Matérias | Reclamações


Itajaí

Sonzeira de balada no Estaleiro tá perturbando o sono dos moradores

Depois de reclamação, caso foi parar no Ministério Público do Balneário Camboriú

Redação DIARINHO [editores@diarinho.com.br]

Faz tempo que morar nas praias agrestes do Balneário Camboriú deixou de ser um sossego. Desta vez, quem procurou o DIARINHO pra reclamar de bagunça foi um grupo de moradores do Estaleiro. Eles dizem que a balada Baleares Beach faz barulho demais com música eletrônica durante a tarde e à noite em finais de semana. A queixa do povo já tá no Ministério Público da Maravilha do Atlântico, que estuda instruir um termo de Ajustamento de Conduta (TAC) pra controlar o perrengue.

O arquiteto Carlos Antônio dos Santos, 60 anos, mora há 12 na pacata região do Estaleiro. Ele vive a 900 metros da balada e conta que, mesmo com a distância, escuta tudinho o que rola no interior da casa. As festas rave acontecem cerca de duas vezes por mês, aos sábados. Começam no meio da tarde e sisticam até tarde da noite. “O barulho é muito grande, entra em casa e deixa qualquer um surdo”, reclama.

As festanças rolam durante o dia numa tenda aberta, montada na área externa da casa noturna. Já durante a noite, o festerê é transferido pra dentro da balada, numa área mais fechada. Mesmo assim ...

 

Já possui cadastro? Faça seu login aqui.

Quer continuar lendo essa e outras notícias na faixa?
Faça seu cadastro agora mesmo e tenha acesso a
10 notícias gratuitas por mês.

Cadastre-se aqui



Bora ler todas as notícias e ainda compartilhar
as melhores matérias com sua família e amigos?

Assine agora mesmo!


O arquiteto Carlos Antônio dos Santos, 60 anos, mora há 12 na pacata região do Estaleiro. Ele vive a 900 metros da balada e conta que, mesmo com a distância, escuta tudinho o que rola no interior da casa. As festas rave acontecem cerca de duas vezes por mês, aos sábados. Começam no meio da tarde e sisticam até tarde da noite. “O barulho é muito grande, entra em casa e deixa qualquer um surdo”, reclama.

As festanças rolam durante o dia numa tenda aberta, montada na área externa da casa noturna. Já durante a noite, o festerê é transferido pra dentro da balada, numa área mais fechada. Mesmo assim, os moradores lascam que o batidão incomoda.



O manuseador de gesso Eliomar Araújo, 42, conta que a Baleares Beach sinstalou por aquelas bandas há cerca de cinco anos. Ele diz que o incômodo é tão grande que sempre chamam a polícia, que, vira e mexe, dá um atraque no local, mas não resolve o problema de uma vez por todas. “Aqui é área de preservação. É um bairro tranquilo. Não deveria ter discoteca até tão tarde”, pondera o gesseiro.

MP de olho

O dotô André Otávio Mello, titular do Meio Ambiente do Ministério Público do Balneário Camboriú, chamou a casa na chincha. Ele incluiu no puxão de orelhas as baladas Estaleiro House e Parador, que também são alvo de reclamações. Nos próximos dias, os proprietários devem conversar com o promotor e caso eles não acertem os ponteiros, o dotô André pode entrar com uma ação na dona justa pra que os órgãos competentes apliquem multas ou fechem as casas.


Já foi fechada

O chefe do setor de alvará da Polícia Civil do Balneário, Julio Urqueta, conta que a Baleares não tem autorização pra funcionar todo fim de semana. Pra cada festerê deve ser emitido um novo papéli. No início do ano a balada chegou a ser brecada. Os policiais flagraram uma festoca rolando a torto e a direito sem autorização. O dono, identificado apenas como Alexandre, já responde a um termo circunstanciado.

Julio conta que a última autorização rolou no dia 22 pra uma festa que começava às 16h e terminava à meia-noite. Durante o fim de semana ele não recebeu reclamações de abusos. “Se tiver reclamações, recomendo ligar pro 181 que atendemos na hora e vamos lá cancelar a licença”, lascou.

A reportagem esteve na casa noturna ontem à tarde. O responsável não estava. O DIARINHO deixou recado pedindo pra ele retornar o contato, mas até o fechamento desta edição nenhum retorno foi dado.

