Colunas


Histórias que eu conto

Por Homero Malburg -

Homero Bruno Malburg é arquiteto e urbanista

Nos anos cinquenta...


Aviões da Varig eram vistos em Itajaí (foto: divulgação)

Não se falava em terrorismo. Terror era assistir no cinema “O Mostro da Lagoa Negra”e “A Mosca da Cabeça Branca”. A guerra-fria não matava. A bossa nova dava seus primeiros passos. Brigitte Bardot estava começando. Só se escutava a rádio Difusora quando a rádio Clube chegou, inovando. Os radinhos de pilha depois dos Spica eram os Hitachi e os Sharp, mais potentes. “Coca-cola” grande lhe dá muito mais – depois de um copo encher, fica outro pra beber! “O Brasil era campeão na Suécia. Dona Leda era professora de Educação Física. Quem podia, tinha um LP do Ray Conniff e outro do Miltinho. Melhor era ter também “Os metais em brasa”. Festa americana era tocada à radiola, Cuba e Hi-fi. A Crush havia chegado aqui. “Melhoral, Melhoral é melhor e não faz mal”. Carrão mesmo era o Chevrolet amarelo do “seu” João Macedo. Táxi era carro de praça – o Ford do “seu” Braga. Telefone daqui tinha número de três dígitos. Quem não usasse Ban-Lon não era gente. Pena que poucos usavam desodorantes Van-Ess. “Abra uma conta no INCO e pague com cheque!”.  Ir ao centro era “ir lá embaixo”.  O “point” era o bar Caiçaras do Tião e do Hélio, nos altos dos Malburg Palace Hotel. Cafezinho no Democrático era servido por garçon, nas mesas.

Ir a Blumenau e a Brusque era viajar. Com o “seu” Lima ou com o Rápido Cometa? Havia o morro do Encano – ir a Florianópolis podia virar aventura. Lia-se o Cruzeiro, Manchete e Fatos & Fotos. Ouvia-se o Repórter Esso. A barquinha da passagem para Navegantes levava só pessoas e bicicletas. Comentava-se sobre o tamanho da fila na balsa da Barra do Rio. O padre Vendelino mandava sair da missa as mulheres com vestido sem manga. As missas eram em latim: “Dominus Vobiscum!”. Íamos ao aeroporto na rua Blumenau para ver os aviões da Varig, Cruzeiro, Real, TAC e Sadia. Na política, tudo bem, tudo certinho com o Jânio, Irineu e Dadinho! Vespa ou Lambretta? “Phimatosan, igual não tem, é o amigo que lhe convém”.

Pegava-se tosse-comprida. Olha a ambulância do SAMDU! Na falta da estrada, andava-se de carro pela areia da praia de Camboriú. Cabelo se cortava no “seu” Marçal ou no Ângelo Ardigó. Na Pedro Ferreira, “a Dama-Escora o soutien da senhora”. Compravam-se livros na papelaria Rangel, com a dona Maria. Na Casa Vitória era “lá onde o diabo perdeu as botas...” Presidente bom era o JK que estava construindo Brasília. As mocinhas do São José usavam saia plissada, gravatinha e meias três-quartos. Alpargatas-roda ou sete vidas? Gay ou bicha era viado mesmo. Cerveja boa era a do casco escuro. Sapatos com grife só na casa Balinho. Não se falava em grife. Pegar onda era fazer jacaré sem prancha. Chic era fumar Minister. No Carnaval havia desfile de carros alegóricos e lança-perfume. Itajaí tinha dois acessos. Rua Sete e rua Blumenau. E os tratores Ford, carregando madeira, atrapalhavam o trânsito. Começavam a surgir os Volks e os DKW. As pessoas se visitavam e conversavam, pois não havia TV. Nossos avós existiam e nossos pais eram moços...


Comentários:

Deixe um comentário:

Somente usuários cadastrados podem postar comentários.

Para fazer seu cadastro, clique aqui.

Se você já é cadastrado, faça login para comentar.

Leia mais

Histórias que eu conto

Armação da infância I

Histórias que eu conto

Colégio Catarinense I

Histórias que eu conto

Anos cinquenta

Histórias que eu conto

Aviação II

Histórias que eu conto

Aviação I

Histórias que eu conto

Anos cinquenta II

Histórias que eu conto

Histórias da Hercílio Luz

Histórias que eu conto

Tempos de Ginásio III

Histórias que eu conto

Tempos de ginásio II

Histórias que eu conto

Carnaval? O quê?

Histórias que eu conto

Tempos de ginásio

Histórias que eu conto

Escolas: velhas e novas

Histórias que eu conto

A funda

Histórias que eu conto

Anos cinquenta

Histórias que eu conto

Alguém ainda se lembra?

Histórias que eu conto

Trânsito sensato

Histórias que eu conto

Caçando e pescando

Histórias que eu conto

Anos de música

Histórias que eu conto

É pra facilitar ou pra complicar?

Histórias que eu conto

Coisas da moda...



Blogs

Blog do JC

A mesmice

Blog da Jackie

Catarinense na capa da Vogue

A bordo do esporte

Fórmula E: Alemão vence na Itália e assume a ponta do Mundial dos Carros Elétricos

Blog da Ale Francoise

Lanchinho do bem!

Blog do Ton

Amitti Móveis inaugura loja em Balneário Camboriú

Gente & Notícia

Warung reabre famoso pistão, destruído por incêndio, com Vintage Culture em março

Blog Doutor Multas

Como parcelar o IPVA de forma rápida e segura

Blog Clique Diário

Pirâmides Sagradas - Grão Pará SC I

Bastidores

Grupo Risco circula repertório pelo interior do Estado



Entrevistão

Entrevistão Ana Paula Lima

"O presidente Lula vem quando atracar o primeiro navio no porto”

Carlos Chiodini

"Independentemente de governo, de ideologia política, nós temos que colocar o porto para funcionar”

Osmar Teixeira

"A gestão está paralisada. O cenário de Itajaí é grave. Desde a paralisação do Porto até a folha sulfite que falta na unidade de ensino”

Omar Tomalih

“Balneário Camboriú hoje é o município que está com o maior controle, com o menor número de notificações de casos de dengue”

TV DIARINHO




Especiais

NA ESTRADA COM O DIARINHO

6 lugares imperdíveis para comprinhas, comida boa e diversão em Miami

Elcio Kuhnen

"Camboriú vive uma nova realidade"

140 anos

Cinco curiosidades sobre Camboriú

CAMBORIÚ

R$ 300 milhões vão garantir a criação de sistema de esgoto inédito 

Legado de amor

Dona Maricotinha, aos 95 anos, tem a vida pautada pela família, religião e dedicação ao próximo



Hoje nas bancas


Folheie o jornal aqui ❯








MAILING LIST

Cadastre-se aqui para receber notícias do DIARINHO por e-mail

Jornal Diarinho© 2024 - Todos os direitos reservados.
Mantido por Hoje.App Marketing e Inovação