Matérias | Polícia


Itajaí

PM atendeu quase oito mil queixas de som no talo em Balneário

Na madruga de ontem, este quiosque na avenida Atlântica foi fechado por causa da barulheira

Redação DIARINHO [editores@diarinho.com.br]

Já virou rotina. Todo santo dia o centro de Operações Policiais Militares (Copom) de Balneário Camboriú recebe ligação de um morador incomodado com o barulhão de som alto na vizinhança. De novembro de 2012 a novembro deste ano, foram registradas 7674 chamadas de perturbação do sossego. O reclame rola o ano inteiro, mas na época da temporada de verão o problema fica mais grave. Ontem, um quiosque chegou a ser fechado na avenida Atlântica numa ocorrência que começou por causa da reclamação com a sonzeira que vinha de dentro do boteco.

Eram quase 2h30 da manhã quando vizinhos ligaram pra reclamar do som que vinha do quiosque número dois, que fica quase em frente ao hotel Marambaia, no Pontal Norte. Esta era a segunda reclamação ...

 

Já possui cadastro? Faça seu login aqui.

Quer continuar lendo essa e outras notícias na faixa?
Faça seu cadastro agora mesmo e tenha acesso a
10 notícias gratuitas por mês.

Cadastre-se aqui



Bora ler todas as notícias e ainda compartilhar
as melhores matérias com sua família e amigos?

Assine agora mesmo!


Eram quase 2h30 da manhã quando vizinhos ligaram pra reclamar do som que vinha do quiosque número dois, que fica quase em frente ao hotel Marambaia, no Pontal Norte. Esta era a segunda reclamação do dia sobre o local. Há cerca de duas semanas, a PM já havia dado um atraque no quiosque, por causa do som alto na madrugada. Ontem, os milicos pediram pra ver o alvará, e como o documento não foi apresentado, os fardados fecharam as portas do quiosque.

O dono do comércio, Thiago Natan Lana, 23 anos, garante que estava com toda a papelada em dia, mas o funcionário que estava no quiosque na madrugada não sabia que o protocolo do alvará da polícia Civil estava no local, por isso não apresentou o documento. Ele diz que tinha um baita aparelho de som, mas por causa das reclamações, há cerca de duas semanas, trocou o equipamento. “Agora eu tinha só um som ambiente, mas cheguei aqui, hoje (ontem) de manhã e arranquei tudo”, disse o entisicado.



Ele jura que orientou os funcionários a manterem um sonzinho bem de boa, baixinho, mas acredita que um deles possa ter se passado e aumentado um pouco a bagaça, sem se ligar no perrengue que poderia causar. O comerciante reconhece que no próprio alvará diz que não é permitido som no quiosque, mas se sente injustiçado, já que os outros botecos da orla trampam com música. “Tão baixando só aqui, mas deveriam fiscalizar todos os quiosques”, chia. Com o protocolo que comprova que a papelada está em dia, Thiago reabriu o quiosque ontem mesmo.

No verão, ocorrências de som alto bombam


A perturbação do trabalho e sossego alheio é uma contravenção penal. O comandante do 12º batalhão da PM, coronel Marcello Martinez Hipólito, informa que, de novembro de 2012 a novembro de 2013, foram registradas 7674 queixas de perturbação do sossego. Se o número parece assustador, na temporada de verão – de dezembro a fevereiro – o número de ocorrências aumenta. Ele ilustra a situação falando que de uma média de 15 queixas registradas em um dia, apenas quatro não são por causa do som alto neste período do ano. Na maioria das chamadas pro 190, o barulho que perturba os vizinhos vem dos carros e de festinhas em apês. As ocorrências pipocam em toda a cidade, mas a orla é a líder de chamadas.

Martinez explica que a PM só pode tomar providências quando existem vítimas, ou seja, quando alguém topa dar o nome no registro dos fardados após denunciar a perturbação. “Se não tiver vítima, não temos como agir de forma repressiva”, explica. Mesmo assim, ele diz que a grande maioria das pessoas reclama sem se identificar.

