Matérias | Polícia


Itajaí

Dois tiras são afastados por suspeita de camanga na carteira de motora

Os policiais fariam vistas grossas pros barbeirões no teste prático; aprovavam até quem nunca pegou no volante. Polícia tá na cola de uma autoescola suspeita de integrar o esquema

Redação DIARINHO [editores@diarinho.com.br]


Um inquérito policial tocado pela divisão de Investigação Criminal (DIC) do Balneário Camboriú e uma sindicância aberta pela corregedoria da polícia Civil apuram a suposta participação de pelo menos dois tiras e funcionários de um centro de formação de condutores da Maravilha do Atlântico num esquema de fraude nos testes práticos de volante pra obtenção da carteira de motora. Os dois policiais investigados tão afastados das funções que exerciam na circunscricional de Trânsito (Ciretran) da delegacia Regional de Polícia Civil do Balneário Camboriú.


Pelo o que o DIARINHO apurou, a denúncia foi feita por uma ex-funcionária da autoescola Stop, que é a empresa acusada de fazer parte da camanga. Quem pagasse uma graninha a mais passaria no teste ...

 

Já possui cadastro? Faça seu login aqui.

OU

Quer continuar lendo essa e outras notícias na faixa?
Faça seu cadastro agora mesmo e tenha acesso a
10 notícias gratuitas por mês.

Cadastre-se aqui



Bora ler todas as notícias e ainda compartilhar
as melhores matérias com sua família e amigos?

Assine agora mesmo!


Pelo o que o DIARINHO apurou, a denúncia foi feita por uma ex-funcionária da autoescola Stop, que é a empresa acusada de fazer parte da camanga. Quem pagasse uma graninha a mais passaria no teste, mesmo que fosse tão barbeiro quanto o mister Magoo, aquele personagem dos desenhos animados que, mesmo praticamente cego, fazia questão de dirigir um carango. Também teria os casos em que o candidato a motorista nem mesmo pegou no volante pra fazer a prova prática.



O delegado Osnei Valdir de Oliveira, chefão da DIC, é quem toca a investigação. Ontem à tarde, ele confirmou que tá fuçando na treta, mas preferiu não se manifestar pra não atrapalhar o trampo da sua equipe na apuração do caso. O delegado Arthur Nitz, diretor de polícia Civil do Litoral, também confirmou o rolo e a sindicância que foi aberta pela corregedoria pra tirar a limpo a história que envolve um supervisor e um examinador da Ciretran.

Arthur Nitz disse que recebeu a informação sobre a denúncia da delegada regional Magali Ignácio Nunes. Foi a dotora quem pediu para que os dois tiras suspeitos fossem colocados em férias, pra garantir a lisura das investigações. Além do descanso forçado, os policiais também foram oficialmente afastados das funções que exerciam na circunscricional de Trânsito.


O chefão da polícia Civil do Litoral fez questão de dizer que a sindicância da corregedoria é um procedimento preliminar de investigação. Ela só será transformado em processo administrativo caso o envolvimento dos tiras seja confirmado. O processo, explicou ainda o delegado, pode resultar num pé na bunda dos policiais, que ainda correm o risco de responder criminalmente se o esquema for comprovado. “Como está em fase de investigação, não tem como punir ninguém. Até agora o que temos são denúncias”, ressaltou.

O delegado Arthur não divulgou o nome dos policiais envolvidos e não relevou qualquer detalhe do que foi apurado até agora pelos corregedores, sob alegação de que qualquer informação vazada pode melar as investigações.


Veja o caminho legal pra tirar a carta certinho

Dono de uma autoescola há 40 anos em Itajaí, Tadeu Pereira Raimundo ficou dicara com a denúncia. “Uma carteira comprada é a mesma coisa que colocar uma metralhadora na mão de uma criança. Uma pessoa que não é avaliada na prática é uma arma que pode causar danos seríssimos à sociedade”, dispara o empresário. Segundo ele, o Brasil gasta 28 bilhões de reais da saúde pública com vítimas de trombadas ou atropelamentos e 65% dos leitos hospitalares são ocupados por pessoas que sofreram algum acidente.

A pedido do DIARINHO, o dono da autoescola Tadeu explicou o passo-a-passo pro povão tirar a primeira habilitação pra poder sair por aí na boleia de um possante, de uma cabrita, de um busão ou um bruto. A primeira exigência, lembra o empresário, é o candidato ter 18 anos completos. Aí, vai ter que apresentar identidade, CPF e comprovante de residência, além de passar no exame médico e psicotécnico agendado pelo órgão de trânsito. “O exame é feito por um centro de avaliação de condutores (autoescola), que é terceirizado e credenciado através do instituto da permissão do Detran de Santa Catarina”, afirma.

Depois do candidato ser aprovado naqueles dois exames, pra ver se não é cegueta nem pirandelo, aí sim é que começa a frequentar o curso teórico com 45 horas/aula. “Aprende a legislação, sinalização, direção defensiva, primeiros socorros e mecânica básica”, lista Tadeu. Depois disso, vai a uma circunscricional de Trânsito e precisa acertar 28 questões da prova teórica, que tem 40 perguntas.

Se o cara passar na prova, que consiste principalmente em conhecer sinais de trânsito e legislação, aí recebe uma Licença de Aprendizagem e Direção Veicular (LADV). “Com esse documento estará habilitado a frequentar o curso prático”, explica Tadeu.


Feita a prova teórica, o aluno frequenta 20 horas de aula prática em cada categoria: carro, moto ou caminhão. Tem obrigatoriedade de fazer 20% das aulas à noite e é encaminhado novamente à Ciretran, onde vai ser avaliado na parte prática. “Essa prova tem uma série de itens que são verificados, tais como controle de direção, direção defensiva, obediência à sinalização”, diz. Quem não passa na prova prática tem que voltar a fazer as aulas.

