Matérias | Geral


Reta final 

Professora abre notícia-crime contra vice-prefeito; Moisés acusa Jorginho de “esquema”

Confusões entre candidatos, gravadas em vídeos, devem acabar na justiça eleitoral

Redação DIARINHO [editores@diarinho.com.br]

Carlos Humberto chamou Taíse Bodemüller de "candidatinha mequetrefe" (foto: divulgação)


O clima da campanha esquentou entre candidatos da região e no estado na reta final antes das eleições. Em Balneário Camboriú, o vice-prefeito e candidato a deputado estadual, Carlos Humberto (PL), foi denunciado por ataques verbais contra a professora Taíse Bodemüller, candidata a deputada federal pelo Solidariedade. Na corrida ao governo do estado, houve troca de denúncias entre Jorginho Mello (PL) e Carlos Moisés (Republicanos) sobre suposto caso de corrupção.

Na quarta-feira, a justiça eleitoral de Balneário recebeu notícia-crime protocolada pela professora Taíse contra o vice-prefeito de Balneário. Conforme a denúncia, na terça-feira, durante ato de campanha no centro, Carlos Humberto passou em frente à casa da professora, na avenida Alvin Bauer, fazendo ataques verbais à candidata.

Taíse não estava em casa, mas familiares e vizinhos foram testemunhas dos gritos e acusações. “Não votem nela”, “candidatinha mequetrefe”, “petista” e “usa o fundo eleitoral” foram algumas frases disparadas pelo vice-prefeito do alto de um caminhão de som. Em vídeo postado ainda na terça, Taíse considerou a atitude covarde e exigiu retratação do candidato.



A denúncia na justiça qualifica o ato como crime eleitoral, com base no artigo 326-B, do código eleitoral, que trata de violência política contra a mulher por “assediar, constranger, humilhar, perseguir ou ameaçar” candidata a cargo eletivo, “utilizando-se de menosprezo ou discriminação à condição de mulher ou à sua cor, raça ou etnia”. Taíse disse que as testemunhas serão arroladas após as eleições pra que não haja perseguição.

Os ataques verbais à candidata teriam sido uma resposta ao pedido da professora, rejeitado pela justiça eleitoral, que defendia a impugnação da candidatura de Carlos Humberto. “Aqui mora a candidata que tentou me impugnar”, teria sido uma das frases de CH ao apontar para a casa de Taise.

O vice-prefeito derrubou o pedido de impugnação e teve a candidatura deferida normalmente pela justiça eleitoral. A alegação de Taíse, que recorre da decisão ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE), era que Carlos Humberto teria simulado uma viagem pra não assumir o cargo de prefeito no período pré-eleitoral, em suposto ato de improbidade administrativa.


Carlos Humberto comentou que a candidata “inventou uma história sem pé nem cabeça” pra impedir sua candidatura. “O que eu disse a ela é simplesmente isso. Ela que vá cuidar da eleição dela e não perca tempo com a minha. Ela precisa fazer eleição, até porque muita pouca gente, como eu, por exemplo, nem sabia que ela é candidata, porque ninguém vê nada”, disse, sem tratar sobre os ataques.

“Atitude covarde”

Em vídeo nas redes sociais, Taíse ressaltou que qualquer cidadão tem o direito de entrar com ações judiciais, cabendo a justiça decidir. Considerando que Carlos Humberto ganhou a ação, ela questionou a motivação para o candidato ter passado na frente da casa dela e “gritar feito um louco varrido”.

Para ela, a atitude representou uma “política suja, baixa e desesperada” e exigiu retratação. “Carlos Humberto, eu exijo que você se retrate, que faça aqueles seus videozinhos me pedindo desculpas, a mim, ao meu marido e à minha filha, e também à minha família. A política do ódio vai acabar e você um dia vai se arrepender desse fato”, comentou.

A professora informou que estava em campanha em Itapema na hora dos ataques, mas o marido e a filha estavam em casa e ouviram os gritos. “O candidato apontou pra minha casa e resolveu me atacar. Uma atitude covarde, que mostra a verdadeira face dessa pessoa”, respondeu, afirmando que falas depreciativas e de ódio são características do bolsonarismo, de quem “usa o ódio pra fazer política”.


Denúncia de Moisés contra Jorginho em debate

Moisés e Jorginho trocaram farpas na TV

Moisés e Jorginho trocaram farpas na TV

 

A denúncia do governador Carlos Moisés (Republicanos) contra o senador Jorginho Mello (PL) durante o debate entre candidatos ao governo estadual na terça-feira marca a reta final de campanha em Santa Catarina. Os desdobramentos já estão na justiça eleitoral e na justiça comum.


A acusação é que Jorginho, em reunião com Moisés, em 2020, teria defendido a permanência da empresa Reviver na administração do presídio regional de Lages. Na ocasião, o governo tinha licitação pra um novo contrato. O senador teria pedido pro governador não fazer mudanças. O caso foi exposto no debate, quando Moisés declarou que “limpou Santa Catarina desse tipo de corrupção”.

“Nós cuidamos dos contratos públicos. Diferentemente de você [Jorginho], que nos procurou para não mexer em contrato público que eu revisei e economizou – eram R$ 100 milhões por ano baixou para R$ 50 milhões por ano –, dizendo que para você o contrato era muito importante”, relatou Moisés, que foi contestado com gritos de “mentiroso” por Jorginho.

O senador e candidato Esperidião Amin (PP) também reagiu na hora, pedindo mais esclarecimentos. Na quarta-feira, ele apresentou notícia-crime contra Jorginho no Ministério Público. O pedido é para que a denúncia de Moisés seja apurada, considerado que a conduta pode ser enquadrada como advocacia administrativa, concussão ou tráfico de influência.

