Matérias | Geral


ITAJAÍ

Ação popular quer ressarcimento por dragagens no Saco da Fazenda

Porto desmente denúncia de irregularidade em contrato de arrendamento da área da marina

Redação DIARINHO [editores@diarinho.com.br]

Concessão, porém, passou por reequilíbrio, com dragagem, deixando de ser obrigação do porto (foto: João Batista)

A superintendência do Porto de Itajaí contestou a denúncia de que teria reconhecido irregularidade no contrato de arrendamento com o complexo Náutico Ambiental, onde foi instalada a marina Itajaí, e pedido ressarcimento dos valores usados na dragagem da baía do Saco da Fazenda. As obras feitas, ainda em 2013, chegaram a ser alvo de notificação e multa da Antaq contra o porto por, suspostamente, beneficiarem o empreendimento particular, em operação desde 2016.


Uma ação de iniciativa popular levada à justiça estadual, no início do ano, pede que seja ressarcido aos cofres públicos o valor de R$ 5,5 milhões gastos nas obras de dragagem. Em valores ...

 

Já possui cadastro? Faça seu login aqui.

Quer continuar lendo essa e outras notícias na faixa?
Faça seu cadastro agora mesmo e tenha acesso a
10 notícias gratuitas por mês.

Cadastre-se aqui



Bora ler todas as notícias e ainda compartilhar
as melhores matérias com sua família e amigos?

Assine agora mesmo!



Uma ação de iniciativa popular levada à justiça estadual, no início do ano, pede que seja ressarcido aos cofres públicos o valor de R$ 5,5 milhões gastos nas obras de dragagem. Em valores atualizados, o montante já chegaria a R$ 8,6 milhões, conforme a ação. Uma nova denúncia dava conta que a própria superintendência teria pedido o ressarcimento das despesas à marina na ação, junto com o próprio autor.

Segundo o superintendente do porto, Fábio da Veiga, contudo, não houve pedido de ressarcimento. Ele explicou que o contrato de arrendamento, na verdade, passou por um reequilíbrio econômico-financeiro. “É um processo que passou tanto pela Antaq, como também pela secretaria Nacional de Portos. Houve um reequilíbrio, inclusive, dando mais tempo de contrato, já que essas obrigações de dragagem passaram a ser da empresa arrendatária”, disse.

Fábio ressalta que o processo de reequilíbrio não se tratou de um ressarcimento. Ele lembra que a obrigatoriedade da dragagem, à época das obras, era da autoridade portuária, por contrato. A ação popular já foi contestada judicialmente, tanto pela superintendência do Porto quanto pela marina Itajaí, que defendem a improcedência das alegações do autor.

O superintendente informa que foi reconhecida a incompetência da justiça estadual para tratar do tema de interesse da União, e o caso foi pra justiça federal. Em novembro, no entanto, o juiz da 3ª vara Federal de Itajaí, Tiago do Carmo Martins, decidiu que a competência é da justiça estadual, com a ação sendo retomada pela vara da Fazenda Pública de Itajaí. “Com o reequilíbrio feito e aprovado pelo poder concedente, a ação perde o objeto”, acredita Fábio da Veiga.

Se o processo avançar, antigos dirigentes do porto poderão ser responsabilizados por eventuais irregularidades na autorização dos gastos para a dragagem. Na ocasião da fiscalização do contrato pela agência Nacional de Transportes Aquáviários (Antaq), em abril de 2016, a notificação do órgão exigia a retirada da cláusula do contrato de arrendamento do complexo náutico, que previa o porto como responsável pela dragagem da baía do Saco da Fazenda durante a concessão.

Continua depois da publicidade



Concessão de 25 anos

A área da marina pertence ao porto e foi arrendada à marina por meio de licitação. O contrato é de 25 anos, prorrogável por igual período. Pela concessão, a empresa paga um percentual à autoridade portuária sobre cada barco que usa as vagas da marina. Os valores foram reajustados no processo de reequilíbrio do contrato, mas a superintendência não informou os repasses atuais.

Continua depois da publicidade



Além dos valores mensais, o contrato ainda estabelece mais de R$ 38 milhões em investimentos ao longo do contrato, e todas as melhorias feitas na área ficarão para a União ao fim do arrendamento.

Para a marina, o reequilíbrio do contrato não implica o dever de a empresa ressarcir o porto pelos valores gastos na dragagem. Isso porque, conforme explica o diretor da marina, Carlos Gayoso de Oliveira, o serviço era uma obrigação da autoridade portuária, como previsto no edital de licitação e no contrato inicial.

“Posteriormente, a Antaq solicitou que o Porto transferisse a responsabilidade da dragagem para a marina. Por este motivo, em outubro deste ano, houve revisão contratual e a marina aceitou assumir a dragagem”, disse.




Comentários:

Somente usuários cadastrados podem postar comentários.

Para fazer seu cadastro, clique aqui.

Se você já é cadastrado, faça login para comentar.


Envie seu recado

Através deste formuário, você pode entrar em contato com a redação do DIARINHO.

×





18.206.14.36

TV DIARINHO


Confira os destaques desta quarta-feira



Podcast

Minuto DIARINHO 06/07/2022

Publicado 06/07/2022 21:11



Especiais

Cordeiros

Professora Rita de Cássia ensinou matemática a diferentes gerações de itajaienses

SUPERAÇÃO

Deficiência nunca impediu Jailton de fazer o que quis; até elevador em casa ele construiu

Centro de Itajaí

Bravacinas se transforma em referência em vacinação humanizada

Itajaí

Itajaí mantém protagonismo na pesca industrial

A riqueza vem pelo mar

Polo náutico reúne players mundiais do mercado de luxo



Blogs

Blog do Ton

18 Mediterrâneo lança novo menu

A bordo do esporte

Barco do YCSA lidera Mundial Junior de Lightning nos EUA

Blog do JC

Jorginho consegue aumento de indenização pras famílias do acidente da Chapecoense

Blog da Ale Francoise

Chá de sabugueiro!

Blog Clique Diário

Pirâmides Sagradas - Grão Pará SC I

Blog Doutor Multas

A Desentupidora mais próxima de você! Desentupidora de emergência 24h SP

Bastidores

Grupo Risco circula repertório pelo interior do Estado

Blog da Jackie

BALNEÁRIO FASHIOW foi SHOW



Entrevistão

Willian Cardoso, o Panda

"Saquarema provavelmente vai ser meu último mundial, aí eu vou estar focado no brasileiro”

Renata Teixeira Pinto Viana

"Não se indica cigarro eletrônico para alguém que queira parar de fumar"

Governador de Santa Catarina

"É importante destacar que as obras só avançam por conta dessa decisão de colocar recursos dos catarinenses nas rodovias federais”

José Evaldo Koch

“O hortifruti é nosso berço”



Hoje nas bancas


Folheie o jornal aqui ❯








Jornal Diarinho© 2022 - Todos os direitos reservados.
Mantido por Hoje.App Marketing e Inovação