Matérias | Especial


SE LIGA!

DIARINHO lança espaço de economia popular para ajudar você nas compras

Toda semana serão pesquisados preços nos maiores mercados de Itajaí em dias promocionais de hortifrúti, carnes, material de higiene e limpeza e cesta básica

Redação DIARINHO [editores@diarinho.com.br]

Veja quem se saiu melhor no comparativo de preço de 50 itens em cinco mercados de Itajaí (foto: Renata Rosa)

Texto e fotos: Renata Rosa

Todo mundo sabe que a pesquisa é a melhor ferramenta para conseguir um bom produto pelo melhor preço. Mas, diante da correria do dia a dia, quem tem tempo para sair de mercado em mercado ...

 

Já possui cadastro? Faça seu login aqui.

Quer continuar lendo essa e outras notícias na faixa?
Faça seu cadastro agora mesmo e tenha acesso a
10 notícias gratuitas por mês.

Cadastre-se aqui



Bora ler todas as notícias e ainda compartilhar
as melhores matérias com sua família e amigos?

Assine agora mesmo!


Todo mundo sabe que a pesquisa é a melhor ferramenta para conseguir um bom produto pelo melhor preço. Mas, diante da correria do dia a dia, quem tem tempo para sair de mercado em mercado para comparar preços e descobrir onde fazer a feira ou garantir o churrasco do fim de semana? Pois é esta a importante missão da nova série de reportagens do DIARINHO, começando por 50 itens hortifrutigranjeiros dos cinco maiores supermercados de Itajaí.

Para ter uma ideia do quanto o consumidor paga para fazer a feira em pontos diferentes da cidade, o DIARINHO coletou preços num mercado do centro (Angeloni), um do São João (Koch), outro na Fazenda (Giassi), no Cordeiros (Schmit) e no Bistek da Heitor Liberato, que fica no São João, mas também atende a galera da Vila. A fim de não haver distorções por causa dos dias promocionais, a coleta ocorreu entre 6 e 8 de setembro. Para quem frequenta o Angeloni, o melhor dia para fazer a feira é quarta e sábado, já no Koch, é quarta e quinta. Os hortifrútis do Bistek estão mais em conta na segunda e terça, e no Giassi e Schmit, na quinta.



E não estranhe se você estiver sentindo a falta do mercado de sua preferência ou do seu bairro. É que, por causa da multiplicação dos “atacarejos” - supermercados que vendem tanto no atacado quanto no varejo - vão rolar pesquisas exclusivas nestes atacadões, e também análises de ofertas para saber se vale a pena comprar em quantidade para garantir um preço menor.

Entenda a nova seção do DIARINHO

1) Vamos elaborar a lista com as pechinchas da semana


2) Serão produzidas reportagens sobre como adequar as necessidades da família ao apertado orçamento doméstico

3) A ideia é ensinar a tirar melhor proveito das frutas e legumes da estação, ou buscar alternativas se aquele produto estiver custando o olho da cara

4) Vale ficar atento às artimanhas da indústria que, para driblar a inflação, oferece produtos com preço e embalagem semelhantes ao original, mas de baixa qualidade

Aguarde!

 


Diferença de preço passa de 200% de um bairro para outro

Preço do alho é um dos destaques do Koch

Preço do alho é um dos destaques do Koch

 

Dentre os 50 itens pesquisados, dois apresentaram diferença de preço de mais de 200%: a couve (279,39%) e a abóbora seca (255,11%). Em ambos, o preço mais barato era encontrado no Schmit e o mais caro no Angeloni (veja na tabela). Outros nove produtos tiveram variação de mais de 100%: rabanete (190,61%), repolho (188,67%), mandioquinha (160,32%), alface comum (158,79%), couve-flor (148,67%), laranja-lima (130,18%), brócolis (118,49%), laranja-pera (108,99%), espinafre (108,54%) e rúcula (100,5%).


