Colunas


Histórias que eu conto

Por Homero Malburg -

Homero Bruno Malburg é arquiteto e urbanista

Histórias da Hercílio Luz


Palácio Marcos Konder abrigou o poder executivo até 1973 (foto: DIVULGAÇÃO PMI)

Ao lado do prédio antigo da Prefeitura tínhamos o ponto dos carros-de-mola. Eram uma opção mais barata que o carro-de-praça (que era como se chamava o táxi) e, por terem cobertura, bancos estofados e molejo, bem mais confortáveis que qualquer carroça.

 

Bora virar assinante para ler essa e todas as notícias do portal DIARINHO? Usuários cadastrados têm direito a 10 notícias grátis.


Esqueci minha senha




Se você ainda não é cadastrado, faça seu cadastro agora!


 







 





Na época de finados, minha mãe sempre os utilizava, pois carregados com material de limpeza, baldes, vasos, flores, vassouras e escovões, lá íamos rumo ao cemitério para a faxina dos túmulos de nossa família. Nós, pequenos, adorávamos o programa.

Em frente à prefeitura havia o Bar São Jorge que vendia um pão de forma muito bom. Todo final de tarde, eu ia compra-lo. Certa vez na minha ausência, a mãe mandou minha irmã, Flávia. Como não tinha os Cr$ 5,00, deu-lhe uma nota de Cr$ 50,00 – aquela nota roxinha da princesa Isabel – com recomendação que no bar, fosse direto ao balcão e que tivesse cuidado com o troco, pois eram cinquenta cruzeiros! Flávia confusa ante toda a responsabilidade, chegou ao balcão e disse: “Moço, eu quero um pão de cinquenta!”, ao que ele respondeu: “Minha filha, pão de cinquenta só se for daqui até a Prefeitura!”

Naquelas imediações havia uma papelaria, pequenininha, atendida por uma senhora idosa muito atenciosa. Ficava esta loja acima do nível da calçada, havendo depois da porta alguns degraus até o balcão. Às vezes estavam ali uma moça muito bonita e um rapaz, provavelmente parentes da proprietária. Há alguns anos encontrei na fila de supermercado esta moça – quarenta anos depois – e para lhe ser agradável, comentei sobre a simpatia da sua mãe, quando eu pequeno ia à papelaria. Ela respondeu: “minha mãe nunca teve lojinha na rua Hercílio Luz! Eu sou uma Brandão!” Pesquisando depois, descobri afinal que a senhora tão simpática era sua sogra, da família Gonzaga. Em junho de 1958, fui pegar um despertador que estava no conserto na Relojoaria Benno. Ficava ela em um prédio baixo e antigo, bem em frente à Sociedade Guarani. Recebi o relógio, paguei e quando estava indo embora o rapaz que lá trabalhava disse: “Bom que tu vieste agora, pois já ia fechar a loja para ir ouvir em casa o jogo Brasil x França”. Comentei então que ainda faltava meia hora para o início, mas ele me explicou: “Sei disso, mas eu adoro ouvir “A Marselhesa!” Hoje, quando vejo esta pessoa – um – senhor recordo de quanto era diferente o ensino na época. Dizia-se que se procurava o “saber – universal”, muita cultura geral. Cultura inútil? Duvido.

Não posso precisar se foi em 52 ou 53. Meu pai e eu voltamos da missa da Matriz, então a igrejinha da Imaculada, pela Hercílio Luz. Paramos na esquina com a Sete de Setembro onde a sede do Guarani estava sendo construída. Na rua, pessoas cercavam um carro batido na noite da véspera. Neste acidente tinha falecido o filho do Seu João e da Dona Luíza, nossos vizinhos  de frente e donos da Bombonière Itajaí. Acidentes deste tipo eram muitos raros e foi meu primeiro contato com a tal fatalidade, pois conhecia o rapaz.

