

Marinheiro é derrotado pelo Hercílio Luz no Catarinense sub-20

Balneário Camboriú 

Assediador tenta beijar menina em banheiro de comércio em BC

Série B

Brusque toma 4 a 0 do Santos na Vila Belmiro

Travessia 

Balsinha da Barra do Rio é paralisada por causa da correnteza

BALNEÁRIO CAMBORIÚ

Homem tenta dar golpe com grana fake 

TRAGÉDIA

Recém-nascida morre de dengue em Piçarras

DESESPERADOR

Mulher é arrastada por correnteza e se segura em pedaço de madeira em Rio do Sul

Domingo 

Defesa Civil faz alerta sobre risco de alagamentos em Itajaí

EDUCAÇÃO

Mais de 60 crianças são chamadas para vagas de creches em BC



Colunistas

Na Rede

Morte de produtor, garotinho com orgulho do pai na enchente e mais: confira os destaques do DIARINHO

Artigos

O combate ao abuso e à exploração de crianças e adolescentes é um compromisso coletivo

Jackie Rosa

Niver da Chris

JotaCê

Amin responde Chiodini

Mundo Corporativo

A importância do equilíbrio da autoestima no mundo organizacional

Coluna Esplanada

Palácio x Lira

Gente & Notícia

Níver da Margot

Ideal Mente

Luto coletivo: navegando juntos nas ondas da perda

Show de Bola

Vitória da base

Direito na mão

Mulher entre 54 a 61 anos: como antecipar a aposentadoria?

Via Streaming

“Justiça”

Coluna Exitus na Política

Vontade e solidariedade

Coluna do Ton

Chegando de Mendoza

Histórias que eu conto

Armação da infância II

Foto do Dia

“O mar, quando quebra na praia”

Coluna Existir e Resistir

Designação geral sobre o fim do mundo

Coluna Fato&Comentário

Anuário de Itajaí - 100 anos da 1ª edição

Empreender

Balneário Camboriú atrai cada vez mais clientes do eixo sudeste



TV DIARINHO


Uma mulher foi arrastada pela correnteza do rio Itajaí-Açu em Rio do Sul. Ela se agarrou em um pedaço ...





Especiais

NA ESTRADA

BC oferece rolês gastronômicos, culturais, de compras e lazer

RIO GRANDE DO SUL

São Leopoldo: a cidade gaúcha onde quase todos perderam o lar

RIO GRANDE DO SUL

Governo Eduardo Leite não colocou em prática estudos contra desastres pagos pelo estado

Retratos da destruição

“Não temos mais lágrimas pra chorar”: A cidade gaúcha destruída pela 3ª vez por enchentes

MEIO AMBIENTE

Maioria de deputados gaúchos apoia projetos que podem agravar crise climática



Blogs

A bordo do esporte

Atletas classificados para o Pan-Americano de VA'A

Blog da Jackie

Tá na mão!!!

Blog do JC

Visita na choupana do Chiodini e Rebelinho

Blog da Ale Francoise

A pílula da felicidade

Blog do Ton

Amitti Móveis inaugura loja em Balneário Camboriú

Gente & Notícia

Warung reabre famoso pistão, destruído por incêndio, com Vintage Culture em março

Blog Doutor Multas

Como parcelar o IPVA de forma rápida e segura

Blog Clique Diário

Pirâmides Sagradas - Grão Pará SC I

Bastidores

Grupo Risco circula repertório pelo interior do Estado



Entrevistão

Vilfredo e Heloísa Schurmann

"Nós reciclamos só 6% no Brasil. Na Europa já é 50%. A própria China já está com 35% de reciclagem” (Vilfredo)

João Paulo

"Essa turma que diz defender a família ajudou a destruir a boa convivência em muitas famílias. Na defesa de um modelo único, excludente"

Entrevistão Peeter Grando

“Balneário Camboriú não precisa de ruptura, mas de uma continuidade”

Juliana Pavan

"Ter o sobrenome Pavan traz uma responsabilidade muito grande”



Hoje nas bancas


Folheie o jornal aqui ❯








MAILING LIST

Cadastre-se aqui para receber notícias do DIARINHO por e-mail

Jornal Diarinho© 2024 - Todos os direitos reservados.
Mantido por Hoje.App Marketing e Inovação