O Schmit e o Koch empataram em número de itens mais baratos da pesquisa: 20. No supermercado do Cordeiros, o destaque vai para verduras como rúcula, couve, cebolinha, salsa, espinafre e alface, que estavam com preço único (R$ 1,99), por isso derrubaram a concorrência. E também a bandeja com 30 ovos vermelhos, que passou a ser um item bastante procurado desde que a carne ficou inacessível, e estava em promoção por R$ 12,98. Já no Koch, era mais vantajoso comprar aipim (R$ 2,99), alho (R$ 15,90), laranja-pera (R$ 1,89), goiaba (R$ 6,99), abacate (R$ 5,99) e mandioquinha (R$ 4,99).

O Giassi apresentou sete preços mais competitivos, entre eles vagem (R$ 10,98), beterraba (R$ 3,28) e banana caturra (R$ 3,78). As melhores promoções do Bistek foram no preço do rabanete (R$ 3,09), alho-poró (R$ 2,49) e maçã gala (R$ 5,99). O Angeloni baixou o preço da dúzia de ovos (R$ 7,99), do tomate (R$ 4,49) e do melão (R$ 6,89).

 

Preços ainda refletem o período de seca do ano passado

Quando a gente vai ao supermercado e compra sempre os mesmos hortifrútis, percebe que em certas épocas do ano o preço está mais camarada. Alguns fatores contribuem para isso: ser um produto da estação, produzido na região e quando não há alterações climáticas que interferem na quantidade de água e sol, essenciais para o desenvolvimento da planta.

Mas 2022 está sendo um ano atípico, e não apenas por causa da pandemia ou da atual guerra na Europa, mas por causa do prolongado período de seca do ano passado, que prejudicou o desenvolvimento de frutas plantadas no segundo semestre. “A maçã é mais barata no início do ano porque é colhida até junho. Depois, é mantida em câmara fria por até seis meses para estar disponível o ano todo, por isso ela está mais cara agora”, explica o economista Rogério Goulart, do Centro de Pesquisa Socioeconômico da Epagri. Ele conta que, apesar de Santa Catarina ser a líder na produção de maçã no país, o preço praticado por aqui acaba sendo o mesmo do Sudeste, para onde é vendida a maior parte da produção.


No caso do alho e da cebola, os preços só começam a baixar a partir de outubro, quando começa a colheita. Mas, ao contrário da maçã, é impossível fazer estoque porque são itens muito sensíveis à umidade. “Para oferecer esses produtos fora da estação, a saída é importar, e o preço vai depender se o câmbio do real em relação ao dólar estará favorável. Muito do alho que se vê hoje nos mercados vem da China”, acrescenta.

O engenheiro agrônomo Antonio Santos conta que os produtos cultivados na região de Itajaí (hortaliças e aipim) não são vendidos para as grandes redes de supermercados, e sim em feiras, mercearias e para as escolas do município, dentro do programa de alimentação escolar. Portanto, os legumes e frutas que compramos nos supermercados percorreram centenas de quilômetros para chegar à nossa mesa, o que encarece o custo, já que o combustível, principalmente o diesel, usado por caminhões, acumulou alta de 42% no primeiro semestre, de acordo com a Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis.

Um dos poucos produtos que é cultivado o ano todo e tem um preço mais estável por estar na região da Amfri, mais precisamente em Luís Alves, é a banana. Não é à toa que, seja branca ou caturra, ela é presença constante na mesa do peixeiro, seja fritinha com farofa no café da tarde, em rodelinhas no feijão ou em forma de pastel, lambuzado de açúcar com canela, a popular bananinha. Até na padaria se vende banana. Mais peixeiro impossível!

Pesquisa de preços dos Hortifrutis

Arquivo para download:
637851_PESQUISA.pdf




Comentários:

Somente usuários cadastrados podem postar comentários.

Para fazer seu cadastro, clique aqui.

Se você já é cadastrado, faça login para comentar.


