Colunas


Histórias que eu conto

Por Homero Malburg -

Homero Bruno Malburg é arquiteto e urbanista

Anos de música


(acervo histórico São José)

Houve um tempo que a maioria dos pais decidiu que os filhos deviam tocar algum instrumento musical. Eles elegiam um dos instrumentos da moda e o filho tivesse ou não algum pendor musical, lá ia ele para as aulas.

Os ditos instrumentos de moda eram o acordeon e o piano. Violão era tido como instrumento de menor importância, até que João Gilberto o tirou do limbo com a famosa “batida” da bossa-nova nos fins dos anos cinquenta.

O acordeon, que tinha a grande vantagem sobre o piano por ser portátil, era ensinado na cidade pelo professor Alcides. Classificados os instrumentos pelo número de “baixos” que eram aqueles botõezinhos tocados com a mão esquerda, iam dos menores de quarenta e oito, aos maiores de cento e vinte baixos. Importados da Itália, os Scandalli, Stradella, Verona. Alemão era o Hohner e nacionais os Universal, Todeschini e mais tarde, os Hering.

O grande método de ensino do acordeon era de Mario Mascarenhas, artista acordeonista com discos gravados, assim como Pedro Raimundo e Mário Zen. Da Itália vinham os LPs de Jo Basilie, acordeon e orquestra.

Comecei a estudar piano na dona Eloá Barbosa. Lembro-me dela nos mandando lavar mãos, pois saídos direto do quintal para a aula deixávamos nas teclas aquela “laminha” de sujeira misturada com suor. Daí passei a estudar com a irmã Maria da Cruz no Colégio São José e, mais tarde, com a dona Elisabeth Meinecke. Houve uma professora que deu aulas para muitos de nós em Itajaí, que deixou muitas lembranças. Era dona Helena Salinger, uma senhora bem alemã que vinha de Blumenau. Magrinha e empertigada descia do ônibus e iniciava a romaria pelas casas. Lembro-me dela, idade avançada, reclamando que não havíamos estudado bastante e tocando com vigor, elegantemente ereta no banquinho. Depois da hora completa, tomava um lanche e ia para o aluno seguinte. Murilo Krobel hoje confessa que adiantava o relógio para a hora passar mais depressa sempre que a dona Helena se distraía. Apesar disso, é o único daquela turma que continua a tocar, e muito bem!

Depois que os pais achavam que levávamos jeito para a coisa, comprava-se o piano: Schwartzmann, Essenfelder, Fritz Dobbert ou algum antigo, importado, com aqueles candelabros de metal aparafusados na frente.

Tanto no acordeon como no piano não se costumava ensinar música popular no ensino “sério”. Havia livros chatíssimos de exercícios e escalas que todos deviam estudar exaustivamente: o Czerny, o Cesi e mais ameno, o Schmoll.

Aos que não passavam por esta etapa da vida, restavam as fanfarras dos colégios e para os menores, as gaitinhas de boca e cornetinhas de plástico que sempre se ganhavam no Natal.


Comentários:

Deixe um comentário:

Somente usuários cadastrados podem postar comentários.

Para fazer seu cadastro, clique aqui.

Se você já é cadastrado, faça login para comentar.

Leia mais

Histórias que eu conto

Anos cinquenta II

Histórias que eu conto

Histórias da Hercílio Luz

Histórias que eu conto

Tempos de Ginásio III

Histórias que eu conto

Tempos de ginásio II

Histórias que eu conto

Carnaval? O quê?

Histórias que eu conto

Tempos de ginásio

Histórias que eu conto

Escolas: velhas e novas

Histórias que eu conto

A funda

Histórias que eu conto

Anos cinquenta

Histórias que eu conto

Nos anos cinquenta...

Histórias que eu conto

Alguém ainda se lembra?

Histórias que eu conto

Trânsito sensato

Histórias que eu conto

Caçando e pescando

Histórias que eu conto

É pra facilitar ou pra complicar?

Histórias que eu conto

Coisas da moda...

Histórias que eu conto

Camboriú, de novo

Histórias que eu conto

Camboriú, ainda

Histórias que eu conto

Praia de Camboriú

Histórias que eu conto

Cabeçudas

Histórias que eu conto

Tempos de rádio



Blogs

A bordo do esporte

Inaê Sailing Team segue entre os primeiros da Copa Mitsubishi

Blog do JC

Não sabe de nada...

Blog da Jackie

Verão, calor, quentura e mormaço

Gente & Notícia

Warung reabre famoso pistão, destruído por incêndio, com Vintage Culture em março

Blog da Ale Francoise

Intestino preso, use todos os dias

Blog do Ton

Medicina Estética

Blog Doutor Multas

Como parcelar o IPVA de forma rápida e segura

Blog Clique Diário

Pirâmides Sagradas - Grão Pará SC I

Bastidores

Grupo Risco circula repertório pelo interior do Estado



Entrevistão

Entrevistão Adão Paulo Ferreira

"Porto sozinho não serve para nada. Ele precisa ter navios, linhas"

Irmã Simone

"Aqui nós atendemos 93% SUS”

Eduardo Rodrigues Lima

"A Marinha já fez 27 mil abordagens a embarcações no Brasil inteiro”

Edison d’Ávila

"O DIARINHO serve como uma chamada à consciência da cidade”

TV DIARINHO




Especiais

MEIO AMBIENTE

Ibama proíbe pulverização aérea de agrotóxico letal a abelhas, o tiametoxam

Caso Ilha de Marajó

Vereadora de Navegantes está entre os políticos que impulsionaram fake news sobre exploração sexual infantil

TURISMO

Japaratinga: vale a pena se hospedar no melhor resort do Brasil?

VIAGEM NO TEMPO

Museu do Carro traz nostalgia e diversão sobre o universo automotivo

NOVOS TEMPOS

SC é pioneira na promoção da mobilidade elétrica



Hoje nas bancas


Folheie o jornal aqui ❯








MAILING LIST

Cadastre-se aqui para receber notícias do DIARINHO por e-mail

Jornal Diarinho© 2024 - Todos os direitos reservados.
Mantido por Hoje.App Marketing e Inovação