Colunas


Histórias que eu conto

Por Homero Malburg -

Homero Bruno Malburg é arquiteto e urbanista

Armação da infância I


"Meu pai só aparecia aos sábados à tarde, pois a Cia. Malburg (foto) trabalhava até meio-dia" (foto: facebook itajaÍ de antigamente)

Veraneávamos em Armação quando pequenos. Uma das primeiras coisas que aprendíamos com os nativos era que a parte da praia que ia do Alírio à Ponta da Cruz chamava-se “Armação”. A outra, do Alírio em direção da Penha, “praia da Armação”. Em resumo, na Armação ficavam os nativos. Na praia da Armação, “os alemão”, pois lá era grande o número de veranistas de Blumenau, Joinville, Pomerode e arredores.

 

Já possui cadastro? Faça seu login aqui.

OU

Quer continuar lendo essa e outras notícias na faixa?
Faça seu cadastro agora mesmo e tenha acesso a
10 notícias gratuitas por mês.

Cadastre-se aqui



Bora ler todas as notícias e ainda compartilhar
as melhores matérias com sua família e amigos?

Assine agora mesmo!


Acho que foi no verão de 1955, a primeira vez que fomos para lá. Na pensão da “dona Faceira”,  mãe do Lúcio e da Lucinha. Os dois quartos da frente eram nossos: a mãe e nós cincos filhos. O pai só aparecia nos sábados à tarde, pois a Cia. Malburg trabalhava até meio-dia. A pensão era completa, café da manhã, almoço, café da tarde e jantar. E dá-lhe peixe e camarão nas mais diversas formas (deliciosas!) de preparo. Aos domingos, galinha ensopada. Carne de gado, só muito raramente surgia no cardápio. Afinal, na Armação só se matava boi uma vez por semana e a fila pra comprar um pedaço era enorme. Parecia que aquele fogão à lenha da dona Faceira não apagava nunca. Camarões enormes e peixes da mais alta qualidade, pois ela tinha um filho pescador. Hoje, ao recordar, me enche a boca d’água, mas confesso que, naqueles tempos, ansiava por um “bifinho” de vez em quando, que não aparecia.

Nossa época de veraneio era de logo após o Natal até o final de fevereiro – dois meses inteiros! Tomávamos então conhecimento de coisas que não faziam parte do nosso dia a dia. Não havia água encanada. A água era tirada de um poço, o banho de canequinha. No começo, ao tentar tirar a água, normalmente deixávamos escapar o balde do gancho, e dava uma trabalheira resgatá-lo. No final da temporada já fazíamos isto com destreza. A privada era a famosa “casinha” no fundo do quintal. Naquela época só nas cidades se conhecia o vaso sanitário. Energia elétrica, nem pensar. Sobrevivíamos com velas, lampiões a querosene e dormindo muito cedo. Era um desconforto com o qual nos acostumávamos rápido, pois tudo  era compensado pela liberdade de andar pela praia, conhecer novos amigos, ver a chegada dos barcos de pesca e, no mar manso, nadar até eles ancorados, subir e mergulhar de cabeça. Nos fins de semana, com o pai presente, podíamos ir até mais fundo, onde “não dava pé”, pendurados nas boias de câmara de ar que nos deixavam, com o constante roçar na borracha molhada, com a pele toda “assada”.

O Lúcio era proprietário de uma sorveteria ao lado da pensão, onde havia um gerador. Imaginem como infernizávamos a mãe para comprar aqueles picolés redondinhos, maravilhosos, de abacaxi, coco e framboesa... Os adultos reuniam-se em volta de uma mesa de sinuca com suas cervejas e pingas. A nós, crianças, este era um território proibido. A curiosidade fazia-nos ficar de longe, só observando.

A Élia, minha esposa, contou-me que vinha nesta época à sorveteria comprar os tais picolés. Afinal era o único lugar onde os havia. Seu pai, caprichoso e engenhoso, lá do lado “dos alemão” tinha uma casa de vereaneio com gerador e vaso sanitário. Caminhavam muito pela praia até o Lúcio, com medo dos ouriços que espetavam os pés.

