Colunas


Crônicas da vida urbana

Por Crônicas da vida urbana -

Comida Açoriana


Não sei até que ponto se pode confiar na memória gustativa, principalmente em se tratando de sensações antigas de várias décadas. Mas deve haver no nosso cérebro um “canto das lembranças” onde esses sabores ficam armazenados – e basta um leve toque para revelar “o edifício imenso da memória”, segundo Proust e sua madeleine.
Os sabores a que me refiro nessa postagem têm, por baixo, mais de 70 anos de idade – mas me chegam com muita clareza, embora um pouco, evidente, neblinosos. Os familiares poderão, talvez, precisar um pouco melhor – mas não há razão para incomodar Tico & Teco neste momento. 
Estou certo de que são memórias do tempo em que minha avó tinha uma pensão na Rua José Loureiro – e, como piá muito novo, menos de cinco anos, evidente que os registros caíam num HD vazio, limpo, sem vírus... Não me ficaram apenas os sabores aos quais me refiro no presente texto, mas nesse momento, são os que penso registrar.
As receitas – ou melhor, os preparos tradicionais – sempre me interessaram, mesmo antes do interesse acadêmico pela História da Alimentação. Cardápios são documentos preciosos, alguém poderia fazer com eles o que Norbert Elias fez com os manuais de boas maneiras: como contribuem para construir o que entendemos por civilização? Claro que falo de civilização no sentido desse autor, cultura, não baboseira internética.
Então, pedir um prato em restaurante implica numa olhada preliminar – o garçom que se impaciente, se quiser – no total do conteúdo. Mesmo em locais onde os pratos estão gurmetizados, me chama atenção quando encontro algumas alternativas que evocam o desconhecido – sempre aquele gostinho de viver perigosamente... – ou, pelo contrário, alguma lembrança positiva. Nada contra comida gurmetizada, evidente, mas certos preparos muito simples resultam em prazeres muito intensos.
O cenário é uma antiga vila de pescadores do litoral de Santa Catarina – já se vê, condenada pelo imobiliarismo descontrolado e globalizante, rolo compressor de qualquer cultura regional. A comida aí sempre foi simples e saborosa, imagino que muito comum no litoral brasileiro: arroz (com colorau...), feijão, peixe frito e farinha de mandioca ou pirão. Muito comum, molho de camarão que, por motivos de alergia, nunca experimentei. Mas esse básico, repetido diariamente ao longo de anos, adquire um saber e um sabor nos detalhes capaz de compensar a invariabilidade.
Foi o que me surpreendeu de cara: onde já se viu restaurante servindo PF com carne-de-panela, picadinho e bife-à-rolê?! Experimentei e não consegui partir para as demais opções entre as quais, os abomináveis hambúrgueres do agrado da juventude facebuquista. Que, se não forem submersos em temperos fortes – e geralmente também ruins – terão gosto de rolha.
Mas o assombroso nos pratos mencionados era sua fidelidade aos preparos, e evidente que também aos sabores, dos que minha avó servia em sua pensão. Os truques culinários devem ser os mesmos!!! Dá prá imaginar alguém dotado do meu padrão de teimosia, e que tenha experimentado um preparo muitas vezes, até chegar perto do arquivado. Fiz isso com outro acepipe, a posta branca...
Como assim?! Desde quando língua e papilas gustativas têm uma memória tão precisa?! Não sei – num pensamento mais aprofundado de aluno de História das Ideias, já não da Alimentação, aquela senhora da pensão da rua José Loureiro tinha no DNA algumas informações gastronômicas que sobreviveram na cozinheira do tal lugar. Ambas as senhoras, vinculadas à tradição açoriana. 
Talvez a explicação seja mais simples e mais desengraçada do que isso – mas os pratos mencionados são, para mim, viagem no tempo, sabor de infância, cheiro de terra molhada pela chuva...
Como não faço propaganda nesse blog, a quem tiver interesse, podemos indicar como programar o GPS.

 

Bora virar assinante para ler essa e todas as notícias do portal DIARINHO? Usuários cadastrados têm direito a 10 notícias grátis.


Esqueci minha senha




Se você ainda não é cadastrado, faça seu cadastro agora!


 







 






Comentários:

Deixe um comentário:

Somente usuários cadastrados podem postar comentários.

Para fazer seu cadastro, clique aqui.

Se você já é cadastrado, faça login para comentar.

Leia mais

Crônicas da vida urbana

Crônica com carro, cães, moça elegante e caminhão

Crônicas da vida urbana

Vista da minha jaula

Crônicas da vida urbana

Boas entradas de ano novo!

Crônicas da vida urbana

Forno a lenha!

Crônicas da vida urbana

A casinha na árvore

Crônicas da vida urbana

Cadê seu Alfredo, o meteorologista?

Crônicas da vida urbana

Brecht e o brasil

Crônicas da vida urbana

Ainda dá pra rir?

Crônicas da vida urbana

Padaria

Crônicas da vida urbana

Lá vem o bom velhinho

Crônicas da vida urbana

Lujinha

Crônicas da vida urbana

As coisas só existem enquanto estamos olhando

Crônicas da vida urbana

Ói nóis na paisage...

Crônicas da vida urbana

O tempo voa...

Crônicas da vida urbana

Nostalgia ferroviária

Crônicas da vida urbana

Pandemia e fotografia

Crônicas da vida urbana

Que cidades deixaremos?

Crônicas da vida urbana

Mais peste

Crônicas da vida urbana

O planeta caçamba

Crônicas da vida urbana

Passa passa passa



Blogs

A bordo do esporte

Thiago Pereira e Swim Floripa levam Troféu José Finkel para Floripa

Blog da Jackie

Verão, calor, quentura e mormaço

Gente & Notícia

Warung reabre famoso pistão, destruído por incêndio, com Vintage Culture em março

Blog do JC

Mulheres MDBistas

Blog da Ale Francoise

Intestino preso, use todos os dias

Blog do Ton

Medicina Estética

Blog Doutor Multas

Como parcelar o IPVA de forma rápida e segura

Blog Clique Diário

Pirâmides Sagradas - Grão Pará SC I

Bastidores

Grupo Risco circula repertório pelo interior do Estado



Entrevistão

Entrevistão Adão Paulo Ferreira

"Porto sozinho não serve para nada. Ele precisa ter navios, linhas"

Irmã Simone

"Aqui nós atendemos 93% SUS”

Eduardo Rodrigues Lima

"A Marinha já fez 27 mil abordagens a embarcações no Brasil inteiro”

Edison d’Ávila

"O DIARINHO serve como uma chamada à consciência da cidade”

TV DIARINHO

O crime de injúria racial aconteceu em sessão do filme de Bob Marley no cinema do shopping na noite ...




Especiais

Caso Ilha de Marajó

Vereadora de Navegantes está entre os políticos que impulsionaram fake news sobre exploração sexual infantil

TURISMO

Japaratinga: vale a pena se hospedar no melhor resort do Brasil?

VIAGEM NO TEMPO

Museu do Carro traz nostalgia e diversão sobre o universo automotivo

NOVOS TEMPOS

SC é pioneira na promoção da mobilidade elétrica

PLANEJAMENTO URBANO

Camboriú vai investir mais de R$ 60 milhões em mobilidade



Hoje nas bancas


Folheie o jornal aqui ❯








MAILING LIST

Cadastre-se aqui para receber notícias do DIARINHO por e-mail

Jornal Diarinho© 2024 - Todos os direitos reservados.
Mantido por Hoje.App Marketing e Inovação