Colunas


Histórias que eu conto

Por Homero Malburg -

Homero Bruno Malburg é arquiteto e urbanista

Tempos de ginásio II


Antiga lanchonete Patiño (Foto: Arquivo)

A cantina do Salesiano vendia um sanduiche delicioso: pão do Patiño com mortadela (com direito a borda de celofane) além da Laranjinha; Maria-mole; paçoquinha de amendoim (Q-Big); Embaré e, de quebra, material escolar.

No pátio, numa cesta de palha coberta com uma toalha de imaculada brancura, o seu João vendia bananinhas.

Durante o recreio não se podia sentar. Devíamos nos manter sempre em movimento e sem mãos no bolso. O olhar vigilante do Conselheiro, padre Otávio Bortollini cuidava disso: de perto, uma lambada com a corrente de seu relógio, muito doída e de longe, com uma bolinha de tênis e uma pontaria infalível. As brigas eram terminantemente proibidas. O acerto de contas passou a ser feito no pátio da freira após os “clérigos” virem apartar em nome do bom conceito do aluno salesiano, mudou-se para o areal atrás da Matriz nova, mais longe do Colégio.

O espiribol foi outra diversão trazida pelos padres: consistia em enrolar em torno de um poste uma “bola” de couro em forma de pêra, presa a uma corda. Um e outro time tentava fazê-lo em sentidos contrários.

Não se admitia aluno em “manga-de-camisa”. Paletó era traje obrigatório para todos os dias. Uma opção mais leve para os meses de calor eram paletós finos, de gabardine, denominados “slacks”, comprados na Casa Narciso ou na Casa São Paulo, do seu Kunifas. Os professores leigos sempre de paletó e gravata e os padres de batina ou branca, no verão.

Dia 24 de maio era dia de N. Sra. Auxiliadora. Desfilávamos impecáveis pelas ruas do centro. Tal qual em Sete de Setembro, tais desfiles eram precedidos de incontáveis ensaios. A fanfarra dava duro:  surdos, caixas-claras e retinidas e uma inovação: os instrumentos de sopro. A “marcha batida” executadas antes das cerimônias, era de arrepiar: adrenalina pura. Aprendia-se a cantar o Hino Nacional inteiro e corretamente, além dos hinos da Independência, da Bandeira e da República nas muitas horas de civismo. 

Antes de entrarmos em classe, reuníamo-nos todos em formação: do pré-ginasial à quarta série, para as orações e para o “bom dia” ou “boa tarde” de nosso Diretor, padre Pedro Baron, que com este cumprimento finalizava seu pronunciamento diário “aos seus meninões”.

Anualmente, realizava-se o “certame de catecismo”, um teste de perguntas e respostas decoradas à exaustão. Todos em pé: quem errava, sentava. No fim, o vencedor recebia uma medalha, prova de que não tinha se enganado em uma vírgula sequer e eliminado todos os seus concorrentes.


Comentários:

Deixe um comentário:

Somente usuários cadastrados podem postar comentários.

Para fazer seu cadastro, clique aqui.

Se você já é cadastrado, faça login para comentar.

Leia mais

Histórias que eu conto

Anos cinquenta II

Histórias que eu conto

Histórias da Hercílio Luz

Histórias que eu conto

Tempos de Ginásio III

Histórias que eu conto

Carnaval? O quê?

Histórias que eu conto

Tempos de ginásio

Histórias que eu conto

Escolas: velhas e novas

Histórias que eu conto

A funda

Histórias que eu conto

Anos cinquenta

Histórias que eu conto

Nos anos cinquenta...

Histórias que eu conto

Alguém ainda se lembra?

Histórias que eu conto

Trânsito sensato

Histórias que eu conto

Caçando e pescando

Histórias que eu conto

Anos de música

Histórias que eu conto

É pra facilitar ou pra complicar?

Histórias que eu conto

Coisas da moda...

Histórias que eu conto

Camboriú, de novo

Histórias que eu conto

Camboriú, ainda

Histórias que eu conto

Praia de Camboriú

Histórias que eu conto

Cabeçudas

Histórias que eu conto

Tempos de rádio



Blogs

A bordo do esporte

Inaê Sailing Team segue entre os primeiros da Copa Mitsubishi

Blog do JC

Não sabe de nada...

Blog da Jackie

Verão, calor, quentura e mormaço

Gente & Notícia

Warung reabre famoso pistão, destruído por incêndio, com Vintage Culture em março

Blog da Ale Francoise

Intestino preso, use todos os dias

Blog do Ton

Medicina Estética

Blog Doutor Multas

Como parcelar o IPVA de forma rápida e segura

Blog Clique Diário

Pirâmides Sagradas - Grão Pará SC I

Bastidores

Grupo Risco circula repertório pelo interior do Estado



Entrevistão

Entrevistão Adão Paulo Ferreira

"Porto sozinho não serve para nada. Ele precisa ter navios, linhas"

Irmã Simone

"Aqui nós atendemos 93% SUS”

Eduardo Rodrigues Lima

"A Marinha já fez 27 mil abordagens a embarcações no Brasil inteiro”

Edison d’Ávila

"O DIARINHO serve como uma chamada à consciência da cidade”

TV DIARINHO




Especiais

MEIO AMBIENTE

Ibama proíbe pulverização aérea de agrotóxico letal a abelhas, o tiametoxam

Caso Ilha de Marajó

Vereadora de Navegantes está entre os políticos que impulsionaram fake news sobre exploração sexual infantil

TURISMO

Japaratinga: vale a pena se hospedar no melhor resort do Brasil?

VIAGEM NO TEMPO

Museu do Carro traz nostalgia e diversão sobre o universo automotivo

NOVOS TEMPOS

SC é pioneira na promoção da mobilidade elétrica



Hoje nas bancas


Folheie o jornal aqui ❯








MAILING LIST

Cadastre-se aqui para receber notícias do DIARINHO por e-mail

Jornal Diarinho© 2024 - Todos os direitos reservados.
Mantido por Hoje.App Marketing e Inovação