Confesso que nunca prestei atenção naquela galeguinha de Pomerode, de shortinho e sandalhinha. Da mesma maneira ela também  nem olhou para aquele piá de oito anos, descalço, de cabelo preto e tão queimado do sol que parecia um filhote de pescador...


Comentários:

Deixe um comentário:

Somente usuários cadastrados podem postar comentários.

Para fazer seu cadastro, clique aqui.

Se você já é cadastrado, faça login para comentar.

ENQUETE

Municípios da região vão ter que ajudar a bancar contas do hospital Ruth Cardoso. Qual sua opinião?

Justo! Se moradores de várias cidades utilizam, todos têm que ajudar e decisão judicial está correta

O hospital deveria ser regionalizado e bancado pelo Governo do Estado

Não vejo necessidade. Muitos trabalhadores de Balneário Camboriú vivem nas cidades vizinhas

Nao tenho opinião sobre a decisão judicial



TV DIARINHO


Uma mulher foi arrastada pela correnteza do rio Itajaí-Açu em Rio do Sul. Ela se agarrou em um pedaço ...





Especiais

NA ESTRADA

BC oferece rolês gastronômicos, culturais, de compras e lazer

RIO GRANDE DO SUL

São Leopoldo: a cidade gaúcha onde quase todos perderam o lar

RIO GRANDE DO SUL

Governo Eduardo Leite não colocou em prática estudos contra desastres pagos pelo estado

Retratos da destruição

“Não temos mais lágrimas pra chorar”: A cidade gaúcha destruída pela 3ª vez por enchentes

MEIO AMBIENTE

Maioria de deputados gaúchos apoia projetos que podem agravar crise climática



Colunistas

Na Rede

Morte de produtor, garotinho com orgulho do pai na enchente e mais: confira os destaques do DIARINHO

Artigos

O combate ao abuso e à exploração de crianças e adolescentes é um compromisso coletivo

Jackie Rosa

Niver da Chris

JotaCê

Amin responde Chiodini

Mundo Corporativo

A importância do equilíbrio da autoestima no mundo organizacional

Coluna Esplanada

Palácio x Lira

Gente & Notícia

Níver da Margot

Ideal Mente

Luto coletivo: navegando juntos nas ondas da perda

Show de Bola

Vitória da base

Direito na mão

Mulher entre 54 a 61 anos: como antecipar a aposentadoria?

Via Streaming

“Justiça”

Coluna Exitus na Política

Vontade e solidariedade

Coluna do Ton

Chegando de Mendoza

Histórias que eu conto

Armação da infância II

Foto do Dia

“O mar, quando quebra na praia”

Coluna Existir e Resistir

Designação geral sobre o fim do mundo

Coluna Fato&Comentário

Anuário de Itajaí - 100 anos da 1ª edição




Blogs

A bordo do esporte

Atletas classificados para o Pan-Americano de VA'A

Blog da Jackie

Tá na mão!!!

Blog do JC

Visita na choupana do Chiodini e Rebelinho

Blog da Ale Francoise

A pílula da felicidade

Blog do Ton

Amitti Móveis inaugura loja em Balneário Camboriú

Gente & Notícia

Warung reabre famoso pistão, destruído por incêndio, com Vintage Culture em março

Blog Doutor Multas

Como parcelar o IPVA de forma rápida e segura

Blog Clique Diário

Pirâmides Sagradas - Grão Pará SC I

Bastidores

Grupo Risco circula repertório pelo interior do Estado



Hoje nas bancas


Folheie o jornal aqui ❯








MAILING LIST

Cadastre-se aqui para receber notícias do DIARINHO por e-mail

Jornal Diarinho© 2024 - Todos os direitos reservados.
Mantido por Hoje.App Marketing e Inovação