Baixam na hora

Segundo o comandante, em 90% dos casos os barulhentos baixam o som na hora, quando há um pedido dos fardados. Quem dá uma de espertinho e volta a aumentar a barulheira logo depois que a baratinha sai, pode ter que responder ao perrengue na dona justa. “Se for reincidente em menos de cinco anos, pode ser processado criminalmente”, explica o estrelado.


Nesses casos, os homi podem recolher o som, que é considerado objeto usado na prática do delito. O dono só retira o aparelho ou as caixas de som depois que rolar a audiência na dona justa. O tempo médio pra isso acontecer é de três meses. “Mas a justiça ainda pode definir a perda do objeto”, lembra.

Perturbação pode rolar a qualquer hora do dia

Ao contrário do que muita gente pensa: som alto não é só é proibido depois das 22 horas. A perturbação do sossego alheio não tem hora pra acontecer. “Basta mais de uma pessoa se sentir incomodada com o barulho e chamar a polícia”, diz.

Segundo a bagrona da secretaria do Meio Ambiente, Nena Amorim, o limite tolerável do som é de 55 decibéis. A medição é feita pelos fiscais da secretaria a partir de uma distância de um metro e meio da parede ou porta de onde vem o barulho.


Como a PM não trabalha com o aparelhinho de fiscalização e não atua junto aos fiscais do Meio Ambiente, a medição de incomodação é feita pelo bom senso dos reclamantes e PMs que atendem a ocorrência. “Em ocasiões específicas, como réveillon e carnaval, a gente sempre tem que ser mais tolerante, né?!”, pondera o estrelado.




Comentários:

Somente usuários cadastrados podem postar comentários.

Para fazer seu cadastro, clique aqui.

Se você já é cadastrado, faça login para comentar.


Envie seu recado

Através deste formuário, você pode entrar em contato com a redação do DIARINHO.

×






35.168.110.128

TV DIARINHO


Entrevistão com Douglas Costa Beber  - Diretor Geral da Emasa



Podcast

Avalie o que importa

Publicado 13/08/2022 09:56



Especiais

ENTREVISTA

Duda Salabert “Quando uma travesti é eleita, a sociedade inteira avança”

Brasil

Quem está destruindo as unidades de conservação do cerrado

Saúde

Salsicha, hambúrguer e nugget: pesquisa identifica agrotóxicos em alimentos

famoso

Garçom há 30 anos, Claudinho ama BC

Diversidade religiosa

Mestre Marne quebrou tabus para defender a fé nos orixás



Blogs

A bordo do esporte

Maquete eletrônica do Salão Náutico Salvador com o Grand Pavois

Blog da Ale Francoise

Tá com tosse aí?

Blog Doutor Multas

Bafômetro pega vape: verdade ou mito? Entenda de uma vez por todas

Blog do JC

Desencantou

Blog do Ton

Blumenau ganhará o primeiro lounge bar em formato rooftop

Blog Clique Diário

Pirâmides Sagradas - Grão Pará SC I

Bastidores

Grupo Risco circula repertório pelo interior do Estado

Blog da Jackie

BALNEÁRIO FASHIOW foi SHOW



Entrevistão

Douglas Costa Beber

"Somos a cidade mais saneada de Santa Catarina e uma das mais saneadas do Brasil”

Gabriela Kelm do Nascimento

“A maioria entende que o calçadão da Hercílio Luz deve permanecer porque foi um ganho para a cidade ”

Normélio Weber

"O Hermeto Pascoal vai estar ali. O Toquinho vai estar aqui. O Brasileirão, de Curitiba... Vai estar Chico César...”

Cláudio Werner

“O nosso clube é um formador de atleta olímpico”



Hoje nas bancas


Folheie o jornal aqui ❯








Jornal Diarinho© 2022 - Todos os direitos reservados.
Mantido por Hoje.App Marketing e Inovação