Matérias | Reclamações


Itajaí

Semasa ignora pedido de ligação de água e famílias dependem de São Pedro e caminhão-pipa para viver

Morador criou sistema de captação de água da chuva; tempo firme secou reservatório

Redação DIARINHO [editores@diarinho.com.br]

Luxo. Há 10 meses, é dessa forma que três famílias da localidade do São Roque, no bairro Espinheiros, em Itajaí, classificam a água que sai pela torneira e cai do chuveiro. Desde o início do ano, quando uma bica naquela região secou, o povão passou a comprar o líquido precioso. De lá pra cá, economiza como pode e, acredite, reza pra São Pedro mandar chuva pra aliviar a dificuldade. “Acho que eu já fiz até dança da chuva”, brinca o vigilante Everson Fabiano da Silva, 29, uma das vítimas da escassez.

Apesar do bom humor, Everson anda furioso com o pessoal do serviço Municipal de Água, Saneamento Básico e Infraestrutura (Semasa).

Ele contou ao DIARINHO que desde janeiro faz contato com a autarquia para tentar ligar a rede de água na baia dele. Entre promessas e desculpas, a visita nunca rolou, e o problema da falta de água ...

 

Já possui cadastro? Faça seu login aqui.

Quer continuar lendo essa e outras notícias na faixa?
Faça seu cadastro agora mesmo e tenha acesso a
10 notícias gratuitas por mês.

Cadastre-se aqui



Bora ler todas as notícias e ainda compartilhar
as melhores matérias com sua família e amigos?

Assine agora mesmo!


Apesar do bom humor, Everson anda furioso com o pessoal do serviço Municipal de Água, Saneamento Básico e Infraestrutura (Semasa).

Ele contou ao DIARINHO que desde janeiro faz contato com a autarquia para tentar ligar a rede de água na baia dele. Entre promessas e desculpas, a visita nunca rolou, e o problema da falta de água persiste. “Já colocaram até plaquinhas do Semasa aqui na entrada de casa, mas nunca vieram”, jura.



No último contato telefônico feito com Semasa, Everson ouviu de um dos funcionários que a ligação era economicamente inviável. Segundo a companhia, como as três casas estão a mais de 50 metros de distância uma da outra, uma rede apenas não atenderia a demanda. “Disseram que o custo pra fazer mais de uma rede seria alto e que não compensava”, conta.

Água da chuva armazenada em tanque

O dilema começou há dois anos, quando de uma hora pra outra a casa de Everson e outras duas vizinhas, incluindo a do pai dele, o pedreiro Angelino Bacca, 49, tiveram o abastecimento de água interrompido. Eles passaram a pegar água em uma fonte no alto do morro, a cerca de 800 metros da baia do vigilante. “Quando a fonte secou, todo mundo ficou meio que na mão”, lembra Everson.


De lá pra cá, a rotina da família do cara mudou da água para o vinho, literalmente. No desespero, Everson, que trampa na Viaseg, em Itajaí, bolou uma engenhoca para captar água da chuva. Ele e o pai construíram um minireservatório embaixo da terra que recebe toda a precipitação que desce da calha, no telhado. Por meio de uma bomba-sapo, a água é transportada às caixas da casa de Everson e do pai dele.

O tanque comporta oito mil litros, mas, segundo o vigilante, tem andado praticamente vazio nos últimos meses. “Faz muito tempo que não chove, e quando chove é pouca coisa. A gente faz até dança da chuva pra cair temporal aqui”, brinca.

Com a escassez de chuva, a família do vigilante apela para outros dois meios pra conseguir água.

Um deles é comprando o líquido de caminhões-pipa. “A gente deve ter pedido umas cinco vezes. Eu sempre racho com o pai”, explica Everson. Cada bruto fornece 10 mil litros d’água por R$ 250. “É caro, por isso a gente evita pedir”, revela. Everton também compra bombonas de água de 20 litros, que são usadas para tomar.

A economia de líquido precioso é quase uma cultura por lá. O pessoal lava roupa apenas uma vez por semana, bebe o suficiente para matar a sede e agiliza no banho. “A gente procura ficar o menor tempo possível embaixo do chuveiro. Alguns minutinhos, só”, revela.


Semasa diz que vai reavaliar questão, mas adianta que trampo não é fácil

De acordo com Theo Sevey, assessor de imprensa do Semasa, a autarquia está ciente dos pedidos daquela comunidade e faz um estudo de viabilidade. “Tem uma questão técnica emperrando. Cada uma dessas ligações tem 196 metros de rede, e teriam de ser três, o que dá mais de 500 metros”, explica. Ainda de acordo com o assessor, seria necesário um buster, que é uma bomba de pressão. “E esse equipamento depende de um investimento”, admite Theo.

O assessor revelou, contudo, que o Semasa fará um novo estudo na região. “Vamos mandar pessoas até o local para analisar novamente a possibilidade de implantar essa rede”, concluiu.


