Matérias | Geral


Itajaí

Ato pede proteção do terreno da bica d'água

Mais de 70 moradores da Fazenda e frequentadores da fonte d’água se reuniram pra pedir a proteção do terreno pelo poder público

Redação DIARINHO [editores@diarinho.com.br]


“A bica é nossa! O morro é nosso!”, gritavam, de mãos dadas, os cerca de 70 manifestantes que se reuniram no sábado, na rua Cecília Brandão, em Itajaí, pra abraçar o terreno no bairro Fazenda onde fica uma fonte de água potável, cercada de vegetação nativa. A revolta dos moradores é pela degradação da área que pode desaparecer pra dar espaço a mais um arranha-céu. Eles reuniram assinaturas em um abaixo-assinado pra pedir a proteção do espaço.


Adultos, crianças, jovens e velhos se reuniram ao pé do morro da Cruz e deram as mãos às 15h de sábado. O ato mostra a repulsa dos moradores da região contra os planos de se construir um prédio ...

 

Já possui cadastro? Faça seu login aqui.

OU

Quer continuar lendo essa e outras notícias na faixa?
Faça seu cadastro agora mesmo e tenha acesso a
10 notícias gratuitas por mês.

Cadastre-se aqui



Bora ler todas as notícias e ainda compartilhar
as melhores matérias com sua família e amigos?

Assine agora mesmo!


Adultos, crianças, jovens e velhos se reuniram ao pé do morro da Cruz e deram as mãos às 15h de sábado. O ato mostra a repulsa dos moradores da região contra os planos de se construir um prédio com duas torres de mais de 30 andares no local. No que depender deles, nenhum tijolo vai ser colocado na área.



O advogado Giordano Zaguini Furtado, 32 anos, mora há duas décadas na região. Pra ele, o local deveria ser desapropriado e virar um jardim botânico.

Mais de 30 pessoas passam por ali diariamente pra encher galões com água potável. Quem ajudou a puxar a mangueira da nascente até a beirada do terreno pra abastecer o povão foi Nicolau Clarindo Paulo, 85. A casa do aposentado fica bem de frente à bica. Mesmo com a idade avançada, ele tá sempre de olho pra ver se algum marmanjo avacalha com a torneirinha, fazendo questão de cuidar da bica.


A fonte d’água mudou a rotina de muita gente. Há 10 anos, Benedito Galatto, 73, não sabe o que é ligar pro disque água ou comprar uma bombona no mercado. Toda a semana ele carrega 40 litros de água pra família inteira. A dona de casa Maria Lúcia Machado, 57, também só usa a água da bica pra beber e fazer comida. “Isso é uma maravilha, a água é ótima. A minha filha vem buscar e leva lá pro São Vicente também”, garante.

O berreiro já foi encaminhado em julho pro ministério Público e agora os moradores estão recolhendo assinaturas pra oficializar um documento que pede a proteção da área. O terreno em questão pertencia à família Krobel, mas foi comprado pela construtora Mendes Sibara no início do ano. Em maio, um trator da prefa de Itajaí passou no local derrubando as árvores. A caca foi tanta que de uma vez só os peões conseguiram detonar a vegetação e mudar o curso da água que passa pelo local. Tanto a empresa quanto a prefa foram notificadas pela fundação do Meio Ambiente da city peixeira (Famai) pra recuperar o estrago.


Criação da city tem relação com as bicas

“Essas bicas são tão importantes pro ecossistema quanto pro patrimônio histórico e cultural de Itajaí”, defende o doutor em ciências naturais, professor da Univali e morador do bairro Fazenda, Paulo Ricardo Schwingel, que levou toda a família pro berreiro.

O sabichão revela que quando Itajaí desmembrou-se de Porto Belo, uma das exigências pra que isso acontecesse era que a nova city tivesse nascentes de água. E foram as bicas do bairro Fazenda que possibilitaram que Itajaí fosse efetivamente criada.

Outro detalhe valorizado pelo professor diz respeito ao papel social desempenhado pela bica. Nas enchentes de 2008 e 2011, filas quilométricas formavam-se ao longo da rua Cecília Brandão. Eram moradores de diferentes bairros de Itajaí em busca de água potável, uma vez que o abastecimento regular estava comprometido.

Schwingel detalha que, como a city peixeira é plana e cercada por morrarias, é fundamental proteger as partes altas para garantir a proteção da parte baixa e seus ecossistemas. Pra ele, danificar áreas de morrarias e seu entorno é agredir a cidade.


“Nós precisamos mudar de mentalidade. Um apartamento é um benefício particular e de usufruto individual. Mas preservar uma área é benefício para todos. Não é progresso construirmos um prédio de vários andares. Progresso é preservarmos o pouco de vegetação que ainda nos resta. E esse é o maior desafio da nossa cidade”, aponta.

