Matérias | Especial


80 ANOS

Sorveteria Seara chega à quarta geração unindo receitas de família e novas tendências

Patrimônio cultural gastronômico de Itajaí é uma das sorveterias mais antigas do Brasil

Redação DIARINHO [editores@diarinho.com.br]

André e Caroline se dedicam à arte de fabricar sorvetes desde crianças

Dentre as particularidades que fazem de Itajaí uma cidade única, está uma sorveteria artesanal cuja história se confunde com a trajetória da city peixeira, aberta numa época em que nem geladeira havia no Brasil. A Sorveteria Seara, que está completando 80 anos, há quatro gerações faz sorvete do mesmo jeitinho do seu fundador, João Heusi Seara: apenas com ingredientes naturais e aproveitando o que a natureza produz de melhor, de acordo com a época do ano. Por isso, fiquem ligados: a temporada de sorvete de uva acabou de começar!

A atual sede, na rua Alberto Werner, é o quinto endereço da sorveteria cuja saga teve início nos arredores do porto, na rua Blumenau. O ano era 1943 e naquela época só havia dois locais que serviam sorvete no Brasil, ambos no Rio de Janeiro, onde foi aberta a primeira sorveteria, em 1931. O sucesso da novidade gelada fez com que João se mudasse para o centro, no edifício Giorama, na Hercílio Luz. Naquele tempo, o bar se chamava Taça de Ouro.

Após uma breve temporada na cidade de Brusque, João retornou a Itajaí em 1954, dessa vez disposto a ampliar o negócio e batizar com o nome da família. Então ele adquiriu um terreno na rua Brusque e construiu o prédio em frente à antiga Distribuidora Müller. Logo, o local se tornou ponto de encontro para famílias, jovens e torcedores do Barroso e Marcílio.



Quando João faleceu, em 1960, a viúva Érica herdou o negócio junto com as filhas Carmem e Sílvia, além de Olavo, que anos mais tarde abriu a própria empresa, chamada Polar. Érica faleceu em 1982 e suas filhas ficaram à frente da sorveteria até 1993, quando chamaram a família para decidir quem iria continuar a tradição. Sérgio Seara Soares tomou para si a missão e trouxe a sorveteria para o atual endereço. Com a morte de Sérgio, em 2004, as receitas ancestrais passaram para as mãos dos filhos André, de 38, e Caroline, de 37.

Como os pais e avós, André e Caroline cresceram dentro da sorveteria, e desde pequenos foram convocados para embalar os picolés. Os sabores são quase os mesmos dos anos 60, com destaque para o coco, quase uma unanimidade entre os frequentadores mais antigos. “Meus tios contam que tinha garoto que pulava a cerca para roubar o coco que era ralado na mão. Naquele tempo, o leite vinha direto do produtor, em garrafas de vidro”, relata André.

Bola bem servida no cascão custa R$ 14

Bola bem servida no cascão custa R$ 14


 

 

 

 

Sabores vintage resistem ao lado de novidades, como churros e paçoca


Ana Paula não abre mão do sorvete de coco todo verão

Ana Paula não abre mão do sorvete de coco todo verão

 

Como a gastronomia também vive de tendências, alguns sabores foram abandonados, como o picolé de “queijinho”, nata e abóbora com coco. Outros se mantêm, como ameixa e banana caramelizada. Mas Caroline não desiste de resgatar receitas antigas. “Eu já fiz testes e ficou muito bom. Tenho certeza que vai agradar quem curte doce com gosto de casa de vó”, acredita. Ela conta que o sabor coco queimado dá trabalho, já que ela mesma tosta o coco fresco, assim como o amendoim. “O sabor é outra coisa”. O próximo teste deve ser com açaí.

É por este respeito à tradição que a Sorveteria Seara conta com clientes fiéis há décadas, muitos na terceira geração. “É comum os avós trazerem os netos que, quando crescem, trazem os filhos”, garante André. Uma delas é a prima Ana Paula, de 48 anos, filha do tio Olavo. Depois que a Polar fechou, em 2009, ela passou a vir na Sorveteria Seara toda semana. “Eu não aguento ficar sem. E se a minha filha sabe que eu estou aqui, ela me mata! Não posso vir aqui sem ela, senão é briga na certa!”, conta Ana Paula que, assim como a filha, prefere o sorvete de coco.


A pedido dos clientes mais novos, nos últimos anos André se aventurou a fazer sabores especiais, mas por tempo limitado. Teve um ano que foi Ferrero Rocher, em outro, Nutella, mas o de paçoca acabou entrando para o cardápio fixo. Eles já fizeram teste com blueberry (mirtilo), mas ficou cinzento. “Nossas máquinas são antigas e não possuem um bico ejetor para mesclar a fruta”, explica. No caso do sabor churros, ele passou a misturar a massa com aroma de canela de forma manual, para que o doce de leite ficasse em destaque.

