Colunas


Histórias que eu conto

Por Homero Malburg -

Homero Bruno Malburg é arquiteto e urbanista

Anos cinquenta II


Álbuns de figurinhas eram febre em Itajaí (foto: site historia do futebol)

Naquela época, certas brincadeiras obedeciam a um determinado ciclo. Todo ano, na mesma época, elas viravam mania: nos meses ventosos se fabricavam e se empinavam pandorgas. Havia a época do pião, da bola de gude. Esta, adotava uma terminologia muito regional e toda própria: jogar “à vera” ou “à brinca”; “mão-parada” ou “mão-expulsa”,  “ir à bóca” para se ter “mata”, etc.

 

Bora virar assinante para ler essa e todas as notícias do portal DIARINHO? Usuários cadastrados têm direito a 10 notícias grátis.


Esqueci minha senha




Se você ainda não é cadastrado, faça seu cadastro agora!


 







 





Os álbuns de figurinhas, quando surgiam, eram verdadeiras epidemias. Um deles lembro que fez furor: o álbum do futebol catarinense com todos os clubes e seus jogadores. Havia os “chapas” – fáceis de encontrar e os “figurinhas difíceis”: atletas do Avaí, Figueirense, Paula Ramos, Caxias, América, Ferroviário, Próspera, Metropol, Internacional, Carlos Renaux, Paysandu, Olímpico, Palmeiras; dos nossos Marcílio Dias e Barroso, entre outros. Compravam-se os primeiros envelopes de figurinhas; a maioria no entanto era trocada ou ganha no jogo do “bafinho”.

O quintal de nossa casa acoplado com o da “vô Méza” e às vezes com o do tio José Malburg, era um espaço bastante grande para as brincadeiras. Melhor ainda se juntássemos o pátio da madeireira que existia atrás. Lá nos empanturrávamos de frutas, principalmente na época da goiaba. Brincávamos de mocinho, polícia e ladrão e, principalmente, fazíamos guerra de funda. A munição, farta, eram baguinhas de cinamomo e a guerra se fazia entre os soldados entrincheirados no “forte-apache” e os índios cercando. Logo a mística de sermos soldados se foi, levando-nos a preferir ser índios que corriam de um lado para o outro a ser soldados, dentro de um “forte- galinheiro” que não podiam levantar a cabeça sem serem atingidos. Os mais novos que participavam eram os que mais sofriam: os primeiros a serem feitos prisioneiros e amarrados a um galho de goiabeira com espinhos de pinheiro por baixo. A correria era constante e a paciência da avó, infinita...

Líamos muito. Não só gibis, mas também livros. Meu pai nos proibia de ler histórias em quadrinhos na época de aula, alegando que traziam “preguiça-mental” uma vez que as figuras já vinham prontas e impediam o voo da imaginação. Naquele tempo era costume presentearmos livros nos aniversários. Coleção do Tarzan e os de aventura da coleção Terramarear eram os preferidos. João Luiz Vieira, um amigo que faleceu muito cedo, era um campeão: devorava um livro por dia. Meu primo Luciano Corbetta, exímio desenhista desde criança, era meu ídolo. Colecionava todos os gibis e, organizado, mantinha-os sempre novos. Nas férias, sem a proibição de meu pai, a primeira providência era ir à casa dele e trazer uma pilha deles emprestados.

Houve a época do futebol de botão. Íamos à casa do Humberto Narciso jogar. Lá era a sede da Liga, casa de presidente e o estádio de seu time, o Acaraí FC. O Humberto confessou-me que admitia competir, desde que ele vencesse.... Não é totalmente verdade: ele era muito bom e seu botão artilheiro, o Raimundo, um matador. A mesa da copa era o campo até que se conseguiu outra, lá atrás nos escritórios do seu Egídio. Achamos também um aparelho intercomunicador e então passamos a irradiar duas partidas simultâneas, de um local para o outro. Dona Esther, a todo resistia com calma e bravura... Os campeonatos eram organizadíssimos, com medalhas e troféus. Chico e Zezo Zimmermann; Cechinel; Paulo Vaz; Marcos Zaguini; Salomão Figlarz e Heitor Rosa se encontravam entre os melhores. Meu time, o Vera Cruz, não era lá essas coisas. Sobrava-me a função de editar o jornal da Liga, todo escrito à mão e com figuras a nanquim e de desenhar os goleiros nas tampas das caixas de fósforos cheias de chumbo. Brigas se sucediam e, de repente, alguém saía do campeonato e fundava outra Liga. Neste tempo já existiam cartolas-mirins...

