Colunas


Coluna Fato&Comentário

Por Edison d'Ávila -

Senhor dos Passos: devoção do povo


A gente catarinense do litoral viveu sempre arraigada à forte religiosidade católica. Trata-se de herança cultural portuguesa que, no caso da beira-mar de Santa Catarina, teve significativa contribuição açoriana desde a segunda metade do século XVIII. Os ilheus demonstraram sempre inquebrantável fé e profunda devoção ao sagrado.

Essa crença religiosa, em Santa Catarina, assim como no Brasil, constituiu-se num catolicismo rústico, construído sem interferência da hierarquia da igreja, característico das camadas populares e com forte religiosidade no grupo familiar e comunitário.

Os santos como que conviviam com as pessoas, o que fazia dispensável, em muitas ocasiões, a intermediação do padre. Eles eram tratados como pessoas da família, a quem se faziam pedidos, prometia-se e se pagavam promessas. Essa cultura religiosa incentivou o costume popular de fazer homens, mulheres e santos personagens duma mesma história, habitantes de um mundo comum, em que se trocavam favores e mercês.

Dentre as devoções mais populares que possuem raízes na religiosidade de portugueses e açorianos, encontra-se a devoção ao Senhor dos Passos, relacionada aos sofrimentos de Cristo, na sua paixão e morte. A procissão em Lisboa, por exemplo, remonta ao século XVI.  A imagem sacra dessa passagem da vida do Nazareno é representada carregando a cruz. A imagem do Senhor carregando sua cruz e mais a da Virgem dolorosa permitem se ter, na procissão do domingo anterior ao Domingo de Ramos, a encenação do Filho  a caminho do Calvário e do seu pungente encontro com sua mãe. Daí também chamar-se procissão do Encontro.

A procissão do Senhor dos Passos ou do Encontro é antiquíssima na tradição popular do litoral de Santa Catarina. Assim, ela existe desde  1766, em Florianópolis, reconhecida como Patrimônio Cultural do Brasil; desde o fim do século XVIII, em São Francisco do Sul; do começo do século XIX, em Laguna; de 1864, em Porto Belo; de 1870, em Imaruí.

Em Itajaí, no ano de 1923, um grupo de devotos, liderados por João Marques Brandão, o Joca Brandão, encabeçou subscrição para adquirir as imagens do Senhor dos Passos e da Virgem das Dores, hoje expostas na Igreja da Imaculada Conceição,  e, em 1924, aqui realizar a primeira procissão. Caminha-se, portanto, para o seu centenário.

As primeiras procissões tiveram início a partir da capela do antigo Hospital de Santa Beatriz, no começo do caminho de Cabeçudas, para a qual era trasladada, no fim de tarde da véspera, a imagem vedada do Senhor dos Passos. Depois de pronta a Igreja de Nossa Senhora da Paz, da Vila Operária, de lá tem saído a procissão. A imagem da Virgem das Dores sai da Igrejinha da Imaculada e vai ao Encontro,  que acontece frente à Matriz.

Expressão legítima da religiosidade do povo é patrimônio imaterial da cidade, cuja 98ª edição acontece neste sábado, 3 de abril, às 17 horas. Essa manifestação religiosa, quase centenária, tem que ser mais motivada  e merecer todos os cuidados de sua preservação.   


Comentários:

Deixe um comentário:

Somente usuários cadastrados podem postar comentários.

Para fazer seu cadastro, clique aqui.

Se você já é cadastrado, faça login para comentar.

Leia mais

Coluna Fato&Comentário

Alvim Sandri: "História de vida", aos 99 anos

Coluna Fato&Comentário

"Burro velho", vacinas e purgativos

Coluna Fato&Comentário

Casa Bauer: um impasse

Coluna Fato&Comentário

Voto secreto e escondido

Coluna Fato&Comentário

Aprender português com quem sabia

Coluna Fato&Comentário

Arnaldo Brandão: centenário do escritor de Itajaí

Coluna Fato&Comentário

1922: 100 anos da Independência em Itajaí

Coluna Fato&Comentário

Dona Elizabeth Malburg e patriotas exaltados

Coluna Fato&Comentário

Antonico Ramos e o sonho do vigia

Coluna Fato&Comentário

“A vaquinha do seu Zena”

Coluna Fato&Comentário

Museu histórico de Itajaí: 40 anos

Coluna Fato&Comentário

Dimas Rosa: artista de Itajai desconhecido aqui

Coluna Fato&Comentário

Penha x Navegantes - quase guerra

Coluna Fato&Comentário

Tradição e inovação: a festa do Divino de Itajaí 

Coluna Fato&Comentário

“Chuta, seu Alberto”: corridas de cavalo no Itajaí antigo

Coluna Fato&Comentário

Festa na Vila: Nossa Sra. da Paz e São José Operário

Coluna Fato&Comentário

Coloninha: bairro popular de Itajaí

Coluna Fato&Comentário

Hugo Calgan: mistério da pintura de Itajaí - 1884

Coluna Fato&Comentário

Sindicato dos Estivadores: 100 anos

Coluna Fato&Comentário

Ariribá, Canhanduba, Itaipava: nomes Tupis em Itajaí



Blogs

Blog do JC

Quadrangular 71 anos

A bordo do esporte

Volta ao Mundo Globe40 parte para a Argentina

Blog Doutor Multas

Fumar e dirigir dá multa?

Blog do Ton

Festa The Box comemora 5 anos neste fim de semana em Balneário Camboriú

Blog da Ale Francoise

Os poderes da Spirulina!

Blog da Jackie

Spring Party

Blog Clique Diário

Pirâmides Sagradas - Grão Pará SC I

Bastidores

Grupo Risco circula repertório pelo interior do Estado



Entrevistão

Alvim Sandri

"Levei a vida que a minha mãe ensinou: fé em Deus e andar certo

Marcelo Sodré

"A hora que entrar o contrato de arrendamento essa agonia se dissipa. As empresas vêm pra fazer o porto continuar crescendo”

James Winter

“Só vai haver desemprego e demissão em massa se não tiver carga aqui no Porto de Itajaí”

Décio Lima

"Hoje, de R$ 97 bilhões que são arrecadados pelo governo federal em Santa Catarina, apenas R$ 7 bilhões voltam”

TV DIARINHO

Entrevistão com Alvin Sandri



Podcast

Entrevistão com Alvin Sandri

Publicado 03/12/2022 10:10


Especiais

OLHO NA DOSE

Pesquisa de preço mostra onde bebidas quentes são mais baratas

Na Estrada com o DIARINHO

Maravilhas naturais fazem de Bombinhas o Caribe catarinense

Itajaí

Do imóvel popular ao de altíssimo padrão são as apostas da Lotisa

Alto padrão

Procave agrega valor e exclusividade

Itajaí

Mercado da Brava continua em crescimento



Hoje nas bancas


Folheie o jornal aqui ❯








Jornal Diarinho© 2022 - Todos os direitos reservados.
Mantido por Hoje.App Marketing e Inovação