De olho na altura do som


Todas as denúncias de abuso de som devem ser comprovadas. Pra ter certeza que a barulheira está alta demais deve-se chamar a galera da secretaria do Meio Ambiente, que vai ao local com um decibelímetro, aparelho que calcula o número de decibéis, ou seja, a altura do som. O secretário da pasta, André Ritzmann, afirma que o limite pro dia é de 70 decibéis e pra noite é de 60 decibéis. “Se o fiscal comprovar o abuso é aplicada multa proporcional ao estrago”. O valor é calculado de acordo com o que for extrapolado. O plantão da secretaria atende pelo telefone (47) 8883-7592. Denúncias também podem ser feitas pro 0800-644-3388.




Comentários:

Somente usuários cadastrados podem postar comentários.

Para fazer seu cadastro, clique aqui.

Se você já é cadastrado, faça login para comentar.


Envie seu recado

Através deste formuário, você pode entrar em contato com a redação do DIARINHO.

×






44.192.15.251

Últimas notícias

Tragédia

Caminhão mata criança atropelada no São Vicente

Copa do Brasil

Ingressos para a torcida do Vasco esgotam em meia hora

BALNEÁRIO

Menor é preso por tráfico de drogas no bairro das Nações

ITAJAÍ

Briga de moradores de rua acaba em assassinato na Murta

Copa do Brasil

Marcílio abre venda de ingressos para a torcida do Vasco em novo setor

ITAJAÍ

Nova diretoria da Associação Empresarial de Itajaí toma posse em noite de festa; veja as fotos

Se liga

Caixa lança concursos com salários de até R$ 11 mil em SC

BALNEÁRIO CAMBORIÚ

Plantio de árvores começa a mudar visual da Atlântica

Prevenção

29 mil doses da vacina contra a dengue chegam a SC, mas nenhuma pra região

DOMINGOU!

Cantora Ive Luna faz show grátis em Itajaí



Colunistas

JotaCê

Forte candidato a sucessão de FO

Jackie Rosa

Ai que calor!

Histórias que eu conto

Histórias da Hercílio Luz

Artigos

O novo Plano Diretor de Itajaí só tem vencedores

Coluna Esplanada

Efeito cascata

Gente & Notícia

Nova geração Dalvesco

Coluna Existir e Resistir

United Colors Sarará

Foto do Dia

A ver navios

Via Streaming

“Yesterday”

Ideal Mente

Mudar dói

Show de Bola

Grande campanha

Direito na mão

Trabalho insalubre ou perigoso pode antecipar a aposentadoria

Empreender

O esporte e a inclusão

Coluna Exitus na Política

Os disfarces da linguagem

Na Rede

Confira o que bombou nas redes DIARINHO

Coluna do Ton

Destaque da Salgueiro

Clique diário

Tesouro

Coluna Fato&Comentário

O Porto é nosso?



TV DIARINHO


Uma criança morreu atropelada por um caminhão no bairro São Vicente, em Itajaí, no final da manhã deste ...





Especiais

TURISMO

Japaratinga: vale a pena se hospedar no melhor resort do Brasil?

violência

Brasil tem um assassinato de pessoa trans a cada três dias

Programa diferente

Na Estrada: Escapada pra Curitiba num finde de verão

Presidente do STM

Acampamentos golpistas “foram tolerados por orientação” militar

Agropecuária

Bancada adota ‘discurso tóxico’ em anúncios nas redes sociais



Blogs

A bordo do esporte

Volta da Ilha das Cabras abre temporada de regatas em São Paulo

Blog do JC

Lula e o genocídio

Gente & Notícia

Churrasco On Fire, da dupla Fernando e Sorocaba, chega a Massaranduba

Blog da Ale Francoise

Intestino preso, use todos os dias

Blog da Jackie

O ‘sim’ de Ângela e Dolor

Blog do Ton

Medicina Estética

Blog Doutor Multas

Como parcelar o IPVA de forma rápida e segura

Blog Clique Diário

Pirâmides Sagradas - Grão Pará SC I

Bastidores

Grupo Risco circula repertório pelo interior do Estado



Entrevistão

Entrevistão Adão Paulo Ferreira

"Porto sozinho não serve para nada. Ele precisa ter navios, linhas"

Irmã Simone

"Aqui nós atendemos 93% SUS”

Eduardo Rodrigues Lima

"A Marinha já fez 27 mil abordagens a embarcações no Brasil inteiro”

Edison d’Ávila

"O DIARINHO serve como uma chamada à consciência da cidade”



Hoje nas bancas


Folheie o jornal aqui ❯








MAILING LIST

Cadastre-se aqui para receber notícias do DIARINHO por e-mail

Jornal Diarinho© 2024 - Todos os direitos reservados.
Mantido por Hoje.App Marketing e Inovação