Matérias | Especial


Itajaí

Comunidade estava parada no tempo até abrir as porteiras pro novo

O quilombo do sertão do Valongo foi o primeiro reconhecido em SC

Redação DIARINHO [editores@diarinho.com.br]

No século 18, os engenhos de farinha da região utilizavam mão de obra escrava. No final do ano de 1888, com a abolição da escravatura, muitas famílias de escravos refugiaram-se nessa região. Valongo é a junção das palavras Vale e Longo. A comunidade do Valongo foi reconhecida pela Fundação Palmares, em Alagoas, como a primeira remanescente do Quilombo dos Palmares no estado catarinense.

No início, os valonguenses mantinham-se graças ao extrativismo da lenha, palmito e moirão. Com o fim da madeira boa, partiram para a plantação, que já era feita como forma de sustento. E foi assim até o final dos anos 1980, quando os homens passaram a trabalhar na construção civil da região.

Sexta-feira, quando a reportagem do DIARINHO esteve no Valongo, a comunidade estava praticamente vazia. Mas foi possível topar com figuras interessantes, como o Gonçalo Caetano, 81 anos. Em pé, ...

 

Já possui cadastro? Faça seu login aqui.

Quer continuar lendo essa e outras notícias na faixa?
Faça seu cadastro agora mesmo e tenha acesso a
10 notícias gratuitas por mês.

Cadastre-se aqui



Bora ler todas as notícias e ainda compartilhar
as melhores matérias com sua família e amigos?

Assine agora mesmo!


No início, os valonguenses mantinham-se graças ao extrativismo da lenha, palmito e moirão. Com o fim da madeira boa, partiram para a plantação, que já era feita como forma de sustento. E foi assim até o final dos anos 1980, quando os homens passaram a trabalhar na construção civil da região.

Sexta-feira, quando a reportagem do DIARINHO esteve no Valongo, a comunidade estava praticamente vazia. Mas foi possível topar com figuras interessantes, como o Gonçalo Caetano, 81 anos. Em pé, na porta de casa, recebeu a reportagem com um largo sorriso no rosto. “Oi, boa tarde. Pode chegando”, deu as boas-vindas. Nem precisou ser questionado pra começar a falar. “Nasci aqui e só vou sair daqui se me levarem ou me enterrarem aqui”, fala, apontando em direção ao chão.



De lá, rumamos pela estrada de barro pra casa da dona Ester Caetano, 59, filha dele. Ela mora em uma casa de madeira bem feita e num terreno enorme. Assim como o pai, recebeu os estranhos como se fossem conhecidos e garante que não sai do Valongo por nada. A casa dela é limpíssima e bem arrumada. A enfermeira Noeli, espectadora da evolução do Valongo, explica melhor a realidade de hoje. “Quando meu marido e eu chegamos aqui, em 1985, a visão que tínhamos era de uma comunidade 50 anos atrasada. Não havia banheiro e as casas caíam aos pedaços. Foi por meio de um pastor que a mudança começou”, relembra Noeli.

De fato, se você chegar ao Valongo sem saber que se trata de uma comunidade de descendentes de escravos, a região vai lhe parecer comum às do interior catarinense: ruas de barro, cercas a perder de vista e uma casa aqui e outra acolá.

O transporte no quilombo de Porto Belo


• Até 1991, o carro de boi, com roda de madeira e sem eixo, era o principal meio de transporte na comunidade.

• Depois veio a gaiota, mesmo veículo com eixo. Facilitava nas curvas.

• O cavalo com carreta chegou na metade da década de 1990 e é visto até hoje.

• A bicicleta chegou à comunidade em 2000.

• Foi nessa década que os veículos motorizados chegaram: Fusca, Fiat Uno e moto.


Casal de fora ajuda a aumentar a renda dos valonguenses com plantas bioativas

O casal Noeli e Edemir tem apostado em uma alternativa rentável de negócio: o cultivo, processamento e comercialização das plantas tupinambor e ora-pro-nobis. Segundo Noeli, as plantas ajudam a regular os índices de diabetes, colesterol e são ricas em proteína. Elas são ingeridas em pó, misturadas ao iogurte, água, arroz, pão, biscoito, panqueca. Noeli jura que a ora-pro-nobis está sendo alvo de estudos com homens diagnosticados com câncer de próstata. Hoje, as plantas estão na merenda das escolas de Porto Belo. “O povo aqui da comunidade tinha dúvidas quanto ao trabalho com as plantas. Mas está ganhando dinheiro”, diz.

Os seis alunos da escola Municipal do Valongo se alimentam das plantas agregadas à merenda convencional. O colégio atende as únicas seis crianças com idades pra cursar do 1º ao 5º ano do ensino fundamental. Os mais velhos vão pra escolas da região central de Porto Belo. “Eles estudam aqui das 8h às 12h e têm aulas de campo também”, explica a professora Elizete da Silva, 33, que atua ali, mas não faz parte da comunidade.

É graças à abertura do Valongo aos de fora que a comunidade tem se fortalecido. É o que explica outra moradora, também da família Caetano, a dona Onélia, 60 anos. “Moro aqui desde que nasci e a cada ano que passa, a vida aqui está melhor. Estamos tendo acesso a um monte de coisas boas”, comemora.





Comentários:

Somente usuários cadastrados podem postar comentários.

Para fazer seu cadastro, clique aqui.

Se você já é cadastrado, faça login para comentar.


Envie seu recado

Através deste formuário, você pode entrar em contato com a redação do DIARINHO.

×






44.222.218.145

TV DIARINHO


Itajaí vai ter centro de triagem para dar conta dos atendimento de dengue. A cidade é a quarta com maior ...





Especiais

TURISMO

Japaratinga: vale a pena se hospedar no melhor resort do Brasil?

violência

Brasil tem um assassinato de pessoa trans a cada três dias

Programa diferente

Na Estrada: Escapada pra Curitiba num finde de verão

Presidente do STM

Acampamentos golpistas “foram tolerados por orientação” militar

Agropecuária

Bancada adota ‘discurso tóxico’ em anúncios nas redes sociais



Blogs

A bordo do esporte

Volta da Ilha das Cabras abre temporada de regatas em São Paulo

Blog do JC

Lula e o genocídio

Gente & Notícia

Churrasco On Fire, da dupla Fernando e Sorocaba, chega a Massaranduba

Blog da Ale Francoise

Intestino preso, use todos os dias

Blog da Jackie

O ‘sim’ de Ângela e Dolor

Blog do Ton

Medicina Estética

Blog Doutor Multas

Como parcelar o IPVA de forma rápida e segura

Blog Clique Diário

Pirâmides Sagradas - Grão Pará SC I

Bastidores

Grupo Risco circula repertório pelo interior do Estado



Entrevistão

Entrevistão Adão Paulo Ferreira

"Porto sozinho não serve para nada. Ele precisa ter navios, linhas"

Irmã Simone

"Aqui nós atendemos 93% SUS”

Eduardo Rodrigues Lima

"A Marinha já fez 27 mil abordagens a embarcações no Brasil inteiro”

Edison d’Ávila

"O DIARINHO serve como uma chamada à consciência da cidade”



Hoje nas bancas


Folheie o jornal aqui ❯








MAILING LIST

Cadastre-se aqui para receber notícias do DIARINHO por e-mail

Jornal Diarinho© 2024 - Todos os direitos reservados.
Mantido por Hoje.App Marketing e Inovação