Mais adiante, a loja do seu Abécio Werner. Em frente ao Hotel Garcia, sabem? Lá, tinha de tudo. Desde as serrinhas tico-tico dos nossos trabalhos manuais do Salesiano, às gaiolas, ferramentas, fios, parafusos, fechos, fechaduras, puçás, anzóis, etc, etc, etc...  Seu Abécio tinha o dom de adivinhar o que as pessoas queriam. Aquele ganchinho que pega assim, para segurar aquela coisa assim, naquele lugar assim, tudo com mímica. Ele entendia tudo e trazia a coisa certa. Na época, quando uma pessoa não conseguia se explicar direito, logo se dizia: “Tás me achando com cara de Abécio Werner?”.

E a Hercílio Luz, com mão dupla, com pouco trânsito, onde se localizava a maior parte do comércio de Itajaí, tinha outras histórias. Muito papo para outras conversas...

Em tempo: O terno da sorte, atribuído a Egon Müller era de fato do Elias Krieger. Ele, modesto, não quis esta correção. Disse-me que o Egon era amigo e barrosista bastante para levar o crédito. Mas esclareceu: o terno era preto de risquinhas brancas.


Comentários:

Deixe um comentário:

Somente usuários cadastrados podem postar comentários.

Para fazer seu cadastro, clique aqui.

Se você já é cadastrado, faça login para comentar.

Leia mais

Histórias que eu conto

Colégio Catarinense I

Histórias que eu conto

Anos cinquenta

Histórias que eu conto

Aviação II

Histórias que eu conto

Aviação I

Histórias que eu conto

Anos cinquenta II

Histórias que eu conto

Tempos de Ginásio III

Histórias que eu conto

Tempos de ginásio II

Histórias que eu conto

Carnaval? O quê?

Histórias que eu conto

Tempos de ginásio

Histórias que eu conto

Escolas: velhas e novas

Histórias que eu conto

A funda

Histórias que eu conto

Anos cinquenta

Histórias que eu conto

Nos anos cinquenta...

Histórias que eu conto

Alguém ainda se lembra?

Histórias que eu conto

Trânsito sensato

Histórias que eu conto

Caçando e pescando

Histórias que eu conto

Anos de música

Histórias que eu conto

É pra facilitar ou pra complicar?

Histórias que eu conto

Coisas da moda...

Histórias que eu conto

Camboriú, de novo



Blogs

Blog do JC

Palavra é tudo!

Blog da Ale Francoise

Lanchinho do bem!

A bordo do esporte

Lola Cars na Fórmula E

Blog da Jackie

Os Fort’s e os Koch’s

Blog do Ton

Amitti Móveis inaugura loja em Balneário Camboriú

Gente & Notícia

Warung reabre famoso pistão, destruído por incêndio, com Vintage Culture em março

Blog Doutor Multas

Como parcelar o IPVA de forma rápida e segura

Blog Clique Diário

Pirâmides Sagradas - Grão Pará SC I

Bastidores

Grupo Risco circula repertório pelo interior do Estado



Entrevistão

Carlos Chiodini

"Independentemente de governo, de ideologia política, nós temos que colocar o porto para funcionar”

Osmar Teixeira

"A gestão está paralisada. O cenário de Itajaí é grave. Desde a paralisação do Porto até a folha sulfite que falta na unidade de ensino”

Omar Tomalih

“Balneário Camboriú hoje é o município que está com o maior controle, com o menor número de notificações de casos de dengue”

Robison Coelho

"Nós não estaremos com o MDB aqui em Itajaí”

TV DIARINHO

Um aluno autista estaria sendo vítima de discriminação na escola Francisco de Paula Seara, da rede estadual ...




Especiais

NA ESTRADA COM O DIARINHO

6 lugares imperdíveis para comprinhas, comida boa e diversão em Miami

Elcio Kuhnen

"Camboriú vive uma nova realidade"

140 anos

Cinco curiosidades sobre Camboriú

CAMBORIÚ

R$ 300 milhões vão garantir a criação de sistema de esgoto inédito 

Legado de amor

Dona Maricotinha, aos 95 anos, tem a vida pautada pela família, religião e dedicação ao próximo



Hoje nas bancas


Folheie o jornal aqui ❯








MAILING LIST

Cadastre-se aqui para receber notícias do DIARINHO por e-mail

Jornal Diarinho© 2024 - Todos os direitos reservados.
Mantido por Hoje.App Marketing e Inovação