Matérias | Geral


Itajaí

Hoje tem Natal especial pros haitianos em Balneário Camboriú

Ideia é aproximar e manter viva cultura dos imigrantes

Redação DIARINHO [editores@diarinho.com.br]

Em linha reta, a distância de Balneário Camboriú até o Haiti, na América Central, é de 5620 quilômetros. Pros 400 haitianos que vivem na Maravilha do Atlântico, contudo, a lonjura é incalculável. Aqui, encontraram idioma e costumes diferentes. Conheceram também um tal de salário no fim do mês. O preço da distância de parentes e amigos é pago com doses intensas de saudade. Pra esquecer um pouco do sentimento, a secretaria de Desenvolvimento e Inclusão Social de Balneário organiza hoje, às 20h, um Natal especial pros haitianos. As músicas e danças ficam por conta dos estrangeiros. O frango assado com arroz e maionese é à moda brasileira. O festerê rola no centro Comunitário Casa da Sogra, no bairro dos Municípios.

Tá certo que o jeito de festejar é diferente. Jean Inocent Monfifton, 28 anos, há dois anos em BC, lembra que os haitianos emendam um dia de festa atrás do outro. O que chamamos de Natal pra eles ...

 

Já possui cadastro? Faça seu login aqui.

Quer continuar lendo essa e outras notícias na faixa?
Faça seu cadastro agora mesmo e tenha acesso a
10 notícias gratuitas por mês.

Cadastre-se aqui



Bora ler todas as notícias e ainda compartilhar
as melhores matérias com sua família e amigos?

Assine agora mesmo!


Tá certo que o jeito de festejar é diferente. Jean Inocent Monfifton, 28 anos, há dois anos em BC, lembra que os haitianos emendam um dia de festa atrás do outro. O que chamamos de Natal pra eles é réveillon. Eles comem, bebem, dançam e cantam. “A gente se preocupa em fazer um fim de ano feliz pra quando chegar o ano novo. Manda embora todas as dificuldades, os problemas e coisas ruins”, explica.

Jean é presidente da associação de Haitianos de Balneário, que conta com 53 membros inscritos. A criação do grupo foi uma forma de manter os laços com a terra natal. Lá eles deixam o português de lado e conversam em crioulo, a língua falada no Haiti.



Trabalhando na construção civil e a mulher como camareira em hotel, Jean não pensa em voltar pro Haiti. Mesmo achando o Brasil um país receptivo, o que lhe prende aqui são as melhores condições de vida. A fluência em cinco idiomas (francês, inglês, espanhol, crioulo e agora português) não pesa no currículo haitiano. Lá, ele trabalhava como cinegrafista e contava as gourdes (moeda local) pra não passar fome. Um gourde é equivalente a seis centavos de real. Jean conta que é rei o haitiano que consegue arrecadar 300 gourdes por mês, ou 17 pilas.

Na região, os haitianos trabalham em peso na construção civil, mas as portas de restaurantes, hotéis e supermercados também têm sido abertas. De acordo com a coordenadora do centro de Referência de Assistência Social (Cras) do bairro dos Municípios, Sônia Regina Garcia, à medida que os haitianos conseguem emprego e juntam dinheiro, trazem os familiares de mala e cuia pra cá.

É nesse momento que a secretaria de Desenvolvimento e Inclusão Social entra em cena. “Nós passamos a acompanhar essas famílias e suas necessidades”, explica Sônia. Segundo a coordenadora, a maior parte dos haitianos mora em casas alugadas no bairro dos Municípios. A estimativa é que Balneário Camboriú já abrigue 400 gringos do Haiti.


Depois de um ano trabalhando pesado como ajudante de pedreiro, Miguel Louine, 26, trouxe a irmã. A mãe dele, no entanto, não tem coragem de deixar o Haiti. Há um ano e cinco meses na Maravilha do Atlântico, faz dois que tá desempregado. Ele concluiu um curso de operador de elevador e está apto a apertar os botõezinhos e fazer as honras da casa pra quem sobe e desce das alturas. Miguel corre atrás de trampo em algum hotel, condomínio ou qualquer outra coisa que pintar. Pra irmã, de 27 anos, que não entende nada do português, ele conseguiu um trampo numa lavanderia.

“A língua é muito difícil. Assim que cheguei, não consegui nem comprar uma roupa ou pedir comida. Eu aprendi sozinho. Quando um brasileiro tava conversando, eu parava pra escutar e prestava atenção”, revela Miguel. Apesar do desemprego, ele garante que não troca esta página verde e amarela de sua vida por nada do passado.




Comentários:

Somente usuários cadastrados podem postar comentários.

Para fazer seu cadastro, clique aqui.

Se você já é cadastrado, faça login para comentar.


Envie seu recado

Através deste formuário, você pode entrar em contato com a redação do DIARINHO.

×






18.208.126.232

TV DIARINHO


Minuto DIARINHO- Ciclone extratropical deixa rastro na região;- Em Balneário Camboriú, clube flutuante ...



Podcast

Minuto DIARINHO 09/08/2022

Publicado 09/08/2022 20:22



Especiais

Saúde

Salsicha, hambúrguer e nugget: pesquisa identifica agrotóxicos em alimentos

famoso

Garçom há 30 anos, Claudinho ama BC

Diversidade religiosa

Mestre Marne quebrou tabus para defender a fé nos orixás

conexão

Networker aproxima Balneário Camboriú das celebridades

Sem medo do trabalho

Dona Terezinha toca uma confecção aos 84 anos



Blogs

Blog Doutor Multas

Bafômetro pega vape: verdade ou mito? Entenda de uma vez por todas

Blog do JC

Desencantou

Blog do Ton

Blumenau ganhará o primeiro lounge bar em formato rooftop

A bordo do esporte

Seleção Brasileira de Vela faz sessão de treinos contra a Argentina

Blog da Ale Francoise

Inclua inhame no seu dia!

Blog Clique Diário

Pirâmides Sagradas - Grão Pará SC I

Bastidores

Grupo Risco circula repertório pelo interior do Estado

Blog da Jackie

BALNEÁRIO FASHIOW foi SHOW



Entrevistão

Gabriela Kelm do Nascimento

“A maioria entende que o calçadão da Hercílio Luz deve permanecer porque foi um ganho para a cidade ”

Normélio Weber

"O Hermeto Pascoal vai estar ali. O Toquinho vai estar aqui. O Brasileirão, de Curitiba... Vai estar Chico César...”

Cláudio Werner

“O nosso clube é um formador de atleta olímpico”

Willian Cardoso, o Panda

"Saquarema provavelmente vai ser meu último mundial, aí eu vou estar focado no brasileiro”



Hoje nas bancas


Folheie o jornal aqui ❯








Jornal Diarinho© 2022 - Todos os direitos reservados.
Mantido por Hoje.App Marketing e Inovação