Matérias | Economia


PRIVATIZAÇÃO DO PORTO

Prefeitura fará lista de atribuições de Itajaí como autoridade portuária

Governo federal quer saber qual seria o papel da cidade com manutenção da gestão pública municipal

Redação DIARINHO [editores@diarinho.com.br]

Projeto de privatização foi discutido em audiência no senado, onde argumentos do governo (FOTOS DIVULGAÇÃO)

O processo de desestatização do porto de Itajaí foi debatido em audiência pública, quarta-feira, na comissão de Infraestrutura do Senado Federal. Diante das divergências contra o modelo de privatização total proposto pelo governo federal, o município ficou de levantar quais atribuições ficariam com Itajaí, na proposta em que a cidade se manteria como autoridade portuária pública.


A ideia de listar as funções do município para uma proposta de consenso foi sugerida pelo senador Esperidião Amin (PP), que propôs a audiência pública, e da deputada federal Ângela Amin (PP), presidente do fórum Parlamentar Catarinense.

O documento com as atribuições deve ser apresentado na próxima reunião do fórum e também encaminhado ao governo federal antes do projeto de privatização entrar em consulta pública em novembro, pela agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq).

Os estudos técnicos do governo já foram concluídos. A empresa de Planejamento e Logística (EPL) e a secretaria Nacional de Portos, ligadas ao ministério da Infraestrutura, defendem que o modelo proposto está aberto a ajustes, mas que o projeto busca aumentar a eficiência do porto.

O prefeito Volnei Morastoni (MDB), presencialmente na audiência, informou que a planilha de atribuições será feita de sete a 10 dias, em parceira com a Univali. O documento deve listar questões ligadas ao canal de acesso, dragagem, pesca, planejamento urbano e terminais portuários que estão à montante do porto.

Volnei defendeu que a importância da autoridade portuária pública municipal está clara porque não envolve apenas a operação do porto, mas todo o complexo de atividades ligadas ao rio, incluindo pesca e indústria naval, que impactam na cidade.

Continua depois da publicidade



Considerando a gestão pública, ele destacou que o município está disposto a discutir o tamanho dessa autoridade local, seja ela uma agência ou autarquia. “A secretaria Nacional [de Portos] já recebeu toda a evidência dessa importância. Agora é sistematizar detalhes”, comentou.

O prefeito destacou que a proposta é de uma estrutura enxuta. Ele lembrou o programa de Demissão Voluntária pra reduzir o quadro de servidores. Segundo ele, já foram mais de 300 pessoas. Hoje tem pouco mais de 100, com previsão de ficar em torno de 30 funcionários.

Continua depois da publicidade



Relação porto-cidade

O prefeito de Itajaí lembrou que quando o município entrou na discussão sobre o novo modelo de gestão, a promessa do governo federal em diversas reuniões foi considerar as características específicas de cada porto no programa de privatizações.

“O porto de Itajaí é um porto encravado no seio da cidade. Tem uma relação fortíssima com a população, que abraça o porto e esse abraço também ajuda e tem efeitos no desempenho comercial do porto”, argumentou, pedindo a renovação da delegação de Itajaí como autoridade portuária.

O superintendente do Porto de Itajaí, Fábio da Veiga, avalia que o modelo apresentado pelo governo federal vai causar um distanciamento das decisões que afetam a cidade. Conforme defende, a proposta do município potencializa as características de Itajaí, sem ir contra a ampliação e investimentos.

“Ninguém é contra esses avanços. O que nós somos contra é acabar com a autoridade portuária pública municipal”, disse. Com participação online, o prefeito de Navegantes, Liba Fronza (DEM), espera uma definição do caso pra avançar com projetos ligados ao rio, como o acesso ao molhe e a exploração turística da margem esquerda.

“A gente hoje não consegue fazer a infraestrutura básica pra que a nossa população possa usar esses dois pontos da cidade”, disse.

 

Senadores defendem modelo público de gestão

Senadores, inclusive Dário Berger, defendem gestão pública local pra garantir regulação do complexo

 

O senador Dário Berger (MDB), presidente da comissão de Infraestrutura no senado, destacou que a proposta de privatização do governo federal causa “certa complexidade”. Ele considera que são raros no mundo os casos de sucesso com a proposta federal e que o modelo de municipalização se mostra positivo em Itajaí.

“É importante fazer uma parceria público-privada, porém, onde a iniciativa privada atue na operação de carga e o governo mantenha o controle da infraestrutura”, comentou. O senador frisou que o estado precisa ser um facilitador de investimentos privados, gerando segurança jurídica, mas sem abrir mão de decisões estratégicas. “É assim que funciona na maior parte do mundo”, completou.

Para o senador Esperidião Amin (PP), a discussão não deve ser a desestatização do porto, que já tem um operador privado. Ele entende que o foco deve ser a regulação do funcionamento do complexo portuário, incluindo o porto do “outro lado da vala”, citando o DIARINHO, que popularizou a expressão.

Ele lembrou que nos portos de Paranaguá e do Rio Grande as delegações já foram prorrogadas pelo governo federal e não poderia haver tratamento diferente para Itajaí. Segundo o senador, embora a abrangência da autoridade local possa ser discutida, é preciso que o regulador seja público.

“Nós queremos que o regulador não seja a Antaq, mas alguém que esteja perto”, disse. “Uma autoridade portuária enxuta, com força, fazendo o papel de regulador”, completou.  O senador Jorginho Mello (PL) defendeu a busca de consenso.

