Matérias | Especial


Pesquisa DIARINHO

Preço da carne pode variar até 145%

Quarta e quinta são dias de promoção nos açougues de mercados de Itajaí

Redação DIARINHO [editores@diarinho.com.br]

Carnes embaladas à vácuo são tendência porque a validade é maior (FOTO: RENATA ROSA)


Assar uma carne no fogo é uma prática tão antiga que foi retratada nas pinturas das cavernas há milhares de anos. A diferença é que, hoje, em vez de caçar animais, podemos comprar a carne cortadinha. O problema é que, com a grana curta, tem sido um desafio garantir o bife de cada dia ou ao menos do fim de semana. Para ajudar o consumidor na tarefa, o DIARINHO visitou os açougues de cinco supermercados de Itajaí para saber onde se pode comprar mais pelo menor preço.

No desafio da carne, Bistek (Vila) e Schmit (Cordeiros) empataram em número de cortes com o preço mais baixo (8), seguido de Koch e Giassi (6) e Angeloni (4). A lista contém 30 itens (veja na página ao lado), sendo 21 cortes de boi, cinco de frango e quatro de porco. A coleta foi realizada no dia da promoção do açougue de cada mercado e teve variação de até 145, 78%, por exemplo,  no preço do quilo do bucho bovino. Na quarta-feira, quem vende carne mais em conta é o Giassi. Na quinta é o Bistek e na sexta, Schimit, Koch e Angeloni.

No Giassi, na Fazenda, as carnes são vendidas à vácuo congeladas ou resfriadas. Quem prefere levar bife ou moída, pede no balcão, o que “salga” o preço. Mas se a compra ultrapassar cinco quilos, tem desconto de 5%. No Bistek do São João, a carne também é à vácuo e porcionada em bandejas nos refrigeradores, onde uma atendente ajuda o cliente a encontrar o corte que cabe em seu bolso. Nos demais mercados, a carne é vendida fresca ou congelada.



Segundo o engenheiro agrônomo Alexandre Giehl, da Epagri, muitos mercados optam pela carne à vácuo porque tem mais tempo de prateleira. Enquanto a carne fresca dura no máximo três dias no balcão refrigerado, a carne à vácuo pode durar até quatro meses congelada. Além disso, a pecuária catarinense não atende todo o mercado consumidor, por isso 53% da carne bovina consumida vem de estados como Mato Grosso. “Quando o diesel estava mais barato, valia a pena até trazer de Rondônia, mas agora não é mais uma opção”, acredita.

E apesar da carne bovina ter subido abaixo da inflação no último ano (7%), a proteína está longe dos preços praticados em 2019, quando a arroba de boi gordo (15kg) passou de R$ 150 para R$ 200 no último trimestre. Hoje custa R$ 318,00. Alexandre explica que na época, a China, nosso principal parceiro comercial, teve o rebanho suíno afetado pela peste africana, e começou a importar outras proteínas, desfalcando o plantel do Brasil. Com menos carne no mercado interno, o preço disparou.

Preço da carne suína caiu 10% com a diminuição da exportação para a China


“Além disso, os produtores locais, entusiasmados com a exportação, preservaram as novilhas que, em vez de serem abatidas, viraram reprodutoras, diminuindo ainda mais a oferta de carne”, explica o agrônomo da Epagri. Por outro lado, o preço da carne suína caiu 10% porque a China regularizou o rebanho local e a carne produzida em Santa Catarina acabou sobrando. No ranking do consumo de carne, o brasileiro consome em primeiro lugar as aves, seguido de boi e porco. “Apesar da carne suína ser segura, ainda existe preconceito, o que não acontece em outros países. Só a China consome metade da carne suína produzida no mundo”, revela Alexandre.

Mas mesmo carnes baratas estão inacessíveis para 3 milhões de pessoas só na região sul, que vivem em insegurança alimentar, segundo o IBGE. Por isso, é cada vez mais comum encontrar no mercado cortes como sobrecu, rebatizada de sambiqueira. “Pés, ossos e rabos, que antes iam para a produção de ração, hoje estão nos refrigeradores. Uma forma que a indústria viu de valorizar um subproduto e oferecer proteína para quem a carne virou um luxo”, conclui.

