Matérias | Especial


LABCIDADE

Grande São Paulo tem mais de 230 mil famílias ameaçadas de despejo, diz pesquisa

LabCidade identificou, entre o fim do ano passado e junho de 2023, mais 552 famílias ameaçadas de perder moradia

Redação DIARINHO [editores@diarinho.com.br]

Por: Agência Pública | Texto: Matheus Santino | Edição: Mariama Correia | Fotógrafo: José Cícero | Colaboração: Bianca Muniz

Nos municípios da Região Metropolitana de São Paulo, ao menos 231.420 famílias estão ameaçadas de despejo, segundo o Observatório de Remoções, projeto do LabCidade, laboratório de pesquisa e extensão da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo (FAU/USP). O levantamento, obtido com exclusividade pela Agência Pública, compreende dados colhidos de 2017 até junho deste ano, através de mapeamento colaborativo, que usa denúncias, informações divulgadas pela imprensa, pesquisa de campo e leitura de dados oficiais.



Entre a divulgação do último levantamento sobre despejos na Grande São Paulo, no fim do ano passado, e junho deste ano, o LabCidade identificou mais 8.027 famílias que passaram a ser ameaçadas de despejo. Nesse mesmo período, segundo o laboratório, 552 famílias foram atingidas em 12 novas remoções identificadas. Desde 2017, quando a pesquisa começou a ser feita, o número de famílias removidas é de 41.308.

Grande São Paulo tem mais de 230 mil famílias ameaçadas de despejo

Entre julho de 2021 e outubro de 2022, a prática de desocupações coletivas tinha sido suspensa pela Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF) 828, que proibia despejos durante a pandemia. Em outubro do ano passado, o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu não prorrogar a medida. Os dados divulgados agora pelo LabCidade também estão relacionados com a queda dessa medida. 


O balanço do Observatório de Remoções aponta que a Polícia Militar e a Guarda Civil Metropolitana (GCM), juntas, são os principais agentes responsáveis pela realização das remoções mapeadas entre janeiro de 2021 e junho de 2023. Somente a PMSP foi responsável por 14 remoções. 

Desde 2017, quando a pesquisa começou a ser feita, o número de famílias removidas é de 41.308

O mapeamento do LabCidade também mostra que os conflitos de posse são responsáveis por 62,5% dos registros de remoção e em 34,2% das ameaças de despejo na região.


É o que acontece em Cajamar, na Grande São Paulo, aproximadamente 40 quilômetros do Centro da capital, onde cerca de 96 famílias estão sob constante ameaça de despejo na Ocupação dos Queixadas III, na região do bairro Panorama, organizada pelo movimento Luta Popular.

Reintegração de posse é responsável por mais da metade dos despejos na Grande São Paulo
Reintegração de posse é responsável por mais da metade dos despejos na Grande São Paulo
Reintegração de posse é responsável por mais da metade dos despejos na Grande São Paulo

 

Reintegração de posse é responsável por mais da metade dos despejos na Grande São Paulo

 

A ocupação existe há mais de quatro anos. São pequenas moradias de madeira, com raras exceções de casas de alvenaria. Um processo de reintegração de posse da área, movido pela suposta herdeira do terreno, uma professora aposentada, está em tramitação no TJSP desde 2019, quando a ocupação começou. 

Christian Willy, de 34 anos, mais conhecido como Jesus, coordenador da ocupação, é técnico de informática e está desempregado. Ele diz que o terreno não tem dono e que, segundo relatos de vizinhos, estaria abandonado há 40 anos. Também que era utilizado para desmanche de carros e tráfico de drogas.


“Ela tinha pedido usucapião em 2017. Uma pessoa que é dona não precisa pedir usucapião”, diz o coordenador. Maria de Oliveira, conhecida como Dona Nelma, tem 65 anos e está na ocupação desde a primeira semana. Antes, ela morava no Paraná. Dona Nelma diz que nunca havia morado em uma ocupação antes e que no começo teve vontade de voltar para o Paraná, mas acabou ficando por conta dos filhos, que moram perto de Queixadas.

Jesus é um dos coordenadores da Ocupação dos Queixadas
 Dona Nelma espera com apreensão o desfecho do processo

Segundo a moradora, a renda de um salário mínimo de aposentadoria que recebe não seria o suficiente para pagar aluguel e cobrir outros custos básicos. Ela está apreensiva com a situação da ocupação e diz que não sabe o que vai fazer se tiverem que sair. “Espero que eles deem um cantinho pra gente morar. Se for pagar aluguel, vou pagar, mas vou ficar sem comer e beber água”, diz

A atualização de dados do Observatório de Remoções do LabCidade ainda inclui sentenças relacionadas a conflitos de posse, identificadas entre janeiro de 2017 e dezembro de 2022, e conflitos de aluguel, entre janeiro de 2018 e dezembro de 2022. Através desse levantamento, o laboratório concluiu que a categoria “risco” – que sinaliza perigo para pessoas que ocupam o local – é responsável por 13,1% dos registros de remoções na Grande São Paulo. Contudo, essa justificativa é mais utilizada para ameaças de despejo. São 30,9% de citações do fator “risco” como justificativa nos processos de remoções ainda não concluídos. 

