Colunas


Histórias que eu conto

Por Homero Malburg -

Homero Bruno Malburg é arquiteto e urbanista

Trânsito sensato


(foto: divulgação)

Em 1997, ao assumir Jandir Bellini, o trânsito em Itajaí era atrapalhado por mais de cem lombadas, na época preconizadas como a grande solução. A cada semana, recebíamos da Câmara de Vereadores mais de dez solicitações...

Então, em 1998, fomos Macagnan, Ênio Casemiro e eu a Cuiabá para sermos apresentados a um sistema de trânsito que lá tinha sido implantado. Embora o grande enfoque deste sistema fosse a instalação de pardais, lombadas eletrônicas, etc e tal, uma verdadeira teia de aranha à cata de infratores e de muitas multas, tal solução, pelo alto custo de instalação, não foi implantada.

Dentro de toda aquela parafernália tecnológica que nos foi apresentada, uma coisa chamava atenção: o sistema de monitoramento dos semáforos. Certos cruzamentos de grande movimento eram monitorados por computador, através de uma central. O fluxo de veículos era pesquisado para que, nas horas de pico, o sentido de maior trânsito tivesse o tempo de luz verde dilatado. O sentido de pouco ou nenhum movimento era monitorado para que o tempo de passagem fosse mais curto. Além disso, os diversos semáforos eram sincronizados para que o tal fluxo sempre fosse contínuo.

Nada mais que bom-senso. Para um trânsito ser bom, tem que fluir. Para fluir nada de parada de cem em cem metros para aguardar a abertura de sinal. Aliás, trânsito e urbanismo nada mais são do que a aplicação de muito bom senso, soluções práticas  e quase sempre baratas. Jaime Lerner, grande nome do urbanismo brasileiro já dizia que um viaduto é a maneira mais cara de se transferir um engarrafamento de um lugar para outro...

Meses atrás fui a Blumenau com compromisso de hora marcada.  Cheguei no início da rua Itajaí uns quinze minutos antes.  Embora duvidasse que chegaria a tempo, o sincronismo dos semáforos deu-me três minutos de sobra. E pensar que do meu escritório na rua Uruguai até a secretaria de Educação na Barra do Rio, já levei 35 minutos!

Circular em Itajaí nos sábados de manhã é trágico! Além de todo o mundo procurando chegar ao centro, os tradicionais mercadores de filas de sinaleiros, pedindo ajuda, distribuindo folhetos , querendo nos convencer a colaborar com associações de portadores de AIDS a “mau olhado”, levam todo o mundo ao desespero. A indisciplina dos motoqueiros e das bicicletas que se acumulam em frente ao primeiro carro, retardam a partida após aberto o semáforo. As motos simplesmente “costuram” através dos carros tirando “finos” à busca de um espaço para avançar.

Lombadas, pelo amor de Deus, não! Meu falecido pai já dizia, com toda a sua sabedoria, que a qualidade de uma cidade poderia ser medida à razão inversa do número de lombadas em suas ruas. Em tempo: da entrada de Porto Belo à minha casa em Canto Grande, contei vinte e seis...

Trânsito bom é aquele que pouco precisa de guarda. Escoa tão bem que o policial está ali mais para orientar do que para punir. Aliás,  o único que deveria ser punido é aquele que deseja atrapalhar. Punição pois, às sinaleiras que sempre estão fechadas e que nos fazem parar a cada cem metros!


Comentários:

Deixe um comentário:

Somente usuários cadastrados podem postar comentários.

Para fazer seu cadastro, clique aqui.

Se você já é cadastrado, faça login para comentar.

Leia mais

Histórias que eu conto

Armação da infância I

Histórias que eu conto

Colégio Catarinense I

Histórias que eu conto

Anos cinquenta

Histórias que eu conto

Aviação II

Histórias que eu conto

Aviação I

Histórias que eu conto

Anos cinquenta II

Histórias que eu conto

Histórias da Hercílio Luz

Histórias que eu conto

Tempos de Ginásio III

Histórias que eu conto

Tempos de ginásio II

Histórias que eu conto

Carnaval? O quê?

Histórias que eu conto

Tempos de ginásio

Histórias que eu conto

Escolas: velhas e novas

Histórias que eu conto

A funda

Histórias que eu conto

Anos cinquenta

Histórias que eu conto

Nos anos cinquenta...

Histórias que eu conto

Alguém ainda se lembra?

Histórias que eu conto

Caçando e pescando

Histórias que eu conto

Anos de música

Histórias que eu conto

É pra facilitar ou pra complicar?

Histórias que eu conto

Coisas da moda...



Blogs

Blog do JC

A mesmice

Blog da Jackie

Catarinense na capa da Vogue

A bordo do esporte

Fórmula E: Alemão vence na Itália e assume a ponta do Mundial dos Carros Elétricos

Blog da Ale Francoise

Lanchinho do bem!

Blog do Ton

Amitti Móveis inaugura loja em Balneário Camboriú

Gente & Notícia

Warung reabre famoso pistão, destruído por incêndio, com Vintage Culture em março

Blog Doutor Multas

Como parcelar o IPVA de forma rápida e segura

Blog Clique Diário

Pirâmides Sagradas - Grão Pará SC I

Bastidores

Grupo Risco circula repertório pelo interior do Estado



Entrevistão

Entrevistão Ana Paula Lima

"O presidente Lula vem quando atracar o primeiro navio no porto”

Carlos Chiodini

"Independentemente de governo, de ideologia política, nós temos que colocar o porto para funcionar”

Osmar Teixeira

"A gestão está paralisada. O cenário de Itajaí é grave. Desde a paralisação do Porto até a folha sulfite que falta na unidade de ensino”

Omar Tomalih

“Balneário Camboriú hoje é o município que está com o maior controle, com o menor número de notificações de casos de dengue”

TV DIARINHO




Especiais

Missão no exterior

Comitiva bolsonarista articula com os EUA punições ao Brasil

NA ESTRADA COM O DIARINHO

6 lugares imperdíveis para comprinhas, comida boa e diversão em Miami

Elcio Kuhnen

"Camboriú vive uma nova realidade"

140 anos

Cinco curiosidades sobre Camboriú

CAMBORIÚ

R$ 300 milhões vão garantir a criação de sistema de esgoto inédito 



Hoje nas bancas


Folheie o jornal aqui ❯








MAILING LIST

Cadastre-se aqui para receber notícias do DIARINHO por e-mail

Jornal Diarinho© 2024 - Todos os direitos reservados.
Mantido por Hoje.App Marketing e Inovação