Outro diferencial é que o processo tradicional não injeta muito ar à massa, nem espessante, o que deixa o sorvete mais denso. Todo este cuidado em reproduzir com fidelidade as receitas ancestrais faz da Sorveteria Seara um verdadeiro patrimônio cultural gastronômico de Itajaí. Quem não conhece o local pode ir a qualquer dia da semana, de setembro a maio, das 14h às 21h. O cascão com uma bola super bem servida custa R$ 14. E tem ainda a tradicional torta de sorvete, com sabor à escolha, que rende 25 fatias.

 

Criação chinesa ganhou o mundo quando Marco Polo trouxe a novidade para a Itália

Kibon é o sorvete industrializado mais antigo no Brasil

Kibon é o sorvete industrializado mais antigo no Brasil

 


Não é à toa que os italianos têm fama de fazerem o melhor sorvete do mundo. Os europeus foram os primeiros ocidentais a provarem a doce mistura congelada, trazida pelo navegador Marco Polo de uma viagem que fez à China em 1271. O sorvete original surgiu há cerca de quatro mil anos, e tinha como base leite e arroz congelados. Durante milênios, a sobremesa reservada aos nobres era armazenada em cavernas subterrâneas, pois não havia eletricidade.

Só em meados do século 16, um cozinheiro da rainha Catarina de Médici introduziu a sobremesa na corte francesa. Em 1670, o italiano Francisco Procópio abriu o primeiro comércio a vender sorvete, um café em Paris. Taças decoradas famosas como o sundae e banana split foram invenções norte-americanas do século 18. A caçula da família chegou no século 19: o picolé. E foi criado por acaso, quando uma criança esqueceu do lado de fora, durante uma nevasca, um copo de refresco, que acabou congelando.

Aqui no Brasil, o sorvete chegou em 1834, junto com o navio Madagascar, de Boston, que aportou no Rio de Janeiro com uma carga de 200 toneladas de blocos de gelo. Naquele tempo, o gelo era armazenado com serragem em depósitos subterrâneos e duravam até cinco meses, por isso a venda de sorvete era sazonal. Na década de 30, os cafés que serviam sorvete se tornaram moda e ponto de encontro de namorados e intelectuais.

O sorvete industrializado mais antigo é o da Kibon, que começou a ser produzido no Brasil em 1941 por uma empresa norte-americana. O primeiro lançamento da empresa, e que resiste até hoje, foi o Eski-bon, seguido do Chicabon, o popular picolé de chocolate.

 

Pra refrescar

Sorvetes apresentam diferença de até 50,62% nos principais supermercados de Itajaí

Giassi foi o destaque da semana com promoção em metade dos itens pesquisados

 

Com a chegada do calor, os supermercados direcionam as promoções para os produtos que refrescam, por isso o setor de sorvetes ganha destaque e reforço nos estoques. Mas para que a compra daquela marca preferida não seja uma facada no bolso, o DIARINHO foi a campo pesquisar sorvetes, picolés e açaís mais consumidos e constatou uma diferença de até 50,62%. O item com maior diferença de preço foi o pote de 1,5 litro de sorvete Nestlé, que estava em promoção no Giassi por R$ 16,93, enquanto no Angeloni custava R$ 25,50.

Aliás, o Giassi foi o destaque da semana, com 15 produtos com preços mais baratos entre os 30 pesquisados. Em seguida vem o Koch do bairro São João, com nove produtos, e Bistek e Angeloni, com três produtos. O supermercado com a maior variedade de marcas foi o Angeloni, que investe em sorvetes importados, como a holandesa Häagen-Dazs e a norte-americana Ben & Jerry’s, além de marcas regionais como a Polpa do Norte.

O segundo lugar no ranking da variação de preço entre os supermercados de Itajaí foi o pote de 1,5 litro da Paviloche, empresa de Joinville. O sorvete estava custando R$ 19,90 no Giassi e R$ 28,99 no Koch, diferença de 45,67%. O bronze vai para o pote de açaí de 1,5 litro da marca Frooty (39,99%), vendido a R$ 29,98 no Giassi e R$ 41,97 no Bistek.

A pioneira marca Kibon figura em quarto e quinto lugar no ranking. O pote de 800ml da série Blast (sabores Ovomaltine, Snickers, Tablito e M&M) apresentou variação de 33,31%, com menor preço no Koch (R$ 24,99) e maior no Bistek (R$ 31,97). Já o sabor da Turma da Mônica apresentou diferença de preço de 31,56%, com preços que vão de R$ 23,98 (Giassi) a R$ 31,55 (Angeloni).

E para quem precisa cortar o açúcar, tem a versão zero do Paviloche de 440ml, que estava mais em conta no Koch (R$ 25,59) e mais caro no Angeloni (R$ 33,50), diferença de 30,91%. A coleta de preços foi realizada entre os dias 2 e 13 de janeiro.

