Matérias | Geral


Itajaí

Dois mil e quatorze

Por Luiz Fernando Osawa

Redação DIARINHO [editores@diarinho.com.br]

Os ciclos gregorianos de tão repetitivos dão vertigem. A ideia de recomeço é esperta, mas enjoa. Recomeços sem ter terminado. E todos lamentam o que passou. E todos se excitam com o que virá. Retrospectivas que nada ensinam.

 

Já possui cadastro? Faça seu login aqui.

Quer continuar lendo essa e outras notícias na faixa?
Faça seu cadastro agora mesmo e tenha acesso a
10 notícias gratuitas por mês.

Cadastre-se aqui



Bora ler todas as notícias e ainda compartilhar
as melhores matérias com sua família e amigos?

Assine agora mesmo!


O poeta Carlos Drummond de Andrade escreveu algo genial, que intitulou como “Cortar o tempo”, que reproduzo: “Quem teve a ideia de cortar o tempo em fatias, a que se deu o nome de ano, foi um indivíduo genial. Industrializou a esperança, fazendo-a funcionar no limite da exaustão. Doze meses dão para qualquer ser humano se cansar e entregar os pontos. Aí entra o milagre da renovação e tudo começa outra vez, com outro número e outra vontade de acreditar que daqui pra diante vai ser diferente.”



É mais ou menos o que sinto e penso. Trabalhadores escravizados não dominam o tempo: são servos dele. Mandam os trabalhadores comemorarem em data específica. Descansar, idem. E voltarem com mais energia, para desempenhar aquilo que seu amo quiser. E cansar de novo.


Festas de fim de ano não raramente significam endividamento. Tudo tem seu preço, tudo é caro. Todos querem o melhor, na mesa, na geladeira, e o rombo financeiro acontece, mas tudo bem, logo vem o ano novo, tempo para recuperar-se e, quem sabe, sobrar algo para o próximo fim do ano. Ciclo.

O ano de 2013 foi o ano em que o mundo, mais uma vez, não acabou. Também pudera. De alguma forma, não se pode acabar o que já não existe. O mundo em vários aspectos já morreu, acabou. Nós é que insistimos em sobreviver nele. E aquilo que ainda existe, não economizamos forças para destruir. E isso chamamos de humanidade.

Fazer previsões não é muito meu estilo. Determinar tarefas? Bem, para 2013 havia determinado apenas três tarefas das quais cumpri tão somente uma. Então, é bobagem. Quer fazer algo? Vá lá e faça. Se necessário, faça com mais urgência. Mentir para si mesmo é a pior mentira.


Autocrítica é uma ação rara, por isso vale ouro. Ao invés de tentar determinar tarefas para o ano vindouro, um bom início seria rever tudo aquilo que não deveria ter feito ainda neste ano. Todos a quem machucamos de alguma forma (e não são poucos, não duvide). A segunda tarefa, um tanto mais difícil, é determinar aquilo que deixamos de fazer, e por quais motivos.

Em geral, quando se dá conta de que a vida é curta, já é tarde demais. Arrependimentos são corriqueiros a quem, com sorte, consegue refletir na beira da morte. Faz parte do ser limitar-se a ponto de se arrepender. Ocupar-se em arranjar desculpas para deixar de fazer as coisas mais corriqueiras. Medo de falhar? Pode ser, mas a vida bem vivida é a que tem histórias para serem contadas.


Feliz aquele que tem histórias de vida para contar. Nessas horas, queria ser poeta para romantizar a passagem do ano. Mas o rude cronista não tem o dom para tal. No ano vindouro, amanhã, seria simples a tarefa caso não fosse uma lenda: tentar ser menos pior do que fui ontem.




Comentários:

Somente usuários cadastrados podem postar comentários.

Para fazer seu cadastro, clique aqui.

Se você já é cadastrado, faça login para comentar.


Envie seu recado

Através deste formuário, você pode entrar em contato com a redação do DIARINHO.

×






18.208.126.232

TV DIARINHO


Minuto DIARINHO- Ciclone extratropical deixa rastro na região;- Em Balneário Camboriú, clube flutuante ...



Podcast

Minuto DIARINHO 09/08/2022

Publicado 09/08/2022 20:22



Especiais

Saúde

Salsicha, hambúrguer e nugget: pesquisa identifica agrotóxicos em alimentos

famoso

Garçom há 30 anos, Claudinho ama BC

Diversidade religiosa

Mestre Marne quebrou tabus para defender a fé nos orixás

conexão

Networker aproxima Balneário Camboriú das celebridades

Sem medo do trabalho

Dona Terezinha toca uma confecção aos 84 anos



Blogs

Blog Doutor Multas

Bafômetro pega vape: verdade ou mito? Entenda de uma vez por todas

Blog do JC

Desencantou

Blog do Ton

Blumenau ganhará o primeiro lounge bar em formato rooftop

A bordo do esporte

Seleção Brasileira de Vela faz sessão de treinos contra a Argentina

Blog da Ale Francoise

Inclua inhame no seu dia!

Blog Clique Diário

Pirâmides Sagradas - Grão Pará SC I

Bastidores

Grupo Risco circula repertório pelo interior do Estado

Blog da Jackie

BALNEÁRIO FASHIOW foi SHOW



Entrevistão

Gabriela Kelm do Nascimento

“A maioria entende que o calçadão da Hercílio Luz deve permanecer porque foi um ganho para a cidade ”

Normélio Weber

"O Hermeto Pascoal vai estar ali. O Toquinho vai estar aqui. O Brasileirão, de Curitiba... Vai estar Chico César...”

Cláudio Werner

“O nosso clube é um formador de atleta olímpico”

Willian Cardoso, o Panda

"Saquarema provavelmente vai ser meu último mundial, aí eu vou estar focado no brasileiro”



Hoje nas bancas


Folheie o jornal aqui ❯








Jornal Diarinho© 2022 - Todos os direitos reservados.
Mantido por Hoje.App Marketing e Inovação