Dono da autoescola jura que é inocente

Rodrigo da Silva, dono da autoescola Stop, jura de pés juntos que o esquema de facilitação nas provas práticas da Ciretran, envolvendo sua empresa, não existe. “Provavelmente quem denunciou foi um ex-funcionário que está com raiva”, carcou. O empresário garantiu que nem ele ou qualquer outro funcionário do centro de formação tentaram fraudar o processo de emissão dos documentos. “Não tem como a autoescola fazer fraude. Quem faz o exame é um policial”, defende-se Rodrigo.

O dono da Stop admite que sabia da acusação e confirmou que desde a semana passada não são mais os mesmos tiras que pintam na rua da autoescola pra aplicar a prova prática. “São apenas denúncias. Denúncias qualquer um pode (fazer)”, rebate.

A Stop funciona desde 1994. A sede fica na rua 2438, no centro do Balneário Camboriú.





Comentários:

Somente usuários cadastrados podem postar comentários.

Para fazer seu cadastro, clique aqui.

Se você já é cadastrado, faça login para comentar.


Envie seu recado

Através deste formuário, você pode entrar em contato com a redação do DIARINHO.

×






3.230.154.90

Últimas notícias

BALNEÁRIO CAMBORIÚ

Protetora animal denuncia que gatos que vivem em terreno baldio teriam morrido durante obras da prefeitura

Centro de Itajaí

Das 87 árvores do canteiro central da Marcos Konder, só 23 poderão ser transplantadas com certeza  

BALNEÁRIO CAMBORIÚ

Nivus tem bônus de R$ 12 mil e saldo parcelado em 24 vezes sem juros

NA ESTRADA

BC oferece rolês gastronômicos, culturais, de compras e lazer

Série B

Brusque visita o Santos na Vila Belmiro com presença da torcida

Futebol

Fim de uma era: Goleiro Cássio deixa o Corinthians e vai para o Cruzeiro

ENQUETE

Qual a sua opinião sobre a divisão da conta do hospital Ruth Cardoso?

SANTA CATARINA

Morador de SC que compartilhava pornografia infantil é preso pela PF

NA CRECHE

Mãe agride funcionárias de creche de Penha; veja o vídeo

PENHA 

Bandidos invadem torre de internet para furtar; veja o vídeo 



Colunistas

Artigos

O combate ao abuso e à exploração de crianças e adolescentes é um compromisso coletivo

Jackie Rosa

Niver da Chris

JotaCê

Amin responde Chiodini

Mundo Corporativo

A importância do equilíbrio da autoestima no mundo organizacional

Coluna Esplanada

Palácio x Lira

Gente & Notícia

Níver da Margot

Ideal Mente

Luto coletivo: navegando juntos nas ondas da perda

Show de Bola

Vitória da base

Direito na mão

Mulher entre 54 a 61 anos: como antecipar a aposentadoria?

Via Streaming

“Justiça”

Coluna Exitus na Política

Vontade e solidariedade

Na Rede

Traficante preso na  sala alugada da JS Pescados, tragédia  no RS e destruição do jardim de “dona Aurita” foram os  assuntos mais bombados da semana

Coluna do Ton

Chegando de Mendoza

Histórias que eu conto

Armação da infância II

Foto do Dia

“O mar, quando quebra na praia”

Coluna Existir e Resistir

Designação geral sobre o fim do mundo

Coluna Fato&Comentário

Anuário de Itajaí - 100 anos da 1ª edição

Empreender

Balneário Camboriú atrai cada vez mais clientes do eixo sudeste



TV DIARINHO






Especiais

NA ESTRADA

BC oferece rolês gastronômicos, culturais, de compras e lazer

RIO GRANDE DO SUL

São Leopoldo: a cidade gaúcha onde quase todos perderam o lar

RIO GRANDE DO SUL

Governo Eduardo Leite não colocou em prática estudos contra desastres pagos pelo estado

Retratos da destruição

“Não temos mais lágrimas pra chorar”: A cidade gaúcha destruída pela 3ª vez por enchentes

MEIO AMBIENTE

Maioria de deputados gaúchos apoia projetos que podem agravar crise climática



Blogs

Blog da Jackie

Hermès processada

Blog do JC

Pacto da direita de Itajaí?

A bordo do esporte

World Sailing e CBVela promovem plantio de árvores em São Paulo (SP)

Blog da Ale Francoise

A pílula da felicidade

Blog do Ton

Amitti Móveis inaugura loja em Balneário Camboriú

Gente & Notícia

Warung reabre famoso pistão, destruído por incêndio, com Vintage Culture em março

Blog Doutor Multas

Como parcelar o IPVA de forma rápida e segura

Blog Clique Diário

Pirâmides Sagradas - Grão Pará SC I

Bastidores

Grupo Risco circula repertório pelo interior do Estado



Entrevistão

Vilfredo e Heloísa Schurmann

"Nós reciclamos só 6% no Brasil. Na Europa já é 50%. A própria China já está com 35% de reciclagem” (Vilfredo)

João Paulo

"Essa turma que diz defender a família ajudou a destruir a boa convivência em muitas famílias. Na defesa de um modelo único, excludente"

Entrevistão Peeter Grando

“Balneário Camboriú não precisa de ruptura, mas de uma continuidade”

Juliana Pavan

"Ter o sobrenome Pavan traz uma responsabilidade muito grande”



Hoje nas bancas


Folheie o jornal aqui ❯








MAILING LIST

Cadastre-se aqui para receber notícias do DIARINHO por e-mail

Jornal Diarinho© 2024 - Todos os direitos reservados.
Mantido por Hoje.App Marketing e Inovação