Matérias | Geral


Itajaí

Cemitério é interditado e família não consegue enterrar gurizão

Marilene Cordeiro se queixa do do médico que tratou do maridão

Redação DIARINHO [editores@diarinho.com.br]

Os fiscais da prefa de Navegantes lacraram nesta semana o cemitério Parque Metropolitano, em Gravatá. O local pertence à empresa Santa Catarina Assistência Familiar e funcionava irregularmente há 10 anos. Além de não ter o CNPJ, falta inscrição municipal e alvará de funcionamento. Enquanto a situação não for regularizada, nenhum morto poderá ser enterrado no local.

A família da dona de casa Dalva Honório, 55 anos, não vai esquecer tão cedo o pesadelo que viveu nesta semana. Ela comprou um plano de assistência familiar há mais de um ano e, na quarta-feira, ...

 

Já possui cadastro? Faça seu login aqui.

Quer continuar lendo essa e outras notícias na faixa?
Faça seu cadastro agora mesmo e tenha acesso a
10 notícias gratuitas por mês.

Cadastre-se aqui



Bora ler todas as notícias e ainda compartilhar
as melhores matérias com sua família e amigos?

Assine agora mesmo!


A família da dona de casa Dalva Honório, 55 anos, não vai esquecer tão cedo o pesadelo que viveu nesta semana. Ela comprou um plano de assistência familiar há mais de um ano e, na quarta-feira, 4, quando foi enterrar o sobrinho, não conseguiu.

Dalva conta que a pendenga começou na terça-feira à noite, quando o sobrinho dela, Arlan Cordeiro, faleceu. Os funcionários de uma funerária avisaram a família sobre o problema no cemitério, mas ela achou que se tratava de rivalidade e disputa por clientes. Dalva conta que os funcionários da funerária do plano, a São Cristóvão, garantiram que tava tudo certo. “Eles arrumaram o corpo e, quando fomos ajeitar tudo no cemitério, o gerente avisou que não podia fazer nada”, lembra, indignada.



Naquela altura do campeonato, eles já haviam feito a certidão de óbito informando que o corpo seria enterrado no Gravatá. “Lembrei que temos um terreno no cemitério da Fazenda, mas quando chegamos lá eles disseram que não podiam enterrar porque no documento estava escrito que seria no Gravatá”, conta. O marido de Dalva teve que fazer um segundo documento e registrá-lo em cartório pra conseguir enterrar o sobrinho no cemitério do bairro Fazenda.

“Não fosse isso, meu sobrinho ficaria numa gaveta três anos até conseguir um lugar”, diz. Além do plano funeral, que custou 24 parcelas de R$ 125 e não serviu pra nada, a família teve que pagar R$ 2.370 pelo caixão e mais R$ 650 pelo espaço no cemitério da Fazenda.

Revoltada, Dalva promete processar a empresa. “A gente já prepara tudo antes pra nessa hora ter sossego, mas nem isso tivemos. Se eles estão com o cemitério irregular, vou processar”, lasca.


Cemitério de problemas

O diretor de Fiscalização e Tributos da prefa dengo-dengosa, Marcos Müller, diz que irregularidade é o que não falta no cemitério Metropolitano. O bagrão conta que a Santa Catarina Assistência Familiar mantinha o local há 10 anos, usando o CNPJ da funerária e sem ter inscrição municipal. Isso significa que o cemitério, que é particular mas tem uma concessão pública pra atuar no município, está irregular desde quando abriu, há cerca de 10 anos.

Marcos diz que a treta foi descoberta porque os fiscais começaram uma batida geral nas seis mil empresas do município. Segundo ele, no início de setembro a firma foi notificada pra apresentar a documentação exigida. Como isso não rolou, os fiscais lacraram o cemitério no dia 2 de dezembro. “Desde então, ninguém da empresa nos procurou”, conta. Se a firma desrespeitar a decisão e enterrar um mortinho sequer, vai pagar multa de cerca de R$ 22 mil por dia.

Em abril, a direção da empresa assinou um termo de ajustamento de conduta (TAC) com o Ministério Público (MP) pra cumprir uma série de exigências, como a instalação de poços pra analisar a qualidade da água subterrânea. Além disso, o papéli prevê que, caso a fundação do Meio Ambiente da Santa & Bela (Fatma) considere impossível a renovação da licença ambiental, essencial pra reabertura, o cemitério vai ter que ser desativado em 30 dias.


A reportagem entrou em contato a empresa, mas a secretária informou que o gerente estava em reunião, sendo que ele não retornou as ligações.

Família diz que Arlan foi humilhado no hospital Marieta antes de morrer

O problema pra enterrar Arlan Cordeiro foi a gota d’água de uma série de perrengues enfrentados pela família. A esposa do falecido, Marilene Cordeiro, 33, diz que o marido começou a passar mal há 16 dias, quando começou a vomitar e a sentir fortes dores na barriga. Internado no hospital Marieta em 21 de novembro, Marilene conta que o marido ficou seis dias de rolo no pronto-socorro, sem um leito nem tratamento adequado. “Um dizia uma coisa, outro dizia outra, mas a família nunca foi informada exatamente qual era a situação dele”, conta.


Ele foi diagnosticado com pancreatite, mas ninguém dizia direito o que era a doença, nem por quais procedimentos ele teria que passar. Marilene está revoltada, porque diz que o marido foi tratado com descaso e desrespeito.

Segundo ela, na noite de 24 de novembro Arlan gritava da dor e estava muito fraco. Ele pediu ajuda da esposa pra conversar com um médico. “Eu já tinha ido oito vezes até o balcão, mas as enfermeiras me mandavam voltar pra perto dele e esperar quietinha. Chamavam ele de ansioso, mas ele estava com dor e avisava que ia morrer”, relembra, emocionada.

