Colunas


Histórias que eu conto

Por Homero Malburg -

Homero Bruno Malburg é arquiteto e urbanista

Tempos de ginásio


Ginásio Itajaí passou a ser Ginásio Salesiano (foto: redes sociais)


Em 1956, os padres salesianos chegaram a Itajaí. O “Ginásio Itajaí” do professor Cunha passou a ser o “Ginásio Salesiano Itajaí”.  O prédio, de um bege pálido, tinha suas salas de aula localizadas sobre o alinhamento do muro da rua Gil Stein Ferreira. A feira livre acontecia no pátio atrás do Correio velho. Imaginem então a algazarra que ouvíamos durante as aulas, nos dias de feira.

 

Bora virar assinante para ler essa e todas as notícias do portal DIARINHO? Usuários cadastrados têm direito a 10 notícias grátis.


Esqueci minha senha




Se você ainda não é cadastrado, faça seu cadastro agora!


 







 





Os padres chegaram com normas disciplinares rígidas: ao chegarmos, tínhamos que depositar numa caixa, na entrada, a caderneta escolar. Sem a tal caderneta nem se pensava em entrar no colégio. Ela era um misto diário escolar, boletim, livro de orações e normas de boa conduta. Para cada dia no ano letivo, lá tinha que ser carimbada a nossa presença. Isto, sete dias por semana, pois tínhamos aula também aos sábados e domingos, a missa obrigatória.

Este carimbo: “missa”, era imprescindível para entrar em aula na segunda-feira. Se alguém, por algum motivo não tinha assistido a missa no colégio, se obrigava a conseguir a assinatura do celebrante da missa que tinha ido..., na caderneta. Comentei há pouco com um colega da época, por que não inventávamos uma assinatura qualquer, de um padre fictício, ao que ele retrucou: “Nunca! Isto seria pecado-mortal!”.

Nossa presença na escola era total: sábado à tarde as reuniões da “Companhia de São Luiz” e do “Pequeno Clero”.

Domingo, depois da missa, os torneios de futebol no pátio, descalços, defendendo nomes de times famosos: Real Madrid, Flamengo, Palmeiras, Vasco da Gama, etc. Lá se engalfinhavam os hoje respeitáveis senhores, entre os quais Celso Cabral, Élio Siemann, Antônio Phillips, Luiz Antonio Cechinel, Francisco Pfeilsticker Zimmermann, Amílcar Gazaniga, Heitor Rosa, Pedro Ferreira, entre outros tantos craques.

Tudo isto embalado por um alto falante que tocava à exaustão um disco de “Cassino de Sevilha” e, depois de 1958, outro que narrava os jogos da Copa da Suécia com estática e tudo, descrevendo os gols contra a Áustria, País de Gales, Rússia, França e Suécia com um entusiasmo que nos fazia arrepiar.

Entre a narração de um jogo e outro, os hinos que louvavam o “esquadrão de ouro: bom de samaba, bom de couro”... E a pelada corria solta: xingar não podia; brigar, nunca. Dava expulsão do jogo e suspensão das aulas.

Devoções novas nos foram apresentadas pelos salesianos: Nossa Senhora Auxiliadora; São João Bosco (Dom Bosco) e um jovem, São Domingos Sávio, de gravatinha, paletó verde e uma frase: “La morte ma non pecatti”.


Comentários:

Deixe um comentário:

Somente usuários cadastrados podem postar comentários.

Para fazer seu cadastro, clique aqui.

Se você já é cadastrado, faça login para comentar.

Leia mais

Histórias que eu conto

Armação da infância I

Histórias que eu conto

Colégio Catarinense I

Histórias que eu conto

Anos cinquenta

Histórias que eu conto

Aviação II

Histórias que eu conto

Aviação I

Histórias que eu conto

Anos cinquenta II

Histórias que eu conto

Histórias da Hercílio Luz

Histórias que eu conto

Tempos de Ginásio III

Histórias que eu conto

Tempos de ginásio II

Histórias que eu conto

Carnaval? O quê?

Histórias que eu conto

Escolas: velhas e novas

Histórias que eu conto

A funda

Histórias que eu conto

Anos cinquenta

Histórias que eu conto

Nos anos cinquenta...

Histórias que eu conto

Alguém ainda se lembra?

Histórias que eu conto

Trânsito sensato

Histórias que eu conto

Caçando e pescando

Histórias que eu conto

Anos de música

Histórias que eu conto

É pra facilitar ou pra complicar?

Histórias que eu conto

Coisas da moda...



Blogs

Blog do JC

A mesmice

Blog da Jackie

Catarinense na capa da Vogue

A bordo do esporte

Fórmula E: Alemão vence na Itália e assume a ponta do Mundial dos Carros Elétricos

Blog da Ale Francoise

Lanchinho do bem!

Blog do Ton

Amitti Móveis inaugura loja em Balneário Camboriú

Gente & Notícia

Warung reabre famoso pistão, destruído por incêndio, com Vintage Culture em março

Blog Doutor Multas

Como parcelar o IPVA de forma rápida e segura

Blog Clique Diário

Pirâmides Sagradas - Grão Pará SC I

Bastidores

Grupo Risco circula repertório pelo interior do Estado



Entrevistão

Entrevistão Ana Paula Lima

"O presidente Lula vem quando atracar o primeiro navio no porto”

Carlos Chiodini

"Independentemente de governo, de ideologia política, nós temos que colocar o porto para funcionar”

Osmar Teixeira

"A gestão está paralisada. O cenário de Itajaí é grave. Desde a paralisação do Porto até a folha sulfite que falta na unidade de ensino”

Omar Tomalih

“Balneário Camboriú hoje é o município que está com o maior controle, com o menor número de notificações de casos de dengue”

TV DIARINHO




Especiais

NA ESTRADA COM O DIARINHO

6 lugares imperdíveis para comprinhas, comida boa e diversão em Miami

Elcio Kuhnen

"Camboriú vive uma nova realidade"

140 anos

Cinco curiosidades sobre Camboriú

CAMBORIÚ

R$ 300 milhões vão garantir a criação de sistema de esgoto inédito 

Legado de amor

Dona Maricotinha, aos 95 anos, tem a vida pautada pela família, religião e dedicação ao próximo



Hoje nas bancas


Folheie o jornal aqui ❯








MAILING LIST

Cadastre-se aqui para receber notícias do DIARINHO por e-mail

Jornal Diarinho© 2024 - Todos os direitos reservados.
Mantido por Hoje.App Marketing e Inovação