Matérias | Reclamações


Itajaí

Agente denuncia que o cadeião da Canhanduba não é seguro

Funcionário diz que tem muito preso e pouca gente pra trabalhar

Redação DIARINHO [editores@diarinho.com.br]

O complexo Penitenciário do Vale do Itajaí, no bairro Canhanduba, em Itajaí, abriga 430 detentos. O sistema prisional é tocado pelo departamento Estadual de Administração Prisional (Deap) e a empresa Montesinos, responsável pela parte operacional. Hoje, 160 funcionários se revezam em escalas de 12h por 36h pra manter a ordem por lá. Gilmar Pereira Costa, 28 anos, é um dos agentes de controle da unidade e tá, diariamente, em contato com os presos. Gilmar resolveu dar a cara à tapa e denuncia que o complexo não oferece segurança aos funcionários. “Era pra sermos em 15 agentes, um auxiliar de coordenador e um supervisor pra noite. Nem 10 tem”, conta.

Com poucos funcionários, explica Gilmar, falta segurança pra conduzir os internos das celas às oficinas de trabalho e durante as revistas. O perrengue é o mesmo durante os atendimentos médicos. ...

 

Já possui cadastro? Faça seu login aqui.

Quer continuar lendo essa e outras notícias na faixa?
Faça seu cadastro agora mesmo e tenha acesso a
10 notícias gratuitas por mês.

Cadastre-se aqui



Bora ler todas as notícias e ainda compartilhar
as melhores matérias com sua família e amigos?

Assine agora mesmo!


Com poucos funcionários, explica Gilmar, falta segurança pra conduzir os internos das celas às oficinas de trabalho e durante as revistas. O perrengue é o mesmo durante os atendimentos médicos. Segundo ele, há detentos com tuberculose e os agentes prestam atendimento sem máscaras de proteção, usando apenas luva de látex [as formas de contágio da doença são pelo ar e contato frequente com o doente].

Na hora do rango, o agente que fica de zoio nos presos não tem proteção. “Na cozinha, fica um agente com apenas um rádio comunicador e 12 internos que fazem a comida. Eles usam facas grandes. Devia ter uma guarita pra proteger o pessoal de um possível ataque”, avalia Gilmar.



A ronda noturna é uma das horas mais tensas, já que o complexo é cercado apenas por grades. Não há muros, e do lado é mato a perder de vista na escuridão. “Fazemos a ronda sem nenhum colete de proteção, apenas com uma lanterna na mão”, conta.

Ameaças

Nos dias em que trampa, Gilmar veste o uniforme: calça e camisa social, sapato e um crachá com nome e foto. Bate o ponto às 19h e larga o plantão às 7h do dia seguinte. Nas 12 horas de trabalho, bizolha as celas, conduz presos e faz rondas no complexo. Em quase dois anos, diz ter registrado três boletins de ocorrência por ameaças sofridas dos presos, mas garante ter sofrido mais de 10. Ganha R$ 1209 por mês. Com abonos, o faz-me-rir chega a 1660 pilas. Não tem plano de saúde, odontológico ou seguro de vida.


Direção diz que denúncias são mentirosas

O ex-agente de controle Sergio de Carvalho, 29, faz coro com o Gilmar. Ele trabalhou pra Montesinos por um ano e sete meses. Foi mandado embora após voltar de férias, em novembro. Antes disso, Sergio ficou três meses afastado por suspeita de tuberculose e agora tá fazendo tratamento psicológico no centro de Atenção Psicossocial (Caps) de Balneário Piçarras.

Sergio conta que durante o tempo que trabalhou no presídio, ele e os colegas sempre fizeram o serviço que devia ser dos agentes penitenciários do Deap. “Só recebemos um curso de uma semana, temos que tirar os presos de dentro das celas, fazer vistorias. Os detentos jogam água na nossa cara, xingam, ameaçam. Três meses depois que entrei, já tava sofrendo com delírios e distúrbios psicológicos”, afirma.