Segundo Matheus Martins, pesquisador do LabCidade que participou do levantamento, a categorização “risco” é utilizada para facilitar as remoções. “Isso ficou muito claro durante o período de suspensão das remoções, na pandemia, quando se alegava que havia um risco ou que as pessoas estavam nesse local, você podia desocupar, mesmo com a ADPF em vigor”, explica.

Martins usa como exemplo o desabamento do edifício Wilton Paes de Almeida, no centro de São Paulo, em 2018, que, segundo ele, deu início a “um forte processo de criminalização das ocupações na região central, utilizando o risco de desabamento como forma de despejar as famílias que ocupam os prédios, sem que se apresente uma solução efetiva para sanar esse risco”.


“Existem formas de minimizar o risco e tem que se pensar em quais momentos ele vai ser minimizado ou até mesmo eliminado para as pessoas que moram ali. Em muitos momentos o risco é utilizado para a remoção, principalmente quando existem interesses imobiliários ou políticos nessas áreas”, analisa o pesquisador.

Incertezas e ameaças

Giovanna Beatriz tem 20 anos e mora na Ocupação Queixadas com o namorado há pelo menos três. “Não estou aqui por opção, é mais necessidade. Se não, não passaria pelas coisas que eu passo. O povo tira a gente como vagabundos”, comenta. 

Ela conta que os moradores da ocupação são pressionados pela suposta herdeira do terreno, que tenta a reintegração de posse na Justiça. “Às vezes a gente não dorme, ela coloca um som bem alto de corneta de madrugada, falando de ocupação, despejo”, conta. 

Giovanna diz que mora na ocupação por necessidade

Moradores da Queixadas, ouvidos pela reportagem, relataram que a ocupação já foi alvo de ameaças, e que chegaram a ser hostilizados com bomba de gás e spray de pimenta. Eles também relataram xingamentos racistas. A reportagem não conseguiu contato com a suposta herdeira do terreno. O coordenador da ocupação, Christian Willy, diz que a própria prefeitura de Cajamar age com preconceito contra os moradores do local, “porque a administração pública teria negado a existência da Queixadas”. 

“A lei diz que a prefeitura tem que dar uma alternativa de moradia, construir casas populares ou pagar um aluguel social”, diz o coordenador da ocupação. “Mas a solução que foi apresentada foi de pagar aluguel por algum tempo apenas para dez 0 famílias, o que não foi aceito”, conta.   

De acordo com Christian Willy, como o processo de reintegração de posse está em tramitação, a qualquer momento as famílias podem ser obrigadas a deixar o território. “Acho que pior é a espera de uma resposta do que uma resposta ruim. Uma resposta ruim você consegue se organizar e correr atrás, a espera vai te matando aos poucos. É muito complicado”.

 

 

 




Comentários:

Somente usuários cadastrados podem postar comentários.

Clique aqui para fazer o seu cadastro.

Se você já é cadastrado, faça login para comentar.

Entre em contato com a redação ❯
WhatsAPP DIARINHO

Envie seu recado

Através deste formuário, você pode entrar em contato com a redação do DIARINHO.

×






3.236.112.70

Últimas notícias

Se liga: Festa dos Amigos interdita avenida Atlântica no domingo

BALNEÁRIO CAMBORIÚ

Se liga: Festa dos Amigos interdita avenida Atlântica no domingo

Projeto pioneiro de presos da região vai trabalhar com adestramento de cães

ITAJAÍ

Projeto pioneiro de presos da região vai trabalhar com adestramento de cães

Região amanheceu encoberta por cerração

Sol e nuvem

Região amanheceu encoberta por cerração

Casal acusado de lavagem de dinheiro é preso em casa de shows

CAMBORIÙ

Casal acusado de lavagem de dinheiro é preso em casa de shows

Morre Mara Salerno aos 68 anos

ITAJAÍ

Morre Mara Salerno aos 68 anos

Justiça tira da cadeia quatro prefeitos acusados de corrupção

SANTA CATARINA

Justiça tira da cadeia quatro prefeitos acusados de corrupção

Vai rolar música e arte em Porto Belo

MÚSICA NA RUA

Vai rolar música e arte em Porto Belo

Bombinhas tem espetáculo do Boi de Mamão

CULTURA

Bombinhas tem espetáculo do Boi de Mamão

Quatro ladras dão rolê na Zara e fogem com quase 30 peças de roupas

BALNEÁRIO CAMBORIÚ

Quatro ladras dão rolê na Zara e fogem com quase 30 peças de roupas

Episódios gravados por alunos da Univali aplicam química na investigação de crimes

ITAJAÍ 

Episódios gravados por alunos da Univali aplicam química na investigação de crimes



Colunistas

Lençóis Maranhenses

Coluna do Ton

Lençóis Maranhenses

João da Caixa visita o JC

JotaCê

João da Caixa visita o JC

Alesc consolida bancadas regionais e emendas podem chegar a R$ 100 milhões

Coluna Acontece SC

Alesc consolida bancadas regionais e emendas podem chegar a R$ 100 milhões

Coluna Esplanada

Segredo oficial

Proteja sua “maquininha de fazer dinheiro”

Diário do Investidor

Proteja sua “maquininha de fazer dinheiro”

Festa da Marvel

Gente & Notícia

Festa da Marvel

“Quiz Lady”

Via Streaming

“Quiz Lady”

Convivendo com a imperfeição

Ideal Mente

Convivendo com a imperfeição

Expectativa no Gigantão

Show de Bola

Expectativa no Gigantão

Direito na mão

Aposentadoria pelo pedágio de 50% e 100%: como funciona?

