Colunas


Coluna Exitus na Política

Por Sérgio Saturnino Januário - pesquisa@exituscp.com.br

Qual o nome que o nome tem?


As sociedades que se formaram antes do período Moderno, dominadas pelos fenômenos religiosos, sempre colocaram a formação da organização e da ordem social como um fato fora do controle dos homens. A origem de tudo era colocada como uma vontade exterior à sociedade, superior à humanidade.

Na modernidade, especialmente em sociedades organizadas em torno de um Estado como mecanismo de ordenação das vidas humanas, a vontade e o trabalho orientado à construção do futuro passam a pertencer ao conjunto dos humanos e não a um ser exterior. O deslocamento é executado em nome de regras sociais punitivas [como as leis] e no desejo esperançoso de um mundo no futuro. Na modernidade tudo [ou quase tudo] é realizado pelas mãos dos homens. Deus já não nos castigará; o veneno de se viver neste mundo é produzido pelas mãos humanas. Guerras, fome, pestes são coisas com as quais convivemos pelo efeito de nossas ações coletivas.

Na Modernidade as leis da sociedade, a moral das comunidades, as riquezas da economia, as misérias que matam, os efeitos dos ecossistemas sobre nós, o aquecimento global, a devastação das florestas etc. são resultados dos nossos complexos organizacionais. Nos períodos pré-modernos o futuro pertencia a forças exteriores ao mundo social, as facetas descritivas sobre os acontecimentos eram benevolências ou castigos superiores. Agora, na modernidade, tudo o que acontece ou deixa de acontecer é um efeito de nossas próprias ações. O futuro é de nossa responsabilidade.

O mundo coletivo foi conquistado como reapropriação do homem, ainda que para muitos a lógica do sagrado possa explicar toda e qualquer atividade humana. Quase uma covardia, posto que Deus, por sua própria sacralidade, concedeu ao homem o livre-arbítrio, isto é, “seja responsável por seus atos e deixe de botar na minha conta as suas falhas”, teria, talvez, dito.

Para explicar o mundo, desde então, recorremos à ciência. Ciência como um conhecimento capaz de explicar as forças de atração gravitacional, de deixar em pé um prédio, de nos fazer entender a formação das cores como capacidade neurossensorial diante de ondas de luz, de permitir a compreensão do voar... De saber como funciona o corpo humano e atuar sobre as mazelas que se lhe afeta, da corrente sanguínea, dos órgãos, das células, das artérias, das veias...

Para ter esperança no mundo do dia de amanhã, pois hoje o futuro parece muito distante, os humanos passaram a colocar sua carga de solução na Educação. A partir do Estado – que organiza nossas vidas, e dos governos – que executam as decisões de Estado, decidimos por uma série de Políticas Educacionais. O futuro está nos passos educacionais, e o caminho até lá depende das políticas.

No Brasil, a despeito da pandemia, estamos com o futuro comprometido. Universidades Federais com orçamentos insuficientes diante da autonomia sempre tão requerida; escolas de ensino médio sem preparar nenhuma geração; escolas municipais sem preparo para preparar. É hora de repensar a forma segundo a qual organizamos a educação das crianças, dos jovens e dos adultos. É hora de refazer a forma de financiamento da Política de Educação. É hora de preparar com mais responsabilidade aqueles que têm que preparar a esperança. O gosto bom que o gosto do futuro tem, tem os temperos de agora. E estamos comendo sem nos nutrirmos; comendo sem nos alimentarmos. Qual o nome que o nome tem?


Comentários:

Deixe um comentário:

Somente usuários cadastrados podem postar comentários.

Para fazer seu cadastro, clique aqui.

Se você já é cadastrado, faça login para comentar.

Leia mais

Coluna Exitus na Política

Jogo confuso, torcida em transe

Coluna Exitus na Política

Esperanças e tolos

Coluna Exitus na Política

A opinião do vento. O argumento do tempo

Coluna Exitus na Política

O GRITO E O ECO

Coluna Exitus na Política

O espelho do lago: desabafo

Coluna Exitus na Política

Apolítica: virulência

Coluna Exitus na Política

A comissão à sombra do cativeiro

Coluna Exitus na Política

Carta aos tolos

Coluna Exitus na Política

As instituições se enfraquecem

Coluna Exitus na Política

O populismo em preto e branco

Coluna Exitus na Política

Pessoas que morrem. Cidadania que falece

Coluna Exitus na Política

Verdades do Potro [*]

Coluna Exitus na Política

Caríssimo ivan lunard

Coluna Exitus na Política

A cidadania sem gênero

Coluna Exitus na Política

O reino de Marte

Coluna Exitus na Política

A culpa é do mordomo

Coluna Exitus na Política

A mitomania como política

Coluna Exitus na Política

A mãe e o parto: estado de colisão

Coluna Exitus na Política

O pão que alimenta o voto

Coluna Exitus na Política

A superioridade da moral e da ética



Blogs

Blog do JC

Dia do Orgulho Autista

A bordo do esporte

Jorge Zarif finaliza preparação olímpica na Espanha

Blog Clique Diário

Navios na city

Blog Doutor Multas

Multa do bafômetro: valor em 2021 e como recorrer

Blog da Jackie

Fondue

Blog da Ale Francoise

Que tal um kombucha que hoje!?

Blog do Ton

Habbitat

Bastidores

Um olhar sobre o teatro de escola



Entrevistão

Vinicius Lummertz

"A grande aliança é para a retomada com saúde. São Paulo fará vacinas para o Brasil e América Latina ”

Élcio Kuhnen

“O maior ensinamento que a covid vai deixar: a ciência está muito à frente da sua opinião”

Heli Schlickmann

" Nas cidades arborizadas as pessoas são mais felizes”

Liba Fronza

"O Navegay traz uma multidão de pessoas, não gera receita financeira e causa uma demanda social muito grande”

TV DIARINHO

O que dizem especialistas, gestores e agentes políticos sobre a cidade que está sendo planejada para ...



Podcast

Minuto DIARINHO 18/06/2021

Publicado 18/06/2021 20:40


Especiais

Mundo da pesca

Oceanógrafo criou raízes, mesmo que aquáticas

Urbanismo

Desafio da praia Brava é crescer mantendo as características de paraíso

Economia

Atividade pesqueira requer atenção especial

Bom momento

Construção civil ganha destaque na economia

Itajaí do rio e do mar

Empresas dos setores náutico e naval reforçam economia



Hoje nas bancas


Folheie o jornal aqui ❯