Dentro da penitenciária, os agentes de controle não portam armas e trabalham apenas com uma tonfa (cassetete). “Nós é que temos que comprar nossa própria lanterna, porque a empresa não dá. Nos molhávamos nas rondas em dias de chuva. Fiquei cinco meses na guarita da entrada sem arma e tinha medo de ficar lá de noite. Tratam melhor os presos do que os agentes”, diz.


Montesinos rebate acusações

Desde a metade deste ano no cargo de gerente da penitenciária, contratado pela Montesinos, Acir da Cruz, afirma que todas as denúncias são mentirosas. “Eles não recebem ameaças dos detentos porque eles estão fechados, o contato é mínimo. Se o preso age desta forma, ele é isolado em outra cela”, garante.

Dentro da penitenciária, a disciplina é rígida e os presos não falam muito, segundo Acir. O procedimento adotado quando rolam ameaças é fazer um Registro de Ocorrência (RO) e depois um BO na delegacia. O RO vai pro Deap e, dependendo do caso, o preso pode sofrer punição ou até ser transferido pra outra penitenciária. “Mas não temos conhecimento de ameaças recentes”, diz.

Acir informa que há oito agentes penitenciários do Deap que trabalham por turno, junto com mais 40 agentes de controle. Há mais de um mês, a ronda noturna passou a ser feita por esse pessoal do estado. Acir rebate as acusações sobre ameaças e falta de segurança. “Isso é quase impossível. Na cozinha temos oito funcionários e apenas seis detentos que auxiliam. Toda a cozinha é monitorada por câmera. Na parte externa os agentes ficam armados. Na ala médica, os monitores têm todos os equipamentos necessários. Já foram feita três perícias e foi dado como local salubre”. A reportagem não conseguiu contato com o Deap.





Comentários:

Somente usuários cadastrados podem postar comentários.

Para fazer seu cadastro, clique aqui.

Se você já é cadastrado, faça login para comentar.


Envie seu recado

Através deste formuário, você pode entrar em contato com a redação do DIARINHO.

×






3.236.225.157

TV DIARINHO


O domingo chuvoso e de frio não tirou a disposição dos pescadores que participaram do 4º Arrancadão ...



Podcast

Inflação e alta na taxa de juros

Publicado 06/08/2022 14:47



Especiais

Saúde

Salsicha, hambúrguer e nugget: pesquisa identifica agrotóxicos em alimentos

famoso

Garçom há 30 anos, Claudinho ama BC

Diversidade religiosa

Mestre Marne quebrou tabus para defender a fé nos orixás

conexão

Networker aproxima Balneário Camboriú das celebridades

Sem medo do trabalho

Dona Terezinha toca uma confecção aos 84 anos



Blogs

A bordo do esporte

Seleção Brasileira de Vela inicia treinos para SSL na Suíça

Blog do JC

Isaque Borba

Blog Doutor Multas

Desentupidora de pia em Moema: chegada rápida, orçamento sem compromisso e garantia no desentupimento

Blog do Ton

O Segredo dos Tubarões

Blog da Ale Francoise

Inclua inhame no seu dia!

Blog Clique Diário

Pirâmides Sagradas - Grão Pará SC I

Bastidores

Grupo Risco circula repertório pelo interior do Estado

Blog da Jackie

BALNEÁRIO FASHIOW foi SHOW



Entrevistão

Gabriela Kelm do Nascimento

“A maioria entende que o calçadão da Hercílio Luz deve permanecer porque foi um ganho para a cidade ”

Normélio Weber

"O Hermeto Pascoal vai estar ali. O Toquinho vai estar aqui. O Brasileirão, de Curitiba... Vai estar Chico César...”

Cláudio Werner

“O nosso clube é um formador de atleta olímpico”

Willian Cardoso, o Panda

"Saquarema provavelmente vai ser meu último mundial, aí eu vou estar focado no brasileiro”



Hoje nas bancas


Folheie o jornal aqui ❯








Jornal Diarinho© 2022 - Todos os direitos reservados.
Mantido por Hoje.App Marketing e Inovação