DATA DIARINHO

Concorrência acirrada entre supermercados garante economia na compra da “mistura”

A queda no poder de compra do consumidor fez com que partes menos nobres de bois, porcos e aves se tornassem mais procuradas. Percebendo a tendência, muitos mercados passaram a oferecer miúdos, pés e carcaças e fazer promoções como a do Angeloni, que estava vendendo bucho a R$ 11,99 o quilo, um preço 145,78% menor do que o encontrado no Bistek (veja a pesquisa completa ao lado). O fígado bovino também estava mais barato por lá (R$ 14,49), uma diferença de 85,64% em relação ao Koch (R$ 26,90).


O terceiro item em variação de preço foi o frango inteiro (69,51%), que estava mais barato no Schmit (R$ 7,48) e mais caro no Giassi (R$ 10,48). Em seguida, o coxão duro (62,91%), com preços entre R$ 32,97 (Bistek) e R$ 59,90 (Angeloni). O corte suíno com a maior diferença de preço foi a costela (52,73%), sendo mais em conta no Schimit (R$ 18,98) e mais caro no Angeloni (R$ 28,99). Outro corte que apresentou grande variação de preço foi a carne moída de segunda (50,47%), que custava R$ 19,93 no Bistek e R$ 29,99 no Koch. Já a costela de boi teve variação de 50,25%, com preços entre R$ 19,90 (Koch) e R$ 29,90 (Giassi).

A carne moída de segunda é, disparado, o corte mais procurado pelos clientes do Bistek. Quem garante é a atendente Priscila Chagas, que trabalha no supermercado desde a inauguração, há sete anos. Ela auxilia o cliente a encontrar a carne no setor, já que as peças são compradas a vácuo, porcionadas e disponibilizada em câmeras refrigeradas. “Já no fim de semana, a maior procura é por carnes de churrasco, tipo contrafilé”, revela.

 

Preço da carne suína caiu 10% com a diminuição da exportação para a China


“Além disso, os produtores locais, entusiasmados com a exportação, preservaram as novilhas que, em vez de serem abatidas, viraram reprodutoras, diminuindo ainda mais a oferta de carne”, explica o agrônomo da Epagri. Por outro lado, o preço da carne suína caiu 10% porque a China regularizou o rebanho local e a carne produzida em Santa Catarina acabou sobrando. No ranking do consumo de carne, o brasileiro consome em primeiro lugar as aves, seguido de boi e porco. “Apesar da carne suína ser segura, ainda existe preconceito, o que não acontece em outros países. Só a China consome metade da carne suína produzida no mundo”, revela Alexandre.

Mas mesmo carnes baratas estão inacessíveis para 3 milhões de pessoas só na região sul, que vivem em insegurança alimentar, segundo o IBGE. Por isso, é cada vez mais comum encontrar no mercado cortes como sobrecu, rebatizada de sambiqueira. “Pés, ossos e rabos, que antes iam para a produção de ração, hoje estão nos refrigeradores. Uma forma que a indústria viu de valorizar um subproduto e oferecer proteína para quem a carne virou um luxo”, conclui.

 

Espetinho do Paulista: Diego faz sucesso na porta do teatro Municipal

Quem vê o food truck Espetinho do Paulista, que já vendeu 800 espetinhos num único dia, não imagina a luta de Diego, 35 anos, por um lugar ao sol. Ele chegou a Itajaí em 2010 e por aqui ficou. No início, vendeu açaí e chegou a rodar como Uber, mas se consolidou na venda de espetinhos, que aprendeu com o pai, cozinheiro de mão cheia, dono de um bufê no lendário bairro do Jaçanã, aquele que Adoniram Barbosa cantou em verso e prosa.

No trailer estacionado na esquina do teatro Municipal de Itajaí, ele divide o trabalho com o filho Gustavo, de 15 anos. Já a mulher o ajuda na preparação dos acompanhamentos, pois além de 12 tipos de espetinho, ele serve a “jantinha”, um tipo de PF comum em Goiás, que vem com purê de aipim com bacon, vinagrete e farofa, além da carne, arroz e feijão. “Tudo que ganho invisto na compra de equipamentos, mesas, toldo e produtos de primeira qualidade para o negócio”, afirma. O resultado são filas para disputar o petisco, que custam entre R$ 9 (queijo) e R$ 14 (medalhão), e a fidelização da clientela, que vem de longe assistir aos espetáculos de barriga cheia.


