Colunas


Histórias que eu conto

Por Homero Malburg -

Homero Bruno Malburg é arquiteto e urbanista

Carnaval? O quê?


Um dia desses, tive que explicar para um jovem o que queria dizer “subversivo”. Coisas que, pelo desuso, neste caso, felizmente perderam o sentido.

Ao folhear o livro de Juventino Linhares _ “O que a memória guardou”, lá estava descrita a fundação de duas sociedades: a “Estrela do Oriente” e a “Sociedade Carnavalesca Guarani”, na última década do século XIX. Diz o autor: “Ambas tiveram início com a característica de Sociedade Carnavalesca e ambas perseveraram durante anos fazendo dos festejos de Momo o eixo central de suas atrações e a razão essencial de suas sobrevivências... O desfile dos dois grupos apresentava vários carros de crítica, causticando fatos e costumes da época. Além dos desfiles de carros pelas ruas, existiam os festejos de salão e o tradicional “entrudo”. Segundo Linhares, “era para a rapaziada o divertimento mais empolgante, violento às vezes, mas de comicidade irresistível, o seu poder contagiante avassalava, envolvendo a todos no mesmo nível e com o mesmo entusiasmo”. A munição eram limões de cera cheios de água que “cortavam os ares” molhando o alvo na região atingida.

Na minha infância, acorriam turistas das cidades vizinhas para ver o desfile dos carros alegóricos pelas ruas centrais da cidade. Muito deles, verdadeiras obras de arte do seu Alfredo Silva, em determinado momento mudavam-se as luzes e abriam-se, revelando supresas que ressoavam num “Ahh!” de admiração. Na rua Hercílio Luz, a loja “A Preferida” vendia lança-perfumes, as de vidros e as “Rodouro”, metálicas e douradas. Serpentinas, confetes, fantasias, máscaras de papelão, tudo para o Carnaval. O “Sangue-do-diabo” foi algo desta época. Era um líquido vermelho que, jogado sobre as pessoas, manchava toda a roupa, mas em poucos segundos o vermelho sumia.

Os blocos e mais tarde as escola de samba ensaiavam muito. Lembro-me que, em 1979, quando mudei para a rua Uruguai, os vizinhos ensaiavam seus batuques e cantorias para os blocos que viravam dia e noite pelas ruas cheios de cerveja e amor pra dar... Um personagem famoso de Itajaí, na base do “eu sozinho”, desfilou durante um dia e uma noite carregando uma galinha. Ela morreu e ele foi atendido no Pronto-Socorro  com um baita problema de circulação sanguínea, pois não mudava nunca a posição do braço. As costureiras e bordadeiras da cidade se esmeravam, cheias de encomendas para as fantasias que iriam abrilhantar os bailes do Guarani, da Vila, da Fazenda, do Ramos, cheias de vidrilhos e lantejoulas.

Depois do Carnaval corria-se às bancas de revistas para ver o Carnaval do Rio nas páginas de “O Cruzeiro”, “Manchete” e “Fatos e Fotos”.

As pessoas que nos pedem para ressuscitar o Carnaval do Guarani naquele único baile de sábado, lembram de como era difícil conseguir uma mesa, um ingresso, para as três noites, principalmente a de segunda-feira. Mudaram-se os tempos e, hoje, as opções de lazer são outras e muitas. No entanto, aquelas pessoas que comparecem ao nosso baile, impregnadas daquele entusiasmo irresistível, com os cabelos cheios de confete, corpos suados e pisando sobre serpentinas, vão logo dizendo: “Ah! Como isso aqui é bom! Que saudades!”.  Venham verificar, gente! No baile do Guarani, embora já não tão grande, aquele estado de espírito e o “glamour” continuam. Eu cá espero que, no futuro, o Carnaval, tal como “subversivo”, não precise ter seu significado explicado. E que não se torne como a Semana Santa, a Semana da Pátria, os Finados, apenas só mais um feriadão...

 

“Na minha infância, acorriam turistas das cidades vizinhas para ver o desfile dos carros alegóricos pelas ruas centrais da cidade. Muito deles, verdadeiras obras de arte do seu Alfredo Silva...”


Comentários:

Deixe um comentário:

Somente usuários cadastrados podem postar comentários.

Para fazer seu cadastro, clique aqui.

Se você já é cadastrado, faça login para comentar.

Leia mais

Histórias que eu conto

Armação da infância I

Histórias que eu conto

Colégio Catarinense I

Histórias que eu conto

Anos cinquenta

Histórias que eu conto

Aviação II

Histórias que eu conto

Aviação I

Histórias que eu conto

Anos cinquenta II

Histórias que eu conto

Histórias da Hercílio Luz

Histórias que eu conto

Tempos de Ginásio III

Histórias que eu conto

Tempos de ginásio II

Histórias que eu conto

Tempos de ginásio

Histórias que eu conto

Escolas: velhas e novas

Histórias que eu conto

A funda

Histórias que eu conto

Anos cinquenta

Histórias que eu conto

Nos anos cinquenta...

Histórias que eu conto

Alguém ainda se lembra?

Histórias que eu conto

Trânsito sensato

Histórias que eu conto

Caçando e pescando

Histórias que eu conto

Anos de música

Histórias que eu conto

É pra facilitar ou pra complicar?

Histórias que eu conto

Coisas da moda...



Blogs

Blog do JC

A mesmice

Blog da Jackie

Catarinense na capa da Vogue

A bordo do esporte

Fórmula E: Alemão vence na Itália e assume a ponta do Mundial dos Carros Elétricos

Blog da Ale Francoise

Lanchinho do bem!

Blog do Ton

Amitti Móveis inaugura loja em Balneário Camboriú

Gente & Notícia

Warung reabre famoso pistão, destruído por incêndio, com Vintage Culture em março

Blog Doutor Multas

Como parcelar o IPVA de forma rápida e segura

Blog Clique Diário

Pirâmides Sagradas - Grão Pará SC I

Bastidores

Grupo Risco circula repertório pelo interior do Estado



Entrevistão

Entrevistão Ana Paula Lima

"O presidente Lula vem quando atracar o primeiro navio no porto”

Carlos Chiodini

"Independentemente de governo, de ideologia política, nós temos que colocar o porto para funcionar”

Osmar Teixeira

"A gestão está paralisada. O cenário de Itajaí é grave. Desde a paralisação do Porto até a folha sulfite que falta na unidade de ensino”

Omar Tomalih

“Balneário Camboriú hoje é o município que está com o maior controle, com o menor número de notificações de casos de dengue”

TV DIARINHO




Especiais

Missão no exterior

Comitiva bolsonarista articula com os EUA punições ao Brasil

NA ESTRADA COM O DIARINHO

6 lugares imperdíveis para comprinhas, comida boa e diversão em Miami

Elcio Kuhnen

"Camboriú vive uma nova realidade"

140 anos

Cinco curiosidades sobre Camboriú

CAMBORIÚ

R$ 300 milhões vão garantir a criação de sistema de esgoto inédito 



Hoje nas bancas


Folheie o jornal aqui ❯








MAILING LIST

Cadastre-se aqui para receber notícias do DIARINHO por e-mail

Jornal Diarinho© 2024 - Todos os direitos reservados.
Mantido por Hoje.App Marketing e Inovação