Depois de ter implorado por ajuda sem sucesso, Arlan pediu pra esposa abordar o médico no corredor. Ele pediu ajuda e disse que tinha a impressão de ter alguma coisa na barriga, já inchada por causa da pancreatite. “Daí o médico olhou pra ele e respondeu: ‘o que tem aí dentro da tua barriga é um bebê’, e todos os enfermeiros começaram a rir”, diz Marilene.

Segundo ela, o médico debochado é Darcio José Krieck Filho, que foi responsável pela internação de Arlan e teria tratado o pobre coitado com o maior descaso. “Eu me senti a pessoa mais vulnerável do mundo por ver o meu marido com dor, naquela situação, e eles ainda debochando dele”, lamenta.

Ela diz que o marido só foi avaliado por um especialista no dia 26 de novembro. Ele chegou a ser internado na UTI no dia 2 de dezembro, passou por uma cirurgia no dia seguinte, mas morreu bem na hora que a esposa foi visitá-lo.

Marilene promete que não vai deixar barato e vai carcar um processo contra o hospital. “Porque o que eu sofri lá dentro nunca vai sair da minha alma, da minha mente. Vou processar pra que não aconteça com outra pessoa o que aconteceu com meu esposo”, afirma.


A assessora jurídica do Marieta, Zilda Bueno, diz que o médico Darcio José Krieck Filho vai ser chamado na chincha e vai ter que se explicar direitinho sobre a denúncia de deboche pra cima do paciente. Segundo ela, a direção do hospital vai investigar o que aconteceu e deve se pronunciar sobre o assunto na segunda-feira.




Comentários:

Somente usuários cadastrados podem postar comentários.

Para fazer seu cadastro, clique aqui.

Se você já é cadastrado, faça login para comentar.


Envie seu recado

Através deste formuário, você pode entrar em contato com a redação do DIARINHO.

×






44.197.230.180

Últimas notícias

ENTREVISTA

Duda Salabert “Quando uma travesti é eleita, a sociedade inteira avança”

Penha

Polícia Civil investiga morte de criança de três anos

Segunda divisão

Semifinalistas serão definidos neste sábado

Agenda

Confira a agenda deste final de semana

NAVEGANTES 

Motociclista morre em acidente na BR 470

Série A

Corinthians e Palmeiras se enfrentam em “decisão” pelo título

Entrada gratuita

Itajaí Vôlei estreia em casa no Catarinense

Futebol na praça

Final da Copa Pesqueira acontece neste sábado na Beira Rio

Balneário Camboriú

Apagão causa bate-boca público entre vereador e gerente da Celesc

Tudo filmado

Tudo filmado: Mercedes “frita pneu” em plena Osvaldo Reis



Colunistas

JotaCê

MDB reunida

Jackie Rosa

Família Pereira comemora boa fase do grupo Fort

Clique diário

Itajaí vista do alto

Instituto Ion | Informando e Inovando

Inovação da tecnologia

Canal 1

Assim como a TV Conmebol, futuro do canal Combate é duvidoso

Na Rede

Se liga nas matérias que foram destaque nas redes do DIARINHO

Via Streaming

“Westworld”

Coluna Esplanada

Custo Brasil

Gente & Notícia

Lançamento da Absoluta no Iate Clube Cabeçudas

Vinicius Lummertz

Santa Catarina: as melhores cidades, PIB nas alturas. Por quê?

Coluna do Janio

Polêmica do estádio

Coluna Exitus na Política

Agora, o eleitor

Coluna do Ton

Festinha

Coluna Fato&Comentário

Antonico Ramos e o sonho do vigia

Artigos

Cenas para mudar o cenário

Coluna Tema Livre

Não é fácil ser mulher



TV DIARINHO


Entrevistão com Douglas Costa Beber  - Diretor Geral da Emasa





Especiais

ENTREVISTA

Duda Salabert “Quando uma travesti é eleita, a sociedade inteira avança”

Brasil

Quem está destruindo as unidades de conservação do cerrado

Saúde

Salsicha, hambúrguer e nugget: pesquisa identifica agrotóxicos em alimentos

famoso

Garçom há 30 anos, Claudinho ama BC

Diversidade religiosa

Mestre Marne quebrou tabus para defender a fé nos orixás



Blogs

A bordo do esporte

Salvador (BA) se une ao Salão Náutico Grand Pavois para edição brasileira em 2023

Blog Doutor Multas

Bafômetro pega vape: verdade ou mito? Entenda de uma vez por todas

Blog do JC

Desencantou

Blog do Ton

Blumenau ganhará o primeiro lounge bar em formato rooftop

Blog da Ale Francoise

Inclua inhame no seu dia!

Blog Clique Diário

Pirâmides Sagradas - Grão Pará SC I

Bastidores

Grupo Risco circula repertório pelo interior do Estado

Blog da Jackie

BALNEÁRIO FASHIOW foi SHOW



Entrevistão

Douglas Costa Beber

"Somos a cidade mais saneada de Santa Catarina e uma das mais saneadas do Brasil”

Gabriela Kelm do Nascimento

“A maioria entende que o calçadão da Hercílio Luz deve permanecer porque foi um ganho para a cidade ”

Normélio Weber

"O Hermeto Pascoal vai estar ali. O Toquinho vai estar aqui. O Brasileirão, de Curitiba... Vai estar Chico César...”

Cláudio Werner

“O nosso clube é um formador de atleta olímpico”



Hoje nas bancas


Folheie o jornal aqui ❯








Jornal Diarinho© 2022 - Todos os direitos reservados.
Mantido por Hoje.App Marketing e Inovação