O sabichão revela que, de acordo com a legislação ambiental, é proibido degradar área verde num raio de 50 metros de nascentes. Próximo a córregos, a distância é de 30 metros. Portanto, por lei, seria impossível construir qualquer coisa no terreno da rua Cecília Brandão.




Comentários:

Somente usuários cadastrados podem postar comentários.

Para fazer seu cadastro, clique aqui.

Se você já é cadastrado, faça login para comentar.


Envie seu recado

Através deste formuário, você pode entrar em contato com a redação do DIARINHO.

×






44.211.117.197

Últimas notícias

CAMBORIÚ

Trabalhador morre afogado em lagoa; ele pode ter sofrido crise de epilepsia

ITAJAÍ

Inscrições para evento de inovação encerram na sexta-feira

ITAJAÍ

Moradores vão poder opinar sobre transporte público em audiência na segunda-feira

ITAJAÍ

Polícia recupera 90 toneladas de galinha congelada roubada

Será que volta?

Novo Suzuki Swift é lançado na Europa

“Veoitão” moderno

Novo Cayenne GTS está à venda no Brasil

MERCADO

Unimed Litoral está contratando fisioterapeutas

ESTUDO

Águas de Penha instala câmeras para monitorar visitantes

ITAJAÍ

Pintor morre em acidente com moto na BR 101

Futebol

Camboriú estreia na segundona neste sábado em BC



Colunistas

Coluna do Ton

Vibes da Turquia

JotaCê

Pavan na choupana

Mundo Corporativo

Líderes espiritualizados em tempos difíceis ainda é possível?

Histórias que eu conto

Armação da infância 3

Coluna Fato&Comentário

Associativismo comunitário em Itajaí: o começo

Coluna Esplanada

Trio de apostas

Via Streaming

Tudo pelo dinheiro

Ideal Mente

O desamparo da infidelidade

Show de Bola

Trocas de treinadores

Direito na mão

Recebeu auxílio-doença ou auxílio-acidente? Veja como se aposentar agora!

Coluna Exitus na Política

Um passeio nas cavernas

Na Rede

Morte de produtor, garotinho com orgulho do pai na enchente e mais: confira os destaques do DIARINHO

Artigos

O combate ao abuso e à exploração de crianças e adolescentes é um compromisso coletivo

Jackie Rosa

Niver da Chris

Gente & Notícia

Níver da Margot

Foto do Dia

“O mar, quando quebra na praia”

Coluna Existir e Resistir

Designação geral sobre o fim do mundo



TV DIARINHO






Especiais

NA ESTRADA

Pôr do sol de tirar o fôlego é atração o ano inteiro na praia de Armação

RIO GRANDE DO SUL

A história de luta de um quilombo que resiste às enchentes em Porto Alegre

DADOS INÉDITOS

Em meio ao lixo das chuvas no Rio Grande do Sul, catadores não conseguem trabalhar

NÚMEROS

No Brasil, 3 a cada 4 vivem em cidades com mais risco de desastres por chuvas

DADOS

Exportação de armas de fogo dobrou durante os anos Bolsonaro, revela levantamento inédito



Blogs

A bordo do esporte

Brasileiro Lucas Di Grassi termina E-Prix de Xangai no Top 10 da Formula E

Blog do JC

Prefeito revela que está com tumor maligno

Blog da Jackie

Reserva Royal

Blog da Ale Francoise

A pílula da felicidade

Blog do Ton

Amitti Móveis inaugura loja em Balneário Camboriú

Gente & Notícia

Warung reabre famoso pistão, destruído por incêndio, com Vintage Culture em março

Blog Doutor Multas

Como parcelar o IPVA de forma rápida e segura

Blog Clique Diário

Pirâmides Sagradas - Grão Pará SC I

Bastidores

Grupo Risco circula repertório pelo interior do Estado



Entrevistão

Marisa Zanoni Fernandes

"Balneário Camboriú não precisa de capitão, fantoches, seres iluminados, ungidos. Precisa de pessoas comprometidas com a democracia”

Vilfredo e Heloísa Schurmann

"Nós reciclamos só 6% no Brasil. Na Europa já é 50%. A própria China já está com 35% de reciclagem” (Vilfredo)

João Paulo

"Essa turma que diz defender a família ajudou a destruir a boa convivência em muitas famílias. Na defesa de um modelo único, excludente"

Entrevistão Peeter Grando

“Balneário Camboriú não precisa de ruptura, mas de uma continuidade”



Hoje nas bancas


Folheie o jornal aqui ❯








MAILING LIST

Cadastre-se aqui para receber notícias do DIARINHO por e-mail

Jornal Diarinho© 2024 - Todos os direitos reservados.
Mantido por Hoje.App Marketing e Inovação