Saudades de um dia de sol

Foto do Dia

Saudades de um dia de sol

Coluna Exitus na Política

Um tiro pela culatra

Medalha de Bolsonaro a Milei, repórter hostilizada em evento de BC e mais: confira os destaques do DIARINHO nas redes sociais

Na Rede

Medalha de Bolsonaro a Milei, repórter hostilizada em evento de BC e mais: confira os destaques do DIARINHO nas redes sociais

Trip dos Silva

Jackie Rosa

Trip dos Silva

Tema: pedir aumento de salário, dicas para um assunto delicado

Mundo Corporativo

Tema: pedir aumento de salário, dicas para um assunto delicado

Vento terral ou “rapa-canela”: o frio em Itajaí

Coluna Fato&Comentário

Vento terral ou “rapa-canela”: o frio em Itajaí

Histórias que eu conto

Colégio Catarinense 7 – final

Artigos

Nos 164 anos de Itajaí, as pontes são para o futuro



TV DIARINHO


Itapema amanheceu encoberta por neblina neste sábado assim como Balneário Camboriú e outras cidades ...





Especiais

Steven Levitsky: “O atentado contra Trump vai ter menos impacto que a facada em Bolsonaro”

ESTADOS UNIDOS

Steven Levitsky: “O atentado contra Trump vai ter menos impacto que a facada em Bolsonaro”

Por que Balneário Camboriú é a preferida para férias em família?

turismo

Por que Balneário Camboriú é a preferida para férias em família?

 Barra é uma joia do outro lado do rio Camboriú

paraíso

Barra é uma joia do outro lado do rio Camboriú

BC está na rota do turismo que mais fatura no mundo

TODAS AS CORES

BC está na rota do turismo que mais fatura no mundo

De praia de veraneio a polo turístico

transformação

De praia de veraneio a polo turístico



Blogs

Brasileiros se preparam para última etapa da Fórmula E

A bordo do esporte

Brasileiros se preparam para última etapa da Fórmula E

PSD da Dubai convoca sua convenção

Blog do JC

PSD da Dubai convoca sua convenção

Marcas brasileiras na Semana da Moda de Milão

Blog da Jackie

Marcas brasileiras na Semana da Moda de Milão

limpa intestino

Blog da Ale Francoise

limpa intestino

Arquiteta Jordana Battisti, de Balneário Camboriú, apresenta o Café Bistrô Chá da Alice na CASACOR/SC - Itapema

Blog do Ton

Arquiteta Jordana Battisti, de Balneário Camboriú, apresenta o Café Bistrô Chá da Alice na CASACOR/SC - Itapema

Warung reabre famoso pistão, destruído por incêndio, com Vintage Culture em março

Gente & Notícia

Warung reabre famoso pistão, destruído por incêndio, com Vintage Culture em março

Como parcelar o IPVA de forma rápida e segura

Blog Doutor Multas

Como parcelar o IPVA de forma rápida e segura

Pirâmides Sagradas - Grão Pará SC I

Blog Clique Diário

Pirâmides Sagradas - Grão Pará SC I

Grupo Risco circula repertório pelo interior do Estado

Bastidores

Grupo Risco circula repertório pelo interior do Estado



Entrevistão

"O PL continua sendo o nosso vice, mas eu preciso acertar esse detalhe com o governador”

Liba Fronza

"O PL continua sendo o nosso vice, mas eu preciso acertar esse detalhe com o governador”

"Hoje nós não temos um litro de esgoto tratado em Navegantes”

Rogério Tomaz Corrêa

"Hoje nós não temos um litro de esgoto tratado em Navegantes”

"Nós já éramos PL antes do Bolsonaro entrar no PL. Nós não somos aproveitadores que entramos agora”

Carlos Humberto

"Nós já éramos PL antes do Bolsonaro entrar no PL. Nós não somos aproveitadores que entramos agora”

"O prefeito foi sete vezes a Dubai, em um ano, mas não se tem notícia de ter se reunido em um bairro de Balneário Camboriú”

Claudir Maciel

"O prefeito foi sete vezes a Dubai, em um ano, mas não se tem notícia de ter se reunido em um bairro de Balneário Camboriú”



Hoje nas bancas

Capa de hoje
Folheie o jornal aqui ❯








Newsletter

Cadastre-se aqui para receber notícias do DIARINHO por e-mail

Jornal Diarinho© 2024 - Todos os direitos reservados.
Mantido por Hoje.App Marketing e Inovação