“A denúncia é grave. Jorginho Mello teria intercedido possivelmente em nome de um particular para que, contrariamente ao interesse público, o Estado de Santa Catarina não revisasse o preço de um contrato administrativo”, destaca o documento. “Se Moisés estiver certo, Jorginho cometeu o crime de advocacia administrativa. Se estiver errado, Moisés cometeu o crime de calúnia. Ambos devem explicações aos catarinenses”, disse Amin.

“Nunca o procurei”,

afirma senador


Pelas redes sociais, Jorginho afirmou que o governador “mentiu descaradamente”, “em um ato eleitoreiro sujo e com alta demonstração de desespero”. Ele informou que abriu duas ações contra Moisés, uma notícia-crime por calúnia na justiça eleitoral e uma ação por danos morais na justiça estadual. “Para não restar dúvidas: nunca o procurei e jamais o apoiei”, ressaltou.

O senador ainda acusou o governador de ter mentido sobre os pedágios, ao apontar que Jorginho privatizaria as estradas estaduais. “Sendo que foi o seu secretário que colocou 25 rodovias num plano de privatização”, rebateu. Durante ato de campanha em Criciúma, na quarta-feira, Moisés reafirmou a denúncia contra o senador. Ele ainda não se manifestou sobre as ações abertas por Jorginho na justiça.




Comentários:

Somente usuários cadastrados podem postar comentários.

Para fazer seu cadastro, clique aqui.

Se você já é cadastrado, faça login para comentar.


Envie seu recado

Através deste formuário, você pode entrar em contato com a redação do DIARINHO.

×






3.236.65.63

Últimas notícias

ESPINHEIROS

Filmado: Moça tem bolsa com dinheiro e documento furtada em mercado

Pesquisa de preços

Bora conferir as pechinchas da semana pra garantir o churrasco do jogo do Brasil

GUSTAVO BERNEDT

Motorista é socorrida após capotar carro em Cordeiros

Copa do Mundo

Inglaterra bate Senegal e pega França nas quartas

RIO GRANDE

Barco de pesca de Itajaí encalha na praia do Cassino

Fim das buscas

Corpo do cabo Teodoro é achado no rio

ITAJAÍ

Moradora da Itaipava pede ajuda para consertar veículo que tinha sido roubado

ITAJAÍ

Homem morre atropelado na BR 101

SOLIDARIEDADE

Família faz vaquinha para ajudar no tratamento dos filhos autistas 

Copa do Mundo

Brasil terá Neymar de volta contra a Coreia do Sul



Colunistas

JotaCê

Anna na presidência da Câmara?

Coluna Exitus na Política

A liberdade do tempo

Coluna Esplanada

Posse disputada

Clique diário

Curvas da Atalaia

Canal 1

“Fazenda” entra na reta final com a certeza do dever cumprido

Na Rede

Confira o que bombou nas redes sociais do DIARINHO

Via Streaming

“Rainha de Katwe”

Foto do Dia

Entrada da Barra

Jackie Rosa

Mulherada reunida

Vinicius Lummertz

SC do futuro: nas BRs, 2023 pode ser pior do que 2022

Gente & Notícia

Família Koch na Copa

Direito na mão

O que acontece se a empresa não pagou o INSS do funcionário? Como fica a aposentadoria?

Coluna do Janio

Marinheiro no mercado

Coluna do Ton

Mãe & Filha

Coluna Fato&Comentário

Alvim Sandri: "História de vida", aos 99 anos

Artigos

Não queremos viver numa pátria dominada pela bandidagem



TV DIARINHO


Entrevistão com Alvin Sandri



Podcast

Entrevistão com Alvin Sandri

Publicado 03/12/2022 10:10



Especiais

Pesquisa de preços

Bora conferir as pechinchas da semana pra garantir o churrasco do jogo do Brasil

OLHO NA DOSE

Pesquisa de preço mostra onde bebidas quentes são mais baratas

Na Estrada com o DIARINHO

Maravilhas naturais fazem de Bombinhas o Caribe catarinense

Itajaí

Do imóvel popular ao de altíssimo padrão são as apostas da Lotisa

Alto padrão

Procave agrega valor e exclusividade



Blogs

A bordo do esporte

Araruama (RJ) confirma calendário de regatas de 2023

Blog do JC

Quadrangular 71 anos

Blog Doutor Multas

Fumar e dirigir dá multa?

Blog do Ton

Festa The Box comemora 5 anos neste fim de semana em Balneário Camboriú

Blog da Ale Francoise

Os poderes da Spirulina!

Blog da Jackie

Spring Party

Blog Clique Diário

Pirâmides Sagradas - Grão Pará SC I

Bastidores

Grupo Risco circula repertório pelo interior do Estado



Entrevistão

Alvim Sandri

"Levei a vida que a minha mãe ensinou: fé em Deus e andar certo

Marcelo Sodré

"A hora que entrar o contrato de arrendamento essa agonia se dissipa. As empresas vêm pra fazer o porto continuar crescendo”

James Winter

“Só vai haver desemprego e demissão em massa se não tiver carga aqui no Porto de Itajaí”

Décio Lima

"Hoje, de R$ 97 bilhões que são arrecadados pelo governo federal em Santa Catarina, apenas R$ 7 bilhões voltam”



Hoje nas bancas


Folheie o jornal aqui ❯








Jornal Diarinho© 2022 - Todos os direitos reservados.
Mantido por Hoje.App Marketing e Inovação