Envie seu recado

Através deste formuário, você pode entrar em contato com a redação do DIARINHO.

×






44.197.198.214

Últimas notícias

Verão

Itajaí libera mesas e cadeiras de bares nas praias, mas cobrança é proibida

ITAJAÍ

Praia do Atalaia será palco de torneio solidário de surfe

THIAGO SILVA

Capitão da seleção brasileira tem iate fabricado em Itajaí

Porto de Itajaí

Prefeito Volnei considera vetar a renovação com a APM Terminals

Novas caras

Marcílio Dias confirma sete contratações para o Catarinense

ITAJAÍ

Morre o João dono da antiga banca LoJoão

Serra de Guaratuba

Tráfego na BR 376 é liberado em uma pista

Liga Nacional

Handebol Itajaí perde com gol irregular; equipe quer anulação do jogo

NATAL 2022

Vaticano fará carreata iluminada com Papai Noel em quatro cidades de Santa Catarina

Vazamentos

Índices de perdas da Águas de Camboriú chega a 17,9% nos últimos meses



Colunistas

JotaCê

Zanatta e Boulos juntos em Brasília

Coluna Esplanada

Desafino no backstage

Gente & Notícia

Marina Itajaí é Bandeira Azul

Canal 1

Humorístico da Band tinha tudo para dar errado. E deu

Clique diário

Pé na areia

Direito na mão

Quem pode pedir a revisão da vida toda?

Foto do Dia

Dia de chuva

Coluna do Janio

Apresentação do Marinheiro

Coluna Exitus na Política

A liberdade do tempo

Na Rede

Confira o que bombou nas redes sociais do DIARINHO

Via Streaming

“Rainha de Katwe”

Jackie Rosa

Mulherada reunida

Vinicius Lummertz

SC do futuro: nas BRs, 2023 pode ser pior do que 2022

Coluna do Ton

Mãe & Filha

Coluna Fato&Comentário

Alvim Sandri: "História de vida", aos 99 anos

Artigos

Não queremos viver numa pátria dominada pela bandidagem



TV DIARINHO


Confira as principais notícias desta quarta-feira no DIARINHO: - Homem que matou amigo durante churrasco ...





Especiais

Pesquisa de preços

Bora conferir as pechinchas da semana pra garantir o churrasco do jogo do Brasil

OLHO NA DOSE

Pesquisa de preço mostra onde bebidas quentes são mais baratas

Na Estrada com o DIARINHO

Maravilhas naturais fazem de Bombinhas o Caribe catarinense

Itajaí

Do imóvel popular ao de altíssimo padrão são as apostas da Lotisa

Alto padrão

Procave agrega valor e exclusividade



Blogs

A bordo do esporte

Adeus ao juiz de vela Dionysio Sulzbeck

Blog do JC

Quadrangular 71 anos

Blog Doutor Multas

Fumar e dirigir dá multa?

Blog do Ton

Festa The Box comemora 5 anos neste fim de semana em Balneário Camboriú

Blog da Ale Francoise

Os poderes da Spirulina!

Blog da Jackie

Spring Party

Blog Clique Diário

Pirâmides Sagradas - Grão Pará SC I

Bastidores

Grupo Risco circula repertório pelo interior do Estado



Entrevistão

Alvim Sandri

"Levei a vida que a minha mãe ensinou: fé em Deus e andar certo

Marcelo Sodré

"A hora que entrar o contrato de arrendamento essa agonia se dissipa. As empresas vêm pra fazer o porto continuar crescendo”

James Winter

“Só vai haver desemprego e demissão em massa se não tiver carga aqui no Porto de Itajaí”

Décio Lima

"Hoje, de R$ 97 bilhões que são arrecadados pelo governo federal em Santa Catarina, apenas R$ 7 bilhões voltam”



Hoje nas bancas


Folheie o jornal aqui ❯








Jornal Diarinho© 2022 - Todos os direitos reservados.
Mantido por Hoje.App Marketing e Inovação