Colunas


Histórias que eu conto

Por Homero Malburg -

Homero Bruno Malburg é arquiteto e urbanista

Escolas: velhas e novas


(blog clube dos entas itajaÍ)

Em 1953, comecei a estudar. Entre seis e sete anos a maioria de nós começava no primeiro ano primário direto. No Colégio São José, nossa sala de aula ficava no prédio mais antigo. Assoalho de tábuas largas, um cheiro forte de óleo que se passava no chão.

O primeiro caderno, o lápis bem apontado, mais tarde a caneta de pau, a pena de molhar no tinteiro. Após muita tinta derramada, muito mata-borrão utilizado, podíamos usar a caneta-tinteiro que vazava e manchava a camisa de fustão branco. Antes de descer para o recreio, todos cantávamos: “Primeiro eu tomo o lanche! Depois eu tomo água! Depois eu vou na casinha e depois eu vou brincar”!, o que determinava a ordem das atividades dali para adiante. O pão trazido na lancheira, a luta para se chegar ao único bebedouro e o esguicho que molhava a cara. E a dita “casinha?”. Era uma construção separada, antiga, com uns três boxes de vasos sanitários, sem tampa, sem papel e absolutamente imundos!

Quando mudei para o Ginásio Itajaí, mais tarde Salesiano, as condições de conforto eram as mesmas. Construção velha, extremamente simples, e os sanitários continuavam imundos e fedidos, lá nos fundos do terreno, junto a um pátio coberto onde se localizavam as mesas de ping-pong.

Em 1961, fui para o Internato para cursar o “científico” no colégio Catarinense, em Florianópolis. Um dos colégios mais caros do estado e as mesmas condições. Tínhamos aula em um prédio do tempo em que meu avô foi interno. Uma construção pequena, térrea, de novo com assoalho impregnado de óleo queimado que absorvia toda espécie de sujeira. No pátio, sob a figueira, a “casinha” com vasos-turcos, tudo sujíssimo e as paredes lambuzadas de c...!

No dormitório do terceiro andar, para cinquenta internos, um só vaso evidentemente sempre sujo, suprema concessão para que não precisássemos descer ao pátio durante a noite.

A arquitetura escolar antiga dava pouca importância ao conforto. Os sanitários em vista da precariedade dos aparelhos – vasos secos e caixa de descarga externa acionada por cordinha – sempre tinham mau-cheiro. Então, quanto mais longe melhor.

Não me lembro de ter visto bibliotecas nos colégios que estudei. No máximo, um punhado de livros em uma prateleira. Os laboratórios do Catarinense, sempre fechados. Os padres raramente promoviam aulas práticas. Muito pouco se pensava nas matérias do vestibular, a etapa seguinte de nossa vida escolar. Parecia que o objetivo era a formatura no secundário e só.

No entanto, ninguém reclamava. A disciplina das escolas nos obrigava a acatar o sistema sempre. Os professores, padres e freiras se esforçavam para nos moldar o caráter de uma maneira que, por tradição, era tida como o jeito certo de educar.

Hoje, arquiteto, faço muitos projetos para as novas escolas municipais. Que diferença! Salas de aula iluminadas e arejadas, equipadas com ventiladores de teto. Instalações sanitárias perfeitas, azulejos impecáveis, papel higiênico, toalhas e sabonete. Bibliotecas chamadas “Centros Tecnológicos” com livros e muitos computadores. Acesso à internet e grandes televisões para cursos em vídeo. Quadras de esportes e um corpo decente especializado. A merenda escolar preparada sob orientação técnica em cozinhas industriais impecáveis. Salas de especialistas para atendimento individual de pais e alunos.

E tem gente que reclama! Pior: tem gente que destrói! Sanitários, equipamentos, material didático! Arrebentam portas, pixam paredes. Quebram os itens de conforto que lhes são fornecidos de graça.

E a moderna pedagogia lhes dá o direito de reclamar, opiniar, participar!

Neste caso, me recuso a mencionar o velho chavão: “Antigamente é que era bom!” Não, não era. Hoje é muito melhor, o ensino está altamente evoluído. A democracia é praticada desde o pré-escolar.

A educação, essa que não é dada pela escola, mas em casa, pela família, é que está em baixa.


Comentários:

MARCELO ANDRIANI OURIQUES

26/02/2024 12:50

Muito boa a crônica. Parabéns!

Deixe um comentário:

Somente usuários cadastrados podem postar comentários.

Para fazer seu cadastro, clique aqui.

Se você já é cadastrado, faça login para comentar.

Leia mais

Histórias que eu conto

Armação da infância I

Histórias que eu conto

Colégio Catarinense I

Histórias que eu conto

Anos cinquenta

Histórias que eu conto

Aviação II

Histórias que eu conto

Aviação I

Histórias que eu conto

Anos cinquenta II

Histórias que eu conto

Histórias da Hercílio Luz

Histórias que eu conto

Tempos de Ginásio III

Histórias que eu conto

Tempos de ginásio II

Histórias que eu conto

Carnaval? O quê?

Histórias que eu conto

Tempos de ginásio

Histórias que eu conto

A funda

Histórias que eu conto

Anos cinquenta

Histórias que eu conto

Nos anos cinquenta...

Histórias que eu conto

Alguém ainda se lembra?

Histórias que eu conto

Trânsito sensato

Histórias que eu conto

Caçando e pescando

Histórias que eu conto

Anos de música

Histórias que eu conto

É pra facilitar ou pra complicar?

Histórias que eu conto

Coisas da moda...



Blogs

Blog do JC

A mesmice

Blog da Jackie

Catarinense na capa da Vogue

A bordo do esporte

Fórmula E: Alemão vence na Itália e assume a ponta do Mundial dos Carros Elétricos

Blog da Ale Francoise

Lanchinho do bem!

Blog do Ton

Amitti Móveis inaugura loja em Balneário Camboriú

Gente & Notícia

Warung reabre famoso pistão, destruído por incêndio, com Vintage Culture em março

Blog Doutor Multas

Como parcelar o IPVA de forma rápida e segura

Blog Clique Diário

Pirâmides Sagradas - Grão Pará SC I

Bastidores

Grupo Risco circula repertório pelo interior do Estado



Entrevistão

Entrevistão Ana Paula Lima

"O presidente Lula vem quando atracar o primeiro navio no porto”

Carlos Chiodini

"Independentemente de governo, de ideologia política, nós temos que colocar o porto para funcionar”

Osmar Teixeira

"A gestão está paralisada. O cenário de Itajaí é grave. Desde a paralisação do Porto até a folha sulfite que falta na unidade de ensino”

Omar Tomalih

“Balneário Camboriú hoje é o município que está com o maior controle, com o menor número de notificações de casos de dengue”

TV DIARINHO




Especiais

Missão no exterior

Comitiva bolsonarista articula com os EUA punições ao Brasil

NA ESTRADA COM O DIARINHO

6 lugares imperdíveis para comprinhas, comida boa e diversão em Miami

Elcio Kuhnen

"Camboriú vive uma nova realidade"

140 anos

Cinco curiosidades sobre Camboriú

CAMBORIÚ

R$ 300 milhões vão garantir a criação de sistema de esgoto inédito 



Hoje nas bancas


Folheie o jornal aqui ❯








MAILING LIST

Cadastre-se aqui para receber notícias do DIARINHO por e-mail

Jornal Diarinho© 2024 - Todos os direitos reservados.
Mantido por Hoje.App Marketing e Inovação