 

Arquivo para download:
638175_PESQUISADIARINHO.pdf




Comentários:

Somente usuários cadastrados podem postar comentários.

Para fazer seu cadastro, clique aqui.

Se você já é cadastrado, faça login para comentar.


Envie seu recado

Através deste formuário, você pode entrar em contato com a redação do DIARINHO.

×






44.197.198.214

Últimas notícias

Verão

Itajaí libera mesas e cadeiras de bares nas praias, mas cobrança é proibida

ITAJAÍ

Praia do Atalaia será palco de torneio solidário de surfe

THIAGO SILVA

Capitão da seleção brasileira tem iate fabricado em Itajaí

Porto de Itajaí

Prefeito Volnei considera vetar a renovação com a APM Terminals

Novas caras

Marcílio Dias confirma sete contratações para o Catarinense

ITAJAÍ

Morre o João dono da antiga banca LoJoão

Serra de Guaratuba

Tráfego na BR 376 é liberado em uma pista

Liga Nacional

Handebol Itajaí perde com gol irregular; equipe quer anulação do jogo

NATAL 2022

Vaticano fará carreata iluminada com Papai Noel em quatro cidades de Santa Catarina

Vazamentos

Índices de perdas da Águas de Camboriú chega a 17,9% nos últimos meses



Colunistas

JotaCê

Zanatta e Boulos juntos em Brasília

Coluna Esplanada

Desafino no backstage

Gente & Notícia

Marina Itajaí é Bandeira Azul

Canal 1

Humorístico da Band tinha tudo para dar errado. E deu

Clique diário

Pé na areia

Direito na mão

Quem pode pedir a revisão da vida toda?

Foto do Dia

Dia de chuva

Coluna do Janio

Apresentação do Marinheiro

Coluna Exitus na Política

A liberdade do tempo

Na Rede

Confira o que bombou nas redes sociais do DIARINHO

Via Streaming

“Rainha de Katwe”

Jackie Rosa

Mulherada reunida

Vinicius Lummertz

SC do futuro: nas BRs, 2023 pode ser pior do que 2022

Coluna do Ton

Mãe & Filha

Coluna Fato&Comentário

Alvim Sandri: "História de vida", aos 99 anos

Artigos

Não queremos viver numa pátria dominada pela bandidagem



TV DIARINHO


Confira as principais notícias desta quarta-feira no DIARINHO: - Homem que matou amigo durante churrasco ...





Especiais

Pesquisa de preços

Bora conferir as pechinchas da semana pra garantir o churrasco do jogo do Brasil

OLHO NA DOSE

Pesquisa de preço mostra onde bebidas quentes são mais baratas

Na Estrada com o DIARINHO

Maravilhas naturais fazem de Bombinhas o Caribe catarinense

Itajaí

Do imóvel popular ao de altíssimo padrão são as apostas da Lotisa

Alto padrão

Procave agrega valor e exclusividade



Blogs

A bordo do esporte

Adeus ao juiz de vela Dionysio Sulzbeck

Blog do JC

Quadrangular 71 anos

Blog Doutor Multas

Fumar e dirigir dá multa?

Blog do Ton

Festa The Box comemora 5 anos neste fim de semana em Balneário Camboriú

Blog da Ale Francoise

Os poderes da Spirulina!

Blog da Jackie

Spring Party

Blog Clique Diário

Pirâmides Sagradas - Grão Pará SC I

Bastidores

Grupo Risco circula repertório pelo interior do Estado



Entrevistão

Alvim Sandri

"Levei a vida que a minha mãe ensinou: fé em Deus e andar certo

Marcelo Sodré

"A hora que entrar o contrato de arrendamento essa agonia se dissipa. As empresas vêm pra fazer o porto continuar crescendo”

James Winter

“Só vai haver desemprego e demissão em massa se não tiver carga aqui no Porto de Itajaí”

Décio Lima

"Hoje, de R$ 97 bilhões que são arrecadados pelo governo federal em Santa Catarina, apenas R$ 7 bilhões voltam”



Hoje nas bancas


Folheie o jornal aqui ❯








Jornal Diarinho© 2022 - Todos os direitos reservados.
Mantido por Hoje.App Marketing e Inovação