“Nós precisamos encontrar um caminho inteligente e responsável, que contemple o crescimento, a inovação, o aumento de empregos, mas levando em conta a necessidade de ter minimamente um controle, que é através da autoridade portuária”, destacou.

 

Gestão pública trava eficiência, rebate secretário

A proposta do governo foi defendida na audiência pelo secretário Nacional de Portos, Diogo Piloni, e a secretária Especial do programa de Parcerias de Investimentos (PPI), Martha Seilier. O projeto trouxe os mesmos dados já apresentados em reunião na câmara de Vereadores de Itajaí.

Diogo defendeu que a proposta não surgiu de uma visão autoritária do governo, mas que foi construída a partir da própria manifestação do município pra se buscar maior eficiência do porto e que conta com apoio do governo estadual.

O secretário comparou dados das operações no porto de Itajaí e na Portonave, argumentando que a gestão pública em Itajaí trava a eficiência nas operações, compromete a competitividade e novos investimentos.

“O porto desestatizado não vai deixar de ser o porto de Itajaí, gerando empregos e oportunidades para as populações”, disse. Diogo contestou dados de estudo da Univali sobre os benefícios da manutenção da autoridade portuária municipal, afirmando que o contrato trará obrigações pra que a empresa garanta os investimentos.

 

 




Comentários:

Somente usuários cadastrados podem postar comentários.

Para fazer seu cadastro, clique aqui.

Se você já é cadastrado, faça login para comentar.


Envie seu recado

Através deste formuário, você pode entrar em contato com a redação do DIARINHO.

×





44.192.47.87

Últimas notícias

SOLIDARIEDADE

Trilha beneficente arrecada doações para família carente de Itajaí

VIOLÊNCIA DOMÉSTICA

Marido agride esposa com soco no rosto

PROCURADOS

Quatro foragidos são presos em Itajaí em 24h

Qualidade de vida

Ações de responsabilidade social reafirmam compromisso da Águas de Camboriú com qualidade de vida dos moradores

Promoção Indicou, fechou, ganhou

PagAuto oferta R$ 150 pra quem indicar um amigo que fechar negócio

Brasil

BC lidera ranking nacional de padrão de vida e sustentabilidade

GOLPE

TJ condena corretor de imóveis de Navegantes

Classificado

Camboriú vence a Chape e está na semifinal da Copa SC Sub-20

Festa do Bom Sucesso

Prefeitura de BC escolhe barracas de comida

CORDEIROS

Píer desaba no parque náutico Odílio Garcia



Colunistas

Coluna Esplanada

PRF contra Bolsonaro

JotaCê

Pegorini pode comandar campanha de Amin

Canal 1

Brasileiro tem a TV como principal meio de informação e entretenimento

Gente & Notícia

Novo empreedimento

Clique diário

Espetáculo no céu

Coluna Tema Livre

Não é fácil ser mulher

Coluna do Janio

Jorginho é o novo técnico do Marinheiro

Coluna Exitus na Política

Um e noventa e nove

Coluna do Ton

Níver da Ana Laura

Na Rede

Na rede

Via Streaming

Parece mas não é

Instituto Ion | Informando e Inovando

Contratos culturais feitos por prefeituras

Coluna Fato&Comentário

Dimas Rosa: artista de Itajai desconhecido aqui

Vinicius Lummertz

O Turismo pode ser o nosso novo Agro   

Jackie Rosa

A trip de Ângela, Dolor e netos começou

Espaço InovAmfri

Olhar adiante



TV DIARINHO


Confira os destaques desta quinta-feira





Especiais

Cordeiros

Professora Rita de Cássia ensinou matemática a diferentes gerações de itajaienses

SUPERAÇÃO

Deficiência nunca impediu Jailton de fazer o que quis; até elevador em casa ele construiu

Centro de Itajaí

Bravacinas se transforma em referência em vacinação humanizada

Itajaí

Itajaí mantém protagonismo na pesca industrial

A riqueza vem pelo mar

Polo náutico reúne players mundiais do mercado de luxo



Blogs

A bordo do esporte

Top Rank aguarda segundo do ranking para pegar Esquiva Falcão pelo cinturão do mundo

Blog do JC

Portonave

Blog do Ton

Consultório médico, em Balneário Camboriú tem pegada chic, mas sem excessos

Blog Clique Diário

Pirâmides Sagradas - Grão Pará SC I

Blog da Ale Francoise

Nossas órgãos X nossas emoções!

Blog Doutor Multas

A Desentupidora mais próxima de você! Desentupidora de emergência 24h SP

Bastidores

Grupo Risco circula repertório pelo interior do Estado

Blog da Jackie

BALNEÁRIO FASHIOW foi SHOW



Entrevistão

Willian Cardoso, o Panda

"Saquarema provavelmente vai ser meu último mundial, aí eu vou estar focado no brasileiro”

Renata Teixeira Pinto Viana

"Não se indica cigarro eletrônico para alguém que queira parar de fumar"

Governador de Santa Catarina

"É importante destacar que as obras só avançam por conta dessa decisão de colocar recursos dos catarinenses nas rodovias federais”

José Evaldo Koch

“O hortifruti é nosso berço”



Hoje nas bancas


Folheie o jornal aqui ❯








Jornal Diarinho© 2022 - Todos os direitos reservados.
Mantido por Hoje.App Marketing e Inovação