 Pote de sorvete da Nestlé estava R$ 8,57 mais barato no mercado da Fazenda

Pote de sorvete da Nestlé estava R$ 8,57 mais barato no mercado da Fazenda

Famílias com crianças garantem as boas vendas de sorvetes no início do ano

Famílias com crianças garantem as boas vendas de sorvetes no início do ano

Açaí ganha cada vez mais destaque no setor de sobremesas geladas

Açaí ganha cada vez mais destaque no setor de sobremesas geladas

 

Bombons na forma de sorvete é a tendência da vez da pioneira Kibon

Bombons na forma de sorvete é a tendência da vez da pioneira Kibon

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 




Comentários:

Somente usuários cadastrados podem postar comentários.

Para fazer seu cadastro, clique aqui.

Se você já é cadastrado, faça login para comentar.


Envie seu recado

Através deste formuário, você pode entrar em contato com a redação do DIARINHO.

×






3.237.29.69

Últimas notícias

Caninana

Acidente entre carro e bike deixa ciclista em estado grave   

ESTUPIDAMENTE GELADA

Atacadões apostam em diversidade de marcas e descontos pra venda de cerveja

Beleza

Heaven Salão faz alerta sobre as tendências de corte do verão 2023

Fora de casa

Barra segura o empate com o Joinville

Rio Itajaí-Açu

Procissão em homenagem a Nossa Senhora foi pouco movimentada

Catarinense

Marinheiro vence o Camboriú debaixo de calorão

CIS de Itajaí

Centro de Testagem de covid tem novo horário de atendimento

BALNEÁRIO

Câmeras flagram homem furtando IPhone

Sábado de festa

Praça do Matadouro é entregue à comunidade

Tarde de sáBado

Incêndio destrói caminhão em Ilhota



Colunistas

JotaCê

Achutti embarca no governo e assume educação de BC

Coluna Esplanada

O BNDES hermano

Coluna Exitus na Política

Chiclete mascado embaixo do banco

Na Rede

Se liga no que foi destaque no DIARINHO nesta semana

Coluna do Ton

Seis Aninhos

Gente & Notícia

FÉRIAS

Foto do Dia

Olha a multidão!

Canal 1

Para ex-diretora da Globo, drama do humor também passa pela renovação

Direito na mão

Qual aposentadoria paga mais?

Coluna do Janio

Vitória para a história

Via Streaming

“Falando a real” aborda terapia e luto

Jackie Rosa

Niver do Armandinho

Clique diário

O pôr do sol!

Artigos

Escultura Santa Ceia de Ervin C. Teichmann, prevista para a Igreja Matriz, está sendo oferecida a Itajaí pelo filho do escultor

Vinicius Lummertz

Turismo, para um Feliz Ano Novo

Coluna Fato&Comentário

Menino Jesus, São Nicolau, velho pom-pom e Papai Noel



TV DIARINHO


ROUBO DE  CARGA DE FRANGO: A Polícia Civil prendeu um bando na quarta-feira acusado de roubo de carga ...





Especiais

ESTUPIDAMENTE GELADA

Atacadões apostam em diversidade de marcas e descontos pra venda de cerveja

MESMA VIBE

Cinco atrações de Alicante que têm tudo a ver com Itajaí

Cinturão verde ameaçado

Inundações colocam em risco produção de hortaliças em Itajaí

Alta temporada

Preços disparam nos supermercados e provocam a indignação de consumidores

Pesquisa de preços 

Sorvetes apresentam diferença de até 50,62% nos principais supermercados



Blogs

A bordo do esporte

Barcos e lanchas compartilhadas seguem tendência de mercado

Blog do JC

Racha

Blog da Ale Francoise

Benefícios do chá de funcho

Blog Doutor Multas

Fumar e dirigir dá multa?

Blog do Ton

Festa The Box comemora 5 anos neste fim de semana em Balneário Camboriú

Blog da Jackie

Spring Party

Blog Clique Diário

Pirâmides Sagradas - Grão Pará SC I

Bastidores

Grupo Risco circula repertório pelo interior do Estado



Entrevistão

Volnei Morastoni

“Não sei quem inventou que eu tava com câncer. Eu tive um problema de estafa física e mental”

David Fernandes “LaBarrica”

"Meu sonho é ser prefeito de Balneário Camboriú”

Evandro Neiva

"Vila da Regata de Itajaí vai atrair mais de meio milhão de visitantes

Luíza Moreira

"Meu avô tinha uma marca de ferro na coxa. Hoje em dia eu me revolto ainda por causa da escravidão, porque ainda tem muito preconceito”



Hoje nas bancas


Folheie o jornal aqui ❯








Jornal Diarinho© 2022 - Todos os direitos reservados.
Mantido por Hoje.App Marketing e Inovação