E, sem televisão, a imaginação e a fantasia corriam soltas!


Comentários:

Deixe um comentário:

Somente usuários cadastrados podem postar comentários.

Para fazer seu cadastro, clique aqui.

Se você já é cadastrado, faça login para comentar.

Leia mais

Histórias que eu conto

Colégio Catarinense I

Histórias que eu conto

Anos cinquenta

Histórias que eu conto

Aviação II

Histórias que eu conto

Aviação I

Histórias que eu conto

Histórias da Hercílio Luz

Histórias que eu conto

Tempos de Ginásio III

Histórias que eu conto

Tempos de ginásio II

Histórias que eu conto

Carnaval? O quê?

Histórias que eu conto

Tempos de ginásio

Histórias que eu conto

Escolas: velhas e novas

Histórias que eu conto

A funda

Histórias que eu conto

Anos cinquenta

Histórias que eu conto

Nos anos cinquenta...

Histórias que eu conto

Alguém ainda se lembra?

Histórias que eu conto

Trânsito sensato

Histórias que eu conto

Caçando e pescando

Histórias que eu conto

Anos de música

Histórias que eu conto

É pra facilitar ou pra complicar?

Histórias que eu conto

Coisas da moda...

Histórias que eu conto

Camboriú, de novo



Blogs

Blog do JC

Palavra é tudo!

Blog da Ale Francoise

Lanchinho do bem!

A bordo do esporte

Lola Cars na Fórmula E

Blog da Jackie

Os Fort’s e os Koch’s

Blog do Ton

Amitti Móveis inaugura loja em Balneário Camboriú

Gente & Notícia

Warung reabre famoso pistão, destruído por incêndio, com Vintage Culture em março

Blog Doutor Multas

Como parcelar o IPVA de forma rápida e segura

Blog Clique Diário

Pirâmides Sagradas - Grão Pará SC I

Bastidores

Grupo Risco circula repertório pelo interior do Estado



Entrevistão

Carlos Chiodini

"Independentemente de governo, de ideologia política, nós temos que colocar o porto para funcionar”

Osmar Teixeira

"A gestão está paralisada. O cenário de Itajaí é grave. Desde a paralisação do Porto até a folha sulfite que falta na unidade de ensino”

Omar Tomalih

“Balneário Camboriú hoje é o município que está com o maior controle, com o menor número de notificações de casos de dengue”

Robison Coelho

"Nós não estaremos com o MDB aqui em Itajaí”

TV DIARINHO

Um aluno autista estaria sendo vítima de discriminação na escola Francisco de Paula Seara, da rede estadual ...




Especiais

NA ESTRADA COM O DIARINHO

6 lugares imperdíveis para comprinhas, comida boa e diversão em Miami

Elcio Kuhnen

"Camboriú vive uma nova realidade"

140 anos

Cinco curiosidades sobre Camboriú

CAMBORIÚ

R$ 300 milhões vão garantir a criação de sistema de esgoto inédito 

Legado de amor

Dona Maricotinha, aos 95 anos, tem a vida pautada pela família, religião e dedicação ao próximo



Hoje nas bancas


Folheie o jornal aqui ❯








MAILING LIST

Cadastre-se aqui para receber notícias do DIARINHO por e-mail

Jornal Diarinho© 2024 - Todos os direitos reservados.
Mantido por Hoje.App Marketing e Inovação