Sabichão culpa estado por deixar famílias na seca

Para o cientista político e professor de direito da Univali, José Everton da Silva, as três famílias são privadas de um direito primário de qualquer cidadão. “A Constituição assegura acesso ao básico, e a água está entre esses direitos”, opina o fessor.

Na opinião dele, a indiferença social é culpa do estado. “Sob qualquer lógica, o estado falha. O Semasa não precisa colocar torneira na casa das pessoas, mas tem que fornecer água”, concluiu o sabichão.




Comentários:

Somente usuários cadastrados podem postar comentários.

Para fazer seu cadastro, clique aqui.

Se você já é cadastrado, faça login para comentar.


Envie seu recado

Através deste formuário, você pode entrar em contato com a redação do DIARINHO.

×






3.239.91.5

Últimas notícias

Futebol

Palmeiras bate o Vitória em Salvador

Estreia

Corinthians e Atlético-MG ficam no 0 a 0

Futebol

Em jogo de pênaltis polêmicos, Flamengo vence o Atlético-GO

Brasileirão

Vasco estreia com vitória contra o Grêmio

BALNEÁRIO CAMBORIÚ

Bebê é resgatado com queimaduras de incêndio em BC

DESTAQUE 

Catarinense é capa da Vogue Brasil

Luto

Balneário Piçarras perde a ministra da eucaristia Norma Albano

Base forte

Itajaí fica com o bronze na Taça Sul de handebol da categoria cadete

Missão no exterior

Comitiva bolsonarista articula com os EUA punições ao Brasil

Assaltos à mão armada

Bandidos atacam vítimas na saída de supermercados da região



Colunistas

Coluna Esplanada

Insatisfação na Eletrobras

JotaCê

Coronel Pavan tem novo aliado deputado

Na Rede

Agroboy mais gato dos EUA, última casinha de BC e romance no ar: confira os destaques das redes do DIARINHO

Histórias que eu conto

Armação da infância I

Coluna do Ton

Parabéns Ale

Mundo Corporativo

Dicas para líderes desorientados e equipes perdidas

Via Streaming

Um lugar ao sol

Gente & Notícia

Neia capitaneou noite só para elas

Foto do Dia

Pintura ensolarada

Ideal Mente

A importância da comunicação no cuidado

Show de Bola

Final do Catarinense

Direito na mão

Revisão da aposentadoria: oportunidade de aumentar o valor mensal

Coluna Exitus na Política

Janelas fechadas

Jackie Rosa

Simplesmente Gisele

Coluna Fato&Comentário

Coleção bicentenário: a construção da Matriz

Coluna Existir e Resistir

Bloquinho do Sebastião Lucas resgatando e revivendo os saudosos carnavais

Empreender

Balneário Camboriú atrai cada vez mais clientes do eixo sudeste

Artigos

Aniversário da praça dos Correios



TV DIARINHO






Especiais

Missão no exterior

Comitiva bolsonarista articula com os EUA punições ao Brasil

NA ESTRADA COM O DIARINHO

6 lugares imperdíveis para comprinhas, comida boa e diversão em Miami

Elcio Kuhnen

"Camboriú vive uma nova realidade"

140 anos

Cinco curiosidades sobre Camboriú

CAMBORIÚ

R$ 300 milhões vão garantir a criação de sistema de esgoto inédito 



Blogs

Blog da Jackie

Catarinense na capa da Vogue

A bordo do esporte

Fórmula E: Alemão vence na Itália e assume a ponta do Mundial dos Carros Elétricos

Blog do JC

Palavra é tudo!

Blog da Ale Francoise

Lanchinho do bem!

Blog do Ton

Amitti Móveis inaugura loja em Balneário Camboriú

Gente & Notícia

Warung reabre famoso pistão, destruído por incêndio, com Vintage Culture em março

Blog Doutor Multas

Como parcelar o IPVA de forma rápida e segura

Blog Clique Diário

Pirâmides Sagradas - Grão Pará SC I

Bastidores

Grupo Risco circula repertório pelo interior do Estado



Entrevistão

Entrevistão Ana Paula Lima

"O presidente Lula vem quando atracar o primeiro navio no porto”

Carlos Chiodini

"Independentemente de governo, de ideologia política, nós temos que colocar o porto para funcionar”

Osmar Teixeira

"A gestão está paralisada. O cenário de Itajaí é grave. Desde a paralisação do Porto até a folha sulfite que falta na unidade de ensino”

Omar Tomalih

“Balneário Camboriú hoje é o município que está com o maior controle, com o menor número de notificações de casos de dengue”



Hoje nas bancas


Folheie o jornal aqui ❯








MAILING LIST

Cadastre-se aqui para receber notícias do DIARINHO por e-mail

Jornal Diarinho© 2024 - Todos os direitos reservados.
Mantido por Hoje.App Marketing e Inovação