Colunas


Coluna Exitus na Política

Por Sérgio Saturnino Januário - pesquisa@exituscp.com.br

Coice e passo adiante


Jairos era uma pessoa autoritário e egoísta. Carregado de traumas fabricados em sua trajetória de vida, depois de avançar na idade, falava com sinceridade quando demonstrava suas revoltas. Ali, traía suas intenções ao revelar seus desejos mais egoístas, os quais não poderia declamar nas esquinas como socialmente honestos. Jairos vivia escondido nas coisas que escondia de si mesmo. Tinha a “alma” atordoada pelo acúmulo de si, dentro de si mesmo. Sua psiquê estava abarrotada por sua incapacidade de dar um passo de autossuperação.

 

Bora virar assinante para ler essa e todas as notícias do portal DIARINHO? Usuários cadastrados têm direito a 10 notícias grátis.


Esqueci minha senha




Se você ainda não é cadastrado, faça seu cadastro agora!


 







 





Jairos, sem escolhas, preferia o coice ao passo adiante! Não conseguia governar suas ações com destreza e cunhava sua marca em mentiras, em confrontos inventados, em culpar um alvo pelo seu erro. Indolente porque egoísta, qualquer sofrimento só poderia ser o seu. Para qualquer asfixia em sua garganta, culpa e responsabilidade estavam amarradas em terceiros, como cabos desgastados de navios prontos para ruir. Criar problemas e dar coices lhe deixava, intimamente, protegido e, para si mesmo, politicamente fortalecido. Pobre conjunto de carne e osso que se esvazia no eón [período de tempo muito longo], tinha ali sua franqueza: o coice.

Ao seu redor e por suas próprias mãos, o mundo que Jairos via e vivia era um circuito de disfarces. Sem música, Jairos dançava num baile de máscaras cheio de personagens, para os quais escrevia o destino, as falas e os crucificava por avaliação moral. Assim, restava-se a si próprio como o Grande Ser: era acusador e juiz, classificava aos outros e destinava as sentenças.

Havia, entre todos os convidas, o semblante de que o preço do combustível estava caro demais, mas, dizer isso a Jairos, era produzir dissonância e reações agudas. Jairos não admitiria críticas! Muitos não foram ao baile porque não resistiram a uma peste pegajosa e morreram sufocados por ausência de oxigênio ou por falta de vacinas ou por impossibilidade de tratamento. Mas Jairos, como cicerone, dizia que não era coveiro, embora sua responsabilidade fosse salvar vidas e não enterrar mortos.

Jairos, por seus traços psicológicos declarados em suas ações durante a vida e na forma de autorrelato como coisas comuns ou situações provocadas por outros, acusava a Democracia de ser aberta demais, portanto, prejudicial ao seu destino: se há mais votos aos outros, a culpa é da máquina que os registra e daqueles que a defendem. Mais um confronto a viver! Machista e impulsivo, colocara sua própria esposa em constrangimento ao revelar suas matinas.

Jairos acreditava defender a liberdade como a existência da circulação de seu sangue, mas abrigava condenados, protegia investigados, criava sigilos centenários para suas atividades constitucionalmente públicas, hostilizava mulheres que, no suporte profissional, lhe faziam perguntas. A liberdade que oferecia era para si mesmo, como cabos desgastados de navios muito a ruir.

Jairos não tinha escolha: estava psicologicamente preso nos escombros ou ruínas que trouxe em sua vida e, sem poder dar um passo à frente, estava condicionado a dar coices. Sua vida tinha estímulos para trás, sem energia para alimentar o futuro. Os dias rompiam a escuridão como todos os dias: disfarces, máscaras e coices. Jairos dispunha suas energias porque tinha muitas fraquezas ao invés de desafios. O baile apontava o nascer do sol e a culpa seria dos músicos!


Comentários:

Deixe um comentário:

Somente usuários cadastrados podem postar comentários.

Para fazer seu cadastro, clique aqui.

Se você já é cadastrado, faça login para comentar.

Leia mais

Coluna Exitus na Política

Um e noventa e nove

Coluna Exitus na Política

Divisão do trabalho político

Coluna Exitus na Política

Segundo turno agora

Coluna Exitus na Política

Verdes e cinzas

Coluna Exitus na Política

A liberdade sob tortura

Coluna Exitus na Política

A liberdade do astronauta

Coluna Exitus na Política

Voto e consequência

Coluna Exitus na Política

Crise na abstinência

Coluna Exitus na Política

Soldados sem cabeça,  armados

Coluna Exitus na Política

Portas fechadas, às escuras

Coluna Exitus na Política

O juiz e o investigado

Coluna Exitus na Política

Palco e claquete

Coluna Exitus na Política

Política da psicose

Coluna Exitus na Política

O pires, o balcão

Coluna Exitus na Política

Isopor e bigorna

Coluna Exitus na Política

Comunicação e gritos

Coluna Exitus na Política

A Fazenda e seu gado

Coluna Exitus na Política

Eleição de reeleição

Coluna Exitus na Política

“Deus do poder, acima de tudo”

Coluna Exitus na Política

“Débora: poder sem dono”



Blogs

A bordo do esporte

Catarinense segue entre os líderes do Mundial de Optimist

Blog da Ale Francoise

Chá de sabugueiro!

Blog do JC

Salve o Ribeiro!

Blog do Ton

Consultório médico, em Balneário Camboriú tem pegada chic, mas sem excessos

Blog Clique Diário

Pirâmides Sagradas - Grão Pará SC I

Blog Doutor Multas

A Desentupidora mais próxima de você! Desentupidora de emergência 24h SP

Bastidores

Grupo Risco circula repertório pelo interior do Estado

Blog da Jackie

BALNEÁRIO FASHIOW foi SHOW



Entrevistão

Willian Cardoso, o Panda

"Saquarema provavelmente vai ser meu último mundial, aí eu vou estar focado no brasileiro”

Renata Teixeira Pinto Viana

"Não se indica cigarro eletrônico para alguém que queira parar de fumar"

Governador de Santa Catarina

"É importante destacar que as obras só avançam por conta dessa decisão de colocar recursos dos catarinenses nas rodovias federais”

José Evaldo Koch

“O hortifruti é nosso berço”

TV DIARINHO

Roberto Paião é diretor executivo do estaleiro Okean & Ferretti, referência no mercado náutico nacional ...



Podcast

Notícias da semana e o impacto na economia

Publicado 02/07/2022 17:42


Especiais

Cordeiros

Professora Rita de Cássia ensinou matemática a diferentes gerações de itajaienses

SUPERAÇÃO

Deficiência nunca impediu Jailton de fazer o que quis; até elevador em casa ele construiu

Centro de Itajaí

Bravacinas se transforma em referência em vacinação humanizada

Itajaí

Itajaí mantém protagonismo na pesca industrial

A riqueza vem pelo mar

Polo náutico reúne players mundiais do mercado de luxo



Hoje nas bancas


Folheie o jornal aqui ❯








Jornal Diarinho© 2022 - Todos os direitos reservados.
Mantido por Hoje.App Marketing e Inovação