Colunas


Coluna Fato&Comentário

Por Edison d'Ávila -

Brizola e o “grupo de onze”daqui


Recentemente se completaram 100 anos do nascimento do ex-governador Leonel de Moura Brizola. O político e administrador público gaúcho governou os estados do Rio Grande do Sul e Rio de Janeiro e também foi deputado federal por seu estado natal.

Quando ainda governador do estado sulino, em agosto de 1961, Brizola comandou a resistência ao veto militar que visava a impedir a posse do vice-presidente João Goulart na presidência da República, depois da renúncia do presidente Jânio Quadros. Pelas rádios gaúchas que compuseram a chamada “Rede da Legalidade”, ele, com sucessivos e ardentes discursos,  forçou os militares a cumprir a Constituição, dando-se posse a Jango.

Depois, eleito deputado federal, passou a defender o governo de Goulart, face ao clima radicalizado do período 1963/1964 entre  direita e  esquerda. Novamente através do rádio, agora na Rádio Mayrink Veiga, do Rio de Janeiro, Brizola pregava a resistência à quebra da legalidade que todos anteviam, com o afastamento do presidente da República.

Pois, foi num desses seus programas de rádio,  que em novembro de 1963 ele propôs a criação do que chamou “Grupo dos Onze Companheiros”. Os grupos deveriam resistir a qualquer golpe, sustentar um programa de governo nacionalista e as chamadas reformas de base, em particular a reforma agrária.

Os “Grupos dos Onze”, cujo número 11 tinha forte apelo propagandístico a se referir ao número de jogadores de uma equipe de futebol, na ocasião em que o Brasil acabara de se tornar bicampeão, logo tiveram apoio de parcelas do público apoiador de Jango. Brizola, como principal liderança da esquerda na época, passou a receber milhares de cartas de adesão e se disse que no começo de 1964 existiam mais de 1.200 ou 24.000 grupos no Brasil, como outros diziam existir. 

Também em Itajaí se formara um “Grupo dos Onze”, composto de pessoas da esquerda, em sua maioria pertencentes ou simpatizantes do Partido Comunista Brasileiro. O grupo daqui teve diversas reuniões de conscientização política e chegou a fazer treinamento num sítio do interior de Itapema/SC, embora não existissem armas.

No entanto, à semelhança de todos os outros no país, o “Grupo dos Onze” de Itajaí demonstrou pouca capacidade para reagir, quando da deposição de Jango a 31 de março de 1964. Até porque o próprio presidente não quis convocar ninguém à resistência, para não haver derramamento de sangue.

Mesmo assim, os grupos demonstraram ser uma experiência inovadora de politização e organização popular, naqueles dias de agitação política do final do governo João Goulart.

Quanto ao “Grupo dos Onze” daqui, seus integrantes se dispersaram e muitos viveram prisões e tormentos no governo militar pós-1964, por conta dessa participação que, equivocadamente, julgavam os militares  ser um núcleo de guerrilha urbana.


Comentários:

Deixe um comentário:

Somente usuários cadastrados podem postar comentários.

Para fazer seu cadastro, clique aqui.

Se você já é cadastrado, faça login para comentar.

Leia mais

Coluna Fato&Comentário

Aprender português com quem sabia

Coluna Fato&Comentário

Arnaldo Brandão: centenário do escritor de Itajaí

Coluna Fato&Comentário

1922: 100 anos da Independência em Itajaí

Coluna Fato&Comentário

Dona Elizabeth Malburg e patriotas exaltados

Coluna Fato&Comentário

Antonico Ramos e o sonho do vigia

Coluna Fato&Comentário

“A vaquinha do seu Zena”

Coluna Fato&Comentário

Museu histórico de Itajaí: 40 anos

Coluna Fato&Comentário

Dimas Rosa: artista de Itajai desconhecido aqui

Coluna Fato&Comentário

Penha x Navegantes - quase guerra

Coluna Fato&Comentário

Tradição e inovação: a festa do Divino de Itajaí 

Coluna Fato&Comentário

“Chuta, seu Alberto”: corridas de cavalo no Itajaí antigo

Coluna Fato&Comentário

Festa na Vila: Nossa Sra. da Paz e São José Operário

Coluna Fato&Comentário

Coloninha: bairro popular de Itajaí

Coluna Fato&Comentário

Senhor dos Passos: devoção do povo

Coluna Fato&Comentário

Hugo Calgan: mistério da pintura de Itajaí - 1884

Coluna Fato&Comentário

Sindicato dos Estivadores: 100 anos

Coluna Fato&Comentário

Ariribá, Canhanduba, Itaipava: nomes Tupis em Itajaí

Coluna Fato&Comentário

Tespis Cia. de Teatro: memória e história

Coluna Fato&Comentário

2022: Comemorações relevantes na cidade

Coluna Fato&Comentário

Hino de Itajaí - cinquentenário



Blogs

A bordo do esporte

Vela estreia nos Jogos Sul-Americanos no domingo (2)

Blog do JC

Eleições

Blog do Ton

Zezé Di Camargo & Luciano aterrissam em outubro no Expocentro BC

Blog Doutor Multas

5 golpes comuns que você deve ficar atento ao comprar um carro

Blog da Jackie

Spring Party

Blog da Ale Francoise

Tá com tosse aí?

Blog Clique Diário

Pirâmides Sagradas - Grão Pará SC I

Bastidores

Grupo Risco circula repertório pelo interior do Estado



Entrevistão

Jorge Boeira

“A saúde de Santa Catarina está esperando vaga na UTI”

Esperidião Amin

"Eu não quero colocar o Bolsonaro dentro da minha gaiola - que é o que alguns querem, ser o dono do Bolsonaro. Já foram até repreendidos por isso”

Décio Nery de Lima

"Vou retomar os investimentos que o Bolsonaro negou para Santa Catarina”

Jorginho Mello

"O candidato do presidente Bolsonaro é o Jorginho Mello”

TV DIARINHO

Oba! Faltam só 6 dias pra maior festa do pescado do Brasil! Vem aí a Marejada! #marejada #itajai #santacatarina ...



Podcast

Minuto DIARINHO - 30/09/2022

Publicado 30/09/2022 15:40


Especiais

Fique ligado

Confira as orientações, regras e serviços para o dia da eleição

ENTREVISTA

“Já atingimos ponto de não retorno” em algumas regiões da Amazônia, diz pesquisadora

ELEIÇÕES 2022

Partidos em Santa Catarina receberam quase R$ 194 milhões

ELEIÇÕES 2022

Confira quanto cada candidato da região recebeu do fundão eleitoral

Pesquisa DIARINHO

Preço da carne pode variar até 145%



Hoje nas bancas


Folheie o jornal aqui ❯








Jornal Diarinho© 2022 - Todos os direitos reservados.
Mantido por Hoje.App Marketing e Inovação