Colunas


Coluna Exitus na Política

Por Sérgio Saturnino Januário - pesquisa@exituscp.com.br

Magia e farsa


O ano de 1986 parecia ser o ponto das grandes transformações políticas, sociais e econômicas do Brasil: era o início do Plano Cruzado. Instituído em fevereiro, era um conjunto de medidas econômicas do Governo de José Sarney, e pelo então Ministro da Fazenda, Dilson Funaro. Como magia, anunciava o restabelecimento do poder de compra da moeda com a eliminação de três zeros. Os preços de combustíveis, alimentos, produtos de limpeza e serviços foram congelados em tabelas de controle. O mercado tinha as mãos do Governo. A inflação caiu de 12,4% [fevereiro] para 1,4% [outubro], os “fiscais do Sarney” saíram às ruas e os empresários foram considerados “adúlteros” da Pátria Amada Brasil.

 

Bora virar assinante para ler essa e todas as notícias do portal DIARINHO? Usuários cadastrados têm direito a 10 notícias grátis.


Esqueci minha senha




Se você ainda não é cadastrado, faça seu cadastro agora!


 







 





Em 15 de novembro ocorreram as eleições gerais e o PMDB foi, isoladamente, o grande vencedor: 22 dos 23 governadores, 260 dos 487 deputados federais e 38 dos 49 senadores. Como o Governo não produz riqueza, e o mercado tem “sua forma de vida”, os produtos ficaram escassos, as prateleiras ficaram vazias e surgiu um mercado paralelo ativado por “ágio”. A balança comercial ficou “violentamente” negativa e as reservas cambiais “desapareceram”. Em seguida, a inflação disparou, a dívida pública explodiu, moratória foi decretada e a economia entrou em colapso. Apenas 6 dias depois das eleições o Governo lançou o Plano Cruzado II. A magia, de repente, se transformou em farsa.

As medidas de controle governamental de preços nunca se moldaram em condição duradoura e estável. A regulação de mercado pelas mãos visíveis do Governo são fluxos que se conversam, mas que não se misturam: líquidos como água e óleo. Sempre que o Governo age como empresário, o mercado se desorganiza; sempre que o mercado faz, o Governo, a corrupção nos desespera.

Planos de Governo que travam e condicionam os preços e o Mercado não fazem mais do que uma magia que encanta em seu início, gera desconfiança na caminhada e desespero no final. E se tudo isso é a magia para eleições, as fraquezas logo aparecerão com data marcada para “olhos arregalados” e “pessoas assustadas”. A magia se transmuta em farsa. O pior dos mundos econômicos é feito pela inflação. Inflação provoca fome, desemprego, muitas notas de dinheiro e pouco poder de compra.

Governos podem criar moedas, mas não produzem riquezas. Governos são como o oxigênio: essenciais para a organização da vida, para garantir a permanência e, ao mesmo tempo, são corrosivos, oxidam as “coisas”. Do oxigênio inspiramos a vida e, como as frutas, criamos camadas de pele para nos proteger de sua corrosão. Oxigênio, como governos, possibilitam a vida e produzem incêndios.

Já temos experiência suficiente para compreender que “bondades governamentais” e seus efeitos eleitorais são, na próxima esquina do tempo, o desespero daqueles que trabalham, a preocupação dos que suam a pele para ter comida à mesa, a dificuldade de tantos em honrar contas. Dormir, nesses tempos, exige mais do que respiração: autocontrole. A emergência que temos não é a da calamidade da guerra atual, tão longe, mas daquela que está por vir entre nós.


Comentários:

Deixe um comentário:

Somente usuários cadastrados podem postar comentários.

Para fazer seu cadastro, clique aqui.

Se você já é cadastrado, faça login para comentar.

Leia mais

Coluna Exitus na Política

O gênero da política

Coluna Exitus na Política

O medo e a vulgaridade

Coluna Exitus na Política

Um lugar desconhecido

Coluna Exitus na Política

Uma torneira na cabeceira da cama

Coluna Exitus na Política

O poder sem face

Coluna Exitus na Política

O lixo

Coluna Exitus na Política

Agora, o eleitor

Coluna Exitus na Política

A cenoura que não se come

Coluna Exitus na Política

Feito de ossos

Coluna Exitus na Política

Política e totens

Coluna Exitus na Política

Gestão auditável

Coluna Exitus na Política

Um e noventa e nove

Coluna Exitus na Política

Divisão do trabalho político

Coluna Exitus na Política

Segundo turno agora

Coluna Exitus na Política

Verdes e cinzas

Coluna Exitus na Política

A liberdade sob tortura

Coluna Exitus na Política

A liberdade do astronauta

Coluna Exitus na Política

Coice e passo adiante

Coluna Exitus na Política

Voto e consequência

Coluna Exitus na Política

Crise na abstinência



Blogs

A bordo do esporte

ABDA é bicampeã do Brasileiro Sub-20 masculino de polo aquático

Blog do JC

Velho massifica na cachola de comissionados

Blog do Ton

Zezé Di Camargo & Luciano aterrissam em outubro no Expocentro BC

Blog Doutor Multas

5 golpes comuns que você deve ficar atento ao comprar um carro

Blog da Jackie

Spring Party

Blog da Ale Francoise

Tá com tosse aí?

Blog Clique Diário

Pirâmides Sagradas - Grão Pará SC I

Bastidores

Grupo Risco circula repertório pelo interior do Estado



Entrevistão

Décio Nery de Lima

"Vou retomar os investimentos que o Bolsonaro negou para Santa Catarina”

Jorginho Mello

"O candidato do presidente Bolsonaro é o Jorginho Mello”

Odair Tramontin

“O Partido Novo defende a privatização de tudo que for possível”

Jorge Bornhausen

“As urnas são absolutamente seguras. Até hoje ninguém descobriu fraude. É história de quem está pensando que pode perder”

TV DIARINHO

Entrevistão com Décio Lima - Candidato à Governador de Santa Catarina pelo PT




Especiais

Pesquisa DIARINHO

Preço da carne pode variar até 145%

Cidade histórica

São Chico tem o charme de 518 anos

Preços baixos

Atacarejos se multiplicam em Itajaí e disputam consumidor mais exigente

SE LIGA!

DIARINHO lança espaço de economia popular para ajudar você nas compras

Balneário Camboriú

Construtora e morador disputam área histórica aos pés da roda-gigante



Hoje nas bancas


Folheie o jornal aqui ❯








Jornal Diarinho© 2022 - Todos os direitos reservados.
Mantido por Hoje.App Marketing e Inovação