Colunas


Histórias que eu conto

Por Homero Malburg -

Homero Bruno Malburg é arquiteto e urbanista

Tempos de Ginásio III


Goleiro Pompéia, do América do Rio (foto: Portla jornal de brasília)

Em junho, uma festa. Íamos ao ginásio do Salesiano também à noite. Rifas, sorteios e de uma vez, um misterioso jogo de espelhos montado pelo padre João Chiarot, que fazia uma moça se transformar em um esqueleto. Tudo isso em uma sala escura e com narração em voz grave e fúnebre.

O retiro espiritual anual era uma época de devocionismo intenso, muita oração, palestras memoráveis com relatos verdadeiramente apavorantes que não deixavam muita gente dormir à noite. Nestes retiros havia, à noite na capela, seções de “slides”, mais tarde substituídas por projeção de filmes religiosos em 16 mm. Em uma apresentação de “slide”, um caso que me ficou na memória: na época, no América do Rio, havia um goleiro – Pompéia – famoso por suas defesas monumentais e seus saltos acrobáticos. Uma imagem de “slide” projetada, representava a criação do mundo: no espaço, no alto, uma bola – o planeta Terra – e, em primeiro plano, um anjo em pleno voo com as mãos erguidas em direção à Terra. Aproveitando-se do escuro, ouviu-se um grito: “agarra, Pompéia!!”.  É claro que a capela veio abaixo. As luzes foram acesas e o cineminha encerrado.

No início de cada aula, após a chamada, havia a “lição oral”. Éramos chamados aleatoriamente para responder sobre a matéria data na aula anterior. A nota era anotada na “decúria”– um livro de ocorrências, sinistro e muito secreto. Nele também era anotado o comportamento de cada um em classe. Daí para uma “anotação” na caderneta, era um passo. Tais anotações deveriam retornar com a assinatura dos pais e eram altamente desabonadoras.

As “lições escritas”, sabatinas sem prévio aviso feitas rapidamente em lugar da “lição oral”, também pegavam muita gente de calça curta. Lembro-me do padre Geraldo Pazzini, que inventou uma moda chamada “prova à americana”. Era rapidíssima porque não precisávamos copiar a pergunta. O padre perguntava e imediatamente escrevíamos a resposta. Na primeira vez, o Renato Wöhlke não prestou atenção a tal detalhe. Copiou caprichosamente cada pergunta e quando começou a respondê-las o padre já estava recolhendo as folhas. Ele, bom aluno que era, ficou desolado – tirou nota 1.

As aulas de trabalhos manuais se resumiam à tarefa de recortar madeira compensada com serrinha “tico-tico”. Estas aulas eram dada sobre as mesas do ping-pong no pátio coberto, junto aos banheiros fedidíssimos.

As serrinhas finas quebravam-se com facilidade e então a romaria à loja do seu Abécio Werner na rua Hercílio Luz, era constante.

Educação Física, no início, era moleza. Ordem unida e exercícios leves, isto até aparecer o tenente Milton Fonseca.  Daí ficou pesado. Exercícios duros, tipo batalhão que nos deixavam sem poder andar direito por muitos dias.


Comentários:

Deixe um comentário:

Somente usuários cadastrados podem postar comentários.

Para fazer seu cadastro, clique aqui.

Se você já é cadastrado, faça login para comentar.

Leia mais

Histórias que eu conto

Armação da infância I

Histórias que eu conto

Colégio Catarinense I

Histórias que eu conto

Anos cinquenta

Histórias que eu conto

Aviação II

Histórias que eu conto

Aviação I

Histórias que eu conto

Anos cinquenta II

Histórias que eu conto

Histórias da Hercílio Luz

Histórias que eu conto

Tempos de ginásio II

Histórias que eu conto

Carnaval? O quê?

Histórias que eu conto

Tempos de ginásio

Histórias que eu conto

Escolas: velhas e novas

Histórias que eu conto

A funda

Histórias que eu conto

Anos cinquenta

Histórias que eu conto

Nos anos cinquenta...

Histórias que eu conto

Alguém ainda se lembra?

Histórias que eu conto

Trânsito sensato

Histórias que eu conto

Caçando e pescando

Histórias que eu conto

Anos de música

Histórias que eu conto

É pra facilitar ou pra complicar?

Histórias que eu conto

Coisas da moda...



Blogs

Blog do JC

A mesmice

Blog da Jackie

Catarinense na capa da Vogue

A bordo do esporte

Fórmula E: Alemão vence na Itália e assume a ponta do Mundial dos Carros Elétricos

Blog da Ale Francoise

Lanchinho do bem!

Blog do Ton

Amitti Móveis inaugura loja em Balneário Camboriú

Gente & Notícia

Warung reabre famoso pistão, destruído por incêndio, com Vintage Culture em março

Blog Doutor Multas

Como parcelar o IPVA de forma rápida e segura

Blog Clique Diário

Pirâmides Sagradas - Grão Pará SC I

Bastidores

Grupo Risco circula repertório pelo interior do Estado



Entrevistão

Entrevistão Ana Paula Lima

"O presidente Lula vem quando atracar o primeiro navio no porto”

Carlos Chiodini

"Independentemente de governo, de ideologia política, nós temos que colocar o porto para funcionar”

Osmar Teixeira

"A gestão está paralisada. O cenário de Itajaí é grave. Desde a paralisação do Porto até a folha sulfite que falta na unidade de ensino”

Omar Tomalih

“Balneário Camboriú hoje é o município que está com o maior controle, com o menor número de notificações de casos de dengue”

TV DIARINHO




Especiais

Missão no exterior

Comitiva bolsonarista articula com os EUA punições ao Brasil

NA ESTRADA COM O DIARINHO

6 lugares imperdíveis para comprinhas, comida boa e diversão em Miami

Elcio Kuhnen

"Camboriú vive uma nova realidade"

140 anos

Cinco curiosidades sobre Camboriú

CAMBORIÚ

R$ 300 milhões vão garantir a criação de sistema de esgoto inédito 



Hoje nas bancas


Folheie o jornal aqui ❯








MAILING LIST

Cadastre-se aqui para receber notícias do DIARINHO por e-mail

Jornal Diarinho© 2024 - Todos os direitos reservados.
Mantido por Hoje.App Marketing e Inovação