Colunas


Histórias que eu conto

Por Homero Malburg -

Homero Bruno Malburg é arquiteto e urbanista

Anos cinquenta


Nós começamos a estudar no Colégio São José, em 1953. Primeiro ano primário, sem direito a jardim de infância ou “prézinho”. Direto da saia da mãe para a sala de aula. Caderno e lápis em vez da lousa e do giz, como se fazia até pouco tempo antes.

Na metade do ano, recebíamos autorização para escrever à tinta; sujeira pura. As canetas de madeira com penas de aço, molhadas no tinteiro borravam tudo, desde o caderno e a mesa, ao uniforme, não bastava folhas e mais folhas de papel “mata-borrão”. Isto quando não se virava o tinteiro, pois então a desgraça era completa. Depois de certo tempo, nossos pais nos compravam as canetas-tinteiro, que por não serem às vezes de boa qualidade, vazavam e sujavam todo o bolso da camisa.

Em 1954, as irmãzinhas resolveram não mais fazer o segundo ano misto. O Colégio afinal era só para meninas e fomos então para o Victor Meirelles, mas só por poucos dias. Elas, ante os pedidos, voltaram atrás e acabamos cursando o segundo ano também no São José. Nesta época surgiram as primeiras canetas esferográficas, de corpo de madeira pintado de amarelo e tinta de um vermelho carmim. Foram imediatamente proibidas porque “estragavam a letra”...  Só os professores utilizavam nas correções.

Numa manhã de agosto saí de casa de manhã cedo para a aula. No caminho, colegas que voltavam do Colégio avisavam que não havia aula, pois o presidente Getúlio Vargas tinha morrido. Cheguei em casa e dei a notícia. Meus pais correram para o rádio, sintonizaram as estações do Rio para saberem o que tinha acontecido. O Repórter Esso ficou sendo escuta obrigatória, pois os jornais chegavam com um dia de atraso e as revistas com no mínimo uma semana.

No ano seguinte, 1955, não teve jeito: saímos do São José e fomos para o Ginásio Itajaí, do professor Cunha, para o terceiro ano. Lembro-me de que ansiávamos por usar o uniforme cáqui no ginásio, de corte militar. Nada feito: nós, pequenos, fomos dispensados de usá-lo. Dona Hilda e dona Zilda eram nossas professores; uma inovação: duas mestras para nos dar aulas!


Comentários:

Deixe um comentário:

Somente usuários cadastrados podem postar comentários.

Para fazer seu cadastro, clique aqui.

Se você já é cadastrado, faça login para comentar.

Leia mais

Histórias que eu conto

Armação da infância I

Histórias que eu conto

Colégio Catarinense I

Histórias que eu conto

Anos cinquenta

Histórias que eu conto

Aviação II

Histórias que eu conto

Aviação I

Histórias que eu conto

Anos cinquenta II

Histórias que eu conto

Histórias da Hercílio Luz

Histórias que eu conto

Tempos de Ginásio III

Histórias que eu conto

Tempos de ginásio II

Histórias que eu conto

Carnaval? O quê?

Histórias que eu conto

Tempos de ginásio

Histórias que eu conto

Escolas: velhas e novas

Histórias que eu conto

A funda

Histórias que eu conto

Nos anos cinquenta...

Histórias que eu conto

Alguém ainda se lembra?

Histórias que eu conto

Trânsito sensato

Histórias que eu conto

Caçando e pescando

Histórias que eu conto

Anos de música

Histórias que eu conto

É pra facilitar ou pra complicar?

Histórias que eu conto

Coisas da moda...



Blogs

Blog do JC

PL diz que tá fora, mas tá dentro...

Blog da Jackie

Catarinense na capa da Vogue

A bordo do esporte

Fórmula E: Alemão vence na Itália e assume a ponta do Mundial dos Carros Elétricos

Blog da Ale Francoise

Lanchinho do bem!

Blog do Ton

Amitti Móveis inaugura loja em Balneário Camboriú

Gente & Notícia

Warung reabre famoso pistão, destruído por incêndio, com Vintage Culture em março

Blog Doutor Multas

Como parcelar o IPVA de forma rápida e segura

Blog Clique Diário

Pirâmides Sagradas - Grão Pará SC I

Bastidores

Grupo Risco circula repertório pelo interior do Estado



Entrevistão

Entrevistão Ana Paula Lima

"O presidente Lula vem quando atracar o primeiro navio no porto”

Carlos Chiodini

"Independentemente de governo, de ideologia política, nós temos que colocar o porto para funcionar”

Osmar Teixeira

"A gestão está paralisada. O cenário de Itajaí é grave. Desde a paralisação do Porto até a folha sulfite que falta na unidade de ensino”

Omar Tomalih

“Balneário Camboriú hoje é o município que está com o maior controle, com o menor número de notificações de casos de dengue”

TV DIARINHO




Especiais

Missão no exterior

Comitiva bolsonarista articula com os EUA punições ao Brasil

NA ESTRADA COM O DIARINHO

6 lugares imperdíveis para comprinhas, comida boa e diversão em Miami

Elcio Kuhnen

"Camboriú vive uma nova realidade"

140 anos

Cinco curiosidades sobre Camboriú

CAMBORIÚ

R$ 300 milhões vão garantir a criação de sistema de esgoto inédito 



Hoje nas bancas


Folheie o jornal aqui ❯








MAILING LIST

Cadastre-se aqui para receber notícias do DIARINHO por e-mail

Jornal Diarinho© 2024 - Todos os direitos reservados.
Mantido por Hoje.App Marketing e Inovação